segunda-feira, 18 de novembro de 2019

Aquele do "perdi o restinho de fé que eu tinha..."

Segundo alguns dicionários e um significado bastante explorado pelas pessoas, a fé é o ato de acreditar sem necessariamente ver alguma coisa. Ou seja, algumas pessoas acreditam em deus mesmo sem tê-lo visto. Algumas, como eu, acreditam num bule voador que está sempre no jardim de casa, e é ele que faz a vida das pessoas serem boas ou ruins, depende de como tratamos esse bule. Mas, exposições à parte, hoje eu acebei de perder o mínimo que me restava de fé na medicina ocidental, moderna e cheia de recursos a qual temos acesso.

Sim, não citarei nomes das partes envolvidas, e como jornalista que sou (DTR 5321) me é dado o direito de proteger minhas fontes e de contar a história em forma de relato. Vamos lá, essa pessoa que chamarei de Morgana, está com um sobre peso. Nada importante, mas está se sentindo mal e quem sabe, uns quilos a menos poderia ser interessante. Como a Morg, jeito carinhoso que a chamarei, se preocupa com sua saúde presente e também futura, ela foi buscar ajuda de profissionais. O plano de saúde dela, que chamarei aqui de MSL - médicos super legais - oferece um programa de controle sustentável e saudável de peso. Como bom amigo que sou, fui acompanhar Morg até para ver qualéqueé, cupinxa...

Enfim, no primeiro dia, conversamos com uma médica do esporte, que criou um clima de medo e também, desvalorizou qualquer esforço da Morg, até porque, enfim, as vezes não fazemos algo não por não querer mas por não ter condições. Enfim, primeira consulta, pensei eu que tudo seria melhor. Afinal, a medicina moderna está pautada em vários estudos e não a toa, temos linhas que utilizam menos remédios e mais alimentos naturais. Era meu desejo.

Mas não foi assim:

Nutricionista: praticou a antiga escola, na qual, manda-se comer de 3 em 3 horas, com bastante pão integral (veneno que mata mais lentamente), açúcares de frutas e sem sequer olhar o teste de glicose no sangue, seguiu ponderando que um suco detox e açúcares durante o dia vão salvar a vida da Morg. - é triste ver isso e  não poder fazer absolutamente nada!

Endocrinologista: E aqui, a minha pouquíssima fé, foi embora. Ela além de não propor uma dieta cetogênica ou até mesmo uma dieta carnívora, a qual faria muito bem a Morg, em determinado momento, ainda questionou Morg se ela queria usar um remédio que, apesar de caro, foi desenvolvido para diabetes mas que faz emagrecer. E Morg, culpa dela, entre mudar de hábitos e viver saudável, deu preferência a um remédio, que a fará emagrecer sem muita mudança, sem muito esforço ou seja, de forma prática e fácil, como muitos brasileiros gostam.

Gente, hoje o texto é mais um desabafo mas preciso. Eu, mudei meus hábitos alimentares e em 6 meses, baixei meu peso de 94 para 74 kg, de forma sustentável. Tanto é que que me mantenho nesse peso mas com muitos ganhos para minha saúde. Enfim, que um dia possamos ser saudáveis sem remédios caros, sem laboratórios que manipulam venenos que nos farão usar outros venenos e por assim adiante.

Triste, triste, triste!

#fui

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

Aquele do "não é bem isso que vocês estão pensando..."

Nobres leitores, leitoras, pessoas de bem e de consumo variável. Não tenho outra inspiração hoje senão escrever um pouco sobre o que eu chamo de a mais nova velha política nacional. Que o braziuuuuuuuuuu não é para amadores, isso eu já sei, você já sabe enfim, todos nós sabemos ou deveríamos saber. Sim, não é para amadores e não é para todos. Aí, numa decisão apertada - 6x5, os ministros de um lugar aí que vou tentar não citar para não dar merda para meu lado, decidiram que os bandidos - pessoas como eu ou você mas que por algum motivo tiveram problemas com o cumprimento de leis, só podem ser presos quando definitivamente tiverem seus caso julgados, o transito em julgado.

Para que isso aconteça, nesse país, é uma média de uns 20 a 30 anos. Ou seja, se tu fizer bosta, você precisa só de grana para bancar os advogados pois assim eles vão deixar você livre, mesmo que você seja culpado. #né?

