sexta-feira, 30 de abril de 2010

uma sexta-feira em apuros

lembro-me bem que comecei a pagar imposte de renda no ano seguinte ao ano que abri minha empresa com meu sócio andré. fui tentar fazer a declaração de isento e o sistema me informou que eu era empresário e por isso deveria pagar o maldito IRPF.

desde 2004, eu sempre entreguei as declarações no ultimo dia, quase na ultima hora e minuto, pois não dou a mínima em entregar antes mesmo. como bom brasileiro, nunca perdi o prazo por causa do sistema, e nunca me senti prejudicado, afinal, as restituições são uma poupança forçada que faço. esse ano, receberei na ultima leva, mas já acrescidos os juros e tudo mais. é eu tentando levar vantagem em cima do governo.

e claro, esse ano não deixei para o ultimo dia, deixei sim para a ultima semana. mandei na segunda, meu computador levou míseros 3 segundo para informar que estava tudo OK! normal, afinal de contas, a tecnologia vem para ajudar e não para atralhar, não é mesmo?

se você deixou para a ultima hora, reza um pouco e fica susse, no final das contas, tudo dará certo. ou não!

minha opinião, por mais medíocre que seja é a seguinte: quero que se dane o governo e a receita, eles me cobram uma porcentagem tão imoral do que eu quanho quanto as igrejas cobram de seus fiéis para a salvação divina. é mais imoral ainda saber que de tudo o que eu pago de imposto, não posso contar com quase nada, a não ser com hostpitais de 5ª geração (geração passada) ou então com uma polícia federal que prende e uma estrutura legislativa que legisla por causa própria e permite que os bandido sejam soltos.

meu imposto ainda ajuda a pagar o jato que o presidente lula-lá 51 comprou, uma lata de sardinha cara, que veio dos franceses e não prestigiu a Embraer e que vai de um lado para outro apenas para cumprir compromissos políticos.

meu imposto ser ainda para nossos deputados e senadores da república programarem uma audiência de consulta aberta com todos os representantes religiosos sobre a liberdade religiosa e ao culto, só esqueceram de convidar um ateu e um agnóstico. somos gente também!

meu imposto de renda é tão imoral quanto o filho que bate na mãe, se bem que aqui, a mãe, nossa pátria que nos pariu é que nos bate. Bate, escarra, maltrata e ainda, pede para que nós a amemos!

é, como diria um ditado "se é do Brasil e não é jabuticaba, não presta". extremista sim, mas tem seu fundo de verdade!!!

bom final de semana a todos! e não esqueça, nesse final de semana você também estará enchendo os cofres do governo!

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Trampo turbinado!

Trabalho. Emprego. Serviço. Ocupação. Bico. Biscate. Trampo. Definir a atitude remunerada que cada um exerce normalmente é um desafio interessante. Uns trabalham mais, outros trabalham menos, mas todos trabalham: Ou naquilo que escolheram (e, por conseguinte, gostam) ou porque foi o que conseguiram (normalmente não se gosta, mas o leitinho tem que ir para a mamadeira das crianças).

Quem trabalha com jornalismo diariamente sabe o quão árdua é nossa tarefa. Árdua e fundamental, embora um bando de engravatados de Brasília discorde disso e faça pouco caso da nossa categoria. As vezes, e o povo teima em não entender (ou faz pouco apenas para nos azucrinar) trabalhar uma hora com o jornalismo em tempo real, gera cansaço mental semelhante àquele realizado em oito horas (com uma hora de almoço) ou parecido com uma mesma hora de enxadadas em eitos de terra.

A carga horária de jornalista formado, conforme CLT, é de cinco horas diárias (pronto, para os que não sabiam o questionamento logo vem à mente: “Só isso?”). Aqui no Paraná algumas empresas mantêm acordos que permitem ao jornalista cumprir carga de seis horas, para assim incluir o sábado como dia de descanso (inicialmente é dia de labuta normal).

Escrever, lidar com a pressão de se “foder tudo” (leia-se alterar o sentido de uma informação) se uma vírgula ou ponto forem colocados em lugares errados, não é fácil. Pressão, cobrança, tudo perfeito no menor tempo possível. Em online, ainda por cima, a coisa é mais punk. Se foi errado para o ar, em segundos centenas leram a informação equivocada. Chovem e-mails (raramente bem educados) e pronto. Esta feita a sangria desatada. A vantagem é que podemos corrigir tudo rapidamente (diferente do papel impresso).

Vivo uma experiência diferente do começo dessa semana para cá, e pelos próximos dois meses e três semanas. Oficializou-se, mesmo que temporariamente, um reconhecimento por algo que fazia há tempos. Não estou reclamando, muito pelo contrário. Estou mesmo é feliz por finalmente ter esse reconhecimento. O que fiz nos últimos (quase cinco) anos foi por amor à profissão. Pela arte de informar. Pelo jornalismo. Aquele mesmo jornalismo humilhado pelo STF. Aquele mesmo jornalismo alvo da ira de muitos. Injustiçado pela cegueira da patuléia.

Aquele mesmo jornalismo sem o qual o mundo seria ainda mais corrupto, mais podre e mais injusto. Minha função é informar, entreter, formar (porque não?). Faço porque gosto.

Para quem curtia com minha cara, hoje meu trampo vai além das seis horas. Pressão e tensão redobradas, mas gozo mais intenso no final.

eu deveria estar dormindo, mas...

então, diz que o estado do paraná não precisará pagar mais os 7 milhões que vinha paganda para a união referente a uma multa e coisa e tal.

7 milhões. só espero que esse dinheiro não faça falta para a "união" em ano de eleição. requião, o cara mais "bão" de todos, tentou durante 7 anos e quem conseguiu? isso mesmo, o mesmo cara que desbancou o delazzari, o mesmo cara que em meses poderá fazer o que era para ser feito em 8 anos.

me sinto a vontade em dizer que sinto hugo chávez, o louco sulamericano socialista de araque um pouco mais longe. os laços entre hugo e roberto beiravam o vómito. tipo, vamos chamar o hugo, vem o roberto junto.

só queria dar uma sugestão ao pessuti: um carro popular custa algo entre 25 e 30 mil, certo? 7 milhões por mês dá pra comprar pelo menos 233 carros. um pistola boa custa algo proximo a 2 mil, o que nos permite comprar 35000. quanto custa um presídio? acho que se juntar uns 5 meses dá, né. uma escola custa menos que isso, poderíamos ganhar mais umas, o que você leitor acha disso?

o problema é saber para onde irão esses milhões todos e claro, não serão transformados em pipoca com bacon para nós, certo?

quarta-feira, 28 de abril de 2010

luz no fim do túnel

você conhece a expressão uma luz no fim do túnel? pois então, se prepare pois ela é vem do farol do trem que provavelmente vai te atropelar. pessoalmente, 2010 tinha uma luz no fim do túnel para mim, e o nome escrito por essa luz era Ciro Gomes. ele não ia ganhar mesmo, mas iria pelo menos incomodar os dois concorrentes fortes que temos.

tadinha da marina, que queria que ganhasse, mas ficaremos entre serra e plastiquinha!

mais uma vez estaremos obrigados a escolher o melhorzinho entre o que tem de pior. uma não tem experiência alguma, talvez nem precise que quem vai dar as cartas já está por lá mesmo e o outro, pode até ter experiência, mas não fez nada de muito espetacular até hoje, ou fez?

ciro era uma saída, pelo menos se demonstra um cara inteligente (os outros dois também são), um cara íntegro (os outros dois, aí não sei), carismático (os outros dois não são) e ainda inteligente (prefiro não comentar).

eu sei que o ciro não desistiu, ele foi conduzido a isso pelo partido. e aí, eu pergunto, cade a maldita reforma política dos infernos? lula prometeu e não cumpriu, os deputados prometeram e não cumpriram e por aí vai.

como não votarei esse ano, ficarei na mão de vocês, torço para que escolham realmente o melhorzinho dentre as tantas opções que temos. o brasil está bem, todos estamos bem, diminuiu o numero de miseráveis, diminuiu o número de pobres, nunca antes na história desse país se vendeu tanta casa própria, nunca na história desse país tantos brasileiros se endividaram e hoje possuem televisões de plasma de xx polegadas, carros do ano e tudo mais!

crescemos a taxas comparáveis a china (tá, nem tanto, né), mas a marolinha aqui não fez nem cócegas, enfim...

com esse panorama, como podemos escolher o melhorzinho entre os piores?

o brasil e os brasileiros necessitam de um candidato a altura de tudo isso, alguém que além de dar continuidade, possa ainda proporcionar melhoras maiores, mais igualdade, saúde, educação e respeito para todos.

se hoje estamos bem, não foi apenas um cara, "o cara" que fez tudo isso, muito disso foi feito por nosso suor, trabalho e empenho, e claro, os 34% que o governo cobra para nos ter aqui...

melhorzinho entre os piores? eita que um dia entenderei o que se passa por aqui!

terça-feira, 27 de abril de 2010

pensamentos

pois então, hoje pela manhã estava pensando: cade as pizzarias, lanchonetes e demais estabelecimentos comerciais que iriam fazer entregas através de pedidos feitos pela internet?

