sexta-feira, 30 de março de 2012

Eu odiei Curitiba

Não preciso dizer o quão apaixonado sou pela minha terra. Curitiba é, para mim, a melhor cidade do mundo para se viver. Não conheço tantas outras assim para comparar? Não. E nem preciso. Me basta apenas sentir o que sinto sem querer conhecer nada de diferente.

Ontem foi aniversário da minha cidade. 319 anos. Especificamente ontem não senti esse carinho toda pela minha cidade. Não a quis bem e nem desejei viver e morrer neste solo. Não projetei o futuro dos meus filhos correndo pelas praças e parques daquela saudosa Curitiba. Nem o passear pela feira livre nos domingos pela manhã. Muito menos o passeio de mãos dadas no cair da tarde.

Na verdade, ontem, odiei Curitiba. Não a Curitiba do parágrafo anterior, mas sim a Curitiba que se transformou e hoje me envergonha. Uma Curitiba que, pelas mãos de péssimos governantes e sob os olhos permissivos e letárgicos de políticos descompromissados, agoniza num mar de violência. Uma cidade onde o pavor toma conta de seus cidadãos. Seja pela falta de segurança, seja pelo trânsito caótico. Pela falta de condições básicas de saúde, seja pela corrupção.

Venho tentando apontar alguns problemas, mas também sugerir soluções. Sonho com a velha Curitiba, não essa nova. Essa nova Curitiba me feriu, ferindo os que amo.

Sem pestanejar, toparia fazer um negócio bem maluco, mas que com certeza nos devolveria um pouco de paz:

- Trocaria cada equipamento de ginástica nas academias ao ar livre para um novo policial.
- Trocaria cada buraco tapado nas ruas com aquele farelo de asfalto ridículo por novo policial.
- Trocaria cada um dos novos ônibus comprados pela prefeitura por um novo policial.
- Trocaria cada novo mobiliário urbano por um novo policial.

Preferia andar em ruas esburacadas, não poder mais me exercitar gratuitamente, andar em ônibus lotados e poluentes e até tomar chuva enquanto os espero.

Faria tudo isso se eu tivesse a CERTEZA de que estaríamos seguros.

Se eu soubesse que minha família nunca mais teria uma arma apontada para sua cabeça, faria todas essas trocas. E viveria feliz. Feliz e agradecendo por ter um ambiente seguro para criar meus filhos, brincar com meus sobrinhos e ver minha mãe e meu pai entrando na velhice sem maiores preocupações, que não a de mimar seus netos.

Odiei Curitiba ontem, mas estou certo de que voltarei a amá-la. Mas ainda dói. Vai passar, mas dói

quinta-feira, 29 de março de 2012

CURITIBA - eu não dou parabéns

Eu simplesmente não dou os parabéns para essa cidade. Porque?

Vou pensar de duas formas diferentes:

1ª: que Curitiba seja do povo, para o povo e feita pelo povo - dessa forma, curitiba não merece meus parabéns pois o povo está pouco se cagando para essa cidade. As coisas são mais importantes. É mais importante ter um carro, estar no meio do trânsito e pensar cada vez mais em si próprio.

É mais importante pensar em qualquer coisa do que escolher um bom candidato a vereador, que não tivesse qualquer vínculo político ou econômico com qualquer outro grande grupo político ou econômico da capital.

É mais importante para esse povo, pensar que curitiba está linda, mesmo ela estando completamente abandonada.

É muito mais lindo fechar os olhos para as escolas municipais das regiões periféricas onde, segundo relatos que ouvi, crianças de 11, 12, 13 anos estão obrigando colegas da mesma idade a fumar um baseadinho ou uma pedrinha sem que os professores tenham qualquer forma de proibir ou assumir sua autoridade.

É muito melhor viver um sonho!

2ª: que Curitiba seja um modelo: modelo de que?

Acho que aqui, sim, eu até posso concordar. Curitiba é mesmo um modelo. Um modelo a não ser mais seguido. Espero que nenhuma outra cidade do mundo siga o modelo do transporte coletivo administrado pela prefeitura e executado por grupos de pessoas jurídicas que visam o maior lucro com a menos qualidade.

