sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Vou cavalgar por toda a noite...

Bem fácil ficar tentado a começar este texto citando o nome das músicas do Rei Roberto Carlos ou trechos das poesias por ele compostas. Contudo, resisto bravamente. E por um simples detalhe (Uia, detalhe é quase “Detalhes” hein?). Roberto não merecia um texto clichê. Aliás, se para muitos Roberto é o rei dos clichês, para mim é uma questão de filosofia de vida.

Ver o Rei de perto é realmente emocionante. Não é aquela emoção de momento, que te pega numa canção ou numa lembrança apenas. Toda atmosfera do show é tocante. Para cada lado que se mire, parece que vemos olhos loucos de vontade de chorar a qualquer instante. Basta um “Não adianta nem tentar...” para verterem rios de lágrimas antes mesmo do “... me esquecer”.

Cada conversa paralela lembra um causo do passado que teve o Rei como crooner oficial. Ouvi dezenas de “ai meu Deus, é um sonho estar aqui”. Sem exagero. Ver o Roberto é (era) sonho de muita gente, inclusive desse que vos escreve. Um prazer que jurei para mim mesmo viver antes de morrer. De graça então, melhor ainda. Ter a chance de curtir com quem amo então, MUITO melhor. Assim fomos, eu, minha amada e minha véinha.

O repertório foi ótimo. Embora curto, o show nos propiciou momentos de muita alegria. A mim, Proposta e Cavalgada foram ouvidas com uma satisfação que não imaginava poder existir. Bateram Detalhes, fácil fácil. Mesmo esta sendo dedilhada pelo Rei no violão. Mesmo assim. Foi demais.

Mas, como tudo na vida, temos os senões. Achei o som muito baixo para um show (podia-se conversar com o acompanhante e entendê-lo, o que para um show de verdade é quase que inconcebível). E não posso negar que me incomodou que muita gente não teve o privilégio de estar no espaço reservado aos funcionários da firma. Eles viram “menos show” que eu, mas certamente viveram emoções iguais as que eu senti.

Erasmo reina

No domingo, com sol a pino, fomos ver o tremendão Erasmo Carlos. Mó showzão. No meio da galera, estilo show mesmo. Ninguém sentadinho. Galera agitando, som bacana e muita alegria. O Erasmo é dez. Cantei todas as que eu sabia. Curti muito. Show muito mais simples (sem tanta pompa) que o do parceiro Roberto, mas com emoção de igual proporção.

Para resumir o que achei dos shows se comparados, no do Roberto Carlos ele distribui rosas... no do Erasmo o público lhe presentou com flores. E passa a régua.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Desabafe!