é incrivel que em pleno ano 2010 ainda somos praticamente escravos do telefone. não existem opções de linhas de internet individuais, ou seja, quer um adsl ou internet na sua casa? legal, compre o telefone, uns minutos de fraquia e um valor mensal. quer pedir uma pizza para comer com a patroa? pega o telefone e liga.

o telefone parece ganhar fôlego com o passar dos tempos. ele era com fio e agora podemos até caminhar por toda a cidade (se tiver fôlego e ainda dinheiro para pagar) caminhando sem a ligação cair.

estar preso hoje ao fio do telefone que liga a internet na minha casa é algo que me parece uma provocação a evolução da tecnologia. não consigo compreender como isso ainda é uma exigência tecnológica. ou então, existe mais expeculação do que qualquer coisa.

a alternativa, o famoso 3G, que une o celular ao acesso a internet, pode até ser uma opção, mas infelizmente ela é cara, instável e não substitui com eficiência os malditos cabos de cobre.

eu gostaria muito de estar vivo para ver o telefone morrer, mas creio que não estarei...

e viva o bom, velho e já substituído trim-trim-trim...

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Caboclo esperto!

Gostaria muito de recomendar aos amigos, infelizmente só para aqueles que, por parabólica, cabo ou satélite, conseguem sintonizar a TV Cultura de SP, um excepcional programa de televisão. Comandado pelo caboclo Rolando Boldrin, o SR. Brasil traz sempre um ou dois convidados especiais para uma hora especial de causos e boa música. Domingo passado, por exemplo, estava o gigante Renato Teixeira. Os causos, as piadas e as músicas dão uma cor linda para o domingo que esta por vir.

Lamento, mas lamento muito, que a Paraná Educativa não retransmita o programa Senhor Brasil. Os domingos de manhã, para eu e minha amada, não seriam os mesmos se não pudessemos assistir a esse belíssimo programa. Por aqui, a PR Educativa só transmite a Inezita Barroso, igualmente fantástica para os amantes da boa e velha musica caipira. Mas no horário seguinte, quando Boldrin se prepara para ir ao ar, o sinal é cortado.

Recomendo o programa principalmente por estarmos saturados dessa programação horripilante que as TVs nos oferecem. Domingo então, durante a tarde, é um lixo só. Muito difícil achar algo que valha a tempo assistir. Pela manhã, ao menos, a diversão esta garantida.

Reproduzo a seguir, mesmo sem a precisão necessária, um dos causos contados no programa pelo Boldrin, o maior contador de causos e intérprete de poesia do Brasil. Espero que gostem,

xx

O caboclo esperto! (caso verídico)

Estava o cabra da cidade viajando pelo interior. Querendo pegar um atalho para chegar mais rápido ao seu destino, resolveu encarar uma estradinha de chão que lhe parecia uma ótima opção. Rodou, rodou, rodou e quando começou a se perguntar se tinah feito uma boa escolha, percebeu que era tarde demais para voltar. Resolveu encarar e continuar em frente.

Depois de mais uma hora, numa encruzilhada, encontrou um caboclo sentado, encostado numa árvore, chapéu de palha, pés no chão e o inconfundível cigarrinho de palha no canto da boca.

O cabra da cidade parou seu carrão próximo ao caboclo, baixou a janela e perguntou:

- Boa tarde, o senhor sabe eu chego em Pirapora?
- Sei não doutô!
- Saberia me dizer para que lado vou para chegar até a cidade mais próxima?
- Sei não doutô!
- O senhor sabe ao menos onde estamos?
- Ixi, não sei não seu doutô!

O cara, muito puto da vida, perdeu a razão:

- Mas que diabos, você não sabe o caminho da cidade mais próximas, nem como chegar lá e nem onde estamos? Você não sabe nada, caboclo burro?
- Mas não tô perdido doutô

INSS x Aumento

Nesta segunda-feira chuvosa e chata em curitiba, parei alguns instante para pensar: porque o governo lula-lá não aceita dar um aumento mais significativo para os aposentados mesmo em ano de campanha eleitoral?

É uma falta de respeito muito clara aos aposentados, que ajudaram a construir o brasil e que em dois momentos ajudaram a eleger esse nobre presidente. Negar a eles um aumento maior que 7% é no mínimo cuspir em suas faces. Uma ofensa. Dinheiro? Dinheiro tem, é só saber administrar.

Aliás, é sabido que no brasil nossos administradores públicos não precisam ter sequer um curso tecnico terminado na área da administração. Dá pra perceber porque não existe verbas para um aumento maior.

E outro ponto que eu penso: o que vale mais votos, aumentar o salário dos aposentados ou o salário dos quase 20% de brasileiros que são funcionários públicos?

É no mínimo lógico, não é?

Então, vamos seguir, os aposentados estão bem amparados, eles contam com um bom salário, com médicos qualificados no SUS e ainda, com todo o respeito que o governo tem!

E viva, viva, viva, certo?

sexta-feira, 23 de abril de 2010

7h30min

Cheguei ao escritório um pouco antes de desabar o céu. A coisa ficou feia, era necessário, mas tá feio.

Veja a foto abaixo:


Por pior que seja a qualidade da imagem, é possível ter uma noção de que já fazia uns 10 minutos que estava chovendo, forte e sem qualquer mudança na cor do céu. Ele continuava escuro como antes, o que me causou maior preocupação.

Na verdade, estou seco dentro do escritório, o pior é quem está em trânsito, isso sim.

Pelo menos não vamos sofrer com a baixa humidade relativa do ar nos próximos dias, e dessa forma, aquela dorzinha de cabeça do final da tarde, vai ficar uns dias fora.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

dia da terra

estava aqui pensando: hoje é dia da terra, certo?

certo sim, dia 22 de abril, além do descobrimento do brasil, é a data em que se comemora a terra.

porém, porque é que justamente que nos dá origem, nossa mãe e a terra, mãe de todos tem apenas 1 dia? porque não comemoramos todos os dias como se fossem dias da terra e dias das mães?

me parece injusto que precisemos desse dia tão marcado para beijarmos as nossas mães como se fosse a ultima vez que a vemos ou então, que pensemos na terra enquanto planeta e enquanto mãe de todos. é da terra que tiramos nosso sustento, seja alimentar, econômico ou qualquer coisa que o valha.

essa terra já tão castigada e que mesmo assim mostra seu valor e sua força!

vou pensar nisso, e com toda certeza, enquanto a tenho, vou beijar minha mãe e agradecer ao planeta por tudo de belo e de gostoso que ele me proporciona!

vou pensar na mãe dos políticos que com suas ações, não fazem nada para melhorar a vida da terra. vou pensar com mais carinho ainda na minha vida, nas minhas ações e de que forma posso proporcionar um mundo mais belo e mais praticável, tanto para minha mãe quanto para a terra, mãe de todos nós.

um viva para elas!

Passou...

Tiradentes já era. Foi mais um dia em que não produzi para a economia do meu país. Foi mais um dia gostoso que passei ao lado de minha amada e meus amados (meus dois filhos lindos). Sol, calor e tudo mais que era preciso, será?

É, tudo sim, menos um detalhe: o aniversário de Brasilia!

Quem me perdoe JK, que simplesmente obedeceu o que estava previsto na constituição federal. Porém, construir brasilia me parece uma das coisas mais infelizes de todos os tempos. E para isso pergunto, porque colocar a capital do país tão longe de tudo e de todos?

Sim, talvez uma manobra para evitar as demandas protesto que infelizmente nosso povo não está na onda de fazer isso. Mas se tivesse, haja ônibus para levar tanta gente para aquele lugar. Mas o fato é que lá existe e não tem mais como voltar atrás.

Parabens brasilia por seu aniversário e coisas assim.

E quanto a tiradentes, infelizmente ainda não pesquisei, mas ouvi dizer que ele foi um herói nacional. Herói?

E para os que não sabem ou não lembram, hoje comemora-se o dia do descobrimanto do brasil. A história conta que em 22 de abril de 1500 o brasil foi descoberto. OK, OK, eles queriam as índias mas chegaram no brasil!