Mas isso, na verdade não bem o que você está pensando não. Tem mais coisa nesse angu que não é apenas os ingrediente e mais alguns caroços. Não, tem mais coisa nessa merda toda. E começa a ganhar corpo uma informação que o filho de um tal messias está envolvido numa certa amizade com um certo ministro. Ou seja, tem coisa no ar. Não podemos mais deixar passar em branco sem compreender de que forma a coisa vai acontecer. Sabe, por amizade um muda uma regra que já estava estabelecida e que beneficiaria um outro que nada tinha a ver com o papo.

Um é libertado, outros tantos milhares também serão e ainda, o personagem principal não será nem punido. Não somos um país para amadores não, somos um lugar para poucos. A começar pelo presidente que, era limpo, mas parece não ser tão limpo assim. E seus lindos filhos, os mais sujos???

O que se desenha é o seguinte: mudaram uma regra não para soltar um bandido, mas sim para não prender outro bandido. É o famoso sujo falando e reclamando do mal lavado...

Porém, o que mais me chama atenção é que, os pombos enxadristas estão arrotando vitória e na verdade, são apenas um fantoche do sistema, e não demorará esses senhores (as) estarão de volta logo, logo para a jaula!!!

Deixaremos estar!!!

#abraçodoLG

terça-feira, 5 de novembro de 2019

Aquele do "porque não fazer diferente..."

No Brasil já presenciamos quase tudo no que diz respeito a política, quase tudo, eu sei. Tem muita coisa boa e ruim que ainda não tivemos acesso e algumas, talvez até seja melhor nunca termos esse tipo de contato, como o que aconteceu na Alemanha com Hitler ou então em outros tantos lugares. Mas, tem muita coisa que ainda pode um dia acontecer. Esses dias eu estava cagando, sim, lugar onde algumas ideais aflora e política não poderia deixar de ser, e aí me veio na cabeça uma ideia. Mas antes, vamos de pergunta:

O que falta para o Brasil engrenar?

Temos uma grana pra educação, saúde, segurança e ainda um monte de estatal inchada e que pouco produz. Temos, se contarmos o número de vagas per captas, um universo de instituições públicas de ensino superior, supostamente democratizada pelo ENEM, que permitiu qualquer pessoa que queira estudar em qualquer universidade do país, sem antes mesmo ter que sair de casa.

Temos petróleo que chega, para todo o território durante centenas de anos - nesse caso só precisamos de uma refinaria para refinar o petróleo grosso (preço de merda) e transformá-lo em petróleo mais fino (preço de ouro), processo que hoje negociamos com outros países.

Temos uma saúde que, apesar dos problemas, é democrática, universal e incondicional. Mesmo que você seja um mega empresário, cheio do dinheiro e mesmo que você, supostamente, fosse a um posto de saúde básica - UPA - com seu Porshe ou Mercedes, ainda assim, você receberia tratamento. O país (nosso imposto) banca tratamentos de cânceres excelentes de forma gratuita. Na rede particular, isso custaria uma pequena fortuna.

O que falta?

Sério, eu não consigo entender.

Mas, começo a observar alguns detalhes que muito me chamam atenção e um deles é você que lê esse texto. Você, eu, seu vizinho, seu parente... O que estamos fazendo além de ir votar para que alguma coisa realmente e efetivamente mude nesse país? Essa é uma pergunta séria, de verdade. O que nós enfim fazemos?

Veja bem:

Não é exceção à regra quando alguém aceita subornar alguém em troca de uma punição mais dura. Não é. Outra, quando um filho vai mal na escola, como cobramos isso dele? Se sentamos e conversamos, mostrando os prós e os contras de estudar, agimos corretamente, mas ao prometermos algo em troca do que ele ainda não quer fazer, somos corruptos, assim como os que mandam na gente.

Quando aquele seu amigo pega uma tv a cabo pirata e você se anima e vai na onda, nem preciso falar, né. A mesma coisa aquela amiga que usa a carteirinha do plano de saúde da outra, ou seja, nós projetamos em nossos líderes justamente o que fazemos e dizemos ser contra. Será que somos enfim contra? Me questiono muito...

Não obstante, caímos na tentação brasileira de criar mitos. Ayrton Senna, Neymar, Lula, Bolsonaro... são exemplos de mitos que nós mesmos criamos, na esperança que eles venham de algum lugar mágico, com ideias mágicas e que de forma abrupta, mudem tudo que está errado, aniquilem a corrupção e que tudo, da noite para o dia vire um lugar florido de paz e igualdade, seja social, seja emocional, seja o que for.

