terça-feira, 19 de setembro de 2017

Agradecimentos...

Depois de quase quarenta anos de vida, estou quase decidido de que aprendi que agradecer é melhor que qualquer outra sensação. Então, OBRIGADO!

Obrigado a todos que de alguma forma, fizerem parte de algum momento de minha vida. Certinho, isso que vale..

E, para deixar o post legalzinho, videozinho...



#abraçodoLG

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Não consigo parar!!!

Não consigo mesmo parar. Todo dia, toda hora, todo minuto... A cada maldito instante tento aprender algo com alguém, algum fato ou simplesmente com a sensibilidade. Cresci numa sociedade que me ensinou que o ser humano é o único animal racional e que pensava. Hum, bullshit!!! Bullshit nervosa!!!

Hoje, aqui no DLQ não tem vídeos, estive sem paciência de fazer mas em breve faço - até porque os últimos dias foram um pouco corridos e sendo assim, o "não inteligente aqui", não conseguiu se organizar e que assim siga.

Fato é que, toda vez que vejo um ser humano agindo como ser humano, almejo me tornar novamente um animal, irracional e desprovido de qualquer inteligência no que diz respeito ao conceito em si. Quer entender porque?

Veja as duas fotos a seguir e logo voltamos:


Foto 1: A natureza interagindo com a natureza. Simples!

Foto 2: O "ser humano" interagindo com a natureza.

E aí, que é quem nessa história? Quem é inteligente e quem não é?

Quem é o racional e quem não é?

Eu prefiro, muito, ser burro. Por favor, se é que deus existe - duvido muito - que ele ilumine meu caminho para a burrice, estou cansado de tentar ser inteligente, aliás, de tentar mesmo, pois se a imagem 2 demonstra um pouco da inteligência de uns, até hoje acho que já me mantive na meda da burrice - objetivo alcançado. E essa foto foi apenas uma amostra. Poderia ter tirada muitas mais, mas fiquei com medo que a câmera estragasse com o cheiro.

Dessa forma, acredito realmente que ao invés de estarmos "evoluindo", estamos caminhando de marcha ré, para um processo de desconstrução do nosso ser. 

Discorda? Sorte sua!

#abraçodoLG

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Egoísta? Não, não, não consigo ser!!!

Quem me conhece, mas quem me conhece mesmo sabe que posso ser chamado de tudo: mentiroso, hipócrita, sonhador, babaca, até mesmo de f.d.p. mas, nunca de egoísta. Tipo assim, nem religião eu sigo mas me doo sempre que posso. Me ofereço a fazer tudo que seja preciso e possível para todos aqueles que são meus chegados e também aos que não são.

E que assim seja! Sempre.

Um videozinho para fechar a semana, e hoje, com 2 câmeras, obrigado João pela ajuda!!!


segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Momento de reflexão...

Tem dias que parece que um espelho é colocado em minha frente e fazendo uma analogia com a ideia do burro com a cenoura amarrada, eu acordo, ando, como, e durmo com esse espelho... Para onde quer que eu olhe, vejo esse espelho e fico assim obrigado a refletir sobre minha vida e claro, procurando aquele porque estou aqui, o que vim fazer essas coisas.

Papo chato?

Eu também acho, aliás, muito chato, mas ainda assim, aporrinha demais!

Esse videozinho é um desses momentos de reflexão, afinal de contas, se não escolhemos estar aqui, que pelo menos façamos valer a pena, ou melhor, aproveitemos muito esse momento!

Assista, critique se caso for, elogie, se caso for...


#abraçodoLG

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Uma experiência e tanto!!!

Hoje, com certa inspiração, eis que um vídeo acaba produzido e segue abaixo.

Assista, critique, elogie...


Então...

Fui!

#abraçodoLG

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Não é fácil, mas não é tão difícil assim...

Pois bem, que o Brasil é um país para poucos e que menos ainda são os que conseguem entender o que aqui acontece, não é novidade para muitas pessoas, né!

Depois da queda da Dilma-ma-ma, que fui sempre contra, o país se tornou algo ainda pior. Não temos mesmo o que Temer, e não podemos mais esperar muita coisa. Agora, como processo de continuidade às mudanças, nosso grande governo está prevendo privatizar além de uma grande da eletricidade, mais 52 empresas se é assim que podemos chamar.

