quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Não só útil. Seu voto é FUNDAMENTAL

Cada um tem uma teoria diferente sobre como seria o sistema eleitoral ideal. Uns apoiam o voto distrital, outros pedem a penas o direito de 'não votar', ou seja, são contra o voto obrigatório, outros acham que o sistema político todo deve mudar, passando do presidencialismo para o parlamentarismo. E por aí vai. Enquanto isso não muda, é preciso fazer uma reflexão.

Diariamente vejo gente reclamando dos políticos. Aliás, seria notícia de jornal encontrar alguém elogiando-os. Todos estão muito descrentes desta profissão (profissão?). Ninguém mais acredita nesta espécie. Nesta raça. Para muitos, é tudo farinha do mesmo saco. Inclusive, defendem o voto nulo.

Entendo o voto como forma de protesto. Não questiono a vontade que cada um tem de anular o seu voto. Mas é mesmo a melhor maneira de agir? Uma anulação em massa, talvez. Mas só uns gatos pingados? Não vejo como uma forma de protesto muito inteligente.

Partindo deste pressuposto proponho não anular o voto, mas sim votar no menos pior. 

Não se assuste com essa sugestão. Acha meio exagerado, então vote em alguém que nunca foi político. 

Melhorou? Então... pense comigo. 

Você TEM que votar. Se não o fizer, paga multa. Fica impedido de participar de concurso público ou algo parecido. Se o voto é obrigatório, torne-o útil. 

Se ninguém da atual administração presta para você, não reeleja ninguém. Aposte em alguém. Procure conhecer novas opções entre as que se apresentam. Existem várias formas de saber mais de cada um dos postulantes a uma vaga na Câmara Municipal. O site do TSE traz o DivulgaCand. É bom, mas não tão profundo. 

Sugiro mesmo o Candibook, da Gazeta do Povo. Um projeto sensacional. Me orgulho muito de ter participado deste projeto nas eleições anteriores. Lá você encontra informações básicas, curiosas e fundamentais para conhecer o seu candidato. E outra... lá você pode assistir 2 minutos de entrevista com cada um deles. Algo RARO, já que o tempo máximo de uma propaganda eleitoral é de 30 segundos. 

Se mexa. Saia do comodismo que nos tira as melhores chances da vida. Ajude a construir ou reconstruir sua cidade. Você pode fazer a diferença. 

4 comentários:

  1. Tornar o voto útil votando no menos pior ou em alguem que nunca fez política foi a maior besteira que ouvi nos ultimos tempos. Isso não tornar o voto útil, e sim, tapar o sol com a peneira.
    O problema começa com a Justiça Eleitoral, que permite que pessoas extremamente despreparadas, que apenas saibam ler, sejam candidatas a alguma coisa.
    Enquanto não houver uma reforma na Justiça Eleitoral o voto NULO é a única forma do povo protestar e demonstrar sua insatisfação. Inclusive tem uma lenda que diz, que se mais de 50% da população votar nulo, a eleição em questão é cancelada e nenhum dos candidatos podem disputá-la novamente.
    Esse é o único caminho, mas tenha certeza que nunca na vida vou votar no menos pior e muito menos naquele que não tem nenhum experiência política.

    ResponderExcluir
  2. Rafael... na verdade se você olhar bem, disse praticamente a mesma coisa que eu. Não sugeri votar no menos pior pura e simplesmente. Nem no desconhecido (jamais em alguém sem estudo, como você sugeriu).

    Quando sugeri o menos pior, usei da ironia para dai sugerir o "desconhecido". E ficou bem claro, a meu ver, que o "desconhecido" é alguém que não seja um dos medalhões que já conhecemos.

    INCLUSIVE, sugeri dois caminhos para que você possa conhecer mais o candidato que escolher, e não votar num completo desconhecido e analfabeto (como você mencionou).

    Acho que você não entendeu a intenção do meu post.

    Você mencionou que 'reza a lenda' que se pode anular uma eleição. Não é lenda não, meu caro. Se isso realmente acontecer tudo o que você disse acontece. Mas, me desculpe, não sei em que era isso vai acontecer. Principalmente vindo de um povo bundão como o nosso. Que para na vaga do idoso e do deficiente por "5 minutinhos". Que embolsa o 0.50 centavos a mais que veio no troco. Que reclama, reclama, reclama e NADA FAZ.

    Imaginei ter deixado claro que minhas sugestões são mais úteis enquanto o sistema político não muda, o que quer dizer que discordo do modo atual (como voto obrigatório e tudo mais). Pena que você não entendeu o espírito da coisa toda.

    De qualquer forma obrigado pela contribuição. Espero que tenha me feito entender melhor nessa explicação. Mesmo assim, reforço. Sou contra reeleger corruptos, vagabundos, omissos, políticos viciados, profissionais e de carreira. Sugiro idéias novas, candidatos novos, pessoas dispostas a ajudar e mudar. Sou contra o sistema político atual.

    Sugiro a você apostar em um desses. Acesse o Candibook e o Divulgacand (como sugeri no post).

    ResponderExcluir
  3. Confesso que não tinha entendido seu tom irônico ao fazer a sugestão em questão...
    Sua solução de procurar em candibook ou "whatever" funciona somente para cargos com grande número de ofertas (vereador, deputados, etc), pq quando falamos de prefeitos e presidentes, por exemplo, ficamos sem opções de voto e vasculhar esses sites não vai adiantar em nada. Pegue os candidatos a prefeitura de curitiba esse ano, aonde esta "a renovação, as novas ideias, os candidatos novos, as pessoas dispostas a acreditar e a mudar"? Tem 8 candidatos: quatro desconhecidos que não tem nenhuma experiência política e 04 figurinhas carimbadas: fruet, ratinho junior, greca e o ducci. Vai votar em quem? Não vejo outra opção senão dar nota ZERO pra eles... Sua sugestão é válida, mas continua tapando o sol com a peneira ..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ufa... me sinto melhor agora. Achei que tinha viajado muito. Agora, concordo contigo na questão dos cargos majoritários. É de se ficar de mãos atadas. Mas até dá para pesquisar algumas coisas. Por exemplo, o número de projetos de leis úteis (não coisas bestas como nome de ruas e criação de dias de homenagens) cada um propôs e aprovou. Número de faltas. Postura diante de temas polêmicos. Posicionamento em relação a escândalos. Enfim, o trabalho é mais difícil, mas ainda assim, pode ajudar a decidir. Mas quando se para para pensar, um passou anos batendo no PT, agora se alia a ele. Outro foi um prefeito razoável, um ministro questionável, um deputado mediano e que vive de glórias do passado. Outro é jovem demais (com poucos cartòes de visitas) para ser prefeito de Curitiba. E o outro é o Ducci, que dispensa maiores explicações.

      A reforma política é a salvação, mas precisa ser feita por gente que entenda de democracia e preparada para lidar com a importância que o tema requer.

      Enquanto isso, eu vou apostar.

      A motivação do post, aliás, foi justamente uma aposta a qual me associo. Meu companheiro de blog, que é candidato. Conheço e confio. Sei do seu histórico (não na política) na observação de problemas e apontamento de sugestões. Por isso acho que ainda é possível mudar.

      Mas nem por isso a tarefa não seja EXTREMAMENTE DIFÍCIL.

      Obrigado pelo contato, elogios, críticas e bate-papo.

      Excluir

Desabafe!