Quando é que, surgirá alguém, carne e osso, não mito, que proponha sentar e escolher entre direita e esquerda, aliando o centro, tudo que há de proposta boa e melhor, e assim, propor uma real nova política para esse país? Sem extremismos, sem ideologias arcaicas, sem desejos e vontades de apenas alguns grupos, pensando o país como um todo?

É impossível imaginar que isso não possa dar certo, basta que tenhamos vontade. Somos mais de 200 milhões, mas no fundo, todos nós queremos coisas em comum.. Queremos uma vida mais tranquila, queremos trabalhar e ter algumas posses, e que isso nos traga certo conforto. Mas enquanto esquerda-centro-direita brigam, quem perde somos exatamente nós mesmo.

Um dia, quero estar vivo para ver, alguém vai propor essa nova política e quem sabe aí, o país possa finalmente avançar...

#ficaabraço

terça-feira, 8 de outubro de 2019

Aquele do "vocês destruíram tudo e arruinaram o meu futuro..."

Nos últimos dias, fomos bombardeados com diversas situações nas quais nos foi mostrada aquela mocinha, não se de qual país, que usou de um discurso inflamado para tentar convencer a todos que o aquecimento global destruiu o futuro dela e coisa e tal e tal e coisa. Enfim, aquele processo de criar medo em todos e com esse pavor, ganhar dinheiro.

Confesso que não aguentei o discurso incoerente dela por mais que 2 minutos, mas tive que assisti-lo mesmo assim, pois caso contrário, não poderia criticar ela com tanta veemência. #né?

Para continuar escrevendo, eu fui assistir novamente, sem legendas, para não haver interferências. Eu acredito mesmo que não poderia ter sido tão mal comprado um discurso quanto esse. Ela, não sei bem o nome, uma garotinha prodígio, que provavelmente será uma das melhores ambientalistas do IPCC quando ela crescer, isto é, se o oceano não a engolir antes. Pois, da forma como ela afirma tudo que afirma, estaremos mortos em questão de 20, no máximo 30 anos.

Fato é que, depois que tivemos um ronaldinho que passou mal na copa do mundo de 98, uma facada num candidato a presidente e uma fraude na fórmula 1, acredito ser muito difícil acreditar em qualquer coisa que precise ser taxada como a mais "foda" de todas. Essa garotinha parece ter sido treinada e muito bem treinada ou é apenas uma ignorante dessa pseudo militantes burras, pois as caras que ela faz de raiva, de ódio e outros sentimentos igualmente ruins, não é algo que se espera de uma criança. Tirando as besteiras sobre CO2 que ela fala, que são procedentes de alguém que talvez não tenha tanto conhecimento e estudo sobre o assunto, o resto, é só o mais vazio discurso. Se vivêssemos em um outro país e em uma outra época, ela mereceria umas palmadas por fazer a família sofrer uma vergonha alheia.

Tenho dois filhos e peço a eles sempre que tenha a consciência de abrir a boca quando tiverem certeza e mesmo assim, que estudem um pouco, façam uma pequena pesquisa antes de discutir sobre qualquer tema. Não é necessário ser mestre ou doutor, mas um pouco de informação não faz mal a ninguém...

Porém, para a rede bobo e outras emissoras, o discurso dessa pentelinha se tornou o marco da mudança. Desde esse dias, as emissoras com certeza estão diminuindo seu consumo de petróleo - utilizando carros elétricos e com certeza utilizando painéis solares e outras fontes alternativas de energia, tenho certeza disso.

Ou se não estiverem, são tão hipócritas quando o absurdo que é essa garotinha.

Enfim, se muito mais para escrever, que assim seja.

Que o mundo acabe, acabe logo, mas que acabe em barranco para eu poder ficar encostado!!!

#bora_lá

sexta-feira, 4 de outubro de 2019

Aquele do "esse LG não vale o pão que come mesmo..."

Bom, a frase na qual é citado o fato de que eu não valho o pão que eu como nunca fez tanto sentido pois até pão eu tenho comido pouco ou quase nada. As vezes, em situações muito específicas, até como um pedaço mas é quase nulo. E sim, eu não valho um pacote de Q-Suco ou um copo de água de vina e nem quero valer mesmo, seja para você ou para outrem... Até porque, no início dos meus 42 anos percebo que quanto mais eu faço para ter valor para alguém, esse alguém, seja depois de horas, dias, meses, anos ou até 18 anos, vai me mostrar que o idiota sempre fui eu.

