sábado, 14 de dezembro de 2019

Aquele do "eu não estava afim de escrever, mas foi melhor..."

Assim como nossa vida é um ciclo, seja uma senóide ou uma cossenóide, se tu não sabe a diferença, seria legal estudar um pouco pois eu não vou descrever aqui para você, mas hoje, foi justamente o dia que começou uma senóide. Eu diria que começou uma senóide com amplitude de +5 ou até +6. Tudo ia muito bem, eram risos, risadas e uma risorama impressionante, mas, assim como uma senóide, as coisas, com o passar do tempo, começaram a piorar e a linha começou a descer no gráfico.

Eu até sei porque mas não consigo externalizar de forma mais concreta, sabe comé... E assim sendo, prefiro escrever a ter que ficar falando e conversando com outros seres semelhantes a mim. Semelhantes em suas características fenoticas, pois nas genoticas, ah, quanta diferença. Os últimos dias, e não estou falando daquela religião que rouba dinheiro através de dízimo e oferta missionária chamada Mórmon, mas sim os últimos dias que tenho vivido estão me mostrando que eu sou o que podemos chamar de ermitão. Sim, já escrevi sobre isso, mas era sobre o desejo de me tornar ermitão, porém, percebi que já sou...

Sabe porque?

Sim, porque eu não sei mais ter convívio social na maior parte do tempo. Justamente porque eu não sei mais rir das piadas alheias sem graça ou daquelas mesmas brincadeiras idiotas que as pessoas fazem, coisas do tipo é pavê ou pa cumê, sabe, ou então, quando as pessoas insistem nas brincadeiras que não tem a menor graça.

Eu não sei conversar sobre política sem colocar minha opinião - ou seja, sou um idiota. Na real, eu quero que a opinião dos outros exploda, mas sou muito inteligente para poder respeitá-la e defender até minha morte o direito de que qualquer pessoa a tenha.

Eu não sei mais sequer conversar com pessoas sem ser irritante, sem ser incoerente, ou ainda, se me achar superior aos demais. Mesmo sabendo que em alguns casos, eu realmente sou. Mas não sou mais humilde de me calar inclusive nos momentos em que eu deveria falar. Sério, até mesmo este texto está ficando tão sem nexo, que nem sei mais como conduzir ele.

Rompi com a religião - quero que todas as igrejas deixem de existir, não respeito nenhuma dessas ferramentas idiotas de dominação em grupo, rompi com essa historinha de deux, não consigo acreditar nessa fábula, prefiro acreditar na chaleira voadora do jardim, rompi com a família, os poucos que me importam são meus filhos, pais e irmãos (sobrinhos também), rompi com o estado, pois nem votar eu vou mais, eu apenas pago a multa e que se foda...

Hoje, vivo para trabalhar e terminar de ajudar a criar meus dois moleques. Um dia sonhei em adotar uma menina mas, enquanto escrevo esse texto, decido que não farei mais isso. Assim como também, acabo de decidir que não vou mais ficar nessa lenga-lenga de tentar agradar as pessoas. Eu realmente nasci para ser o chato e acho que assim vou continuar sendo, o chato da história, aquele que ninguém gosta de bater bapo... hahaha

A não ser a amiga Su, a amigona Clau e algumas outras personas, assim como meu nobre LH, o LE e mais alguns...

Bom, escrever até que me fez bem, sabe.. mas antes de terminar, já que falei sobre coisas com as quais eu rompi, vamos lá, relatando algumas outras coisas que não consigo sequer me propor a acreditar:

- aquecimento global: mentira
- amazônia pulmão do mundo: mentira
- feijoada é brasileira: meia mentira
- e por aí vai...

Mas, é nós e eu fui!!!

#jáera

sexta-feira, 13 de dezembro de 2019

Aquele do "canalha já, desde cedo..."

Quando eu era criança, por força do destino e por uma questão familiar, eu fui obrigado a frequentar e aceitar uma igreja. Então, logo, você pode imaginar que por algum tempo eu fui mórmon. Porém, nunca me encaixei naquela história de salvação, de filho que vem pra terra sofrer as dores dos outros e mais um monte de merda que lá ouvi.

Essa foi uma pequena introdução para um assunto que não tem muita relação com religião, mas sim, com o pensamento, com as decisões que estamos cada vez mais cedo obrigados a formar e a ter, e pior ainda, com a falta de limite a qual estamos proporcionando para nossos filhos. Ainda em minha época, tínhamos de maneira efetiva um respeito maior pelos nossos pais. Eu não sei se eu era cagão de merda ou cabaço demais, mas eu tinha um puta respeito pela minha mãe e muito pelo meu pai. Eles me deram tudo o que eu sou e me ensinaram cada um ao seu jeito, ser um homem honesto (até demais) e digno de minha existência...

Foi nessa pegada que me criei...

Voltando um pouco a questão da igreja maldita, eu nunca gostei da igreja em si. Eu ia lá por causa de alguns pessoas, que achava serem meus amigos, alguns realmente se firmaram como amigos. Outros, por força do destino nunca mais vi. Mas mesmo não sendo a favor, eu não saia falando besteira a respeito por não ter conhecimento apurado sobre... E dessa forma, a máxima da "boca calada não cospe merda", era muito válida.