De tudo que tenho visto, depois da reforma da reforma trabalhista, as privatizações são as atitudes mais acertadas que esse governo está tomando. Vamos tirar das mãos de políticos o poder de comandar empresas que faturam bilhões e passaremos isso para as empresas privadas, que não precisam necessariamente dar explicações do que fazem ou não com seu dinheiro, desde que não seja o meu dinheiro que esteja bancando essa bosta toda.

Sim, sou a favor da privatização. Tenho a certeza que tem um monte de funcionários dessas estatais que já deve estar providenciando a atualização de currículo pois, depois de privatizado, provavelmente eles vão rodas. É sempre assim, e foi assim.

Você é contra? OK, eu respeito sua opinião, desde que você possa respeitar a minha.

De tudo que já foi privatizado agora, só temos exemplo de sucessos... As empresas que compunham o sistema telebrás, as rodovias, as ferrovias, enfim...

E também não há muito o que ficar escrevendo ou esperando afinal de contas, são os mesmo que mandam e a gente, de fora, só observa. Afinal, não vi nenhum protesto, panelaço ou qualquer outra forma de demonstração de alguém ser contra. Quem cala, aceita, não é mesmo?

Então, até o final do ano, aeroportos, portos, estradas e empresas do governo deixarão de ser do governo, sendo assim, podemos esperar que, os gastos do governo sejam diminuídos e os impostos comecem a chegar para tapar o rombo que tantos governos anteriores deixaram...

Pagar para ver, né!

Fica aí, essa ideia...

#abraçodoLG

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Eclipse Now!!!

Pois bem, esta segunda-feira presenteou aos que habitam nos Estados Unidos da América um, imagino, belo eclipse total do sol. Visível para quase todos lá e para alguns poucos estados do Brasil de forma parcial, foi num desses que Einsten, para que admira ele, Albert, conseguiu provar sua teoria da relatividade. Sem entrar no mérito, preferi nem assistir pela internet pois não teria qualquer magia para mim.

Aqui, só em 2041 se ninguém tiver errado nas contas! Estarei vivo, certeza, para assistir, se não estiver cego antes! kkk

Mas, o dia de eclipse deve ser comemorado, não? Afinal, temos a certeza que ainda temos sol e lua e que tudo vai de "vento em popa" na barcaça da vida. A terra continua girando, os mares sobem e descem, a natureza sofre e se reconstrói a medida em que insistimos em destruí-la...

Ou seja, mais uma segunda-feira normal no planeta. EUA x Korea se provocam, Russia joga mais lenha na fogueira, e nós aqui, não há o que Temer mais, afinal de contas, estamos mesmo todos com a trolha no lugar certinho... Ai como dói!!!

Realmente não há muito a comemorar mas também não há muito de novo para reclamar, continuamos com a vida que segue normal.

Não tenho previsão de mais vídeos, mas isso é só uma falta completa de pautas. E claro, outros detalhes que tomam conta do meu tempo e que não me deixam pensar nessas mesmas pautas que meses atrás surgiam com certa facilidade, naturalidade...

Hoje em dia a política me dá enjoo e não consigo entender porque, afinal de contas pouca coisa mudou e assim sendo, eu nem deveria estranhar, mas...

Enfim, fica um texto, meio sem nexo, meio com nexo!

#abraçodoLG

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Apocalipse, now!

Pelo menos ao que tudo indica a coisa está caminhando para isso. Se já não bastasse temos o que Temer no governo, que por si já é uma desgraça pré-escrita, agora o clima e tudo mais está indo para o buraco. E não é?

Politicamente o país está cada vez mais porco. Tirem 1 ou 2 e o resto se fosse jogado no lixo, o lixo jogava de volta. Nos roubam com seus salários altíssimos, nos ofendem com seu poder, nos F. com suas ações e ainda somos obrigados a escolher, dentre os piores, o que mais nos cheira perfumaria. Então, não há solução... Escolha o melhorzinho entre os piores e se conforme com isso, afinal de contas, o que você, eu ou todos nós já fizemos contra eles? Nada!

Saindo da política, vamos passar pelo apocalipse do clima. Repararam que não houve inverno em Curitiba? Não argumente que esfriou pois o frio que fez não é de Curitiba, você bem sabe disso. Tivemos dias quentes, ficamos mais de 60 sem chuvas substanciais e assim foi. Não bastasse isso, agora o mar está indo embora, o pessoal do litoral está assustado, eles observam e devem se perguntar para onde foi tanta água, e se voltar, será que volta com força, aliás, essa ultima parte, é minha pergunta, acho que não deles.