Peraí, a palavra idiota não cabe aqui. Idiota, no dicionário quer dizer pessoa que pensa muito mais em si do que nos outros, entre outras definições então faça o seguinte, me xingue de filho da puta, lazarento (por mais que isso eu não seja), canalha ou qualquer outra coisa mas não de idiota, bele?

E porque eu não valho nada?

A resposta é simples: eu não me enquadro no modelo.

Eu não sou um bom filho - eu questiono, eu discuto, eu não aceito receitas prontas, eu não aceito o gosto do meu pai pelo futebol como algo bom para mim, eu não frequento a igreja que ele frequenta aliás, nem em deus que ele tanto acredita eu acredito;

Eu não sou um bom cidadão, eu não concordo com as minorias, eu não apoio movimentos de minorias, eu não conto mais piadas mas bem que gostaria, eu sou a favor da legalização de todas as drogas, incluindo a cerveja e algumas biritas para maiores de 14 anos, eu sou a favor do fumo inclusive de maconha em qualquer local;

Eu não sou um bom pai, pois tento ensinar aos meus filhos o senso crítico que eu tenho, mesmo sabendo que socialmente isso é um suicídio social, ou seja, ser como eu sou me trás algumas grandes surpresas como a de não ser aceito em diversas rodas de amigos, de não participar de atividades sociais por falta de convite e enfim, viver num mundinho onde eu possa ser o que eu quiser ser sem ter que me preocupar ou me justificar quando os outros querem;

O mundo ficou chato e quanto mais chato ele fica, menos valor eu tenho. Em outro texto, anterior, descrevi que sou dos contra. E não é que eu queira ser dos contra é que na verdade, ser dos "a favor" não me satisfaz enquanto ser.

Porque eu vou apoiar ideias como aquecimento global, aumento no nível dos oceanos, alimentos zero lactose, muitos dos remédios, carros elétricos, e outros tantos temas que se eu citar aqui, talvez perca um ou dois amigos dos 3 que devo ainda ter.

Eu simplesmente não consigo mudar isso e sabe porque não consigo: porque eu não quero!

Vou continuar minha vida, curtindo meu samba, algumas idas ao Bar Doce Lar, logo logo com meu filho e de ternos, minha cerveja, um narguile com o moleque, de vez em quando um carro alugado para dar umas estilingadas numa BR a noite, só para pagar a pira... e assim vai..

Não acredito mesmo em aquecimento global, não acredito no Messias Bolsamerda, não acredito no lulopetismo de bosta, enfim, sou dos contra mesmo e por isso, eu não valho o pedacinho da migalha de pão que eu como!!!

#fui

segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Aquele do "Não adianta, você jamais me converterá"

Não me importa qual seja o seu motivo: religioso, político, social ou qualquer outro, e muito menos adianta você chegar cheio de moral e ainda com toda essa empáfia de ser melhor que eu ou acreditar em coisas melhores que as minhas.

São fatos:

- eu não acredito em deuxxx (deus - para os cariocas);
- eu não acredito na bondade humana (só na bondade de alguns humanos);
- eu não acredito em sociedade, em social ou em socialismo;
- eu não acredito em você, e você, tristemente, não mudará isso;
- eu não acredito em aquecimento global, sério, essa é a mais imbecil de todas;

Muito menos me permito acreditar em qualquer informação sem antes fazer uma checagem prévia. E isso acredito que desde sempre afinal de contas, nada nesse mundo muda tão rapidamente, mas também, nada é estável o suficiente para nunca mudar. Eu mudo, eu mudei e hoje, eu emudeci...

Me calo aos seus argumento o que não quer dizer em hipótese alguma que vou concordar com você, aliás, as vezes posso até discordar apenas para ser dos contra. Posso simplesmente ignorar sua opinião apenas para me autoafirmar como ser, como membro dessa sociedade excludente a qual, se houver padrões, das muitas uma: seguir e pronto.

Não, não, eu não sigo, nem vou tentar seguir, verdadeiramente, quero mais é que se explodam os maiores sensos comuns, ou seja, aquelas frases hipócritas como "vai passar", "deux quis assim", "a vida é essa mesmo", enfim, essas coisa que sempre usamos para disfarçar nossa vontade de mandar um caçar sapos pra não ser mais grosso.

Então, se quiser chegar aqui e tentar mandar eu mudar de ideia, venha preparado pois é 98% de certeza de que sequer vou ouvir o que você tem a dizer. Se nessa tentativa estiver incluso deux, existência de deux, religião ou a importância das religiões, petismo ou lulismo ou qualquer outra coisa ligada a isso, então, mermão, vai dar ruim mesmo...