Espero que nenhuma cidade do planeta compre ônibus dos mesmos fabricantes que curitiba comprou e que com menos de 6 meses de uso já estão soltando os parafusos que seguram os canos que os usuários, sempre apertados, precisam usar para se segurar ou que em dia de chuva, chove mais dentro do que fora (os ônibus são realmente novos, mas ...)

Espero realmente que nenhuma cidade no mundo siga o projeto dos tubos de aço com uma chapa de aço inoxidável sem isolamento térmico, que no sol ferve e no frio congela, ferrando todo mundo que está dentro.

Espero realmente que nenhuma cidade do planeta siga o exemplo da linha verde e dos sucessívos erros comentidos, como as vias locais sem radares e as marginais com radares. Lógico que quem gosta de correr ganhou bons locais para extrapolar. Sem contar nos infinitos sinaleiros, na falta de sinalização e claro, na falta de agentes de trânsito, que em curitiba, se trabalham bastante, fazem turno das 9 as 17 horas. Depois disso, você já viu algum?

Espero mais ainda que nenhuma outra cidade do planeta permita um crescimento que, de 500, 600 mil habitantes saltou para 2 milhões em menos de 10 anos. Isso destrói a cidade.

Espero que nenhuma outra cidade, tenha em seu centro, como na rua Senador Alencar Guimarães esquina com a Emiliano Perneta, um cheiro nojento de gordura jogada fora, nas calçadas... É uma nojeira ver o que o povo faz com essa cidade.

Enfim, não vejo motivos quaisquer para comemorar.

Para mim, se tiver bolo, não deveria ter as velinhas. Se tiver velinhas, eu não quero que ninguém apague.

E se puder, um dia quero ter essa cidade de volta. Mas acho que isso, nunca mais...

O texto que você leu, se é que conseguiu, é a MINHA OPINIÃO, não reflete a opinião de mais ninguém a não ser que alguém se pronuncie.

Meu nome é Luiz Guilherme Gaertner, vivo em curitiba desde o ano de 1980 e quero sim, que ela volte a ser modelo, um modelo a ser seguido, mas isso parece cada dia mais difícil.

quarta-feira, 28 de março de 2012

Abandono x oportunismo



Eu já havia relatado em alguns posts anteriores a situação ridícula das ruas de Curitiba. Tanto que usei uma frase - do qual não me arrependo - que dizia: "A minha Curitiba esta abandonada". E de fato estava. Transitávamos por ruas esburacadas (no bairro e no centro), calçadas sem a mínima condição de uso (temas abordados também pelo LG).

Eis que, de repente, a cidade se transformou num canteiro de obras. Máquinas recicladoras de asfalto, caminhões e mais caminhões, retroescavadeiras e muita, mas muita confusão no trânsito. Tudo seria motivo para festa, estátuas e muitos fogos de artifício. SERIA, se esse não fosse um ano de eleições.

Ok, vamos desencadear obras eleitoreiras por toda a cidade. Beleza. Aceitamos isso, já que é prática comum de políticos como o prefeito de Curitiba e seu antecessor o atual governador.

Mas, repito, MAS... pelo menos façamos o serviço direito, né? Reformar ruas e calçadas e não deixá-las aptas para qualquer cidadão exercer o seu simples direito de ir e vir, aí é demais. O relato abaixo vem de um amigo do blog, Rodrigo Vieira, que nos prestigia com sua leitura ocasional. Concorda as vezes e talvez até discorde ocasionalmente, mas é mais um dos que não consegue ficar parado e quieto diante dos absurdos que vemos na nossa cidade. Segue texto e foto do amigo leitor.

xxxx

Tal e qual a administração anterior, as reformas em Curitiba sempre são conduzidas de uma maneira a levar ao futuro eleitor o entendimento que alguma coisa está sendo feita na cidade atendendo os requisitos de manutenção e porque não dizer, de modernização.

Afinal, Curitiba é uma cidade em franco crescimento há pelo menos 10 anos.

Juntamente com o avanço proporcionado pelo progresso, vem as adaptações e uma das várias necessárias foi objeto de matéria televisionada há pouco mais de 2 anos, e fala sobre a adaptação das ruas e calçadas para os deficientes físicos.

Naquela época passávamos pelo processo eleitoral para governador.