Hoje, tenho fortes argumentos para contrabater todos os argumentos mórmons. Mas eles são como petistas, ou seja, são pombos enxadristas. Derrubam todas as peças do tabuleiro, cagam em tudo e saem voando com o peito estufado.

Mórmon é como petista, apenas a verdade deles e o que eles querem é o que serve para eles. Eles não conseguem sequer imaginar observar outra ideia ou algo diferente do que eles querem. É tão bizarro quanto sei lá, conversar com terraplanistas.

Porém, hoje, sexta-feira 13 de janeiro, o que mais tem é notícias sobre uma tal Greta. Sim, uma pentelha de alguns poucos anos de idade, natural de uma país dito do 1º Mundo, que fez um discurso cheio de informações equivocadas e compradas pela elite dominante do planeta e no qual, ela esbraveja que o terceiro mundo deve continuar sendo uma "floresta" pois as gerações anteriores destruíram o futuro dela. Pentelha simplesmente humilde, heim...

Mas vamos lá.

Desde que eu estava no colégio, e lá se passam algumas décadas, as mentiras e faláceas vem caindo aos poucos:

- os oceanos não subiram e não acabaram com os litorais que haviam nos dito (água congelada ocupa mais espaço que água líquida - faça o teste hipócrita e verás), logo, mesmo que todas as geleiras descongelem, o impacto será nulo ou pífio;

- o petróleo não acabou e pelo contrário, nunca se teve tanto petróleo disponível;

- o "buraco" na camada de ozônio não está girante, o que se tem é uma diminuição na concentração, que varia com diversos fatores, mas o ser humano consegue interferir pouco ou quase nada nesse processo;

- para aquelas que se permitem ter um QI maior que 5 ou 6, é sabido que todo oxigênio O² produzido pela Amazônia durante os dias, é consumido e transformado em CO² pela mesma amazônia a noite... lembra daquela aula em que diziam para não se ter muitas plantas no quarto onde se dorme, enfim, qualquer QI maior que 3 sabe disso... Ou seja, Amazônia pulmão do planeta só para os países desenvolvidos que querem evitar o nosso desenvolvimento;

- os governos, os cientistas comprados pelas grandes corporações e todos os outros babacas defensores de aquecimento global querem esconder que, o período de aquecimento global, o qual não tem intervenção dos humanos, sempre precede um processo chamado Era da Glaciação no qual, boa parte do globo, principalmente acima da linha do equador, congela, num processo já visto e comprovado por diversos cientistas sérios e não alarmistas;

- é estranho notar que, Greta, os ecochatos e os ecochapados, não percebem que corroboram para uma mentira descarada na qual, os países desenvolvidos, tidos como de primeiro mundo, criam faláceas para nos deixar no 3º mundo, plantando e cuidado de florestas e deixando o desenvolvimento de lado...

Engraçado que nós temos que cuidar da amazônia enquanto eles, tem tecnologia e dinheiro para impor que compremos tudo deles...

Eu quero mesmo é que Greta cale essa boca de pentelha mimada. E que o Brasil cresça, mesmo que para isso, tenhamos que acabar com essa amazônia.

Porque esses ecochatos e ecochapados não vem aqui no Paraná defender que se replante a floresta de Araucárias que foi dizimada? Porque eles não estão aqui?

Porque só a Amazônia? Porque só o Brasil? Porque essa Greta não cala a boca e vai cuidar do país dela?

Enfim, é isso para hoje..

Vamos combinar, não existe uma verdade universal e se tu quer defender algo, vá até onde você sabe senão tu vai fazer papel de idiota. Hipócritas a parte, o aquecimento global é uma invenção tão inteligente quando deus. Ou seja, criou-se uma forma de dominação na qual, essa garotinha e um monte de líderes, conseguem manter sob dominância e vigília constante, toda uma legião de pobres infelizes que sempre vão, cuidar da floresta e das árvores, sem ao menos saber que, existem sim duas ou muitas mais verdades sobre esse assunto.

Ou você acha que o gás refrigerante de geladeiras e arcondicionado muda de vez em quando sem motivo algum?

E para fechar, você sabia que, o ozônio é regulado, dentre tantos fatores, pelas tempestades elétricas na atmosfera mais alta?

Pois é, acho que Greta deveria ter aulas comigo!!!

#fui

sexta-feira, 29 de novembro de 2019

Aquele do "todos menos eu..."

É, nessa onda do politicamente correto, eu me insiro na categoria do "todos menos eu". Não entrarei nos méritos da questão até porque já ando cansado de apanhar moralmente, até quando quem me bate não tem moral qualquer para me bater, mas enfim. Vamos lá, hoje o texto tem toda uma decoração vermelho e branca, e no final, talvez até faça um hohoho... Mentiras as parte, essa época do ano é infernal para mim.