Mas se quiser debater de boa, conversar na moral, cola aí que vamo junto nessa...

É mais ou menos por aí que vamos, né...

Braziuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu

quinta-feira, 26 de setembro de 2019

Aquele do "Acho que sou dos contra mesmo"

Sim... Eu acho que sou dos contra mesmo. E pior, tenho uma puta certeza que amo ser assim. Mas o que é ser dos contra, heim? No meu caso, significa que eu não costumo me dobrar aos conceitos sociais mais impostos por todos os seres humanos...

Ou seja, eu cresci no país do futebol - odeio futebol. Nasci num país laico de origens católicas - sou ateu... Nasci no país de Santos Dumont e não aceito que ele seja o pai da avião, ele era apenas um lunático talvez como eu sou... Ah, tem mais, Ayrton Senna era um cara normal com um carro top, só isso, muitos outros fariam o mesmo com um carro top... Mas ok, vivo num país que tem por princípio básico ficar criando mitos e tentar com esses mitos talvez suprir uma comum capacidade de inferioridade.

Afinal de contas, somos uma país agrícola no qual se não fosse os investimentos do governo talvez nem desenvolvimento tecnológico, mesmo que pífio, nem teríamos. Somos plantadores: plantamos grãos (que vão foder nossa saúde e nos matar), plantamos alguns "animais" e até somos bons nisso, ou seja, conseguimos comer uma carne e vender a maior parte a preços bons para os compradores e ruins para nós...

Ou seja, nosso complexo de inferioridade é tamanho que, quando temos um mito como o Neymar cai-cai, galera se mata ao ser discordada...

Enfim, meu texto hoje vai ser acompanhado de uma figura, observe a seguir:


Nesta figura, está representada a Pangea, ou era da Pangea, enfim, um momento em que nosso planeta estava organizado de uma forma diferente do que hoje está, com seus continentes. Nessa imagem dá para se ter uma ideia o quanto da terra é terra, e do quanto cada país é dono... Aquela manchinha verde que fiz propositalmente, é mais ou menos uma representação da amazônia, aquela floresta que os ambientalistas que querem manter o brasil como produtor de commodities insistem em querer chamar de pulmão do mundo entre outros absurdos...

Me conta, você realmente acredita que, uma manchinha desse tamanho que, durante o dia após um processo químico, respira CO² e emite O² e a noite faz o contrário, respita O² e emite CO² é realmente o pulmão do mundo?

Sério que você acredita nisso?

Então você deve acreditar em deux, na terra plana e também no bolsonaro como bom presidente ou então que o governo lula não foi tão terrível assim, né... Tipo, se é para acreditar em absurdos...

Enfim, eu escrevi pois sou dos contras mesmo.

Cansei de ficar ouvindo bobagens de cientistas pagos por instituições imbecis, tipo essas que estão criando hamburgueres de carnes de mentirinha, as quais, além de não terem nutrientes, só fazem tornar o ser humano cada vez mais dependentes de empresas e químicos... Cada um acredita no que quiser e se respeitares que eu não acredito, respeitarei que acredites... Mas o respeito precisa ser realmente mútuo, caso contrário, continuemos..

Braziuuuuuuuuuuu

quinta-feira, 5 de setembro de 2019

Aquele do "Eu não me canso"...

Nos últimos anos, meses, dias, nas ultimas horas, minutos e segundos, quem sabe nos milésimos... enfim, eu não me canso nunca de aprender. Seja uma nova receita carnívora ou então, uma outra ligação entre carboidrato e cânceres em geral, ou então, a interação medicamentosa entre o regulador de humos e sua função no sistema nervoso central... É uma coisa de loco. O que me dá muito prazer é justamente aprender sobre mecânica automotiva, esses dias por exemplo aprendi que, a eficiência do motor a combustão com essa merda de combustível que temos no brasil, é simplesmente pífia e que os mesmos motores, com gasolinas mundo afora, rendem e muito mais!!!

Enfim, enfim, delongas a parte, ontem, dia 4 de setembro de 2019, foi um grande dia de mais um grande aprendizado. E porque estou escrevendo isso? Simples, porque acho que não confio em mais ninguém a não ser a Paula, que está offline nos últimos dias, para demonstrar e conversar sobre os últimos aprendizados. Sério, acho que eu gostaria mesmo de desabafar um pouco, mas nunca arrumo alguém imparcial para ouvir, a não ser um copo de cerveja ou cachaça, mas eles não me prestam durante a semana.