Um viva para tiradentes, para o brasil e claro, para brasilia!

terça-feira, 20 de abril de 2010

Tiradentes

Quem foi tiradentes?

Eu não lembro mais. Até me daria o trabalho de pesquisar mas não o farei. Me perdoem, é pura preguiça mesmo. É ritmo de feriado um dia antes. E mesmo assim, o país vai para numa quarta-feira, exatamente meio de semana. Um dia util a menos no crescimento do país...

Conversava com meus pais no sábado passado e lá pelas tantas, começamos a levantar alguns nomes de ex-prefeitos! Eu parei logo, lembro-me de poucos. Mas o meu pai e minha mãe, meus velinho e velinha, foram mais longe, inclusive lembrando de coisas que cada um dos ex-prefeitos fez. Gente, foi uma lição de história, uma aula de conhecimento político.

Você lembra quem era prefeito antes do Beto Richa e o que esse prefeito fez de bom ou de ruim? Pois é, um bom exercício tentar lembrar. Aliás, esse exercicio deveria ser praticado junto com alguns outros como a cidadânia, a democracia e a luta pela igualdade.

Mas tudo isso torna-se balela no mundo atual. Nos tornamos o pior bicho da face da terra, nos matamos mesmo tendo muito o que comer...

Tiradentes deve ter lutado por alguma coisa e alguém pregou fogo nele, tá, eu sei, ele foi enforcado, mas deve ter feito a parte dele e para ter sido morto, deve ter feito a parte de muitos outros.

O que importa para uma grande parcela é que amanhã é feriado. Eu ficarei em casa, escreverei um pouco e pesquisarei um pouco sobre o dentista, ou melhor, o tiradentes...

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Tapa na cara!

AS vezes a vida nos dá um tapa na cara. Daqueles que você vê as vezes em filmes, quando um dos personagens pega o outro (que está histérico, ou alienado, ou zureta) pelo colarinho e lhe dá uma bofetada: "Acorda. Se acalme".

Estava eu, belo formoso e redondo, na fila da carne do hipermercado Condor do Santa Cândida na semana passada. Fila mesmo, com umas 15 pessoas esperando e só dois caboclos (as vezes um) atendendo a patuléia sedenta por sangue e carne vermelha em promoção. Pô, Coxão Mole a R$ 8,50 vale a pena. Enfim... com paciência de Jó, me dirigi ao final da fila para esperar minha vez. Logo atrás veio uma senhora, com quase 80 anos... ou 70, não sei bem, bem vestida, cara de aposentada rica. Mais tarde um senhor, com seus 50 anos. Na minha frente, sem dar espaço para conversas, uma senhora de uns 40 anos, roupas simples e chinelo de dedo.

A senhora de trás puxou papo. Respondi, afinal não conversar com velhinhos no supermercado as 9h de uma sexta-feira é maldade. Só tem gente com mais de 50 anos no supermercado a essa hora. O papo passou pela tradicional introdução sobre o clima curitibano, mas rapidamente foi para as carnes. Falamos do preço do patinho, das maravilhas da carne de porco e pela saborosa asinha de frango. Aliás, esta a única parte da ave apreciada pela minha colega de fila. Ela, na verdade, nem gosta muito de carne. Vai mais ao mercado para aproveitar as promoções e fazer compra para as amigas mais compromissadas que não têm tempo.

Depois de longos 20 minutos (é, pior que fila de banco) chegou a vez da mulher que estava logo na minha frente. Nesta hora, como eu disso antes, apenas um açougueiro deu o ar da graça. A senhora simples pediu um pacote de recortes de costela de porco (aliás, aqui cabe um comentário. Maior golpe da Aurora. Dentro daquele pacote de um quilo e pouco só vem osso e retalhos MESMO de porco. Diria 60% osso, ou mais). Um pacote deu R$ 5 e pouco. Aí ela pediu mais um, um pouco mais leve que o anterior. Mas todos tinham peso semelhante.

Então ela desistiu do primeiro e pediu um quilo de coxa-sobrecoxa, que tava barato também (R$ 2 e pouco). Ele pesou um pacote, que deu mais ou menos o preço do anterior, afinal eram pacotes fechados. Ela pensou um pouco, perguntou o preço da linguiça e voltou atrás mais uam vez. Pediu o recorte de costela de novo.

Irritada, porém simpatica (mas aquela simpatia de velho, que por vezes é irônica) a senhora chique atrás de mim começava a bufar. Dava risadas, falava "ai meu Deus" e ficava ansiosa.

Qual era o problema da cliente da minha frente? Eu já havia percebido, o açougueiro também e o senhor que vinha atrás da véia rica também. Mas ela não, pois continuava rindo. A cliente indecisa só tinha R$ 10 e queria levar o máximo de carne possível para casa. E quando o dinheiro é contado, meus amigos, é foda.

O açougueiro tentou orientar a mulher, até correndo risco de levar uma mijada de superiores: "Leva o frango ou a linguiça. Esse de porco vem muito osso". Ela, coitada, insistiu (talvez pela vontade de comer um porquinho) e no fim levou apenas um pacote de osso de porco. Nesse meio tempo fui atendido por outro açougueiro que chegou. Lamentei com o outro atendente a vida dura de se ter apenas R$ 10 para comprar a carne da semana.

Fiz meu pedido, ajeitei as carnes e saí. Ainda pasmo, é verdade, com a cena que tinha presenciado há pouco. A aposentada rindo da coitada. Logo depois até percebi que a aposentada se deu conta da situação e tentou se redimir concordando que "A vida é dura". Mas a palavra dita, meus irmãos, foi dita.

Alguns minutos depois a ficha finalmente me caiu. Como um enorme tapa na cara. Olhei para o meu carrinho e tive vontade de chorar. Chorar de vergonha de não ter tomado uma atitude que, garanto para vocês, tomei em outras oportunidades. Ao ver no meu carrinho R$ 100 de coxão mole (duas peças grandes para fazer bifes que durariam mais de um mês no frezzer), além de um quilo de frango e outro de linguiça (1/2 dessa encomenda era do meu velho, que também quis aproveitar a promoção da carne, mas não podia e me enviou para a missão) me senti um lixo.

Durante o tempo em que testemunhei a dificuldade da mulher em adequar um quilo de porco com outro de frango no orçamento de R$ 10 até pensei em oferecer cincão para complementar o dinheiro que ela precisava. Não o fiz por medo de constrangê-la. Mas poderia ter feito isso logo depois, assim que saíssemos da muvuca. Até tentei, comprei um quilo de linguiça a mais e procurei aquela mulher pelo mercado. Em vão. Ela já havia ido embora para preparar sua mistura do meio-dia.

Agora porque me senti envergonhado? Principalmente por perceber que as vezes somos esbanjadores. Que não temos a noção da importância das coisas. Não quis dar àquela mulher um quilo de linguiça por culpa, mas sim por perceber que eu posso ajudar ao invés de jogar meu dinheiro fora em coisas inúteis. O episódio me machucou.

A desingualdade neste nosso país é ultrajante. Ao invés de eu ficar feliz por ter economizado uns tostões ao aproveitar uma promoção, fiquei envergonhado de ter gastado R$ 120 em carne, enquanto meu semelhante tinha deizão para comprar o osso de porco contado para a semana.

É foda!

Mais uma sobre radares

Segunda-feira, e se você tem pé pesado, vai uma segunda-feira mais cara. Até onde consta, estão em funcionamento 24 novos radares. Até onde constra pois esse número é exatamente 17,14% dos 140 que estão previstos para estarem em funcionamento até junho desse ano.

Alguns fatos tornam-se relevantes em relação a rede de radares de monitoramento de velocidade, avanço de sinal e ainda, conversão proibida. Em primeiro lugar foi muito bom e é de uma satisfação imensa saber que a empresa que vai controlar esses radares é a mesma que já ganhou rios de dinheiro, aplicando multas e recebendo uma porcentagem dessas multas como pagamento. E numa concorrencia com outras empresas foi a única que conseguiu atingir as metas e objetivos técnicos impostos pela prefeitura de curitiba e pela urbs. Lindo!

Mas foi uma concorrência e se eu quiser questionar, preciso entrar na justiça. Não tenho um advogado conhecido e de confiança, por isso, vou engolir a seco mais essa!

Outra pergunta que não quer calar é a seguinte: o que será feito com os radares que não serão mais utilizados pela mesma empresa que os utilizava antes? Numa capital ecológica, parece que o conceito de reciclagem desse tipo de equipamento está em baixa, certo? Estranho! Mais estranho ainda porque ao que parece, alguém pagou por esses equipamentos e embora eu não tenha recebido um boleto em minha casa, eu acredito seriamente que tenha participado desse pagamento.

