terça-feira, 10 de agosto de 2010

E eu com esses números?

21021981198401071952179325869965697999899666996849411089691745805010333215501556556933976860999177479154575368633535938232498266390260052083485#124712473321070933110198217810207083845948682823001010307070709


Sempre fui avesso aos números. Desde sempre (e para todo o sempre) a matemática foi algo totalmente fora do meu contexto. Sobrevivi muito bem a ela até agora e tenho certeza de que seguirei minha vida até o seu derradeiro fim sem tê-la como minha companheira. Apesar daquele 1,5 que tirei no boletim me dói até hoje, mas não foi o suficiente para me abalar.

Como eu sempre desconfiei, logaritmos e fórmulas de báskara nunca me serviriam para coisa alguma se eu fosse jornalista. E eu estava certo, viu mãe, viu pai. Números só me interessaram para resolver questões básicas do dia a dia e para compreender um pouco mais do mundo, é claro, com seus PIBs, porcentagens e tudo mais, além de entender como fazem para que o meu salário bruto fique líquido no final do mês (e assim escorra por entre meus dedos).

Dia desses parei para pensar na absurda quantidade e números que somos obrigados a decorar durante a nossa vida. Mesmo odiando-os, eles se revelam meus amigos se eu considerar que sou totalmente dependente deles.

Resolvi colocar esses números no papel e me assustei. O resultado é esse aí em cima.

Maluco né? Mesclei ali uma porrada de números que lembrei assim, de sopetão. Realmente somos escravos desses números e não há como fugir totalmente. Na verdade você pode até optar por não decorar CPF, RG e outras coisas. Mas aí outras situações se tornariam mais complicadas automaticamente.

Enfim... o assunto é um pouco ameno, mas me fez pensar o quão escravos somos disso tudo.

ps: Para engordar esse post cito uma letra dos Engenheiros do Hawaii que fala sobre o tema "números".

Números (Humberto Gessinger)

Última edição do Guiness Book
Corações a mais de mil
E eu com esses números?
Cinco extinções em massa
Quatrocentas humanidades
E eu com esses números?

Solidão a dois
Dívida externa
Anos luz
Aos 33 Jesus na cruz
Cabral no mar aos 33

E eu... o que faço com esses números?
Eu... o que faço com esses números?

A medida de amar é amar sem medida
Velocidade máxima permitida
A medida de amar é amar sem medida

Nascimento e Silva 107
Corrientes, tres, cuatro, ocho
E eu com esses números?
Traço de audiência
Tração nas 4 rodas

E eu... o que faço com esses números?

Sete vidas
Mais de mil destinos
Todos foram tão cretinos
Quando elas se beijaram

A medida de amar é amar sem medida
Preparar pra decolar
Contagem regressiva
A medida de amar é amar sem medida

Mega, Ultra, Híper, micro, baixas calorias
Kilowatts, Gigabytes...

E eu... o que faço com esses números?
Eu... o que faço com esses números?

A medida de amar é amar sem medida
A medida de amar é amar sem medida
Velocidade máxima permitida
A medida de amar é amar sem medida

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Desabafe!