sábado, 17 de outubro de 2009

Agradecimento

Embora não tenha feito ontem, creio que ainda esteja em momento: obrigado dudu. Seu elogio no texto sobre o trânsito faz com que eu deseje sempre continuar escrevendo. Foi isso que eu decidi fazer e é isso que me dá prazer. Claro, em alguns momentos, sou mais crítico do que a critica gostaria, mas enfim, não consigo mudar não.

Não consigo e confesso, não pretendo mudar! Eu sei que minhas críticas são pesadas mas nesse país otimista, o equilíbrio tão buscado dar-se-á justamente com um pessimista como eu.

Se sou contra a copa no brasil, a olimpíada no brasil, é porque justamente não vejo e talvez não quer ver coisas tão simples e óbvias. E por isso também me tornei ateu. Estava cansado de escutar, ler, falar que deus era uma solução ou culpa ou causa para tudo. Não, não acredito em provação, a não ser que deus seja sádico.

Prefiro analisar diversas coisas da forma mais racional e lógica possível. Se ao sair de casa chove, nada de Murphy e sim, azar. Se você sempre encontra o que procura depois que parou de procurar é justamente porque você estava nervoso, agitado, preocupado e agora, ualá... não está mais.

O trânsito de curitiba é outra coisa que costumo pensar de forma racional: nosso problema não é transporte coletivo, não é falta de ruas ou sistema viario ruim, nem nada disso. Doa a quem doer, conheço muitas pessoas, muitas mesmo, que jamais, mesmo que o ônibus fosse exclusivo para, usariam. Pergunte aos seus amigos, inimigos, colegas: por que você comprou um carro?

- Status
- Necessidade (questionável)
- Conforto
- Investimento

São algumas das respostas. Mas a que ninguém nunca vai assumir é: porque eu quero. Eles deveriam responde: eu quero, eu quero um carro, eu quero gastar com gasolina, pneus, seguro e manutenção, eu quero poluir o meio ambiente.

E mais um detalhe, como Curitiba surgiu de uma provincia, muitos ainda querem apenas para mostrar que tem. Uma família com 4 pessoas? Provavelmente eles terão 4 carros, mesmo que os dois irmãos estudem na mesma faculdade, cada um vai com seu. Curitiba se tornou uma capital de status. Tudo aqui, para ser melhor, tem que ser mais caro.

As pessoas devem as cuecas mas vão ao centro de carro e reclamam do trânsito.

É ruim escrever sobre isso, eu fico com um peso, pois vivo aqui. Passo 50 minutos para ir ao trabalho de ônibus, as vezes cheio, as vezes vazio, mais 800 metros de caminhada numa ladeira.

Eu gosto, economizo dinheiro, nervosismo e ainda me divirto com o papo das nordestinas, que insistem em falar alto.

Viva essa (ex?)provincia...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Desabafe!