O texto de hoje, com essas indagações foi proposto por uma leitora do DLQ, a professora Ana Lucia. Obrigado pela ou pelas visitas, Ana!

Sobre a lista que você citou, eu não vou colocá-la aqui. Mas farei algo que julgo ainda melhor e que até onde me constra é parte integrante da democracia que é prevista na constituição federal de 88. Visite o sítio www.maparadar.com

Lá, você seleciona a cidade, no caso curitiba, e verás um mapa com todos, eu afirmo, todos os radares presentes em curitiba e ainda, atualizado quase que em tempo real com os novos radares, qual a velocidade, localização exata e ainda que tipo de radar, seja ele de velocidade, avanço de sinal ou de conversão proibida ou ambos.

E mais uma vez numa crítica as administrações municipais que herdaram uma cidade planejada, limpa, algumas dicas de nomes para uma proposta de troca. Afinal de contas, curitiba em tupí significa terra dos pinheirais, terra de muito pinhão. E cá entre nós, curitiba já não tem pinhão e faz bastante tempo.

Porque então não adaptar para Sinalândia ou então Curitifarol? Temos outros ainda, como Radartiba ou então, o que eu mais gostei, Samafotiba? Esses nomes me foram sugeridos pela Ana, mas venhamos, é de um tom muito interessante mais real do que terra dos pinheirais, certo?

Aliás, sabiam que parte do pinhão que compramos e comemos em curitiba vem de minas gerais e do rio de janeiro, locais onde as pessoas ainda conservam os pinheiros?

Voltando para a terra dos radares, os nomes são uma sugestão, eu como declarado possível futuro candidado a casa legislativa do município, vou anotá-los e guardá-los, não sabemos o que o futuruo nos reserva para além de 2012...

Quero, para finalizar hoje, apenas explicar que não sou contra os radares, pelo contrário, mas sou contra a forma como as coisas acontecem. Licitações estranhas, radares usados descartados e outras coisas. Os motoristas infelizmente demonstram uma grande capacidade de desrespeito as leis que determinam velocidades máximas e mínimas e por isso essa indústria se instala.

E tem outra, não quer ser multado ou ficar parado em engarrafamentos? Use o transporte coletivo, faça sua parte, e viva!

Abraço a todos! Ana, valeu o e-mail!

sábado, 17 de abril de 2010

Adeus, Lady Laura!

Sem muito o que dizer, vai com Deus Lady Laura.

Lady Laura, por Roberto Carlos

Tenho às vezes vontade de ser
Novamente um menino
E na hora do meu desespero
Gritar por você
Te pedir que me abrace
E me leve de volta pra casa
E me conte uma história bonita
E me faça dormir
Só queria ouvir sua voz
Me dizendo sorrindo
Aproveite o seu tempo
Você ainda é um menino
Apesar de distância e do tempo
Eu não posso esconder
Tudo isso eu às vezes preciso escutar de você

Lady Laura, me leve pra casa
Lady Laura, me conta uma história
Lady Laura, me faça dormir
Lady Laura

Lady Laura, me leve pra casa
Lady Laura, me abrace forte
Lady Laura, me faça dormir
Lady Laura

Quantas vezes me sinto perdido
No meio da noite
Com problemas e angústias
Que só gente grande é que tem
Me afagando os cabelos
Você certamente diria
Amanhã de manhã você vai se sair muito bem
Quando eu era criança
Podia chorar nos seus braços
E ouvir tanta coisa bonita
Na minha aflição
Nos momentos alegres
Sentado ao seu lado, eu sorria
E, nas horas difíceis
Podia apertar sua mão

Lady Laura, me leve pra casa
Lady Laura, me conta uma história
Lady Laura, me faça dormir
Lady Laura

Lady Laura, me leve pra casa
Lady Laura, me abrace forte
Lady Laura, me faça dormir
Lady Laura

Tenho às vezes vontade de ser
Novamente um menino
Muito embora você sempre acha que eu ainda sou
Toda vez que eu te abraço e te beijo
Sem nada dizer
Você diz tudo que eu preciso
Escutar de você....

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Velocidade

Pois bem, os números demonstram que na primeira semana dos novos radares, pelo menos 15 mil motoristas já foram multados! Eu acho pouco. Curitiba já tem mais de 1 milhão de veículos. E a falta de educação dos motoristas é um pré-requisito para conseguir a permissão para dirigir. Ou seja, para que faixas pintadas? Para que os carros modernos chegam as lojas com o maldito pisca-pisca? E porque ainda existem carros com buzina?

Vejam a foto:
Não é atoa que as faixas servem, para os motoristas de curitiba, como guias. Eles alinham os veículos bem no meio e ficam como esse brinquedo na foto.

É muito triste perceber que uma capital, como Curitiba, que tem várias características de primeiro mundo, tem um povo tão mal educado. Um povo que demonstra a burrice quando está na direção.

Talvez por isso, o brasil continue sendo por muito tempo um país em desenvolvimento.

Triste, triste... E viva os radares e as multas que chegam com eles! Pelo menos agora, a velocidade média vai baixar um pouco!

Os radares ainda são idiotas e ineficientes: não multam as motos, que podem passar por entre os sensores e ainda, não multam os malditos que andam sobre a faixa, que não sinalizam e ainda por cima, as bestas que viram nos locais proibidos ou então, os que não obedecem a conversão nas faixas obrigatórias.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

De olho!

Vocês viram, o preço da gasolina e do alcool subiu. Em média 30 centavos, mas em alguns lugares 0,50 no alcool. Tentarei, a partir de agora, vir aqui e mencionar o fato todas as vezes que ele acontecer. Tanto para cima, quanto para baixo. A desculpa as vezes é a entresafra, o dólar ou o preço do petróleo. Contudo, na esmagadora maioria das vezes, as oscilações atendem apenas ao comando dos chefes do maior cartel legal do Brasil.

Como somos reféns dessa merda toda, ficamos à mercê do bom humor de pessoas como o senhor Roberto Fregonese, que se não é canalha, pelo menos deveria ter amor próprio e vergonha ao mostrar a cara e dizer que os donos de postos apenas retiraram os descontos.

Curiosamente todos retiram os descontos juntos né?

Se tem uma coisa que desaprovo no governo Lula, o alvo preferido do meu companheiro de blog, é a sua passividade em relação ao preço dos combustíveis. Quando o barril de petróleo aumentou absurdamente, os preços dispararam. Quando o dólar subiu, idem, Mas quando os dois despencaram, o preço continuou o mesmo. Só a desclpa mudou.

No tempo do Fernando Henrique - pessoa por quem não nutro nenhuma simpatia - ocorreu algo semelhante e uma redução no valor de um dos impostos (não lembro qual) que incidem nos combustíveis foi a alternativa. O preço caiu drásticamente e as coisas tornaram-se mais reais.

Infelizmente o mesmo não acontece agora e ficamos de mãos atatads diante da passividade do governo. O pior de tudo isso é: Vamos recorrer a quem?

Rezar? Deus (alá, buda ou outra divindade) tem coisa muito mais importante para fazer...
.

Eu estou tentando

E realmente estou tentando. Quero escrever sobre todos os outros assuntos que não sejam relacionados a política. Mas hoje não conseguirei.

Quero dizer que estou disposto e esperando marcarem o dia: pessutão x requião. E ainda gostaria que fosse em praça pública. Requião mandou durante 7 anos e alguns meses e por conta própria passou o bastão para o tal pessutão. Pessutão por sua vez, chegou e como qualquer um faria, passou a arrumar a casa ao seu jeito. Não que do jeito que estava, tivesse desarrumada, mas não tinha o toque do rei posto.

Pessutão tirou alguns dos mais fiéis ajudantes do requião e isso o irritou. Requião, um político ancião que aprendeu a usar ferramentas da internet, está disparando avisos para o pessutão. E agora, o que será?

Eu já falei e repito, quero que marquem o dia e a hora e lá estarei. Aliás, o Beto, o Rubão e outros já podiam se armar também para participar. Eu prometo que levo bastante pão pois o circo já estará armado.

Delazari saiu e temos alguns meses até que o novo governador assuma, e será muito feio se nesse meio tempo, pessutão e seu novo secretário de segurança pública fizerem mais do que requião em tanto tempo.

É uma questão de tempo, de paciência.

E como não posso sumir daqui, não perderei isso por nada...

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Made in China

País mais populoso do planeta e fonte de notícias que assustam por conta dos números. Até a hora que escrevi esse texto, eram 400 mortos e 10000 mil feridos por conta de um terremoto.