Não apenas porque eu fico esperando o bom e velho papai noel, o qual precisa acertar algumas contas comigo. Eu sempre me comportei e nunca recebi meu Porsche 911 Carrera 4S conversível, com tanque cheio e docs ok. Sim, quando eu encontrar o papai noel ele vai ter que me explicar porque. Mas, voltando ao resto de lucides que ainda tenho, vamos lá. Não, eu não odeio o natal, até porque de alguma forma ódio e amor são antagonistas e isso é meio perigoso. Meio perigoso, eu disse, meio.

Eu apenas não sou mais um ser vivo que convive com isso, finge demência e fica de boa. Não, eu não curto essa época, eu não consigo curtir a hipocrisia de ficar desejando coisas que nem mesmo eu consigo acreditar, não tenho condições morais de achar que essa data possa ter alguma pontinha de coisa especial. Não, eu apenas desejo que o natal passe para que finalmente, possamos viver o ano novo, esse sim com bastante birita e quem sabe, algumas ondinhas puladas na praia... Se não rolar ondinhas na praia, que pelo menos possa rolar uma tibum na piscina, para que assim, eu possa lavar minha alma na virada e começar com minha cabeça erguida.

A virada do ano sim, tem e muita razão de ser, é o momento em que comemoramos o início de um novo e belo ciclo. O natal não, nele a gente comemora o nascimento de alguém que nem sei se realmente existiu, eu desacredito, logo, torna-se tão insignificante quanto qualquer outro ser que tenha nascido e que não tenha qualquer importância para mim.

Se era jesus, se era cristo ou se era o fruto de uma árvore, para mim tanto faz. Para mim. Se tu acredita, respeitarei sua opinião e defenderei até a morte o direito de tê-la, mesmo que você não respeite e minha descrença...

E hoje, dia em que escrevo esse texto, sexta-feira, é o ultimo dia útil do mês de novembro. Na segunda-feira, amanheceremos em dezembro, mês em que tudo fica belo, todos são lindos e bonzinhos, todos são imbuídos da graça de se tornarem bonzinhos e benevolentes com todos. Todo a tristeza se vai, toda a raiva em amor se transforma, os abraços ganham mais calor, os apertos de mãos ganham maior afago. Todos desejam a todos felizes natais, todos se fortalecem na graça do papai noel. Menos eu.

Não, filhão, eu não costumo desejar feliz natal, para quem gosta de ouvir alguma coisa eu costumo desejar boas festas, mas sem especificar quais são. Não tenho como acreditar em natal, em menino jesus muito menos no papai noel, que repito, me fez andar na linha anos seguidos e nunca trouxe meu Porsche. Eu não pedi nada mais, nem uma namorada, nem uma bicicleta, nem dinheiro, nem saúde que no brasil é caro como um Porsche, eu só pedi um Porsche. Apenas um...

Ah, e nessa sexta-feira, na qual novembro útil nos diz tchau e dezembro se anuncia para a segunda-feira, eu recebe a informação de que a minha carta de resignação da igreja mórmon (jamais chamarei de SUD) já está na igreja que, através desse escritório, deverá proceder a limpeza de meu nome nos registros, ou seja, falta pouco para que meu nome sequer apareça nos registros dessa religião a qual, sem entender qual era a real função, um dia aceitei entrar. Com 8 anos!

O que na minha visão é um crime, fazer um aceite dessa monta com 8 anos, agora vai ser reparado da forma mais correta que para mim é válida. Remover qualquer registro meu dessa porcaria.

Bom, 2019 está acabando, foi um puta ano... Ainda não achei minha cara metade, bebi o que quis e pude, vivi o que quis e pude, aproveitei meus momentos com meus filhos com o que pude e claro, acho que estou muito mais esperançoso o 2020 que se anuncia. Não será um natal a mais ou a menos que fará com que eu fique melhor ou pior. Não, essa etapa do ano tornou-se muito mais um focal comercial do que qualquer outra coisa e como, meu nível de consumismo diminui exponencialmente, uma fase na qual o focal é justamente o comércio, para mim, sem chance.

Quero aproveitar as pausas dessa época para colocar minha casa mental em ordem, escrever muito, descansar bastante e claro, quem sabe uma ceia no ano novo regada a bastante espumante e também um banho de cidra não venha muito a calhar, né!!!

Então, conforme descrito...

#ho-ho-ho

terça-feira, 26 de novembro de 2019

Aquele do "aconteceu de novo..."

Então, ontem foi mais um dia daqueles do qual eu prefiro tentar esquecer de uma vez por todas, mas que infelizmente eles tem acontecido com certa frequência. Sim, mais uma vez... Para quem acaba de alguma forma seguindo este blog, vai lembrar que ontem coloquei um texto no qual eu fiz uma pergunta que, se não foi interpretada assim, poderia. Questionei de forma leve o que leva a gente levantar todos os dias e assim, achar motivos para continuar os diversos ciclos nos quais estamos inseridos.

Mas, até aí, tudo certo.

