terça-feira, 29 de maio de 2012

Escolinha DLQ da boa convivência humana - Cap. 2

Dia desses lancei a Escolinha DLQ para ensinar os nobres viventes desse mundo algumas regrinhas básicas da boa convivência entre os seres humanos. Não é difícil. Sério. Diria até que é fácil. Da outra vezes tentei explicar o significado das placas de Estacionar. Hoje a nossa aula traz uma dica importante para as pessoas que frequentam aeroportos, mas vale também para bancos, restaurantes, rodoviárias e afins. 

Imaginem a cena. O Aeroporto Afonso Pena fechou por condições meteorológicas adversas. Sei que é quase impossível isso acontecer, mas vamos imaginar essa situação hipotética para facilitar a visualização do problema. Saguão com filas quilométricas, pessoas nervosas, sala de embarque atulhada de gente. Fila pra mijar, para pagar R$ 5 num pão de queijo que vale R$ 0,30 e até para olhar para o painel que traz os horários dos voos. Como meu atraso esta confirmado e o pouso não tem previsão, vou procurar um lugar para me sentar. Mas, TCHÃRÃÃÃÃ, Não tem lugar para sentar. 


Mas, porém, contudo, todavia, entretanto... vários filhos de deus acomodam confortavelmente suas bagagens de mão em cadeiras destinadas para pessoas como eu, de carne, osso (mais carne, é verdade, o que aumenta minha necessidade de sentar). 

Pessoas de bem... não façam isso. Bolsas, malas e sacolas não têm bunda e não precisam sentar. Tudo bem, eu sei que é cruel colocá-las no chão sujo e contaminado do aeroporto, mas elas não vão se desmanchar se isso acontecer. E não, não esperem que eu vá pedir para sentar ali para depois tirar seus pertences. Isso deveria ser automático. 

Então, para facilitar vossa vida, olha como sou gente boa. Tirei fotos para explicar o que acontece e o que deve ser feito. Assim fica mais fácil de vocês compreenderem.


ERRADO:



CERTO:


Viu só? Caprichei no Paint (to sem photoshop, daí já viu né?).

Certo de que os senhores pensaram melhor a respeito, muito obrigado. Essa foi mais uma aula da Escolinha DLQ da boa convivência humana.

No mínimo interessante...

Antes de ler esse post, curto, curtíssimo, leia a matéria no link:

Matéria Gazeta do Povo - http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?tl=1&id=1259779&tit=Ascensao-social-da-nova-classe-C-atrai-assaltantes

O que me impressiona nessa história de a classe C ser o novo alvo é que, a polícia sabe, a prefeitura sabe e daí? O que já foi feito? NADA!?

É, pelo visto, viver no brasil além de caro, é uma aventura baseada em algum vídeo game. Pena que, pessoas como eu, de bem, não possam ter uma arma para defender suas família e seus bens (sejam eles parcelados ou comprados à vista).

Desarmaram o povo, mas, porque será?

Bandido bom, já foi bandido morto. Agora, bandido bom é aquele que cumpre metas, não é? A polícia no brasil, não por culpa dos policiais que acredito neles, mas por culpa da política, que se mistura nos funcionamentos, não dá mais conta sequer de combater os crimes cometidos contra as classes A e B. Eu não pertenço a classe A e B, sou parte da classe C--, ou seja, jornalistas que não deram certo.

Não tenho TV de 46 polegadas e só sei o que é um LED porque já tive alguns. Não tenho vídeo games, nem nada de muito valor agregado. Acredito mesmo que nesse vídeo game que vivo, é melhor não dar chance para o azar de um experto entrar em minha casa de arma de fogo em punho e barbarizar minha família.

Já para o maior imposto do mundo, tenho uma das piores saúdes do planeta, paga a educação cara, sou roubado nas esferas municipal, estadual, federal e ainda pela receita. Ser roubado por um bandido comum seria apenas mais uma pequena humilhação...