E 2010 parece ter sido escolhido para ser o ano das tragédias. Será?

Na China, quando acontece algo assim, morre muita gente. É triste e eu fico imaginando até quando o planeta vai ocasionar esse tipo de acontecimento. Na verdade, a resposta é: sempre. Terremotos, maremotos, chuvas e tudo mais sempre existiram e sempre existirão. O que causa comoção é que agora, estamos em todas as partes do planeta, inclusive vivendo nas áreas onde ocorrem tais acontecimentos.

Exemplo disso temos até mesmo no brasil. Em são paulo, uma área de várzea, que é utilizada pelos rios para justamente poder transbordar, pessoas construíram suas casas e assim serão vítimas de alagamentos.

E uma pergunta que me foi feita: para onde irão, que opção tem essas pessoas?

A resposta que dei foi: não sei, mas não deveriam ter ido justamente para esses locais.

De forma fria, podemos perceber ao rodar por curitiba, que até com apoio de políticos, pessoas habitam em locais que não deveriam ser habitados. E isso quer dizer que logo essas pessoas perderão tudo o que tem para a água, que cedo ou tarde, vai tomar o lugar que um dia já foi dela.

Assim como na China. Muitas dessas regiões são afetadas por terremotos, enchentes, chuvas. E continuará sendo assim, infelizmente.

Tomara que daqui alguns anos, não inventem de fazer um loteamento no possível morro que será deixado no aterro de curitiba, pois uma lição já foi aprendida com o que ocorreu em niterói. Será que foi realmente aprendida?

E, meus sentimentos a todos os chineses que infelizmente morreram nesse terremoto!

terça-feira, 13 de abril de 2010

Desinformação e manipulação!

Bom, antes de mais nada, uma boa semana para todos. Meu nome é Eduardo Luiz Klisiewicz, tenho 28 anos, sou jornalista e trabalho há quase cinco na Gazeta do Povo, braço impresso e on-line da Rede Paranaense de Comunicação. Como é a vitrine do jornalismo paranaense, a RPC é constante vítima de acusações infundadas de manipulação da informação. Não serei ingênuo em defender a imparcialidade no jornalismo, mas garanto que a empresa toda se esforça em ser o máximo de imparcial que o mundo permita.

Fiz esse nariz de cêra para explicar como se produz o oposto de tudo isso, ou seja, uma matéria imparcial e manipulada. Pior tipo existente de jornalismo, ele permite ao seu criador moldar uma realidade como lhe convém e tentar empurrar para seus pares uma verdade normalmente deturpada e, naturalmente, mentirosa. Não aprendi a exercer essa prática na faculdade e nem na RPC, mas a vida e os maus profissionais que encontramos no mercado nos mostram como fazer isso. Além disso, irei mostrar como a falta de organização e a desinformação complicam muito nossas vidas.

Domingo passado, dia 11, fui com minha noiva fazer sua imunização contra a gripa A H1N1. Cientes de que teríamos dificuldades em receber a vacina (afinal resolvemos ir no fim da tarde), saímos de casa por volta das 16h30. Fomos a Unidade de Saúde do Maracanã, mas fomos encaminhados ao postinho do bairro. Preferimos tentar a US do Bacacheri. Chegamos lá por volta das 16h50, mas as portas estavam fechadas e um aviso nos encaminhava ao BIG Hipermercado e a outros pontos de vacina. Fomos ao BIG (chegamos próximo às 17h), mas as doses tinham terminado.

Fomos novamente encaminhados, dessa vez ao novo Hospital do Boa Vista (antigo postinho). Lá chegamos e tivemos que encarar uma longa fila. Não tinha jeito. Fomos lá. Deixei minha noiva plantada no final da fila e fui me informar. Primeiro, após uam observação mais cuidadosa, vi que a o atendimento seria rápido, pois existiam umas seis pessoas vacinando. O problema era a triagem. O preenchimento de uma ficha pequena, básica, tomava muito tempo, o que causou um fato patético de quatro enfermeiros ficarem com a seringa em punho, esperando a triagem (que emperrava a fila) liberar os pacientes.

Pensando em desistir e voltar outro dia, perguntei para uma moça sentada abaixo de um letreiro de "Informações" até quando a faixa etária de 20 a 29 anos poderia tomar a vacina. Ela simplesmente disse: "Olha moço, não sei não. Pergunta para aquele pessoal ali da sala 1 (local da vacina". Muita gente respondia respostas semelhantes da moça bem informada e iam até a sala perguntar, atrasando ainda mais a vacinação. Preferi não fazê-lo. Bastou eu olhar na parede logo atrás da sábia atendente para ver, em letras brilhantes, o calendário de vacinação e saber o que eu queria.

Voltei para a fila com minha amada.

(interrompemos nossa programação normal. Já continuo essa parte da história)

Agora vem a tal da manipulação.

Um rapaz, munido de uma camera fotográfica, chegou na fila depois de nós. Não demorou muito tempo para ele começar a filmar a fila e a narrar o seu "off" (para que não sabe, é o texto lido pelo repórter quando ele não esta aparecendo). Deu para entender um pouco do que ele falava. Metia o pau no governo, reclamava do número insuficiente de vacinas e das longas filas. Falava da falta de estrutura e do descaso com a população.

Mas não falava que a vacinação para essa faixa etária estava sendo feita desde o começo do mês. Nem que as pessoas que estavam na fila tiveram o dia todo e vários locais para buscar a vacinação. Nem que o que estava fazendo a vacinação demorar eram as pessoas, não o sistema (tanto é que flagrei o momento em que os atendentes, de seringa em punho, apenas esperavam os pacientes para a "picada"). Porque ir para a fila faltando cinco minutos para o fim da vacinação? Só para reclamar que tudo é uma merda e nada funciona? Façam-me o favor. Eita povo que gosta de manipular a realidade.

Qual é a verdade?

(voltamos a nossa programação normal)

Cinco minutos depois, com boa parte do caminho percorrido, me chega uma dona de jaleco e dispara: "Só será atendido quem tem esse papelzinho. O resto não receberá a vacina". Mas como, perguntei. "A vacinação aqui é até as 18h. Estava escrito na US do Bacacheri e o pessoal do Big nos disse isso também". A resposta, do jeito que as coisas vão, nem me chocou. "O pessoal do Big esta falando isso para diminuir o povo de lá e nos ferrar aqui".

Bom, pensei: Porque não colocaram uma porcaria de um aviso com o horário da vacinação na porta do posto? Porque a canalha da última pessoa que recebeu o tal papelzinho não avisava quem vinha chegando atrás dela que o atendimento estaria condicionado à posse do tal papel?

Esses são ingredientes para se estragar um sábado feliz. Mas, não caí nessa (mesmo porque a culpa de ter ido se vacinar no fim do dia era minha). Terminei o dia da melhr forma possível, mas certo de que o ser-humano é desprezível em sua maioria. Ainda acredito nele, mas cada dia mais me decepciono.

Viver e não ter a vergonha de ser feliz...

Hoje minha manhã foi produtiva. Conversando com o Marquinhos, um rapaz que trabalha comigo, conheci o eBay. Na verdade, eu já conhecia de ouvir falar e um pouco dos números, mas nunca tinha acessado o sítio. Pois bem, eu vivo e com toda certeza, não tenho a vergonha de ser feliz. E sou feliz como dá - pouco dinheiro sobrando, poucas aquisições... Quase nada investido a não ser a educação dos meus filhos e vamos tocando.

Uma das minhas aquisições, levei semanas para comprar. É um carro rádio controlado a gasolina. É alucinante ver aquele bicho correndo, gritando como uma cigarra. É bacana saber que cada vez que eu uso eu terei que lavar, ajustar a suspensão, retirar a gasolina, pilhas - me sinto como uma equipe de uma categoria qualquer do automobilismo, claro que na proporção de 1/10 (que é a escala do carro).

Mas uma coisa me deixa muito triste nesse processo. Como o carro é rádiocontrolado, em certos momentos o rádio deixa de ser algo confiável e faz com que o carro bata no que estiver na sua frente. E assim foi, até que eu quebrei o braço da suspensão, na verdade, a torre de choque.

Em curitiba, capital ecológica e melhor lugar do mundo para se viver, tem umas 2 ou 3 lojas de modelismo e hobby. Fui em 1, nada! Fui na segunda, e nessa eles não trabalham com peças de reposição para carrinhos que vieram na revista - existe um modelo vendido em lojas, igual. Até que sem muita esperança, fui na terceira loja. Bom, se tivesse esperança, teria que tê-la jogado no lixo mesmo! Não tinha a peça.

