terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Somos todos loucos

Talvez um dos caras mais injustiçados do meio artístico brasileiro seja o Moacyr Franco. Para quem aprecia o gênero romântico da verdadeira música popular brasileira, foi este homem que escreveu as mais belas canções da dupla João Mineiro e Marciano, como "Ainda ontem chorei de saudade", também é o autor de "Tudo vira bosta", sucesso com a roqueira Rita Lee, além de assinar a composição de "Balada n° 7", em homenagem ao craque Garricha e fez sucesso "Balada para um louco", maluquice brilhante que fala sobre o amor.

A lista de música compostas por Franco é enorme. É um artista completo, que foi redator de programas de TV de sucesso nas décadas de 70 e 80, compôem desde 60 e até hoje se presta a vestir personagens como o Jeca Gay, da Praça é Nossa, apenas por amor à arte, às luzes e câmeras.

Homem presente na lembrança de todos, mestre ao falar do "esquecer". Compôs "Eu nunca mais vou te esquecer" com a mesma elegância que tornou conhecida a música "Se eu não puder te esquecer". Ah, também mandou ver com "Seu amor ainda é tudo", mai suma vez cantada por João Mineiro e Marciano.

É um cara que eu teria um prazer absurdo de entrevistar um dia. Quando eu ainda era estudante, tentei, via e-mail, mas não consegui. Agora certamente tenho muito mais chances de conseguir isso e, por que não, em breve não consiga. Só temo silenciar diante de tanto talento e sabedoria adquiridos ao longo de uma carreira brilhante.

Provavelmente o leitor mais ocasional, que não me conheçe, pode pensar: "Meu Deus, Moacyr quem? Olha o tipo desse piá falando bem do Moacyr Franco".

Se permita ler a letra de Balada para um louco e procure encontrá-la nesse nosso mundão virtual para ouvi-la. É sensacional.

ps: ouvi essa música a primeira vez por recomendação da minha véia. Sabe das coisas essa minha véinha

xxxxx

Balada Para Um Louco (Moacyr Franco, Astor Piazzolla e Horácio Ferres)

Num dia desses ou, numa noite dessas
você sai pela sua rua ou, pela sua cidade ou,
ou, sei lá, pela sua vida, quando de repente,
por detrás de uma árvore, apareço eu!!!

Mescla rara de penúltimo mendigo
e primeiro astronauta a pôr os pés em vênus.
Meia melancia na cabeça, uma grossa meia sola em cada pé,
as flôres da camisa desenhadas na própria pele
e uma bandeirinha de táxi livre em cada mão.

Ah! ah! ah! Você ri... você ri porquê só agora você me viu.
Mas eu flerto com os manequins,
o semáforo da esquina me abre três luzes celestes.
E as rosas da florista estão apaixonadas por mim, juro,
vem, vem, vamos passear. E assim meio dançando, quase voando eu
te ofereço uma bandeirinha e te digo:

Já sei que já não sou, passei, passou.
A lua nos espera nessa rua é só tentar.
E um coro de astronautas, de anjos e crianças
bailando ao meu redor, te chama:
vem voar.

Já sei que já não sou, passei, passou.
Eu venho das calçadas que o tempo não guardou.
E vendo-te tão triste, te pergunto: O que te falta?
...talvez chegar ao sol, pois eu te levarei.

Ah! Ah! Ah! Ah!

Louco, louco, louco! Foi o que me disseram
quando disse que te amei.
Mas naveguei as águas puras dos teus olhos
e com versos tão antigos, eu quebrei teu coração.

Ah! Ah! Ah! Ah!

Louco, louco, louco, louco, louco! Como um acróbata demente saltarei
dentro do abismo do teu beijo até sentir
que enlouqueçi teu coração, e de tão livre, chorarei.

Vem voar comigo querida minha,
entra na minha ilusão super-esporte,
vamos correr pelos telhados com uma andorinha no motor.
Ah! Ah! Ah!
Do Vietnã nos aplaudem: Viva! viva os loucos que inventaram o amor!
E um anjo, o soldado e uma criança repetem a ciranda
que eu já esqueci...
Vem, eu te ofereço a multidão, rostos brilhando, sorrisos brincando.
Que sou eu? sei lá, um... um tonto, um santo, ou um canto a meia voz.

Já sei que já não sou, nem sei quem sou.
Abraça essa ternura de louco que há em mim.
Derrete com teu beijo a pena de viver.
Angústias, nunca mais!!! Voar, enfim, voaaaarrr!!!

Ama-me como eu sou, passei, passou.
Sepulta os teus amores vamos fugir, buscar,
numa corrida louca o instante que passou,
em busca do que foi, voar, enfim, voaaaarrr!!!

Ah! Ah! Ah! Ah!...

Viva! viva os loucos!!! Viva! viva os loucos que inventaram o amor!
Viva! viva! viva!



Ficou com preguiça de procurar o link, né vagal? então clica AQUI!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Desabafe!