segunda-feira, 26 de março de 2012

Aqui NÃO jacaré. O povo tem muita força

Na última semana os moradores da região Norte de Curitiba viveram um turbilhão de emoções. Claro que este termo é bastante exagerado, mas quem vive o dia a dia dos bairros que circundam a nova trincheira da Fagundes Varella sabe do que eu estou falando. Com 1 ano e meio de atraso (pausa: UM ANO E MEIO de ATRASO) a passagem por baixo da BR-476 finalmente seria inaugurada. Asfalto tinindo, placas colocadas e faixas pintadas. Fita pronta para ser cortada pelo prefeito Luciano Ducci.

Eis que o cidadão mais atento percebe algo de diferente no ar (e no chão). As faixas pintadas na nova rua mostram uma via de mão única. Ponto. VIA DE MÃO ÚNICA?

Eu passei dois dias sem falar nada do assunto tentando assimilar o golpe. Esperei até ir ao local conferir se o que estavam falando era realmente verdade. E era. Inacreditavelmente a trincheira que resolveria o problema histórico de congestionamentos da região teria mão simples e não extinguiria os sinaleiros que prejudicam a fluidez do tráfego na região.

Não há explicação que me convença. Perguntei ao prefeito pelo twitter o porque da mudança no projeto inicial, afinal os outdoors que "propagandiavam" a obra mostravam (ainda mostram, vide post anterior) uma via de mão dupla. Não obtive resposta. Fiz um post no blog, divulguei para os amigos que replicaram para os seus (obrigado pela força). Fizemos pressão via internet e os moradores da região também protestaram.

Oficialmente, nenhuma palavra.

No domingo fui almoçar na casa do meu irmãozinhos Leandro e Patrícia, no Bairro Alto, e resolvi passar pela primeira vez pela trincheira (na minha outra visita o acesso ainda não havia sido liberado).

Eis que para minha COMPLETA surpresa, talvez por ordem de um prefeito arrependido, a via já tinha outra cara. Uma cara remendada, é verdade, mas outra cara. Uma belíssima faixa amarela foi pintada sobre a faixa branca que caracterizava a via de mão simples. As flechas que indicavam conversões sobre a pista da esquerda foram pintadas de preto e algumas placas foram retiradas. Ou seja, por intervenção divina transformaram, literalmente na calada da noite, uma errada mão simples numa desejada mão dupla.

E agora? Porque isso aconteceu? Será que o prefeito (ou alguém da sua equipe), por livre e espontânea vontade, percebeu o erro e resolveu consertar a besteira que estava prestes a ser feita? Será que a pressão popular local repercutiu nas ações da equipe do prefeito? Será que o Diário Leite Quente teve influência nesta decisão, com os contatos que fez por email e pelo twitter?

Gosto, é claro, de pensar que a última situação teve peso na decisão final.

Agora, tudo isso foi mérito do prefeito?

Me desculpem, mas não vejo muito mérito, não. Errar é humano e persistir no erro é burrice, já diziam. Mas o erro que foi evitado se sobressai a qualquer esforço em tentar corrigi-lo. Não existe NENHUMA explicação que justifique deixar aquela trincheira em sentido único. Consertar este erro pode pesar a favor de quem o cometeu em outras bandas, aqui não. Foi um erro de planejamento ou mesmo de simples conhecimento dos problemas da região (onde estariam os vereadores que permitiram esse absurdo).

O absurdo atraso (e a inauguração próxima ao aniversário da cidade), a inversão de sentidos e a maneira como tudo foi encoberto me traz um sentimento bem ruim. Algo que me faz ter cada vez mais certeza de que precisamos mudar as coisas em outubro.

Tenho certeza de que você concorda comigo. Porque não tentarmos dar um basta?

Alguns se alvoroçam a dizer que as coisas nunca vão mudar. Me desculpem esses, mas a letargia não vai me atingir quando os interesses da minha cidade estão em jogo. Eu vou comprar essa briga sempre e mudar para melhorar é possível. Basta querermos. Basta começar.

3 comentários:

  1. Eu estava viajando enquanto a belíssima trincheira foi inaugurada. Vi apreensivo as fotos mostrando a mão única. Seria inadmissível que mantivessem isso, uma vez que uma próxima trincheira em outro sentido só seria inaugurada lá no Solar. O principal sentimento que fica é: por que já não fizeram duas? ou uma mais larga? Teriam poupado dinheiro e tempo. Para compensar isso, podiam lançar uma trincheira saindo da Dante Angelote caindo direto no Jardim Social numa rua que possui o mesmo alinhamento. Isso sim desafogaria a entrada e saída do bairro, que precisará de mais ligações como essa, uma vez que para sair ou entrar nele, precisamos atravessar duas importantes avenidas, Victor Ferreira ou Linha Verde...

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo comentário "Anônimo". Pena que não se identificou. Estão previstas 9 trincheiras no eixo Norte da Linha Verde. Para 'nós' beleza. Mas o eixo SUL é ridículo. Nenhuma trincheira ou viaduto. Linha Verde = maior erro de engenharia da história do PR

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde Eduardo. Não posso me indetificar, pois trabalho na PMC. Sexta quando soube dessa burrice, eu fiquei muito bravo. Não é possível uma equipe "técnica" cometer um erro assim. Um dia antes da inauguração estavam maquiando toda a região. Enquanto isso à uma quadra dali, o mato cresce farto e alto na esquina da Rua Sta Madalena Sofia com a Rua Domingos F. Maia. Deve ter leão ou um burro lá, apesar que o burro fica no centro cívico..rsrs. Um abraço!

    ResponderExcluir

Desabafe!