Esse ano, as eleições são para prefeito e vereadores, porém o objeto de construção e reforma por incrível que pareça ainda é o mesmo: reforma em ruas e calçadas.

Um desses objetos se encontra nas novas calçadas da rua Desembargador Mota, entre o Centro e o bairro do Batel.

Uma obra cuja duração ainda se estende por mais de um ano, devendo se findar até outubro, prazo coincidete com a proximidade do primeiro turno das eleições.

E aí, um erro crasso: passados pouco mais de 15 meses, vemos nas fotos que as calçadas foram todas refeitas, utilizando novos bloquetes de cimento e um item de grande e suma importância foi deixado de lado, que é o rebaixamento da guia, facilitando a locomoção principalmente para aqueles que utilizam de cadeira de rodas.

Será que essa reforma acontecerá somente no próximo mandato?

É ver pra crer.

Abs
Rodrigo


xxxxx

Bote a boca no mundo você também. Saia da letargia. Vamos reagir contra o que esta errado na nossa amada Curitiba. Entre em contato com a gente. Teremos o maior prazer e dar voz aos seus anseios, sempre em defesa da nossa comunidade curitibana.

Valeu Rodrigo!

terça-feira, 27 de março de 2012

Curitiba - um atraso inaceitável...

Tempos atrás, alguém comentou que em Curitiba, nos pontos de ônibus, existiria a informação de qual horário viria o próximo ônibus. Ou seja, ninguém precisaria ficar apenas esperando, poderia quem sabe fazer outras coisas, não é mesmo?

Pois bem, depois de muito falatório, nada aconteceu e já anunciaram que o projeto vai ter que esperar pois o departamento de informática parece não saber o que fazer entre outras desculpas de gente incompetente (minha opinião, é claro).

E aí, agora pouco, navegando em alguns site, vi o seguinte link.

Olho Vivo SPTRANS

Viu o site?

Não, então já perdeu, ta devagar como Curitiba.

Nesse site, você sabe onde está o ônibus de determinada linha, qual a previsão de chegada e inclusive, qual o prefixo (numero) do ônibus.

Achou pouco?

Viva Curitiba! Pena que mal governada e mal amada por seus habitantes, que até gostam, mas parecem não se preocupar muito com ela!

Olho Vivo SPTRANS

Muitooooooo legalllllll!

segunda-feira, 26 de março de 2012

Aqui NÃO jacaré. O povo tem muita força

Na última semana os moradores da região Norte de Curitiba viveram um turbilhão de emoções. Claro que este termo é bastante exagerado, mas quem vive o dia a dia dos bairros que circundam a nova trincheira da Fagundes Varella sabe do que eu estou falando. Com 1 ano e meio de atraso (pausa: UM ANO E MEIO de ATRASO) a passagem por baixo da BR-476 finalmente seria inaugurada. Asfalto tinindo, placas colocadas e faixas pintadas. Fita pronta para ser cortada pelo prefeito Luciano Ducci.

Eis que o cidadão mais atento percebe algo de diferente no ar (e no chão). As faixas pintadas na nova rua mostram uma via de mão única. Ponto. VIA DE MÃO ÚNICA?

Eu passei dois dias sem falar nada do assunto tentando assimilar o golpe. Esperei até ir ao local conferir se o que estavam falando era realmente verdade. E era. Inacreditavelmente a trincheira que resolveria o problema histórico de congestionamentos da região teria mão simples e não extinguiria os sinaleiros que prejudicam a fluidez do tráfego na região.

Não há explicação que me convença. Perguntei ao prefeito pelo twitter o porque da mudança no projeto inicial, afinal os outdoors que "propagandiavam" a obra mostravam (ainda mostram, vide post anterior) uma via de mão dupla. Não obtive resposta. Fiz um post no blog, divulguei para os amigos que replicaram para os seus (obrigado pela força). Fizemos pressão via internet e os moradores da região também protestaram.

Oficialmente, nenhuma palavra.

No domingo fui almoçar na casa do meu irmãozinhos Leandro e Patrícia, no Bairro Alto, e resolvi passar pela primeira vez pela trincheira (na minha outra visita o acesso ainda não havia sido liberado).