Pena que minha amada não quis ir embora enquanto a gente podia tentar....


sexta-feira, 25 de maio de 2012

Rasgando a grosseria

Vamos lá, galerinha... Hoje, visitando o site do terra, vi um link que levava para uma página que tratava de letras de algumas musicas que não fazem o menor sentido. Musicas do tipo "Eu quero tchu, eu quero tcha" entre outras. Se quiser ver, vai o link: Musicas sem sentido

Ai, parei para pensar um pouco: porque o brasileiro ou parte deles adora tanto coisas sem sentido?

Vamos lá então. Hoje, avisei que seria grosseria, se quiser parar de ler, pare!

- O Brasileiro não lê: mas, qual o sentido da leitura?
- O Brasileiro não vai para a escola: mas qual o sentido da escola?
- O Brasileiro não obedece lei: mas qual o sentido de uma lei?
- O Brasileiro não sabe votar: mas qual o sentido de ter que ir votar?
- O Brasileiro não pensa no futuro: mas qual o sentido do futuro?

Eu não quero aqui criticar os artistas. Eles, se o fazem, fazem pois tem que compre, ouça, veja. E não é errado, mas porque esses caras não poderia oferecer algo de mais qualidade? Simples, qual seria o sentido do Brasileiro comprar alguma coisa de mais qualidade?

Afinal, o que é qualidade para esse povo, que durante muito tempo nem carros bons tinha?

Vou criticar essa matéria, pois além de ser uma merda, não trouxe nada de novo ou de importante, nem mesmo para meu dedo médio levantado em grande tentativa de ofender.

O sertanejo universitário trouxe para esse povo, uma alegria, uma energia, uma renovação. Assim como o samba, assim como o brega, assim como o rock. Cada qual, que curta sua caceta...

Mais preocupante para mim é saber que ao menos quando falamos em voto, em votar, o brasileiro coloca a política no mesmo patamar que a religião e o futebol. Ninguém quer discutir esses três temas, mas política é de suma importância pra o futuro do país, para nosso futuro. Os outros, OK, deixa lá embaixo mesmo.

E para terminar, "Eu quer tchuuuuu, eu quero tchaaaaaa"...


quinta-feira, 24 de maio de 2012

O que está acontecendo?

Eu sei que sou um otário por ler tantos jornais, portais e correr atrás de informação nas piores fontes, mas infelizmente mesmo nas conversas com pessoas normais (não jornalistas), sempre escuto uma história que me arrepia os cabelos (raspados que tenho).

Esses dias, conversando com meu irmão, o comentário é que em determinada região de Pinhais, é melhor você não comprar TV de LCD pois esse é o alvo da galerinha do mal. Então, eles verificam e roubam as TV´s. Seria até um bem para a humanidade acabar com as TV´s se elas não fossem talvez uma das ultimas formas de diversão de grande parte da população. Das novelas ao futebol, é nela que o brasileiro coloca a expectativa e o choro de uma emoção ao vivo.

Mas não é só isso. Tem a lotérica que foi assaltada, o condomínio em Santa, cenário de um arrastão, e muito mais. Um jovem é achado com 7 balas em Piraquara, outro é morto não sei onde, e tem ainda os assaltos aos mercados, postos de gasolina, farmácias, mulheres nas ruas, e nossa, que tristeza que me dá.

Perto de casa, o mercado tem um segurança, gente boa, para proteger. A farmácia, idem, a outra lojinha, idem e por aí vai. E olha que no bairro onde moro, eu vejo e muito, policia rodando e até atuando. Alias, tenho visto polícia rodando, enquadrando e atuando quase que diariamente. Seja de noite ou de dia. Mas será que só polícia vai resolver o problema?

Vamos lá, porque um grupo resolve roubar TV´s de LCD? Especialização? Não creio! E também não acredito que fazem isso porque não tem o que comer. É safadeza pura, maldade gratuita, vida fácil e escolha infeliz.

Hoje, ainda, em Curitiba, pegaram 3 caras que roubaram um malote numa casa noturna, e eles utilizavam o carro do pai de um dos moleques. E detalha, as famílias dos 3 tem dinheiro.

Não sei mais o que pensar, as vezes quero acreditar que tudo vai dar certo, mas a maioria do tempo percebo que nada temos para nos dar esperanças. O governo pode colocar mais 100 mil policiais que, ao mesmo tempo, teremos mais 100 bandidos nas ruas. É um ciclo que não sei como vai acabar, mas sei como está afetando a vida dos brasileiros.