Mal sabia eu que, ontem, meu terapeuta faria então a mesma coisa, só que de forma muito direcionada a mim. Sim, ele olhou nos grãos dos meus olhos e disse: "e ai, o que você espera daqui pra frente"?

Eu tentei desviar, criar argumentos, mas a questão era justamente existencial e direta. Claro que eu não tinha resposta e não sei se algum dia terei resposta para isso. Eu realmente não tenho a menor ideia do que estou fazendo aqui. Eu sirvo para todos, sirvo para meus pais, sirvo para meus filhos, sirvo para alguns amigos mas para que mais estou aqui? Qual o motivo disso tudo? Será que é hora de parar essa merda toda e deixar de correr atrás da cenoura amarada em minha testa, a qual eu fico seguindo, seguindo, seguindo e cada vez mais seguindo?

Não sei, mas também, não quero desistir, principalmente disso que não tenho a menor ideia do que é e para que serve. Não, esse papo de que deux me trouxe por algum motivo, pelo menos para mim, não cola. Infelizmente outros argumentos religiosos também não e muito menos a questão de que todos temos um propósito. Eu não consigo achar o meu... Enfim, se achaste o seu, parabéns para você, eu ainda não achei. Talvez eu tenha que procurar mais e mais, mas ando meio cansado para isso. Enquanto isso percebo que todas as outras pessoas a minha volta e fora da minha volta, estão se dando bem. Uns em busca de algo, outros que já acharam algo e eu continuo aqui, como diria alguém que hoje tanto faz em minha vida, eu continuo aqui na mesma, sem qualquer tipo de ganância e quem sabe, mentindo para eu mesmo. Ah, como é foda saber que a verdade é dita por outros, né...

Só que eu não consigo ficar apenas ouvindo os outros e dessa forma, não vou ficar aceitando fórmulas mágicas do tipo, deux escreveu isso para você ou então, não desista nunca pois tu é brasileiro.

Vou seguir, como estou indo, acho que bem, curtindo minhas musicas, meus filhos, meus pais e comendo aquele pastel do varejão de vez em quando. Logo, logo, os trilhos serão reconstruídos e assim, rumarei.. Para onde, não sei e nem sei se quero mesmo saber pois, para que ficar adiantando o que não vale a pena adiantar?

Já deixei para trás várias coisas por falta de aceitação social: não discuto mais futebol, não discuto mais economia, não discuto mais política, não falo sobre deux para não ter que ficar explicando porque sou ATEU, não trato mais sobre questões sociais para não ter que ficar justificando o que não concordo, não trato mais sobre comportamento... Apenas vivo e deixo viver, apenas faço e deixo fazer. Já é um inferno ter que conviver em sociedade, ter que aceitar certos padrões éticos e estéticos...

Se um dia comento sobre uma apresentadora, tem babaca que me ofende porque eu não gosto de uma travecantor... Se eu comento um canal do instagram, um babaca que, visivelmente não sabe ler, me critica porque eu eu não concordo com uma informação, como se isso fosse mudar a vida de muita gente, mas claro, para ele, eu tenho que mudar e me adequar a ele. Cansa... Eu não vou fazer cara de demente só para ser aceito. Eu conto piadas politicamente incorretas, eu não tenho problemas em tirar sarro de pessoas diferentes e, no meu intimo, desejo a morte de algumas pessoas e acho que isso tudo bem.

E, pensando assim, como eu poderia decidir o que sou, para que estou aqui e o que eu quero para daqui adiante? Não tem como né... Em algum momento da minha vida eu me perdi, acho que não consigo ou não quero mais me achar, ou pelo menos por hora, penso ser melhor me manter um pouco mais racional e talvez inconsequente do que ter que ficar pensando num futuro ou nas respostas que a vida tenta me impor. Pelo menos, nesse blog estou conseguindo evitar temas mais polêmicos como por exemplo minions x pombos enxadristas. Bolso vs Molusco...

É isso, sei que poucos vão chegar até aqui, o texto realmente ficou um pouco mais chato do que eu gostaria, mas também, não vou apagar e recomeçar pois, tudo que fazemos deve ser aceito e analisado, se não for bom, que aprendamos com o erro, se for, que possamos acertar novamente e por ai vai....

#bora

segunda-feira, 25 de novembro de 2019

Aquele do "seja sincero na resposta, bele?"

Hoje o texto parte para uma área mais conceitual na qual, pouquíssimas respostas e muitas perguntas. Poucas certezas e muitas dúvidas. Pouca razão e um tiquinho de emoção, até porque nem só de pão vive o homem, aliás, quanto mais pão ele come, menos ele vive. Enfim, sem discussões desnecessárias.

A pergunta principal hoje é:

- O que te leva a fazer o que você acha que deve fazer e da forma que acha que deve fazer?

Sim, esse é o questionamento do dia, quem sabe você possa me ajudar a chegar em algum ponto, ou quem sabe numa resposta mais próxima de algo mais tangível. Sim, muito prolixo e talvez pouco prático.