Eis que para minha COMPLETA surpresa, talvez por ordem de um prefeito arrependido, a via já tinha outra cara. Uma cara remendada, é verdade, mas outra cara. Uma belíssima faixa amarela foi pintada sobre a faixa branca que caracterizava a via de mão simples. As flechas que indicavam conversões sobre a pista da esquerda foram pintadas de preto e algumas placas foram retiradas. Ou seja, por intervenção divina transformaram, literalmente na calada da noite, uma errada mão simples numa desejada mão dupla.

E agora? Porque isso aconteceu? Será que o prefeito (ou alguém da sua equipe), por livre e espontânea vontade, percebeu o erro e resolveu consertar a besteira que estava prestes a ser feita? Será que a pressão popular local repercutiu nas ações da equipe do prefeito? Será que o Diário Leite Quente teve influência nesta decisão, com os contatos que fez por email e pelo twitter?

Gosto, é claro, de pensar que a última situação teve peso na decisão final.

Agora, tudo isso foi mérito do prefeito?

Me desculpem, mas não vejo muito mérito, não. Errar é humano e persistir no erro é burrice, já diziam. Mas o erro que foi evitado se sobressai a qualquer esforço em tentar corrigi-lo. Não existe NENHUMA explicação que justifique deixar aquela trincheira em sentido único. Consertar este erro pode pesar a favor de quem o cometeu em outras bandas, aqui não. Foi um erro de planejamento ou mesmo de simples conhecimento dos problemas da região (onde estariam os vereadores que permitiram esse absurdo).

O absurdo atraso (e a inauguração próxima ao aniversário da cidade), a inversão de sentidos e a maneira como tudo foi encoberto me traz um sentimento bem ruim. Algo que me faz ter cada vez mais certeza de que precisamos mudar as coisas em outubro.

Tenho certeza de que você concorda comigo. Porque não tentarmos dar um basta?

Alguns se alvoroçam a dizer que as coisas nunca vão mudar. Me desculpem esses, mas a letargia não vai me atingir quando os interesses da minha cidade estão em jogo. Eu vou comprar essa briga sempre e mudar para melhorar é possível. Basta querermos. Basta começar.

sexta-feira, 23 de março de 2012

Transformando sonho em pesadelo

Como transformar um sonho em pesadelo em poucos atos? Passe uma obra que revolucionaria a vida de milhares de curitibanos para as mãos da equipe do prefeito Luciano Ducci.

Exagero? Talvez, ainda careço de um posicionamento oficial da prefeitura de Curitiba. Mas as notícias que chegam da vizinhança são assustadoras. Querem transformar a sonhada trincheira da Fagundes Varela em mão única, tornando a obra praticamente inútil para atender aos anseios do cidadão.

A obra só tem razão de ser para extinguir os sinaleiros que travam o trânsito da região há décadas. Se isso não acontecer, era como se jogássemos todo o dinheiro gasto no lixo.

Vai resolver o problema? Obviamente que não. Vai minimizar o problema. Provavelmente sim.

Mas você, amigo leitor, se contenta com um "provavelmente sim"? Me desculpem, mas eu não.

Quero muito mais pela minha cidade.

Gostaria muito de entender porque a prefeitura decidiu alterar o projeto inicial e transformar uma rua de duplo sentido em mão única. Se isso se confirmar, continuaremos com um sinaleiro ativo na BR. Isso quer dizer, é claro, que o trânsito vai continuar engarrafado.

E que vantagem Maria leva? Ainda tô tentando descobrir.

Num exercício de palpitagem, posso imaginar em algumas desculpas que podem ser utilizadas.
- Por exemplo, o fluxo vai ficar em mão única até a conclusão do eixo norte da Linha Verde.
- Outra trincheira será construída mais pra cima, com acesso pelo conjunto Solar.
- A solução para o problema será usada para eleger o próximo prefeito.

ps: para quem duvida, repare na posição dos carros na via ilustrada na placa, além da faixa amarela dividindo as pistas.

terça-feira, 20 de março de 2012

A hora é essa

Dizem que não adianta surgir um prefeito fodão, cheio de boas intenções e com vontade de dar um basta na corrupção, redirecionando os recursos que recebe para os lugares mais carentes de recursos. Se ele aparecer um dia, não conseguirá comandar a cidade porque os vereadores, responsáveis por vetar ou aprovar projetos de leis, não deixam. Por interesses escusos e desconhecidos, grande parte dos vereadores não vota conforme suas consciências ou pelo bem do cidadão comum. 