E voltando para a capital, imagine como estaremos daqui a uns 6 meses com todos os índices de violência aumentando? Assaltos, invasões a residências, arrastões no buzum, tudo que se possa imaginal, até mesmo carro forte está se tornando latinha de sardinha explosiva...Tudo isso tem uma causa, com certeza, eu imagino qual seja mas como não sou trouxa, nem vou citar aqui...

Vamos então assistir o apocalipse?

Eu não, hahaha, vou continuar vivendo de boa, quero mais é que a mãe terra tome conta e mostre para nós seres humanos o quanto somos nada perante ela. Que o mar se afaste ou tome conta, que os políticos sejam levados todos para o céu ou para onde eles merecem ir e que as comissões de direitos humanos adotem todos os que são defendidos em suas casas - e que cuidem muito bem deles!

Não sei quanto tempo vai levar para nós, reles seres humanos percebamos nosso poder de mudar para melhor, sair dessa condição maldita que nos encontramos e que nos levará a extinção em breve. Temos que reagir, reagir aos governantes que não fazem nada, temos que reagir ao clima que está mudando e que talvez, precisemos nos adaptar, temos que reagir a falta de movimento que está tomando conta dessa sociedade moderna movida a gadget's..

Tá bom, tá bom, viajei, né...

Voltando ao normal em 3, 2, 1...

#abraçodoLG

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Ultimo título...

Não, não é bem isso que você está pensando e que poderia deixar alguns felizes. O título desse post faz uma referência ao post anterior, no qual eu trato um pouco sobre a banalização de algumas palavras, as quais usamos hoje em dia e nem sabemos muito bem o porque, o significado, enfim, usamos de forma bastante banal... Um bom exemplo é "graças a deus"... Enfim, né!

Porém, não são apenas palavras, mas também ações, costumes entre outras coisas que a vida moderna nos proporcionou e parece que vai continuar proporcionando. É tanta coisa mudando e em velocidade cada vez mais rápida que as vezes até meio que sufoca. Meio que sufoca não, sufoca total e nem percebemos. A velocidade da vida moderna nos cobra cada vez mais em cada vez menos tempo e para isso estamos deixando de lado coisas tão essenciais quanto um "bom dia" ou então, um "como você está?" - dando atenção claro, nesse caso, à resposta.

Pequenos hipócritas que nos importamos cada vez mais com nossos narizes do que com a convivência coletiva. Se para mim está bom, que se danem todos os restos, não é isso? Pois bem, se é, pelo menos eu, tenho uma visão um pouco diferente. Por exemplo, mesmo que esteja devendo (e não é pouco), não vou mais me matar de trabalhar em dois empregos ou fazer horas extras. Uma hora eu quito tudo que devo mas farei, com meu emprego - no qual faço bem feito porque amo o que eu faço e onde eu faço - e o tempo que me sobra, vou tentar de alguma forma aproveitar a vida de uma forma mais calma. Quer fazer um teste? Tente me mandar um whats em um domingo a tarde e perceba quanto tempo levarei para ver a mensagem e pior, se eu responder, quanto tempo eu levarei para responder... E verás o que estou tentando dizer.

Infelizmente, até mesmo o DLQ eu tenho deixado muito tempo sem atualizar, mas nesse caso a causa é bem outra, vou explicar mais adiante porém, para finalizar essa primeira parte, se permita fazer algumas coisas que acredito, você faz pouco ou nem faz mais:

Permita-se:
- um café feito no saco de pano;
- um leite de saquinho e não de caixinha;
- acordar um dia e antes de qualquer coisa, fazer algo que não seja olhar o celular - esqueça a hora;
- permita-se, na rua cumprimentar umas 10 pessoas com um bom dia, boa tarde, boa noite e surpreenda-se com a quantidade de respostas positivas você vai receber;
- tire 1 dia por mês para, sem qualquer eletrônico, com a pessoa que você quiser e puder, sair dar uma volta a pé, pelas ruas do seu bairro (você até corre o risco, mas duvido que será assaltado);
- tens um carro? pegue um pano, fique de pés descalços e permita-se tirar a energia do dia-a-dia do seu corpo na terra (pode ser no cimento, piso ou qualquer coisa) o que importa é ficar descalço;
- permita-se coisas que hoje você nem imagina...

Bom, sobre o DLQ - eu não perdi minha paixão por escrever, aliás, sou louco por escrever, o que tem ocorrido é que não sei mais sobre o que escrever. Não consigo mais escrever conteúdos sobre política, porque questões lógicas, hoje em dia está cada vez mais difícil escrever sobre isso. Afinal, ou você concorda ou discorda, você, eu ou qualquer um, temos que tomar partido e não podemos mais ter uma opinião formada sobre tudo! Ou sobre nada!

