quarta-feira, 25 de maio de 2011

Alguém olha por nós?

Diariamente passamos por problemas e/ou pessoas angustiadas e nem percebemos. Só que o que aflige alguns, as vezes para outros não tem a menor importância. Mesmo assim não deixa de ser um problema. Negar essa realidade é o que nos diferencia.

A história de hoje aflige um amigo meu de pelo menos 15 anos. Dono de uma banca de jornais e
revistas em Curitiba, ele tem enfrentado o descaso dos governantes e da URBS em relação a manutenção do seu local de trabalho. Há cerca de 8 anos todo o mobiliário da cidade passou por uma reformulação. As novas estruturas chegaram com a promessa (prevista em contrato) de que pelos 20 anos seguintes a manutenção seria garantida pela empresa responsável por produzir o mobiliário, com a fiscalização e co-responsabilidade da Urbs e do Ipuc.

O tempo passou e a manutenção foi ZERO. A banda deste
conhecido está compromet
ida pela simples ação do tempo, afinal é construída de metal e a
ferrugem toma conta de toda a base metálica de baixo. Isso, por sua vez, compromete toda a
fiação elétrica (que fica embutida embaixo da banca) e põe em risco a segurança do comerciante e de seus clientes, além dos imóveis que estão em sua volta.

Foram inúmeros pedidos junto a Urbs, mas o silêncio foi a resposta. Quando não prevaleceu, o silêncio deu lugar a promessas vagas e visitas que nunca se concretizaram.
A angústia segue companheira de dia a dia deste comerciante que já pediu ajuda a diversos políticos (que lhe bateram nas costas em época de eleições), mas como sempre suas habilidades em divagar e fugir de responsabilidades mais uma vez prevaleceu.

Cá estou, hoje, para, além de mostrar o problema, tentar pelas vias à disposição obter um retorno da Urbs em relação ao problema. Quem sabe o DLQ consegue algo que um cidadão comum não consegue.

Nossa força é nossa voz.

ps. por medo de represália e por não saber a intensidade dessa represália, ele prefere o anonimato. Só pede que seus pedidos sejam ao menos ouvidos. Ele não pede nada demais, além de ver o seu direito prevalecer (previsto em contrato).

"Se a banca fosse minha, eu daria a manutenção. Mas por 20 anos ela não é e eles precisam dar a manutenção", disse o angustiado empresário.


Um comentário:

  1. Luis estou com você pois nós estamos abandonados, aqui em Curitiba, pois é tanta mentira troca de favores encaixe de filhos de parentes e amigos de governantes, que estão no comando da nossa cidade, e sobre a URBS eles só sabem produzir multas, quando é preciso dar uma informação eles não sabem, pois já informaram que tem 20 banheiros públicos no Centro de Curitiba, mas se as pessoas não terem 50 centavos para pagar a URBS não pode usar os banheiros, isso é um desrespeito com a população pois na rua da cidadania o prédio está todo rachando será se fizeram vistorias?Ou vão deixar para fazer uma estação de metro, a URBS tem que respeitar mais os motoristas de ônibus pois cobram muito deles.

    ResponderExcluir

Desabafe!