Então, para facilitar a vida do próximo prefeito, porque não trocarmos TODOS os vereadores?


Pode até ter gente boa na câmara e tenho certeza que esses não se importariam em dar lugar a uma nova safra de políticos. Os bons mesmo voltariam 4 anos depois. Só os bons prevalecem.


A hora de mudar é AGORA!

segunda-feira, 19 de março de 2012

Para os hipócritas de plantão...

Enquanto meu país, essa pátria que me pariu e berço de minha infância investe pesadamente no petróleo do présal, um tipo de energia cara, suja e poluente, outros lugares do mundo estão procurando algumas, vamos dizer assim, alternativas.

É claro, nem tudo se aplica no brasil, mas o exemplo já vale alguma coisa, ou não?

Vejam esse vídeo curto e sem maiores informações, quase um chutômetro, mas que ilustra uma tentativa já bem sucedida... E quem sabe o nordeste seria um lugar interessante para isso?

Vídeo sobre usina solar


Vergonha eu sinto de saber que no Brasil, se isso chegar, terá que ser trazido por um outro país qualquer...



Viva!

terça-feira, 13 de março de 2012

Argumentar, provocar, instigar. MUDA CURITIBA!

O leitor Horacílio comentou, dia desses, sobre uma suposta falta de argumentos do amigo LG em um de seus posts. De certo o visitante não acompanha as postagens, visto que o meu companheiro de blog fala sobre os problemas do transporte coletivo de Curitiba há tempos. Mas o comentário dele me fez pensar em um assunto que abordei certa vez nesse mesmo espaço. Volto, por isso, a tratar do assunto.

Algumas pessoas ficam horrorizadas quando digo que não sei usar corretamente os "porques", me bato para encaixar uma virgula e as vezes titubeio quando vou usar uma crase. Pô, para um jornalista (formado há quase dez anos) isso é praticamente um crime. Eu refuto essas desconfianças. Defendo a tese de que para haver uma boa convivência na civilização moderna precisamos apenas ser bem entendidos. O que isso quer dizer? As vezes é muito mais fácil ser simples e direto, do que rebuscado.

Isto posto, fica claro concluir o que estou tentando dizer. O que buscamos é sair da inércia. Sermos ouvidos. Fazer a diferença. Reagir. Não ser mais um dos letárgicos cidadãos curitibanos.

Vi, ao longo de vários posts, um cidadão incomodado com as péssimas condições do nosso transporte público. E não é uma visão deturpada como a minha, por exemplo. Eu não tenho mais, há algum tempo, conhecimento de causa para criticar com veemência o transporte de Curitiba. Ando de carro e posso, aí sim, reclamar do trânsito da cidade. Mas do transporte não. Sei que é uma porcaria e protesto quanto a isso, mas não tenho mais direito para reclamar do que o LG - que é costumeiro passageiro dos Buzuns.

Não para mim, mas é mais cômodo comer com farinha o que a prefeitura tenta nos enfiar goela abaixo. Achar que esta tudo bem, é ver Curitiba pela TV. Uma Curitiba que fez 300 anos em seu auge de popularidade. Mas hoje - capengando em seus 319 anos - a cidade sofre.

Mas daí um espertalhão vem correndo e dizer: "Pera aí, Curitiba é show se compararmos com outras cidades. Existem trânsitos e transportes públicos bem piores. E blá". Meu amigo, assim como filosofo volta e meia sobre o discurso do "Se estamos sofrendo agora, imagina na Copa do Mundo" eu te digo: "Farinha pouca, meu pirão primeiro". Eu quero a MINHA (ou Nossa) cidade melhor. E quero MUITO melhor.

É nesse chão que meus filhos ainda vão brincar.

Dito tudo isto, reafirmo que nossa função (o do Diário Leite Quente) é provocar e chamar a atenção de amigos e a quem mais interessar possa. E seguiremos assim. As vezes sem o melhor argumento, mas SEMPRE buscando o melhor para a NOSSA CURITIBA.

segunda-feira, 12 de março de 2012

Me desculpem, leitores...