Me sobrou a opção de ir para são paulo, mas mesmo lá, algumas peças são difíceis.

E aí entrou o eBay. No eBay tem algumas das peças, quase todas. Mais barato, com frete grátis e toda segurança para pagamento, que mesmo sendo em dolar, compensa em comparação aos preços e ao atendimento das lojas aqui de curitiba.

Por isso, tomei um novo ânimo. Final de semana, gastarei um dineirinho comprando algumas pilhas para o controle, pegarei mais um pouco da gasolina destilada com nitro que meu irmão tem guardada e colocarei minha fera (1/10 a gasolina) para correr pelo quintal. E agora, sem a preocupação de ter que jogar fora se quebrar o braço traseiro da suspensão.

No eBay tem!

Veja você mesmo, www.ebay.com, tem, várias coisas lá que mesmo tendo que esperar até uns 60 dias, vale muito mais a pena comprar lá...

E um viva para a globalização e abaixo o mal atendimento e falta de vontade de alguns lojistas aqui!!!

Vou pedir algumas peças, depois eu conto como foi...

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Segunda-feira

A segunda-feira é o melhor dia de minha semana. É na segunda-feira que acordo com todo gás para trabalhar, pesquisar, estudar e viver uma semana inteira. E é também na segunda-feira que as coisas costumam acontecer. Ou não!

Hoje ouvindo rádio, me lembrei de um texto que o nobre e exemplar jornalista dudu escrever aqui mesmo nesse blog, que falava sobre em quem votamos. E é assim, quem votou, votou, mas agora, pode estar sendo governado por outro qualquer. É claro, que na hora do voto, sabíamos bem que se algo acontecesse com o oficial, entraria o segundo time em campo. E mesmo assim, votamos!

Porém, o que me chamou atenção nessa história, é que o Orlando Pessuti, que até o dia 31 de março era vice, tornou-se governador justamente no dia internacional da mentira, seja ele o dia 1 de abril, ou 1º de abril.

Que coisa, né! Eu até preferia que fosse piada de 1º de abril, mas não é não.

Pelo menos não temos do que reclamar, né, não poderemos dizer que tivemos um único governador por 8 anos...hehehe

Para trocar um pouco de assunto, creio que seja interessante visitar o sítio da Rede Bandeirantes e assistir ao programa Canal Livre, que foi ao ar ontem a noite, sobre chuvas e clima: http://www.band.com.br/canallivre/videos.asp

Existem vários motivos para assistirmos esse programa, um deles, que me atrevo citar é justamente o fato de que vamos viver um ciclo de chuvas muito intensas e muito presentes, ou seja, se teremos água e energia elétrica, também teremos diversos problemas com os moros já sem vegetação que vemos hoje.

E isso não vale apenas para o Rio de Janeiro ou Niterói, mas aqui no Paraná, por exemplo na BR-277 que liga curitiba ao litoral paranaense também costuma apresentar moros com instabilidade e já registrados desmoronamentos - inclusive com interdição total de uma das pistas.

Precisamos nos preparar...

Uma boa sema a atodos...

sábado, 10 de abril de 2010

Não reeleja essa corja!

Que a série de reportagens da Gazeta do Povo e RPC-TV ficará para história, todos nós já sabemos. O brilhante trabalha das equipes de jornalistas ainda será usado não só nas faculdades, como constará na própria história paranaense como a maior devassa já feita na nossa política. Mas, eu pediria a todos que acompanham esse caso que não deixem morrer mais um detalhes dessa história toda...

... a passividade e a omissão dos deputados paranaenses!

É de causar nojo a postura da GRANDE MAIORIA dos senhores deputados. Diante do escancaramento das denúncias, envolvendo todo mundo do alto escalão, eles não mexeram uma palha sobre o assunto. Eles simplesmente se calaram diante dos absurdos cometidos pela casa há anos. Eu lhes pergunto o óbvio: Porque? Rabo preso, medo de perder padrinos políticos ou medo de perder verbas para tentar um próximo mandato?

Durante a semana o que mais se comentou foi a convicção do presidente da Assembléia, Nelson Justus. Ele bate o pé e se nega a pedir afastamento. Ele não compreende (há, não compreende) que sua presença na presidência pode influenciar diretamente na apuração das falcatruas. O editorial da Gazeta do Povo desta semana também é histórico. Diz o que muitos querem dizer e ainda por cima é mais justo que a maioria. Ou seja, não atribui culpa a Justus, só pede que ele deixe o cargo para que se apurem as irregularidades sem influências.

Influência, aliás, que é sentido por quase todos os senhores deputados.

Tenham vergonha na cara. Se posicionem. Saim de cima do muro. Quem são vocês? De que lado vocês estão? Para que vocês servem, afinal? Queremos gente de atitude nos representando, não bananas de gravatas.

Da série campanhas do DLQ, sugiro que ninguém vote em quem não se posicionou sobre o escândalo da Assembléia. Por uma simples razão: ao se calarem, eles compactuam com tudo de errado que aconteceu ]á; Quem cala, consente. Mas sério ainda... sugiro que não se votem em quem não se posicionou até agora, pois quando a batata assar mesmo, eles vão acabar indo para um dos lados. Mas aí é tarde. Ficará na cara que só tomaram posição, pois não tinha mais o que ser feito.

Chega dos mesmos. É hora de fazer uma LIMPA nessa corja. Fora corruptos. Não estou generalizando não, pois sou contra essa prática. Mas quem é canalha sabe do que estou falando. Chega! A era das mamatas acabou. Deem lugar para quem quer trabalhar por um mundo melhor, não por uma C/C mais gorda.

SUMAM!

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Ontem...

O DLQ ontem tornou-se o "berço" de um lindo texto. E isso significa que esse texto permanecerá aqui, enquanto eu e o dudu estivermos juntos nessa batalha diária. E melhor ainda, buscarei uma forma de dar destaque ao post mesmo depois que ele, por conta do sistema, deixar a página principal!

O texto além de maravilhoso, meu causou uma emoção que não tentarei explicar aqui. São coisas como esse texto que fazem eu acreditar que tudo pode e será um dia melhor. Afinal de contas, se o ser humano já evolui até aqui, deve continuar evoluindo. E em todas as áreas.

Ler um texto como esse me faz esquecer que no brasil, um país em franco crescimento e visualização internacional, que tem como presidente "o cara", mas que teve também outros presidentes igualmente antenados nas falcatruas, permitiu através de outros representantes do poder executivo que se construísse uma comunidade num morro que tinha como base um lixão! Ah, perdão, aterro sanitário.

Para mim, ficaram duas lições: a primeira delas é que pelo menos em curitiba, as vilas criadas em época de eleição por candidatos que buscavam gente no interior e fazia a desova nos espaços, foram criadas em locais planos. Haja vista uma vila que tem, visível ao lado esquerdo de quem vai pela avenida das torres, ao lado do viaduto no sentido são josé dos pinhais. E pior, os ônibus que traziam essas pessoas eram de um cara, que não citarei o nome por medo de morrer!

Lá, já rola um comentário que algum candidato além de dizer que o morro do lixo era seguro, ainda andou distribuindo, numa prática comum, tijolos, telhas, cimento, areia, e tudo mais.

Eu até sinto pena das pessoas que perderam tudo, mas até que ponto essas pessoas são apenas vítimas?

OK, ok, ninguém sabia que antes era um lixão, mas também, ninguém imaginou que aquilo iria despencar, ou seja, isso foi uma troca de favores em que uma parte saiu perdendo, e a outra, ganhando...

Ganhando a eleição?

Bom final de semana a todos!

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Sonho!

Gentes boas... não posso evitar de publicar o texto que uma grande amiga minha me enviou esta manhã. Ela, de uma insegurança adolescente inexplicável, ficou "meio assim" de mandar essa crônica para um amigo publicar em um diário lá de Maringá. Pode? Eu achei o texto belíssimo.

Isto posto, publico a seguir a crônica da minha amida Ana. Amiga esta que é daquelas que não se escolhe gostar. Apenas se gosta. Mesmo que os caminhos nos levem para mundos totalmente diferentes. Se gosta por gostar e se gosta para sempre.

xxxxx

Sonho, por Ana Magda Guimarães

Um dia delineei juntar palavras. Cresci em meio a epístolas, no caminho das inscrições, no mundo das frases de impacto, aonde o que importava era nada mais do que utopia. O pai (único que tive por referência e não me pertencia) homem das letras, dos grandes negócios e das fusões, vida boa e mansa, corrida, mas prazerosa aos olhos de qualquer mortal. Uma ponte aérea e um fio nos atrelavam. Sentia-me amada e isso me bastava. Aquele vendaval de vida que sentia vinda deste homem pequeno, de olhos claros e carinho debelado (pois tinha uma forma nada comum de expressar o amor) era o bem que eu tanto queria e o amigo de todo o sempre. Nunca dei um passo sequer na vida sem que ele o soubesse.