Violência pelo simples fato de fazer o mal para alguém e levar uma vantagem...

Espero que nossos governantes possa, daqui por diante, dar mais chance para a solução desses problemas  e que não seja só na hora das eleições que eles lembrem de quantos assassinatos Curitiba tem hoje..

Mas esperar isso deles, é como esperar papai noel.. Meu saco fica até vazio!!!!

terça-feira, 22 de maio de 2012

Porque ninguém fala sobre isso?

Quinta-feira, o Nobre Dudu colocou um texto em que ficou demonstrado que as autoridades estão se cagando para o lixo que empurram para nossos narizes.

Mas o fato é que, caminhões, carros, motos entre tantos outros veículos, pulem nosso ambiente. E, o que é feito de efetivo para mudar? Claro que nada. Afinal de contas, todos que tem um carro, não vão abrir mão. A fumaça do diesel aparece, mas a dos carros não. Porém, meu nariz respira das duas e se ferra com as duas.

Eu acredito que hoje se morre muito mais de cânceres causados pela pré-disposição e pela poluição do homem moderno do que pela influência do cigarro e suas 4200 substâncias. Quantas substâncias eu sou obrigado a respirar dos ônibus de Curitiba ou dos SUV das dondocas? Ou será que não existe isso?

Existe sim, faça um teste básico: um algodão e um produto para limpeza de pele, no final do dia. Faça o teste!

Você verá que seu nariz deve estar muito pior por dentro, seu pulmão deve estar começando a ficar ferrado e todos sofreremos pelo resto da vida, não apenas com o caminhão que o dudu mostrou, mas com o meu carro, com o seu carro, com aquele carro...

A diferença é: uma aparece a outra não!

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Despejando lixo no meu nariz


video

Eu não sei a quem recorrer e tenho certeza de que a maioria dos senhores também não. Dia desses me deparei com esse absurdo na Linha da Vergonha, ops, Linha Verde. Um caminhão em relativo estado de conservação emitindo muita fumaça. Achei estranho. Olhei mais de perto e vi que o veículo emitia pouca fumaça pelo cano de escape. Em compensação, logo abaixo do motor - por um cano - despejava toneladas de CO2 no ar da minha amada Curitiba.

Fiz cara de indignado, buzinei e ganhei só uma cara de paisagem de retorno. Fiquei sem ação e sem saber o que fazer. Na verdade, o que poderia fazer naquela hora? Ligar para a Força Verde pra denunciar? Que efeito isso teria? Além do constante desrespeito à proibição de caminhões na Linha Verde em horários de rush, volta e meia nos deparamos com maus tratos à natureza.

Fica o alerta e a sugestão. Não custaria muito manter alguém sentado confortavelmente numa cadeira (pode ser de praia, de balanço, enfim), com um guarda-sol e um bloquinho de notas nas mãos. Seria um festival de multas e um alívio para o bem comum.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Foi hoje...

E hoje pela manhã aconteceu mais uma reunião entre eu, LG e meu nobre amigo Dudu, o simprão.

O projeto 2012 ainda não acabou.

Eu, o LG vou dar minha cara a tapa até saber se posso ou não chegar lá. Acho que posso e contarei com todos que quiserem me ajudar nessa busca, mas vai depender da vontade de  cada um.

Meu objetivo é ser o que melhor eu puder ser para todos e para tudo que eu puder fazer.

2012 será o ano, tenho certeza disso... Acompanhe o DLQ e o próximo desafio que devemos lançar até sexta-feira: vereadores e seus curriculos.

Se o ultimo desafio foi difícil demais, responder com o nome e a formação, deve ser mais fácil, certo?




terça-feira, 15 de maio de 2012

A arma dos oportunistas a favor do povo

Dia desses, saindo do tradicional futebol de sábado, meu mano Leandro Marcinhack, costumeiro leitor deste blog, teve uma ideia genial. No começou a proposta me soou absurda - tanto é que rimos um bocado com o aparente absurdo. Mas depois analisei friamente e, deixando de lado os gastos aparentemente exorbitantes que a ideia traz consigo, cheguei a conclusão de que ela seria a solução dos problemas da população de Curitiba (por exemplo).

