terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Quem será nosso herói?


Quem é o maior herói da história brasileira? Tiradentes? Dom Pedro I ou II? Anita Garibaldi? Zumbi dos Palmares?

Recentemente visitei o Uruguai. Durante minha Lua de Mel pude conhecer com bastante intensidade três cidades da nossa antiga provincia Cisplatina: Montevidéo, Colônia de Sacramento e Punta de Leste. Além dessas, passei por outras cidades e em todas elas existiam pelo menos uma praça, uma rua e uma estátua, quando não os três juntos (as estátuas mais de uma vez) de um militar chamado general Artigas.

José Gervásio Artigas foi político, comerciante e militar. Exerceu liderança muito grande entre seus pares da colônia espanhola e lutou em diversas batalhas para ter os direitos do seu país reconhecidos. Ganhou vários combates, foi derrotados em outros, mas deu suor e sangue pelo que acreditava. Tornou-se heróio nacional e desde sempre é reverenciado como principal nome da história do Uruguai.

É nome de escola, ruas, avenidas, praças, bairros e cidades. Seus restos mortais estão expostos em uma urna no monumento erguido em sua homenagem no centro da capital Montevideo. Restos que são guardados diuturnamente por soldados que lhe prestam reverência todos os dias.

A pergunta que volto a fazer é essa: Quem podemos exaltar como grande herói nacional? É difícil apontar um nome com segurança. Numa terra onde o lixo da Europa se exilou, onde levar vantagem sobre o próximo em todos os ambiente, negócios e situações é a lei, é difícil exaltar um herói. Não digo que ninguém mereça esse posto, mas duvido que alguém se sinta plenamente representado por algum desses candidatos a herói.

Eu não me sinto, infelizmente. Queria me sentir, juro.

Acho que um herói cativa pessoas. Faz com que as pessoas acreditem em algo e lutem por esse ideal. Se não com forças armadas, pelo menos com atitudes.

Parabéns ao general Artigas e seus pares uruguaios. Senti um pouquinho de orgulho desse militar, mesmo ele sendo herói numa realidade que não pertence a nós brasileiros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Desabafe!