E foi durante uma consulta que, após alguns questionamentos, eu descobri que algo ainda precisa ser encerrado pois, se não houver esse processo, não haverá nunca paz. Dilemas e dramas a parte, é importante observarmos que, para que tudo corra da forma como é para correr, infelizmente precisamos dar passos as vezes mais largos do que um dia poderíamos querer. Sim, que saiamos dessa maldita e desconfortável zona de conforto para sermos então, melhores para nós mesmos.

Porém, quando se fala em zona de conforto, porém desconfortável, estamos tratando do que mesmo? Ah, de qualquer coisa que não te faz andar em sentindo frontal ou seja, não te serve para mais nada além de ficar parado. Eu, certa vez, fiquei nesse estado de leniência por meros e incalculáveis 18 anos. Achava que tudo ia bem, fazia tudo para que tudo fosse bem, mudei o que eu um dia tinha sido e o que eu gostaria de ser, para me sentir confortável, e na verdade, o conforto maior viria só depois de levantar desse "sofá" (zona de conforto), colocar a bunda gorda para balançar e correr atrás da vida que perdi, abri mão e quem sabe até, apostei na barca furada.

Sim, eu tenho sim culpa. Minha culpa foi ter insistido em algo que não servia para muito.

Mas que merda, sabe, é preciso que alguém de fora, que nunca me viu na vida, chegue, olhe nos grãos dos meus olhos e me diga palavras que doem, machucam, mas que cauterizam quase que instantaneamente a ferida e assim, fazem com que cresçamos.

A cauterização me chama atenção, e já cauterizei algumas verrugas uma vez, pois, ao passo em que ela mata as células que precisam ser mortas, ela faz com que o sangramento diminua. Ou seja, causar dor mas traz a cura, quase que num paralelo meio paradoxal. Viajei, né?

Eu acabei crescendo em ambientes que não serviram para muita coisa na minha vida:

- na igreja mórmon de merda, eu não podia pensar fora da caixa. tinha que obedecer as palavras de sabedoria escritas por um lunático anos atrás que me proibiam de tomar café, coca-cola, masturbar, namorar antes de fazer missão, entre outras tantas coisas, ou seja, um grande ambiente para formar um alienado;

- parte da minha educação foi numa escola católica. ali, além de ter que rezar e pedir perdão para poder ir para o céu um dia (eu nem nunca quis ir para esse céu babaca mesmo, o inferno parece mais a minha praia...), e nessa escola eu era obrigado a cantar musicas, rezar orações e tudo que era diferente de minha religião oficial. E o que isso resultou? Nem vou comentar nos recalques, bele?

- durante minha infância, e isso não é culpa de meus pais, eu acabei crescendo sem um espelho masculino mais presente e isso também me trouxe reflexos bem distintos. Porém, nunca soube ao certo o que era ser bom em algum coisa...

Enfim, agora, aos poucos, os aprendizado que um dia eu deveria ter tido, estou tendo agora, porém, enquanto houver carnes, gorduras animais e uma cachaça, haverá vontade de aprender...

Então, que assim, seja...

Segue o barco!!!


quinta-feira, 15 de agosto de 2019

Das grandes mentiras que nos contam...

Você sabe, eu sei, todos sabemos: desde que somos crianças, talvez até mesmo quando ainda estamos mamando nos peitos, ouvimos os adultos nos dizerem que mentir é feito, que mentir é errado, e para alguns mais acalorados, mentir é pecado. Eu hoje dou muita risada disso, até porque aqueles que tentaram de alguma forma nos ensinar que mentir é feito, na verdade, são os grandes mentirosos da turma toda. Talvez não o façam por mal, mas fazem.

Como dizia um chefe meu de outra época: "dizer que não sabia não é desculpa para fazer errado".

Mas, voltando ao tema principal do meu texto hoje, e o mais irônico que possa parecer e talvez a parte mais legal de tudo é que estou escrevendo sobre isso, dentro de uma "igreja", que aqui, todos os doutrinados gritam "ser a única verdadeira na face da terra." Então, se eu não terminar esse texto pode ser obra dele, o maior de todos... (sério eu não acredito nisso mas, vai que...)