Com ele aprendi a ser doação, escutar a qualquer um num desabafo, ajudar, ser a mão estendida, o sorriso largo e anistia imediata – mesmo que me custe uma dor amarga na boca do estômago e tambores batendo na cabeça como repique de escola de samba – aprendi a não ter sanha de ninguém. Ódio então, nunca soube do que se trata. Mas também aprendi a me bipartir – como os bancos dos carros que ele nomeou e tanto amou nesta vida que ainda está em curso. Ainda sopro de gente, entendi que às vezes calar é a melhor saída e em tantas outras ouvir apenas, mais sentido faz. Mesmo que não se escute absolutamente nada.

Acordei num dia 2 qualquer sem o pai confidente fiel, sem a atenção do homem por quem eu enfrentava o mundo de peito aberto e cabeça erguida. Aquele que se tornou da noite para o dia o meu demônio, o inferno particular que eu teria de administrar eternamente, arrancou-me o chão e fez do passado algo que não existiu, deixou-me desamparada. e nunca mais escutei o “Olha, liguei só pra te dar um beijo!” que eu herdei – abstruso demais de alguém entender. Fácil assim, tem hora em que a gente não quer nada que não um simples gesto de estar ali para alguém, ser a segurança, o pouco da atenção que todo mundo merece. Mas descobri outras habilidades nesse eu que hoje me compõe: temperos, negócios, aromas, panelas, conjugações e vontades. Realizei-me e me decepcionei, desenganei outrem, desaprendi, aprendi de novo e lobriguei que com vontade a gente chega longe. Nem que não aportemos em lugar algum. Nada permanece igual, mesmo coisas que não mudam jamais.

Aprendi a sentir o vento no rosto, olhar o horizonte num dia de céu azul e estrada para trás, a escutar a chuva batendo no telhado e respirar fundo aquele cheiro de terra molhada. Que saudade! Entendi que o dia passa veloz e a gente simplesmente não tem opção: deve viver como se fosse o último e dar a devida estima a cada um... Não é verdade que o tempo cura tudo. Mas a esperança da qual não largo, vem de agradecer aos céus e pedir clemência, aceitar humildemente cada penha dessa trajetória louca a qual damos o nome de vida. Resignar-se, esperar, doar-se e ser atenção pura e natural é dom de poucos. Aprendi que sentimento é coisa circunspecta e que podemos por pouco aviltar o de alguém. Aprendi a arrepender-me verdadeiramente e a perdoar. Desejar estar mais perto de Deus. Hora esta em que sou tênue e amiúde como todas as coisas deveriam ser

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Eu gosto do frio

Talvez para você leitor importe pouco saber que eu amo o frio. Mas é verdade, entre o calor de janeiro e o frio de hoje, sou muito mais o frio. Trabalho melhor, durmo melhor, como melhor, enfim, tudo melhor. Meio biotipo é para o frio.

Isso não quer dizer que eu quero o frio para sempre, curitiba de verdade me agrada muito por ter vários climas as vezes num só dia. Porém, chuva não. Chuva é algo muito chato.

Hoje, com todo esse frio, o trabalho rendeu muito. Aliás, de todos os dias que trabalhei em 2010, o dia de hoje foi o de mais trabalho se eu contar em termos de quantidade. E você?

Daqui a pouco, vou caminhar até o ponto e pegar um dos ônibus desse transporte mais eficiente do mundo. Pagarei 2 reais e poucos para me sentir quentinho e exprimidinho...hehehe

O dia de hoje foi lindo. O frio, o céu, e tudo mais...

E por isso mesmo, peço desculpas por, conforme vinha fazendo, não escrever pela manhã. Gostaria de agradecer aos quase 2500 acessos que já tivemos até hoje, o que me deixa, acredito que ao dudu também, muito agradecido.

Saber que tivemos 2500 acessos me mostra que estou começando a aprender a escrever!

O dia que eu aprender, eu creio que a coisa vai ficar melhor...

Então, até esse dia...

Um abraço e muito obrigado a todos...

terça-feira, 6 de abril de 2010

Na mesma tecla!

Volta e meia vemos alguém perguntar para Deus: Porque? Porque as coisas acontecem como acontecem, porque o mundo é tão cruel com um povo tão bom e feliz como o brasileiro. As chuvas que castigam o mundo todo, mais especificamente nesta terça-feira no Rio de Janeiro, são meros reflexos de nossos próprios atos.

E não ache que você não faz parte dessa turma. Eu também já fim. Já joguei na rua, no auge da minha adolescência, alguns papéizinhos de bala, daquelas freegels safadas que traziam cantadas, piadinhas e mensagens de amor. Fui porco, não sou mais. E você? Pode dizer isso com certeza?

Hoje só nos interessa concretar, construir e crescer. A que preço? Você acha que já não me passou pela cabeça meter lajota ou cimento no meu rico quintal para acabar com o pentelho trabalho de ter que cortar a grama? Claro que já. Mas a educação que tive em casa não me deixou fazer isso. Tornar o ambiente que vivo mais saudável e sustentável para mim e meus semelhantes me interessa.

A gente roda, roda, roda e redescobre todos os dias que os culpados por esse mundo cruel ser do jeito que é do povo. É nossa. Me incluo nesse bando para não fugir à responsabilidade, mas tenho tentado fazer a minha parte. Isso não quer dizer que foi me filiar ao PV e militar no GreenPeace, mas pelo menos tento levar o respeito ao próximo. Tratar os outros com educação é um grande passo a se dar. Se aprendermos a respeitar aqueles que vivem ao nosso redor gera (ou pelo menos deveria) gerar uma corrente do bem.

Aliás, por mais piegas que pareça, o filme que leva esse nome (que tem o piazinho do Sexto Sentido, a Helen Hunt, Kevin Spacey e Jin Caviezel, o Jesus Cristo do Mel Gibon) eedeveria ser passado em todas as escolas.

Faça o bem sem querer nada em troca. Compre um pacote de feijão e ponha na sacolinha da igreja, na caixinha deixada no mercado. Compre um pirulito da tia vestida de palhaça na Visconde de Guarapuava, um pão pro mendigo bêbado e com fome. Diga Obrigado, fale bom dia, se interesse pelo que o outro sente.

Boa notícia...

Eu estava aqui, ouvindo o pingar das gotas d´água e pensando: que merda, hoje vai ser um dia muito molhado. Até que ao abrir um sítio na internet, fui agraciado com a melhor notícia de todas que eu poderia ler como usuário do transporte coletivo que sou: a passagem deve aumentar até 30 centavos.

Não serei leviano, ao comentar, tentarei fazer de forma mais completa.

Fato: há décadas o transporte coletivo em curitiba é exclusividade de algumas empresas que pertencem a alguma famílias que bancam o maldito jogo político, uma grande parte das imobiliárias que especulam imóveis e terrenos e que na verdade, são os verdadeiros pefeitos e vereadores de cutitiba.

Fato: o município ficou obrigado a fazer uma licitação.

Fato: adivinhe quem está na fase avançada da licitação? Isso mesmo, os mesmos que sempre estiveram gerenciando ônibus velhos, novos e essas porcarias que somos obrigados a usar todos os dias.

Fato: mesmo sendo uma licitação, o preço de equilíbrio terá que ser 30 centavos maior, é o que eles dizem, e por isso, o usuário, um idiota que paga para andar em ônibus lotados, barulhentos e tudo mais, vai desembolsar 2,50R$.

Fato: dirigo uma Quantum 1993 - 2.0 GLSi a gasolina. Ela roda 10KM por litro de gasolina. No âmbito geral, se eu levar em consideração gasolina, pneu, seguro, manutenção e tudo mais, ela me custo 19 centavos por KM. Meu serviço fica a 10 KM, logo eu gasto 1,90 pelo trajeto + estresse.

De ônibus, eu gasto 2,50 pela mesma distância, o que me permite considerar 25 centavos por KM + estresse, virus, bactérias, e tudo mais que tem num ônibus.

Como vão me convencer a continuar usando o ônibus?

Vão a merda. Prefeitura, é melhor vocês tirarem as canaletas ou liberarem a circulação de carros, eu quero que o tranposte coletivo familiar hierárquico de curitiba exploda.