Mas vamos lá: acordar todos os dias, sair do quentinho ou não da cama, tomar banho, pegar ônibus lotado ou o carro na garagem e aquele trânsito, aguentar as pessoas que nos cercam ter que conversar sobre futebol, política e tantas outras coisas chatas, ter que educadamente responder e eventualmente perguntar, ter que fazer de contas que gostamos de alguns e mostrar que não gostamos de outros, enfim, que vidinha meio chata, não acha?

Eu acho...

E ainda assim a pergunta não cala: o que nos faz, o que faz você, eu ou ele, dia após dia, recair nesse ciclo vagabundo de vida? Sabe, já é um saco ter que fazer as coisas sozinho e ainda mais chato ter que fazê-las com os parâmetros e aquela vigilância social acirrada. Não podemos contar uma piada, não podemos fazer uma anedota - uma paródia então, nossa, é processo, multa, cadeia. Se falarmos mal do presidente podemos ser mortos por seus minions, se falarmos mal dos ex-presidentes podemos morrer massacrados pela militância ou então pelos pássaros que não foram feitos para voar.

Porque ainda assim acordamos e cumprimos nosso ciclo?

Sim, porque viver é bom pra caralho... 

Contar aquela piada, mesmo que entre seletos amigos faz a gente viver melhor. Tomar um mé, fumar um cigarro ou então um narguile, alguns fumam algo mais forte, mas vejamos, cada um pode e deve fazer o que tiver que fazer. Quer contar uma piada de humor negro com sua avó - OK, viva e deixa-se viver. Quer fazer bullying, por mais que eu não goste, é direito seu - arque com as consequências. Quer ser babaca, direito mais uma vez seu...

Quer ser o espertinho que fura fila, seja - arque com as consequências...
Quer ser vegano, vegetariano, católico, mórmon ou o escambau, seja, viva e se permita viver. Simples assim.
Quer ser flamenguista, coxa-branca ou os caralhos, seja!

E, se você assim como eu tem dificuldades em aceitar-se nesse ambiente social coletivo, faz assim, viva mais intensamente que os outros, mas se puder faça sem chamar atenção pois, hipócritas e babacas que ficam te cobrando, tem um monte. Id-iotas que ficam te julgando, seja você bom ou ruim, católico ou ateu, tem também as pencas ou seja, não adianta, você nunca vai agradar mais do que uma, duas ou três pessoas e se for para ficar se policiando a cada piada, história ou gracinha que você pensar e disse, a vida vai virar um lixo sem tamanho.

Por isso, cada vez mais a palavra "Ermitão" está presente em minha vida. Estou numa fase em que me preocupo e me dedico muito a 4 pessoinhas: LH, LE, Pai e Mãe... de resto, eu respeito, eu ajudo da forma que der mas, me limito também, afinal de contas, faça o que faça, sempre vai ter um que quer me foder, mesmo que inconscientemente. Sempre!

Mas é isso aí, por hoje é só, macacada!!!

#braziuuuuu


sexta-feira, 22 de novembro de 2019

Aquele do "sim, sou covarde mesmo..."

Eu estava pensando esses dias e resolvi assumir esse lado. É mais fácil conviver com isso do que ter que ficar escondendo, primeiro de mim mesmo e depois, dos outros. E sim, eu sou um covarde. E porque digo isso? Bom, são vários fatores que me levam a acreditar nisso, mas o fator mais preponderante é o fato de que, com o passar do tempo, me tornei cada vez menos sociável. É muito difícil ter que conviver socialmente com outras pessoas.

Eu não sei falar sobre futebol, não consigo gastar sequer 10 segundos para tratar desse assunto escroto. Não sei quem são os jogadores melhores e piores, não sei quais são os times e como eles estão divididos em termos de grau ou se existe isso... Eu não sei mais falar sobre política, sinto até um asco quando preciso abortar essa temática. Não sei falar sobre coisas simples como comportamento social, não consigo respeitar opiniões alheias e pior, não assisto mais a TV aberta e dessa forma, estou desatualizado no que diz respeito às novelas ou aos programas de auditório.

Sim, eu ainda faço piadas que não posso mais fazer. Eu ainda tiro sarro de quem não posso mais tirar. Eu sou um transgressor social sim. Respeito a todos mas não me dou ao luxo de exigir o mesmo respeito. Mas, no dia a dia, eu tenho sim meus momentos.

Porém, de que forma isso me faz um covarde?

Para responder isso, pergunto: você sabe o que é um ermitão?

Então, veja:


Sim, eu deveria ter coragem, deveria deixar de ser covarde. Eu deveria achar um canto, num lugar isolado, no qual alguém me deixasse viver numa barraca e lá, construir uma vida. Caçar para comer, viver sem compromissos com banho, escova de dente, responsabilidades sociais, um lugar onde não houvesse um chato sequer para falar "graças a deus" ou então, um babaca qualquer que colocasse um assunto retardado na discussão ou ainda que exigisse algum comportamento que não quero, simplesmente ter.

Eu precisava perder o medo e ter a coragem de fazer o que poucos fazem, largar tudo e cair fora. Isso não quer dizer que vou viver andarilho ou mendigo, não é isso, mas poderia ser também... Mas o ermitão busca sua paz interior em algum lugar que traga a paz interior. Redundante?

