segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Peço desculpas, mas é preciso

E é preciso mesmo. Vou começar meu post de hoje comentando que há uns 2 ou 3 anos, passei uma fase de aspiração ao ateísmo. Isso mesmo, choquei alguns? Me perdoem, os que me conhecem até já sabem mas os outros estão sabendo de forma declarada agora: sou um ateu. Isso mesmo, ATEU!

Não chequei a esse estado de maneira abrupta não, foi depois de muito pesquisar e de conseguir, com ajuda de um e de outro, formar uma opinião a esse respeito. O ateísmo me trouxe algumas respostas que me permitem viver e entender o mundo de maneira mais completa. E com isso, descobri um fato interessante: um ateu é mais considerado no brasil como um marginal, um criminoso. Ou seja, infelizmente, me tornei um criminoso.

O link a seguir, apresenta a transcrição de um programa apresentado por um cara mais conhecido como DATENA, que eu sempre respeitei pelo profissionalismo com que se aproveita da desgraça alheia. Mas que agora, infelizmente, pisou feio na bola. Se quiser, veja, por favor: http://migre.me/154fK

Que o Brasil fica mais violente a medida que os dias se passam, é algo tão óbvio que nem precisávamos de um apresentador desse porte. Que a criminalidade está numa boa, a gente também não precisa de um cara desses para nos alertar.

Mas, eu sou ATEU. Tenho amigos ATEUS. E nem eu, e nenhum dos meus amigos ateus somos criminosos. Muito menos marginais. Aprendemos com o ateísmo que para sermos pessoas justas e nobres de causa, não precisamos acreditar e idolatrar um deus qualquer. Seja ele católico, apostólico, judeu ou muçulmano. Eu e meus amigos ateístas aprendemos a respeitar a crenças das outras pessoas. Não somos superiores porque não acreditamos em deus, mas também não somos inferiores.

Uma das coisas que eu peço é que nos respeitem como seres humanos. Apenas isso!

Para cometer um crime, um criminoso não precisar acreditar ou não em deus, não é um pré-requisito. Aliás, as cadeias estão cheias de religiosos, de crentes em alguma religião. Temer a deus não impede alguém de cometer um crime.

E mais, na Constituição Federal de 1998 - CF/88 está escrito em seu artigo 5º:

Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;


Como diz nossa constituição, temos a liberdade da crença. Se você acredita em deus e eu não, por favor, precisamos viver em conjunto, e quem sabe, lutando pelos mesmos ideias.

Sou ateu sim, mas não sou criminoso muito menos marginal.

Datena, pede aí umas desculpas, cara, "pô, me ajuda aí", Datena, "pô, me ajuda aí"!

Um comentário:

  1. Eu me considero uns 80% ateu (se é que dá pra calcular isso...) e nunca matei, já roubei... roubei abacate da árvore do vizinho, robei um beijo daquele mulher, roubei a bola no meio campo, chutei e fiz gol! O Datena generalisou total... Um juvenil da TV!

    ResponderExcluir

Desabafe!