domingo, 20 de março de 2011

tiozão xarope

Você paga 10%? É uma questão delicada né? Nos sentimos coagidos a pagar essa taxa imposta pelos comerciantes ou associações comerciais (oi coisa que o valha). Algo que, na verdade, seria uma espécie de gratificação para os garçons ou empresas que nos servem com educação e eficiência.

Hoje, contudo, a taxa tornou-se uma maneira bem cômoda de tentar ganhar um troquinho a mais além dos preços abusivos, normalmente supervalorizados e que beiram a extorsão.

Poucas vezes na minha vida tomei a atitude de não pagar esse valor nas vezes em que fui a restaurantes e lanchonetes. Uma vez no Cas@ di bel, pelo atendimento horroroso e comida fria e ruim, outra na maldita churrascaria que cobra R$ 4 num refrigerante de garrafa que custa uns R$ 0,80.

Neste domingo tive que tomar tal atitude mais uma vez. Após jantar em Cascavel em uma lanchonete, pedi um prato daqueles sanduíches abertos. No cardápio o lanche era descrito com pao, tiras de picanha, queijo, batata, alface e tomate. Entenderam né?

Macaco veio que sou, perguntei com TODAS as letras, três vezes, se eraq só aquilo que vinha no sanduíche. Porque? Porque váááárias vezes fui surpreendido por pratos esdrúchulos com uma porção de coisas que não pedi, como ervilha, pepino, maioneses e o pior, as malditas azeitonas. Perguntei esse tanto de vezes se o prato era aquele mesmo. A garconete ne garantiu que sim, era aquilo mesmo (sem ao menos perguntar para alguém). Fui na dela, claro.

Dos males possíveis e repulsivos ao meu paladar, o menor. Veio cenoura ralada, que não desgosto, mas também não morro de amores. A vantagem é que basta empurrar a cenoura para o lado e mandar ver. Ela não deixa gosto. Mas, é claro, veio algo que não pedi e sequer estava relacionado no cardápio. Por pouco não levantei para dez, afinal astuto que sou dei uma sondada e vi um indício de maioneses em uma das folhas do alface. Eles perceberam a tempo e tiraram aquilo que, segundo a garçonete, não viria no prato.

Na hora de acertar a conta paguei e e neguei a pagar os 10%. Expliquei o porque, mas ganhei em troca uma cara danada de feia.

Não seria justo eu premiar a incompetência. Se essa palavra for forte demais, digo então que não acho justo pagar os 10% para alguém que sequer conhece o cardápio da casa. Pior, falo em premiar a garçonete mas sabemos que essa grana dificilmente vai para eles e fica mesmo para o patrão.

Enfim. Atendimento é tudo para os comerciantes e enquanto eles não entenderem isso, teremos vários problemas do tipo.

Pareço um tiozão chato né? Não é. É que sempre faço questão de perguntar as coisas pelo menos três vezes. Se nem assim acertam, o problema não sou eu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Desabafe!