Peço desculpas, não pelo que escrevi. Mas talvez, pela forma como escrevi. Em posts passados comentei sobre o aumento da passagem de ônibus em curitiba. O fiz por mais de uma vez. E inclusive, num dos posts eu fiz uma simulação, levando em consideração o que podemos saber sobre valores. Por exemplo, o custo de um ônibus, o valor do litro do diesel vendido nas bombas e claro, os salários de um motorista e de um cobrador, que qualquer jornalista de 3ª conseguiria apenas perguntando.

E além de pedir desculpas, quero deixar mais claro ainda que não estive tratando de valores reais até porque no meu texto, faço de conta que estou montando uma empresa de um buzum só, como se isso pudesse ser feito.

Mas é fato que, os valores fictícios que trabalhei, podem esboçar um pelo de realidade.

Nunca saberemos o quanto custa o que pois a planilha do transporte coletivo é vedada aos seres humanos. Ela é bloqueada por uma senha de 512 bits, o que significa que um computador talvez levasse muito tempo para tentar quebrá-la e mesmo assim, acho que nunca saberíamos nada.

E acredito também que 2,60 não paga o custo operacional de um sistema de transporte baseado em ônibus a diesel, com estações tubo que permitem, e eu ví isso, que até homens adultos "furem", não pagando a passagem. Um sistema de transporte em que temos um sistema justo de isenção e em que muito se perde pela desorganização.

Um sistema que não suporta/comporta o volume que precisa transportar. Precisaríamos de mais ônibus, mais motoristas, mais tudo. E não temos dinheiro para nada. Talvez, a grande jogada seria que o sistema fosse da prefeitura ao invés de ser dos particulares, pois aí, não haveria a necessidade do lucro. Se estivesse equilibrado, tudo OK!

Não, não é a assim e a licitação, não adiantou P. nenhum para nós usuários.

Vou terminar esse texto e logo vou entrar num alimentador, que essa hora passa vazio e vou pegar meu biarticulado, quase sempre cheio, para trocar para outro biarticulado esse sim, sempre cheio.

Não falta vontade, para nossos representantes mudarem e até quem sabe baixar esse custo, por favor, falta é capacidade e inteligência. Afinal de contas, para que um tubo na Eufrásio Correa, estreito e quente, se na Praça Rui Barbosa existem tubos que além de mais largos, integraria duas linhas que vão para o mesmo lugar?

Deixa pra lá, como comentou um leito esse dias, agradeço pelo comentário, acho que meu chutômetro está em alta hoje em dia.

Dedsculpas, por favor!!!

quarta-feira, 7 de março de 2012

Aumentou mesmo...

Ontem, um leitor do Diário Leite Quente (valeu Luan) me questionou sobre eu não ter escrito sobre o aumento do buzum. E realmente ainda não tinha feito até porque, já tinha comentado anteriormente sobre o esse tal aumento.

Como você leitor, pode ver no post anterior aumento-do-buzum-em-curitiba

Eu escrevi isso em janeiro e já em janeiro a coisa parecia estranha. Não sei quem é que define valores, e coisas assim, mas sei que a conta ainda assim não fecha.

O transporte coletivo de curitiba, seja por culpa de quem for, está jogado as traças e agora com a promessa do metrô, a coisa parece ficar cada dia pior. Não sei, dos leitores, quem pega ônibus, mas eu, dificilmente uso o carro para me deslocar de casa para o trabalho. Prefiro ainda, fazê-lo de ônibus, ou como diz um dos vereadores mais velhos (de idade e de trabalho), ónibus (six).

Pego o ônibus a duas quadras de minha casa, e desembarco na porta da empresa, mas não sem antes fazer uma troca de veículo no terminal do Campina do Siqueira.

Lenga-lenga prá lá, vou direto ao ponto. O aumento, embora injusto se faz necessário. Não que eu ache realmente necessário, mas sabe quando você deve para o cartão de crédito, para o limite da conta, tem cheque voltando e ainda, teus parentes te cobram aqueles 50 reais que você emprestou?

Pois é assim mesmo que o transporte coletivo de curitiba parece estar. Devendo!