A proposta é a seguinte. Levando em conta a prática deplorável da esmagadora maioria dos políticos de só produzir, construir, reformar e liberar dinheiro para tudo em ano de eleições, por que não então diminuirmos os mandatos? Tá, tudo bem. Alguém já deve ter pensado em algo assim, mas já botaram no papel?

Vamos imaginar com exemplos. A cada 4 anos o prefeito de Curitiba determina que as máquinas recicladoras de asfalto vão para as ruas. Foi assim com Taniguchi, Beto Richa e agora com o Luciano Ducci. Duvida, põe a cabeça pra fora da janela que deve ter uma máquina de piche aí na frente.

Como a validade deste asfalto deve ser cuidadosamente ajustada para durar 4 anos (vide Linha Verde, que esta toda remendada na metade do prazo), nas próximas eleições, em 2016, mais um espertinho virá com essa história de volta.

Então, se as eleições fossem de dois em dois anos, teríamos um asfalto sempre limpinho, bonitinho e novinho. Aplica-se a essa teoria a construção de creches, hospitais, postos de saúde, construção de escolas, contratação de policiais e afins. Como a cada eleição os políticos usam este tipo de prática para ganhar votos, fazendo isso a cada dois anos teríamos sempre o melhor serviço.

Simples assim.

Teríamos que enxugar a máquina das eleições e todos os custos nela embutidos, mas seria uma maneira de usar a arma dos oportunistas a favor do povo.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Sem mais respostas...

É assim que nossos vereadores tratam uma pergunta de um cidadão: lixo! Tirando o Galdino, que teve capacidade e honra de responder, os demais, estão pouco se lixando para o que pensa um cidadão, mesmo em ano de eleição. O que importa, pelo visto, são os objetivos de cada um deles, para eles mesmos.

Eu escrevo isso pois, tirando alguns que não receberam o e-mail simplesmente pelo endereço divulgado não existir, os demais ou seus assessores deve ter lido e não custaria nada digitar algumas linhas respondendo. Mesmo que a resposta fosse: "não me importo com isso", ou então, "vá a merda eleitorzinho de merda". Mas nem isso eles fazem.

Eu sei, meu voto para eles é apenas 1. Se eu fosse um líder comunitário, sindicalista ou até um líder religioso, com certeza eles responderiam.

Mas, não sou líder!

E não quero ser mesmo. Pois a liderança no brasil é facilmente comprada. Basta haver interesses em ambos os lados. Claro que não estou acusando ninguém, né, todos são inocentes até que alguém prove o contrário e esse alguém não serei eu. Por enquanto, bele?

Atualizando o DESAFIO ASFALTO

1 RESPOSTA - PROFESSOR GALDINO

Os demais, estão pouco ligando para o que pensa o povo!

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Alguns problemas...

A tecnologia chegou para facilitar mas em alguns casos, é uma porcaria pelos tantos problemas que gera de compatibilidade. Para tanto, vou colocar no corpo do Blog  a resposta do vereador Galdino:


Data: 10/05/2012 16:36:47 
  

Código da proposição: 044.04708.2012

Ementa:
Requer informações sobre a qualidade do asfalto que está sendo implementado em Curitiba no ano de 2012.
Texto:
Requer à Mesa, na forma regimental, que seja encaminhado expediente ao Excelentíssimo Senhor Prefeito Municipal, solicitando informações sobre a qualidade do asfalto que está sendo implementado em Curitiba no ano de 2012.



Boa tarde Luiz Guilherme,

Ao receber seu e-mai, encaminhei uma solicitação à Prefeitura para que ela dê informações sobre o asfalto neste ano. Está acima o código da proposição, você mesmo pode consultar posteriormente. Assim que nos for enviada a resposta encaminharemos ao seu e-mail.

Estaremos sempre prontos em auxiliá-lo no que você precisar, se estiver dentro de nossa competência.

Atenciosamente,

---
Prof. Galdino.