Então vamos lá, vou listar algumas das mentiras que nos contam e que acreditamos porque queremos:

1 - carboidrato é essencial para a vida humana;
2 - deux existe;
3 - igreja são feitas para os homens;
4 - precisamos acreditar em deux;
5 - aquecimento global;
6 - carne vermelha dá cancer;
7 - gordura da carne faz mal;
8 - se lembrar de mais - cito adiante

Estou até emocionado pois, não há como negar que desde que eu me entendo por gente, sempre que estive numa igreja eu questionava de forma contundente tudo que aqui acontecia.

A grande mentira que meus pais me conduziram a acreditar é justamente na existência desse deus, que pune os maus e premia os bons. Um absurdo tão grande que de tão absurdo, eu deixei de acreditar faz tempo. Livre arbítrio e essas desculpas todas nunca me satisfizeram, nunca mostram para mim a lógica de viver adorando algo que não se vê, que não se ouve, que não se toca e que eu, nunca sequer senti. Eu até tentei, em nome dos dois amores que tive na igreja, eu juro que tentei mas não era para mim essa palhaçada toda.

Então, tento passar para meus filhos que deus é uma mentira que nos contam. Nos contam a séculos, não é culpa dos meus pais, mas ainda assim, não deixa de ser mentira. Eu sei que uma mentira contada milhares de vezes torna-se uma verdade, mas não para mim. Esse tipo de lavagem, não rola comigo, certamente sou uma quase reencarnação do capeta, de certo...

Agora, explicando, estou dentro de uma igreja pois meu pai não tem mais confiança em dirigir a noite. Ele nunca gostou de dirigir mas a noite ele não quer mais. E como em teoria o compromisso dele seria rápido, eu vim até aqui para acompanhá-lo, e de quebra, para o tempo passar, entre um mórmon chato e outro, eu estou aqui, escrevendo, que é algo que - isso sim - me liberta.

Qualquer religião, seja ela de qualquer vertente, de qualquer país, sempre é usada para o mal das pessoas, muito embora, as religiões sempre convençam a todos do contrário. Não sei bem porque, se bem que até tento entender, mas há sempre uma necessidade de que tenhamos vindo de algum lugar e que possamos ir para algum lugar. Isso é parte da fraqueza humana, os outros animais, mais evoluídos que a gente não se preocupam com isso. Simplesmente vivem...

Mas o ser humano não. Ele tem que achar motivo para ter nascido, e quando nasce e cresce, dizem que a vida anterior não pode ser lembrada porque deux não quer. Enfim, baboseira acima de baboseira. E então, querem desesperadamente serem bons para poder voltar a viver com ele. Ele quem?

Puta que me... enfim...

Católicos, mórmons, os mais diversos tipos de evangélicos, muçulmanos,cara, é muita religião para meu gosto e esse bando de enganadores além de tudo, ganham e muito dinheiro as custas desses pobres manipuláveis.

Não gosta do que escrevo, por favor, pare de ler. Pode ficar ainda pior...

A enganação é tamanha que, católicos batizam os bebês, que mal podem escolher o que querem da vida. Os mórmons, exigem aos 8 anos, ou seja, uma criança é obrigada a "decidir" se quer ou não... Então, façamos o seguinte:

- imposto sobre membro convertido (pago pela igreja);
- exigência de idade mínima de 18 anos para receber pregação;
- limite máximo de 2 filhos para os membros dessas instituições;
- castração química após o segundo filho ou vasectomia;

Hahahah isso ninguém quer, pois todo mundo tem medo de ser punido pelo deux que tudo castiga e por favor, eu não tenho medo dele não, então se for preciso, eu me candidato a propor essas alterações em nossa lei. Se for o caso, entro em contato com cada uma dessas "panelas" para avisar das mudanças.

É simples, basta querer... Basta fazer... Basta não temer...

Das mentiras que ainda contam, essa eu acho a pior de todas porque mexe justamente com o maior medo das pessoas, ou seja, não poder voltar para algum lugar que, desculpe decepcioná-los, NÃO EXISTE!!!

Muitas foram as mentiras que me contaram mas felizmente, antes de morrer, acho que as muitas serão poucas o quase nenhuma. |Igreja, deux, carboidratos, gordura e carne foram algumas das que eu ouvi e com o passar do tempo, descobri a realidade. Verdade, não digo, acho que cada um carrega a sua, mas que pelo menos vivo mais tranquilo e menos "temeroso", isso com toda certeza.

Então, se não gostou do texto, de boa, não precisa se preocupar, eu devo ter escrito para outras pessoas que não você... Se você gostou, indica para mais pessoas.