Mas não, eu sou covarde e acho que assim ficarei. Infelizmente, assumi isso como modelo, que me foi ofertado desde que nasci. Tive escolha? Sim, tive, mas por covardia exacerbada ou então por falta de conhecimento, assumi isso modelo.

O modelo ermitão está me deixando com aquela pulga atrás da orelha, sabe, realmente. Esse modelo me parece um pouco mais atraente, afinal, terei uma paz e uma liberdade que essa sociedade hipócrita tenta me impor.

Deixando de lado isso, outra hora quem sabe escrevo a respeito!!!

#segueobarco

quinta-feira, 21 de novembro de 2019

Aquele do "vai ter sorte assim no 5º dos infernos..."

Ele vive hoje numa cidade que mais parece um interior asfaltado do que uma capital de estado. Tem um povinho medíocre (sim, há exceções), um sistema de transporte que um dia foi bom mas hoje é um lixo, temos um prefeito imbecil e fortemente ineficiente, temos vereadores que se preocupam mais com animais de rua do que com crianças em escolas e no final, tudo acaba funcionando de alguma forma. Ah, não perderei tempo em dizer que toda a nossa imprensa está nas mãos de 3 ou 4 e que, esses 3 ou 4 ou são políticos ou já foram ou serão mas que de alguma forma, estão todos juntos.

Mas ainda assim, viver nesse interior asfaltado não é sorte pra ninguém, eu diria até um azar. FODERAM todos os rios, o trânsito é uma merda e haja vistas as 18 horas, não temos trens, não temos metro, não temos viadutos de escoamento de trânsito muito menos, sistemas inteligentes de gestão de fluxo de tráfego. Eu escrevi tráfego...

Porém, nesse ninho de 2.2 milhões de habitantes (só na capitar(sic)), a região metropolitana é outra questão que nem vou abordar, nesse lugarzinho medíocre, e com tanta gente, imagina que hoje eu consegui encontrar justamente a única pessoa que eu não queria? Ai sim, vai ter sorte assim no 5º dos infernos, né mesmo?!

Engraçado, né... Na verdade, não tem muita graça não mas ainda assim, vamos dar aquela risada meio amarela que não ser para mais nada.

Curitiba não é tão ruim assim mas seus habitantes estão tornando ela tão porcaria que logo, não será sequer agradável para viver. Já não é em alguns locais, mas a tendência é piorar, claro. Nada está tão ruim que não possa piorar, ainda mais, em Curitiba...

Mas o texto maldito de hoje nada a ver tem com a cidade ou com a qualidade de seus cidadãos, mas sim com a sorte de um deles. Ou seja, esse cidadão nada mais é do que um pontinho no mapa, aliás, o pontinho pode retratar mais do que uma pessoa. E esse personagem estava muito bem obrigado, tudo ia de vento em popa como diriam os barqueiros, e a vida seguia até que naquele maldito dia, mesmo que as coisas estivessem bem, havia sentido no dia anterior uma angústia meio estranha.

Não obstante, ele que já sabia que algo se anunciava, já se armou para o que estava por vir. Porém, não era bem assim, não era qualquer arma que o protegeria, não era qualquer tiro que anularia seu oponente, não era mesmo qualquer tipo de reação que o faria continuar com a paz que tanto ele busca no dia a dia. E olha que já se vão 3 anos, tempo esse no qual, ele parece mais correr atrás de uma cenoura amarrada na frente de uma esteira, então ele corre, corre, corre, corre atrás, mas na verdade está basicamente no mesmo lugar, preso de uma forma incoerente com sua inteligência, mas que o mantém, num esforço contínuo, lutando contra uma situação retardada.

Neste dia em questão, tudo ia bem conforme já comentei, mas um encontro, casual, que não durou mais que 5, 6 segundo, apenas visual, sem qualquer tipo de aviso, mudou sua rotina neste dia e nos dias que se sucederam e de forma ainda mais incoerente que da forma como ele gostaria. Isso tudo porque a arma que seu oponente usava não é uma arma tangível, não é uma arma de fogo, muito menos uma arma da qual podemos ter escudos. É como uma bomba, programada para explodir - só que explodir no campo inimigo. E nesse caso, o campo inimigo era o coração do personagem.

E ela explodiu, ela fodeu, ela dilacerou todo o esforço. Isso já tinha acontecido antes mas não da forma como aconteceu dessa vez. Infelizmente para alguns, os remédios parecem não fazer qualquer tipo de efeito, não é mesmo... Não há mesmo como criar um escudo contra o sentimento, não é mesmo. E se para alguns é fácil, para outros tantos, é difícil, uma pena que algumas pessoas leram muita literatura de romance, ou seja, é uma pena que ainda existam pessoas que não querem apenas um bom desempenho sexual, mas sim, aquele grande amor...