Quero que o prefeito Beto Richa, esse pia de merda, que prometeu, prometeu, prometeu e não cumpriu, vá pra puta que pariu. Licitação de transporte coletivo: idiotice...

Para que toda essa palhaçada?

Continuaremos com tudo igual, os mesmos ônibus, o mesmo gerenciamento e o preço mais alto...

E aí, para que tudo isso?

segunda-feira, 5 de abril de 2010

3 poderes

No brasil, temos instituídos 3 poderes: o executivo, o legislativo e o judiciário. Um depende do outro e assim por diante.

Uma coisa que eu ainda não consegui entender é: porque dirigir bêbado não é um crime hediondo? Além de não ser, o desgraçado que causa um acidente depois de ter bebido é normalmente acusado de homicício culposo, quando não há intenção de matar.

Então o idiota toma uns goles, enxerga tudo meio turvo, ouve de forma diferente, não reage de maneira correta e ainda assim não tem a intenção de matar?

Vou contar algo: já dirigi muitas vezes sob efeito do álcool. Muitas mesmo. Principalmente na época em que eu era um idiota (muitos acham que ainda sou), mas para mim era normal. Como poderia ser normal dirigir numa estrada a 40KM/h? Como poderia ser normal andar em 1ª ou 2ª marcha por mais de 10 KM? Ou então, como era normal errar a vaga na garagem e parar o carro todo torto? Felizmente o ex-idiota aqui nunca causou nenhum acidente até que, há uns 4 ou 5 anos, ele finalmente abandonasse o uso de bebidas alcóolicas.

Mas o ex-idiota aqui conseguiu perceber que um dia ou outro, iria provocar um acidente. Tem muitos idiotas que continuam bebendo e dirigindo. E o que é feito? Prende o cara, que não pode produzir provas contra si mesmo, faz ele pagar uma fiança, libera o cara e depois de uns 3, 4, 5 anos, ele é julgado e condenado a pagar com trabalhos comunitários ou aí, uns kg de arroz e feijão.

Essa lei precisa mudar. Precisa ser muito mais do que a tolerância zero e alguns etilómetros, nome lindo de bafômetro. É preciso punir com rigor para que o exemplo de beber e dirigir não seja seguido.

Estou errado?

E o que os três poderes tem com isso? Nada, eles nunca estão nem aí para isso. O judiciário até tenta, mas a lei não permite...

Enquanto isso, a cachaça, orgulho nacional, continua aí, matando no trânsito, nos bares... em qualquer lugar... "Mardita!"

Não compre pinhão!

O Diário Leite Quente tem se notabilizado na imprensa paranaense (hahahahahahahahahahahahahahah) por levantar bandeiras em defesa de seus princípios. Foi assim contra o absurdo dos preços da gasolina, das bebidas em churrascarias e contra a corrupção na política. Dessa vez quero falar sobre algo que me incomoda muito, mesmo sem eu ter tido muito embasamento.

Indo para Prudentópolis para mais uma páscoa ao lado da familia da minha patroa, mais uma vez, me deparei com algo que considero um absurdo, mesmo considerando que os autores desse absurdo podem apenas estar lutando para garantir sua sobrevivência. Em vários pontos da rodovia, entre Ponta Grossa e Prudentópolis, sacos com pinhões frescos eram oferecidos para os motoristas.

Eu, como bom paranaense, sou um grande fã da semente do fruto das Araucárias. Mas me parece errado comercializar e comprar os pinhões nessa época do ano. Esta muito cedo ainda. É fato que com o objetivo de lucrar, muitos tiram as pinhas cedo demais e evitam o completo desenvolvimento do fruto. Isso quer dizer, em miúdos, que para se catar meia dúzia de pinhões os caras desmancham uma pinha inteira.

É errado isso. O auge dos pinhões acontece em maio e junho. Forçar a colheita para ganhar uns trocados (muitos trocados, afinal o preço cobrado pelos caras agora é altíssimo) realmente não me parece certo. A cada ano vemos menos pinhões à venda e o preço cada vez mais alto. A produtividade fica prejudicada e perdemos a chance, que é anual, de aproveitar as delícias do pinhão.

Por isso, peço encarecidamente, que não comprem pinhão antes de maio. Preserve a natureza e evitem mais essa ação exploratória do homem. Esperem até maio, quando tudo estará regularizado (na ordem natural das coisas). Pode lhe parecer estúpido, mas eu acredito que fazendo isso, faço minha parte no intuito de preservar algo no nosso planeta.

Entre nessa também...
.

domingo, 4 de abril de 2010

Passou...

A páscoa passou. 2010 caminha agora para o próximo feriado, que se não me engano comemora o dia do trabalho. 1º de maio, certo? Será um sábado!

Mas o que importa, positiva ou negativamente é que a páscoa passou. Trocamos ovos de chocolate e nos confraternizamos com nossas famílias - cada qual como pode, com almoço, ou café da tarde ou ainda, no isolamento social de cada um.

Meus filhos esse ano ganharam de mim um presentinho diferente. O coelhinho dessa vez botou um aquário e nele um peixinho. Um beta. Eles até deram nome para o bichinho. É provável que o pequeno peixinho não dure muito, mas assim mesmo, será uma experiência boa para os dois meninos. Eles terão que aprender a cuidar do peixinho - dar ração, preparar as trocas de água e tudo mais.

Sei que posso me surpreender, tanto positiva quanto negativamente. Acredito que positivamente. Nunca vi os dois tão atentos ao ouvir os cuidados que devem ter com o peixe.

E também não esquecerei a carinha de felicidade dos dois.

Mas outra coisa marcou meu feriado. Assisti um filme em DVD, o qual, para mim, foi talvez a pior coisa que eu já assisti em minha vida: Geração Fast Food.

O filme surgiu com uma proposta de ilustrar o problema de uma grande companhia de fast food que descobre que o índice de contaminação da carne fornecida para seus sanduíches está acima do normal. Isso parecia interessante.

O filme conta com nomes como Avril Lavigne e Bruce Willis, que infelizmente fizeram um grande marco negativo em suas carreiras. Num dado momento é possível perceber que o propósito do filme é apenas o de ser um material contra o capitalismo e suas indústrias. E é aí que ele se perde.

Com uma crítica tendenciosa e superficialmente tratada, o filme além de não chegar a lugar algum, apenas ilustra o movimento migratório do méxico para os EUA, movimento esse apoiado pela indústria e enfim, o fast food.

Foi simplesmente um material ruim de se ver.

E por hora, ficarei por aqui, com a vontade de almoçar amanhã no McDonald´s.

Uma boa semana para todos...

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Em suas marcas!

Hahaha, estava eu ouvindo rádio hoje e lembrando que em alguns países mundo afora, o porco, isso mesmo, aqueles rosados, oras malhados entre outros, é usado não apenas como matéria prima para salsichas ou linguiças. Existem corridas de porcos, assim como temos aqui no Brasil corridas de cavalos.

Preparam-se locais onde se colocam os porcos e eles correm rumo a vitória, para deleite de seus donos e claro, salvar suas vidas porcas.

Aqui no brasil, que não poderia ser diferente, temos também uma corrida de porcos. E não estou falando do popular, que envolveria torcidas rivais correndo não, estou falando da corrida eleitoral.

Dilma plastiquinha, José Serra Vampi, um monte de ministros, até mesmo Beto Richa e Roberto Requião são personagens dessas corridas, o que equivale aos porcos.

São nomes recorrentes o que prova que pelo menos no brasil os porcos que perdem não vão para a panela. Eles se garantem com acordos políticos e coisas assim para se perpetuar no poder ou perto dele. E esse ano será agitado.

Temos porco, ops, para todos os lados. Uma dinherama que nos meus bolsos, cueca e meia não caberia nem que fosse em notas de 1000 reais e muita vontade. Marketeiros de plantão, assessores de imprensa, mídia, editores e tudo mais. A copa do mundo vai dividir espaço.

Mas você sabe o que está em jogo de verdade?

O poder. Correm atrás do poder dois representantes mais significativos: um da ala esquerda (bandeira vermelha, ex-revolucionária e tal), também aluna de Hugo Chavez e um da direita que tem como base a "elite dominante capitalista neo-qualquercoisista que só sabe perseguir a classe trabalhadora.

Os outros, até não fedem nem cheiram, o que significa nada.

Temos que escolher, aliás, vocês irão escolher, eu tô fora dessa, entre a dilma (seus bolsas e "cumpanheiros") ou entre Serra (e as privatizações e o capital).

Tá feliz? Nessas horas eu odeio a democracia. Você serão obrigados (eu estou fora) a escolher entres os piores, o melhor.

É pagar para ver, e estamos pagando caro, o que será desse 2010!