Em pleno ano que antecede a campanha eleitoral para prefeito, o nosso querido lider do executivo resolveu comprar 557 ônibus novos. E claro, ele pode não ter comprado, mas no sistema que é aqui, a prefeitura se envolve sim para ajudar os empresários do transporte.

Na linha que eu uso, colocaram 34, algo assim, novos biarticulados com 28 metros de comprimento, 4 metros a mais que os antigos. Esses quatro metros a mais, resultam em 8 metros quadrados (pensados a grosso modo) nos quais, podemos colocar mais pelo menos 6 pessoas por m². Assim sendo, esses novos colossais podem carregar pelo menos 48 pessoas a mais que os anteriores de 24 metros.

Grande sacada... E para melhorar ainda mais a ironia, colocaram ônibus maiores e diminuíram a frequência entre um e outro. Desde que acabou a bebedeira do carnaval, está um inferno embarcar nos ônibus no terminal do capão da imbuia sentido centro. Chega um, está lotado. Depois de bastante tempo, chega outro e está também lotado.

Isso é só para ilustrar que, se querem aumentar o custo, eu entendo, mas, piorar o que já era ruim, aí não, né...

Na verdade, eles podem fazer tudo, pois o povo está calado. E assim vai ficar.

Gente, desculpe lembrar mas Curitiba já tem 2 milhões de habitantes numa estrutura feita quando ela tinha 500 mil. Ou seja, se curitiba era uma cidade planejada, em algum momento, os anteriores erraram!

E será que existe jeito?

2,60 R$ é roubo? Sinto muito, é só mais um dos assaltos que sofremos de nossos "representantes, que não andam de ônibus e não pensam muito nos representados...

Pense bem antes de votar, mas não esqueça que 1 voto, não fará qualquer diferença!!!

Think for yourself!!!

Imagens costumam dizer mais do que palavras, mas será mesmo?








quinta-feira, 1 de março de 2012

Duque na mesma linha...

Eu até não ia escrever hoje pois os ultimos acontecimentos me deixaram bastante para baixo. Mas diante de lindo texto do nobre Dudu, que é sim um cara "simprão", meu brother, mentor intelectual do projeto 2012 e claro um crítico de muito argumento, não poderia deixar de escrever.

E escrevo hoje para bater. Dar uma porrada na teoria de que povo vota em obra feita. Prezado Luciano, gostaria muito que você saísse de seu trono real onde quer que seja para passear nos mais novos biarticulados gigantes vermelhos que operam na linha Centenário-Campo Comprido. Ah, tem que ser dia de chuva, beleza? Eu te pago a pipoca, o salgadinho, a coxinha, ou qualquer outra coisa de pobre que você queira experimentar além de andar num ônibus que com menos de 3 meses de uso, chove mais dentro do que fora.

Vou usar caixa ALTA PARA PROSSEGUIR:

557 NOVOS ÔNIBUS???

DESCULPE DUCCI, VOCÊ NÃO FEZ NADA ALÉM DE SUA OBRIGAÇÃO!


Aliás, o fez ainda em hora errada. Quer justificar o aumento de 2,50 para 2,80 em ano eleitoral? Arranja outra história.

Esses 557 ônibus, até onde podemos perceber (eu e outros usuários) só serviram para substituir outros que nem eram tão velhos assim. Ou seja, em números absolutos, trocamos 6 por meia dúzia.

Colocaram um antipozinho de merda em frente a minha casa. Colocaram ônibus que são maiores, carregam mais gente apertada e demoram mais, além de que, estão usando o dinheiro do meu imposto para colocar no ar propagandas que me fazem acreditar que além de otário, estou levando vantagem nessas obras.

É sabido que, no ultimo ano de governo, as obras são a melhor ferramenta para o político que está no governo. Até o asfalto comprado é para durar apenas 4 anos, que curioso, não é mesmo?

Sem falar na continuação da linha verde, que o nobre dudu citou. Durante quanto tempo nos enganaram com a história do financiamento que não saía? Que curioso, o financiamento saiu antes das eleições... O povo está começando (devagar, muito lentamente, quase parado ainda) a ficar cansado de ser chamado de otário pelos governos que passam.

E tem mais uma coisa, Lu, você bem sabe que as eleições não vão mudar porcaria alguma, né, por isso você está dando aumento, colocando ônibus novos nas ruas...