Um dia, um retardado fez um vídeo em que dizia que se ele pudesse dar apenas uma dica ele diria, use filtro solar. Esse cidadão do texto, em entrevista rápida me disse:

"Se eu tiver que dar uma dica apenas: nunca use filtro solar, pois ele atrapalha sua pele, mas antes de usar ou não filtro solar, nunca ame alguém mais do que a si mesmo. Se amar mais que os outros, não é egoísmo, é inteligência!"

#fui




segunda-feira, 18 de novembro de 2019

Aquele do "perdi o restinho de fé que eu tinha..."

Segundo alguns dicionários e um significado bastante explorado pelas pessoas, a fé é o ato de acreditar sem necessariamente ver alguma coisa. Ou seja, algumas pessoas acreditam em deus mesmo sem tê-lo visto. Algumas, como eu, acreditam num bule voador que está sempre no jardim de casa, e é ele que faz a vida das pessoas serem boas ou ruins, depende de como tratamos esse bule. Mas, exposições à parte, hoje eu acebei de perder o mínimo que me restava de fé na medicina ocidental, moderna e cheia de recursos a qual temos acesso.

Sim, não citarei nomes das partes envolvidas, e como jornalista que sou (DTR 5321) me é dado o direito de proteger minhas fontes e de contar a história em forma de relato. Vamos lá, essa pessoa que chamarei de Morgana, está com um sobre peso. Nada importante, mas está se sentindo mal e quem sabe, uns quilos a menos poderia ser interessante. Como a Morg, jeito carinhoso que a chamarei, se preocupa com sua saúde presente e também futura, ela foi buscar ajuda de profissionais. O plano de saúde dela, que chamarei aqui de MSL - médicos super legais - oferece um programa de controle sustentável e saudável de peso. Como bom amigo que sou, fui acompanhar Morg até para ver qualéqueé, cupinxa...

Enfim, no primeiro dia, conversamos com uma médica do esporte, que criou um clima de medo e também, desvalorizou qualquer esforço da Morg, até porque, enfim, as vezes não fazemos algo não por não querer mas por não ter condições. Enfim, primeira consulta, pensei eu que tudo seria melhor. Afinal, a medicina moderna está pautada em vários estudos e não a toa, temos linhas que utilizam menos remédios e mais alimentos naturais. Era meu desejo.

Mas não foi assim:

Nutricionista: praticou a antiga escola, na qual, manda-se comer de 3 em 3 horas, com bastante pão integral (veneno que mata mais lentamente), açúcares de frutas e sem sequer olhar o teste de glicose no sangue, seguiu ponderando que um suco detox e açúcares durante o dia vão salvar a vida da Morg. - é triste ver isso e  não poder fazer absolutamente nada!

Endocrinologista: E aqui, a minha pouquíssima fé, foi embora. Ela além de não propor uma dieta cetogênica ou até mesmo uma dieta carnívora, a qual faria muito bem a Morg, em determinado momento, ainda questionou Morg se ela queria usar um remédio que, apesar de caro, foi desenvolvido para diabetes mas que faz emagrecer. E Morg, culpa dela, entre mudar de hábitos e viver saudável, deu preferência a um remédio, que a fará emagrecer sem muita mudança, sem muito esforço ou seja, de forma prática e fácil, como muitos brasileiros gostam.

Gente, hoje o texto é mais um desabafo mas preciso. Eu, mudei meus hábitos alimentares e em 6 meses, baixei meu peso de 94 para 74 kg, de forma sustentável. Tanto é que que me mantenho nesse peso mas com muitos ganhos para minha saúde. Enfim, que um dia possamos ser saudáveis sem remédios caros, sem laboratórios que manipulam venenos que nos farão usar outros venenos e por assim adiante.

Triste, triste, triste!

#fui

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

Aquele do "não é bem isso que vocês estão pensando..."

Nobres leitores, leitoras, pessoas de bem e de consumo variável. Não tenho outra inspiração hoje senão escrever um pouco sobre o que eu chamo de a mais nova velha política nacional. Que o braziuuuuuuuuuu não é para amadores, isso eu já sei, você já sabe enfim, todos nós sabemos ou deveríamos saber. Sim, não é para amadores e não é para todos. Aí, numa decisão apertada - 6x5, os ministros de um lugar aí que vou tentar não citar para não dar merda para meu lado, decidiram que os bandidos - pessoas como eu ou você mas que por algum motivo tiveram problemas com o cumprimento de leis, só podem ser presos quando definitivamente tiverem seus caso julgados, o transito em julgado.

Para que isso aconteça, nesse país, é uma média de uns 20 a 30 anos. Ou seja, se tu fizer bosta, você precisa só de grana para bancar os advogados pois assim eles vão deixar você livre, mesmo que você seja culpado. #né?

Mas isso, na verdade não bem o que você está pensando não. Tem mais coisa nesse angu que não é apenas os ingrediente e mais alguns caroços. Não, tem mais coisa nessa merda toda. E começa a ganhar corpo uma informação que o filho de um tal messias está envolvido numa certa amizade com um certo ministro. Ou seja, tem coisa no ar. Não podemos mais deixar passar em branco sem compreender de que forma a coisa vai acontecer. Sabe, por amizade um muda uma regra que já estava estabelecida e que beneficiaria um outro que nada tinha a ver com o papo.