E se você também já se libertou dessas questões todas, parabéns. Se não, segue um trecho de uma música do Gabriel O Pensador, que gosto muito:

"Muda, que quando a gente muda o mundo muda com a gente.
A gente muda o mundo na mudança da mente.
E quando a mente muda a gente anda pra frente.
E quando a gente manda ninguém manda na gente.
Na mudança de atitude não há mal que não se mude nem doença sem cura.
Na mudança de postura a gente fica mais seguro, na mudança do presente a gente molda o futuro!
Até quando você vai levando porrada, até quando vai ficar sem fazer nada?
Até quando você vai ficar de saco de pancada?
Até quando você vai levando?"


Até quando, você vai ficar levando porrada da vida???

Liberte-se!

quarta-feira, 14 de agosto de 2019

Você se permite?

Sabe, em alguns momentos da vida, aquela gordinha, matorinha, sacaninha e perfeitinha te cobra uma postura sobre acontecimentos/gostos/costumes que talvez você ainda não tivesse imaginado ou pensado. É assim mesmo, inesperadamente você está numa situação na qual precisa tomar uma decisão e a única coisa que você pensa é: e agora?

Sim, dois extremos, né... Numa roda de amigos alguém tira uma droga que você nem imaginava estar perto e em segundos, você precisa decidir se aceita ou não, se prova ou não. Ou então, você está andando na rua e acha aquela carteira com o dinheiro que daria para pagar aquele boleto atrasado mas que, na primeira divisão, apresenta o nome e o número do telefone do dono da carteira - aí, bichão, você pensa, repensa, não comenta e decide: devolve ou não devolve?

Numa analogia com o trânsito, estamos constantemente numa bifurcação, numa situação de escolha e a vida moderna está nos cobrando que, mesmo após nos estabelecermos na vida adulta, tenhamos que tomar essas decisões cada vez mais rápido. É insano, talvez até desumano, se bem que desumano ultimamente muita coisa se tornou... Mas e aí, como fazer para lidar com essas situações, com essa velocidade toda?

É muito sim, não - num mundo em que estamos esquecendo de forma muito contundente o "talvez", o "será", e ainda o "devo?". À medida em que o tempo está passando, vivemos cada vez mais usuários de apps, dos "i", ifoods da vida, é muito "i", i-comida, i-carona, i-carro, i-patinete, i-supermercado, tirando os outros tantos "is" que aqui prefiro nem comentar... Mas será possível que tenhamos um "i" que realmente nos ajude, tipo um i-decisão, ou um i-escolha?

Sim, talvez estejamos caminhando para isso, mas prefiro pensar que nem estarei vivo para ver isso, sério... Prefiro ainda acreditar nos seres humanos e não em máquinas que, sem bateria, não servem para nada mais que um peso de papel ou lixo químico.

Mas, voltando ao tema principal do texto, sobre os momentos em que precisamos escolher, comecei esse texto porque me permitir ouvir um sono novo para mim - mas bastante conhecido pela grande maioria. Eu selecionei em meu app de musica um artista chamado Chuck Berry... E, sendo um som de uma época em que os equipamentos eram elétricos mas analógicos, confesso que gostei e muito do que ouvi. As musicas são de uma qualidade tal que, para comparar com o que temos hoje, no final das contas, não há comparações. Uma harmonia, uma sequencia sonora de fazer qualquer ser vivo capar de experimentar, sentir uma extremo bem estar sonoro.

Eu já havia ouvido, mas nunca havia me permitido conhecer o som do cara. E é bom demais, muito de encontro aos estilos que gosto e mais que isso, projetando em minha mente todo um contexto social no qual essa musica está inserida: o que mais vem a mente era como as pessoas dançavam ao som do Chuck.

Enfim, talvez hoje estejamos com uma capacidade absurda de viver cheios de certezas, de verdades, de informações. Mas será que talvez não devêssemos justamente viver o contrário? Talvez cheios de dúvidas, incertezas e uma gigante capacidade de agir em nosso favor? Eu me permiti diversas pequenas coisas nos últimos tempos e na totalidade, aprendi e muito e muitas coisas/costumes/vontades mudaram para mim.

Tanto no gosto musical, quanto no trato com meus semelhantes e também no que diz respeito a vida em sociedade e todos os laços e enlaces que ela nos trás.

Se permita, ou melhor, procure questionar, senão tudo, quase tudo! É um exercício, mas vale a pena...

#abraçodoLG