Comportamento, carros, ética, filosofia - nada disso me dá mais tesão de escrever.

Sobre a cidade, estado ou país? Menos ainda...

Então, meu tesão em escrever não acabou, de verdade, mas minha capacidade de escrever parece que foi embora. Ou pelo menos, de estipular pautas.

Quero muito restabelecer essa capacidade mas, não sei quanto tempo isso pode demorar, tomara que passe logo mas vamo que vamo...

Abraço!

#abraçodoLG

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Quem sabe um dia eu diga: BANAL é o carai...

Certo dia, a convite de uma grande amiga, estávamos conversando sobre algumas coisas, nesse caso nada banais, as quais estão presentes a cada dia em nossas vidas. E durante a conversa, percebemos que existem algumas palavras que hoje em dia e talvez já a muito tempo, saiam da boca das pessoas de forma tão banal que nem o sentido original da palavra se saiba pelo interlocutor.

Um exemplo disso é a palavra deus. Quantos e quantos eu conheço que dizem essa palavra, mas no contexto geral, a banalização fica extremamente clara, o que é triste até porque, deveria haver mais sentido em se usar algumas expressões. Não estou julgando o interlocutor e sim, o que estamos fazendo com os conceitos e com a educação que tivemos. Também não podemos julgar o que recebemos de carga de conhecimento, acredito que a própria existência do ser proporcione mudanças e adequações que levam ao processo de amadurecimento, o qual percebo em quem me cerca, sejam amigos e não amigos.

Mas depois desse papo passei a observar diversas condições e situações as quais não pude deixar de notar que utilizamos e talvez nem tenhamos mais a real noção do que estamos fazendo. Quando escuto a expressão "vai com deus", na maior parte das vezes até por ser burro, não sei o que responder e penso, será que quem está falando sabe o que está falando? Ou sabe o peso do que está realmente falando? Ou tem a noção do que está falando? Isso me incomoda!

E ai penso, o mundo mudou? SIM! E mudará sempre. Isso faz tudo mais belo ainda.

Outro exemplo que sempre observo: "muito obrigado, muito obrigada"!

Expressões que utilizamos das mais variadas formas que vão da ironia à sinceridade passando pelo cinismo clássico do irritado cotidiano. Expressões que muito provavelmente não refletem mais o estado de quem as pronuncia. Ou seja, falamos por falar pois imaginamos que que as ouve, quer ouvir, mas será que quer ouvir mesmo isso sendo falado de forma tão vazia ou será que seria esperado algo pelo menos um pouco mais sutil e sincero, que na verdade poderia ser apenas um sorriso ou um aceno com o polegar virado para cima.

"Por favor", por sua vez, me parece não demonstrar mais a educação que demonstrava antigamente e sim, uma forma de coagir pessoas para conseguir alcançar objetivos. Será? Afinal de contas, que hoje em dia pede por favor algo que na verdade espera que retorne quase que como uma obrigação do receptor com o interlocutor?

Pedir por favor parece mais impor uma obrigação do que esperar um "favor". Tenha-se "favor" como: "Aquilo que se faz de maneira voluntária a alguém; sem imposição; gentileza, obséquio.", segundo o www.dicio.com.br

Então, banalizando a palavra, a expressão, pedir por favor, está quase como um "faça de uma vez", e essa banalização parece ser muito triste, mas...

E para fechar, até porque não poderia deixar de ser, tenho visto muito gente, não as mais próximas pois essas, até pode conhecê-las, percebo diferenças gritantes, mas a palavra Amor. Palavra essa que sempre despertou poetas, musicos, artistas, escritos... Que sempre causa dor e alegria, emoção, paixão ardor, fulgor, enfim, que mexer com a química dos apaixonados e o desespero dos desligados...

A banalização dessa palavra na boca das pessoas está cada vez fazendo com que, o sentimento que ela representa, deixe de ter a mesma intensidade. Ao contrário de uma onomatopeia que sempre será fidedigna ao som que ela representa, hoje em dia dizer "Amor" e chamar alguém de amor, pode sim representar algo tão superficial quanto o passar de uma lua cheia, que dura alguns dias, mas que pode e será, no mês seguinte, diferente do que já foi outrora.

E você, claro leitor, tem algum exemplo para relatar?

Fica meu abraço...

#abraçodoLG