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Uma resposta. Só

Não sou puxa sacos de ninguém, mas depois do desafio lançado ontem,que hoje nem é mais novo, qualquer resposta que chegasse, eu publicaria mesmo.

E eis que chegou uma resposta, do Vereador Galdino. Esse vereador demonstrou o respeito que o povo curitibano merece. Aliás, segundo controle que temos no DLQ, o Galdino só responde mesmo quando convém. Seja lá porque tenha respondido, OBRIGADO!

Veja abaixo a resposta que o DLQ recebeu desse vereador:





quarta-feira, 9 de maio de 2012

NOVO DESAFIO!

É possível acompanhar o tema que vou tratar nesse desafio assistindo aos telejornais ou então, andando com um carro pelo centro de Curitiba e até em alguns bairros. O ano de 2012 se tornou o ano da farra do asfalto novo. Em muitos cantos dessa cidade linda e mal tratada, o asfalto velho está cedendo lugar a um novo, lindo e lisinho asfalto. Diga-se de passagem, isso poderia ter sido feito sem atropelos durante os 4 ultimos anos, mas não, preferiram fazê-lo em 2012.

Se o mundo vai acabar ou não, não me importo, sinceramente.

O que me importa é: quanto tempo esse asfalto vai durar? 4 anos? Se for assim, independente de quem ganhar, será mais uma ferramenta a favor nas eleições de 2016... Ops, voltamos ao foco.

Toda obra, até onde me consta, precisa de uma comprovação de que o material utilizado vai aguentar determinado tempo ou apresenta uma resistência específica. O concreto, por exemplo, precisa aguentar uma pressão de alguns kg por metro quadrado. Não serei específico, pois como bem me lembrou um leitor certa vez, não sou especialista no assunto e não ficarei dando chutes.

Mas no caso do asfalto, é muito fácil perceber que existe sim um controle de qualidade. Cito: quando, perto de sua casa, fizerem um asfalto novo e você tiver tempo de acompanhar, normalmente uma amostra é retirada para análise. No lugar dessa amostra fica um furo, quase perfeito, que será em pouco tempo, coberto com asfalto para não dar origem aos buracos.

Porém, quem sabe o resultado dessa análise?

NOVO DESAFIO AOS VEREADORES DE CURITIBA

O novo desafio consiste no seguinte: nossos representantes, os vereadores eleitos pelo povo, que são além de legisladores municipais, fiscalizadores do executivo, consultarem a secretaria municipal de obras ou o departamento responsável e quem sabe disponibilizar esses dados para a população?

Quem sabe a gente descobre que estão entregando gato por lebre e o problema nem é da prefeitura e sim de fornecedor?

Ou então, assim poderemos descobrir se realmente foi encomendado um asfalto que dura apenas 4 anos?

Por favor, senhores vereadores, é possível vocês transmitirem essa informação? 950 KM de asfalto para ter que trocar em 4 anos é bastante coisa, não é mesmo?

Dá uma ajuda pro povão aí, antes de vocês começarem a corrida para as eleições de 2012... 

"Ajuda nóis aí!"

Ah, vamos fazer o seguinte: caso o problema seja com o distribuidor de matéria prima, quem sabe, no caso de esfarelar antes de 3 meses ou até mesmo depois dos 90 dias, podemos pedir para que a substituição seja feita dentro da garantia ou teremos nosso dinheiro de volta, pode ser?

É uma boa!

segunda-feira, 7 de maio de 2012

O comércio é cruel


Desde o começo do DLQ nossa intenção era debater as coisas da nossa terra. Não só entre os dois autores, mas sim entre todos os que se dispusessem a discutir, contra-argumentar e fortalecer conceitos que pudessem agregar algo no nosso dia a dia. Volta e meia somos surpreendidos com a participação mais ousada de alguns companheiros. 

É com prazer que publico a seguir o texto do Rodrigo Sibut Vieira. Um amigo virtual (afinal é assim que se dá nossa relação) que pensa como nós. Quer o bem da nossa cidade, para o bem de todos que nela vivem. Ele aborda um tema interessante (para mim inédito), num texto carregado de emoção. valeu Rodrigo.

xxxx

O Comércio é Cruel.
 