Alias, essa NeoBus, que fabricou esses ônibus que com menos de 3 meses entram água pelas articulações, participou de alguma licitação? Pois até onde conheço, a Busscar, a Marcopolo e também a Caio fabricam ônibus muito melhores acabados e mais duráveis...

Será?

Peço aos leitores que, se puderem, pensem bem antes de votar esse ano. Só isso!

Porque os desprezo

Não sei bem quem foi que me ensinou a confiar no ser humano acima de tudo. Isso já me levou a surpresas agradabilíssimas, mas inevitavelmente eu acabo quebrando a cara em outras oportunidades. Mesmo assim, insisto em manter essa qualidade (???) presente em minha vida.

O problema é que tem gente que gosta de brincar com isso.

Nunca tive nada contra (nem a favor) de pessoas como o governador Beto Richa e o prefeito Luciano Ducci. Não votei em nenhum deles (aliás, cabe aqui esse parenteses. Acho que deveríamos escolher também o "vice qualquer coisa, senão corremos o risco de herdar muitos problemas. Este é um tema para outro post), mas mesmo assim os dois me representam no comando da minha amada Curitiba e do meu querido Paraná.

E me representam porque realmente não tenho poder algum (no momento) para mudar esse panorama.

Desgosto o governo de ambos por vários motivos, mas se me pedirem para eleger apenas um, sem sombra de dúvidas eu apontaria dois, mas facilmente deixaria escapar um terceiro: A Linha Verde, a falta de palavra e o oportunismo.

- A Linha Verde porque JAMAIS elegeria para qualquer coisa alguém que criou/permitiu/apoiou/defendeu o maior erro de engenharia urbana da história de Curitiba. Nenhum argumento do mundo vai me convencer que foi melhor trocar 3 sinaleiros problemáticos por 18 (quase todos com radares pilhadores). Analisando essa aberração asfáltica é bem fácil concluir que asfaltar a antiga BR 116 bastaria. Teríamos menos congestionamentos e economizaríamos milhões (não vou citar a falta de trincheiras, viadutos e tudo mais).

- A Falta de Palavra, pois se alguém se elegeu prometendo cumprir seu mandato, espero apenas que cumpra seu mandato. Nada mais. É claro que todos sabíamos se tratar de uma mentira esse discurso do nobre governador, mas se ele mente sobre algo tão simples, o que será que faz sobre assuntos mais importantes? Parece uma birra por coisa pequena, mas MENTIR não é algo que eu espere de alguém com caráter.

- Oportunismo. Aqui dá para citar o governador, mas COM CERTEZA dá para citar o nobre prefeito. Passamos o ano de 2011 ABANDONADOS pelo poder público municipal. Andamos por ruas esburacadas e por calçadas destruídas. Encaramos escândalos atrás de escândalos no poder público municipal sem uma intervenção sequer do comandante do município. Eis que vira o ano (ano eleitoral, claro) e vemos a cidade virada num canteiro de obras. Obras, aliás, sem o mínimo de planejamento. Feitas todas ao mesmo tempo e em horários de pico. Não precisa ser muito inteligente para perceber que o trânsito caótico de Curitiba fica ainda pior graças a essa falta de planejamento.

- (Vou abrir mais um parágrafo especialmente para o prefeito) E de repente ele resolve reduzir seu salário, num ato maravilhoso de benevolência. Na outra ponta, o governador anuncia aumento para policiais, servidores públicos, professores e afins. (NE. obrigado pelo comentário Patrícia Argenton)

Meus argumentos podem até parecer pobres, ou quem sabe infantis. Mas são sinceros.

Comecei o texto dizendo que eu gosto de confiar nas pessoas, mas as vezes me decepciono. Eu gostaria muito de acreditar que as atitudes tomadas recentemente pelos governantes fosse algo vindo de suas mentes de líderes. Atitudes pensadas em benefício do povo.

Povo, aliás, que acreditou em tudo que foi dito por eles durante as eleições (???). Povo que esta cansado de acreditar e se decepcionar. Povo como eu, você e cada um que não aguenta mais entregar seu destino nas mãos de quem não merece nada. Nada além do nosso desprezo.