Um é libertado, outros tantos milhares também serão e ainda, o personagem principal não será nem punido. Não somos um país para amadores não, somos um lugar para poucos. A começar pelo presidente que, era limpo, mas parece não ser tão limpo assim. E seus lindos filhos, os mais sujos???

O que se desenha é o seguinte: mudaram uma regra não para soltar um bandido, mas sim para não prender outro bandido. É o famoso sujo falando e reclamando do mal lavado...

Porém, o que mais me chama atenção é que, os pombos enxadristas estão arrotando vitória e na verdade, são apenas um fantoche do sistema, e não demorará esses senhores (as) estarão de volta logo, logo para a jaula!!!

Deixaremos estar!!!

#abraçodoLG

terça-feira, 5 de novembro de 2019

Aquele do "porque não fazer diferente..."

No Brasil já presenciamos quase tudo no que diz respeito a política, quase tudo, eu sei. Tem muita coisa boa e ruim que ainda não tivemos acesso e algumas, talvez até seja melhor nunca termos esse tipo de contato, como o que aconteceu na Alemanha com Hitler ou então em outros tantos lugares. Mas, tem muita coisa que ainda pode um dia acontecer. Esses dias eu estava cagando, sim, lugar onde algumas ideais aflora e política não poderia deixar de ser, e aí me veio na cabeça uma ideia. Mas antes, vamos de pergunta:

O que falta para o Brasil engrenar?

Temos uma grana pra educação, saúde, segurança e ainda um monte de estatal inchada e que pouco produz. Temos, se contarmos o número de vagas per captas, um universo de instituições públicas de ensino superior, supostamente democratizada pelo ENEM, que permitiu qualquer pessoa que queira estudar em qualquer universidade do país, sem antes mesmo ter que sair de casa.

Temos petróleo que chega, para todo o território durante centenas de anos - nesse caso só precisamos de uma refinaria para refinar o petróleo grosso (preço de merda) e transformá-lo em petróleo mais fino (preço de ouro), processo que hoje negociamos com outros países.

Temos uma saúde que, apesar dos problemas, é democrática, universal e incondicional. Mesmo que você seja um mega empresário, cheio do dinheiro e mesmo que você, supostamente, fosse a um posto de saúde básica - UPA - com seu Porshe ou Mercedes, ainda assim, você receberia tratamento. O país (nosso imposto) banca tratamentos de cânceres excelentes de forma gratuita. Na rede particular, isso custaria uma pequena fortuna.

O que falta?

Sério, eu não consigo entender.

Mas, começo a observar alguns detalhes que muito me chamam atenção e um deles é você que lê esse texto. Você, eu, seu vizinho, seu parente... O que estamos fazendo além de ir votar para que alguma coisa realmente e efetivamente mude nesse país? Essa é uma pergunta séria, de verdade. O que nós enfim fazemos?

Veja bem:

Não é exceção à regra quando alguém aceita subornar alguém em troca de uma punição mais dura. Não é. Outra, quando um filho vai mal na escola, como cobramos isso dele? Se sentamos e conversamos, mostrando os prós e os contras de estudar, agimos corretamente, mas ao prometermos algo em troca do que ele ainda não quer fazer, somos corruptos, assim como os que mandam na gente.

Quando aquele seu amigo pega uma tv a cabo pirata e você se anima e vai na onda, nem preciso falar, né. A mesma coisa aquela amiga que usa a carteirinha do plano de saúde da outra, ou seja, nós projetamos em nossos líderes justamente o que fazemos e dizemos ser contra. Será que somos enfim contra? Me questiono muito...

Não obstante, caímos na tentação brasileira de criar mitos. Ayrton Senna, Neymar, Lula, Bolsonaro... são exemplos de mitos que nós mesmos criamos, na esperança que eles venham de algum lugar mágico, com ideias mágicas e que de forma abrupta, mudem tudo que está errado, aniquilem a corrupção e que tudo, da noite para o dia vire um lugar florido de paz e igualdade, seja social, seja emocional, seja o que for.

Quando é que, surgirá alguém, carne e osso, não mito, que proponha sentar e escolher entre direita e esquerda, aliando o centro, tudo que há de proposta boa e melhor, e assim, propor uma real nova política para esse país? Sem extremismos, sem ideologias arcaicas, sem desejos e vontades de apenas alguns grupos, pensando o país como um todo?

É impossível imaginar que isso não possa dar certo, basta que tenhamos vontade. Somos mais de 200 milhões, mas no fundo, todos nós queremos coisas em comum.. Queremos uma vida mais tranquila, queremos trabalhar e ter algumas posses, e que isso nos traga certo conforto. Mas enquanto esquerda-centro-direita brigam, quem perde somos exatamente nós mesmo.

Um dia, quero estar vivo para ver, alguém vai propor essa nova política e quem sabe aí, o país possa finalmente avançar...

#ficaabraço