Quem aqui não viu ainda um comercial para "presentear" sua mãe com um perfume, ou um carro, um apartamento, ou ainda comprar ovos de chocolate e/ou brinquedos para as crianças.
 
A medida que os anos avançam, esquecemos que as mães também envelhecem, adoecem e algumas chegam ao desencarne. No caso da criança, elas também podem adoecer e vir a desencarnar.
 
Agora, o comércio está preocupado com isso? E alguma vez ele esteve?
 
Me pus a pensar há poucas semanas por conta dessa enxurrada de propagandas, quase que similares a um vômito, cujo foco é comprar, comprar e comprar.
 
Minha mãe desencarnou em 23 de outubro de 2008, vítima de um câncer de reto descoberto pouco mais de 30 dias do desencarne.
 
A perda de um ente querido é muito sofrida e só quem passa por ela sabe o processo duro que é ter que se reerguer e continuar o seu processo de vida, afinal, existem pessoas que dependem, direta ou indiretamente de você.
 
Sejam seus familiares, amigos, colegas, leitores, companheiros do local de trabalho.
 
Mas o comércio é cruel. Ele não se interessa se você já "superou" ou não sua perda.
 
Ele quer sim saber quando você vai entrar naquela loja e comprar algo para sua mãe, seu pai, seu filho ou sobrinho.
 
E saiba que você pode pagar em "N" vezes, com a primeira parcela a ser paga só no final do ano.
 
Não seria a hora dos profissionais que trabalham no marketing e planejamento relevar essa variável? Ou até quando o dinheiro vai manipular essas mentes, forçando-os a esquecer valores como Família?

Rodrigo Sibut Vieira

xxxxx

É difícil não pensar nesse texto. Para o comércio cruel, classificado assim pelo nosso amigo, só importam as famílias felizes, com mães amorosas e, principalmente, vivas. É justo? Não sei, mas só sei que é assim. Mas será que não seria uma boa pensar em datas como essas para abordar outros temas pertinentes, que não apenas o ato de presentear? Acho que sim. E porque não ousar e ir para esse lado?

Participem!

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Friozinho bom esse...

Eu particularmente adoro o frio. Tá certo que quando eu tinha 15 era mais fácil de assimilar o frio e agora, com quase 35 parece que as mãos e os pés demoram um pouco mais para esquentar, mas ainda assim, adoro o frio. Nasci num lugar que, quando fui conhecer, fez incríveis -5º C e a água congelava formando estalactites de água no telhado.

Mas na política a coisa é diferente. Estamos em ano eleitoral e eu moro numa cidade onde o ano eleitoral é o melhor ano para os habitantes. É uma farra do asfalto (sem vergonha que não vai durar mais que um ano), é a farra da saúde pública, é a farra dos aumentos para os professores e por aí vai.

Isso me faz pensar em mais uma coisa, daquelas muito chatas: você presta atenção em quem é o candidato a vice quando você escolhe votar num candidato a prefeito? Pois bem, a história recente demonstrou que precisamos fazer isso. Se não, corremos mais uma vez o risco de ter um outro ducci por aí. E, se um foi pouco, dois pode ser ainda pior, não é mesmo?

Aliás, não que o prefeito tenha sido ruim o tempo todo, ele só foi pior enquanto não trabalhou, enquanto ficou apenas fazendo política. Na hora certa, ele sabe muito bem o que está fazendo. Asfalto e outras obras, poderia muito bem terem sido feitas ao longo desses dois anos. Mas não, o povão não iria lembrar, não é mesmo?

E ele tem razão, o povão não lembra mesmo. Aliás, em quem você votou para vereador em 2008, você lembra?

Eu lembro tão bem que sei que nunca mais votarei nele, até porque esse ano, eu já fiz minha escolha.

Pense bem, se bem que 1 voto não muda nada. Mas pelo menos, você pode se sentir com a sensação de dever cumprido, certo?

Vamos ver no que vai dar.. Tanto o frio, que parece ter chego para ficar quanto a gastança do prefeito em ano de eleição...