quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Aguardando posicionamento final da Justiça Eleitoral

A minha parte eu já fiz. Denunciei junto ao TRE o abuso de poder exercido pelo vice-governador Flávio Arns, o vereadores Zé Maria e mais uma candidata a vereador de Curitiba. Eles estão usando de influência política para "palestrar" em escolas da rede pública pedindo votos para professores. Pior. Estão obrigando, via diretores das escolas, que professores coloquem nas mochilas dos alunos envelopes com santinhos, adesivos e uma carta de recomendação para que se vote em A, B ou C.

Um absurdo esta prática.

Fiz minha denúncia pelo site do TRE. Recebi um retorno da juíza solicitando as provas que eu disse ter sobre o caso. As enviei no prazo estipulado e agora aguardo um retorno.

É possível que não dê em nada. A advogada Carla Karpstein, quem eu conheço apenas pelo twitter, disse que é preciso que haja "potencialidade" no caso. Ou seja, o "delito"(chamemos assim) tem que ter comprovada influência para gerar algum tipo de punição. No caso dos vereadores, não deve render nada. Mas no caso do prefeito Luciano Ducci, aí sim, a coisa pode feder - visto que há uma avalanche de denúncias de crime eleitoral.

Sigo aguardando, no meu papel de cidadão, um retorno da Justiça Eleitoral. E que se faça Justiça e se brequem os abusos da influência política.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Imagem do material enviado IRREGULARMENTE (ou imoralmente) a pais da rede pública de ensino

Ráááá... para quem achou que era blefe, não é não. Posto a seguir duas das cartas que são enviadas de maneira IRREGULAR a pais de alunos de escolas municipais de Curitiba. Políticos usam de influência junto às direções para chegar aos pais.
Não questiono o que cada um fez ou fará, mas sim os meios utilizados. Se um pode, todos poderiam. Isso é delito eleitoral... e JÁ FOI DENUNCIADO junto ao TRE. Confiemos na Justiça Eleitoral.

Lembro que os professores são obrigados a colocar envelopes com cartas, santinhos e adesivos na mala das crianças.

Leia mais sobre a denúncia original


terça-feira, 18 de setembro de 2012

Desafio DLQ - Quem está errado: As pesquisas ou os curitibanos?

A série Desafio DLQ (vale uma busca nos nossos arquivos) colheu resultados muito interessantes. Conseguimos resolver problemas (vários, considerando o nosso "tamanico"), incomodar políticos e mostrar quem são os representantes que simplesmente ignoram àqueles que os elegeram. Então... estive pensando em outro tipo desafio. Dessa vez, ainda mais de UTILIDADE PÚBLICA.

A intenção dessa proposta é:

- Provar que os institutos de pesquisa utilizam metodologias pouco eficientes e mais atrapalham do que ajudam na hora de entender quais são as intenções de voto

OU

- Provar que Curitiba tem o prefeito que merece.

A ideia é a seguinte. Com a ajuda de todos os leitores e/ou seguidores do @osimprão tentar encontrar quais são os curitibanos que vão votar no prefeito Luciano Ducci. Eles devem estar em algum lugar. Até hoje, desde que as começaram a se decidir, não encontrei uma viva alma que tenha admitido voto em Ducci. E não é exagero. Não encontro ninguém. Salvos aqueles que são obrigados a usar adesivos do candidato (sim, funcionários concursados são obrigados a plotar carros e afins), é raríssimo encontrar alguém.

Aí você pensa: "Tá cara, mas aí no seu mundinho de carteira assinada e computador não tem ninguém que tenha sido ajudado pelo Ducci, o pai dos pobres e aflitos". Ok, mas em algum outro lugar há? Você já buscou atendimento em alguma US de Curitiba? Não? Já passou pela Linha Verde durante o dia (não precisa mais usar horários de pico como referência. É uma porcaria o dia todo)? Hein? Ah tá...

Não é possível nosso atual representante maior do nosso município tenha tantas intenções de voto. Ou as pesquisas estão equivocadas ou o povo tem vergonha de admitir que vai votar no Ducci. E aí pode morar o perigo. Num eventual segundo turno, temo que meus companheiros curitibanos optem pelo "menos arriscado" (leia-se Ratinho, o piazão aloprado, ou Fruet, petista enrustido) e vote no Ducci. Aí tá feita a cagada.

Por isso, companheiros, lanço o desafio (certo de que pode ser um retumbante fracasso :)

Vamos ajudar a entender todo esse rolo. Se você conhece alguém que vai votar no Ducci, entre no twitter e use a hashtag #EncontreiUmDucciano quando você achar alguém que vai votar no Luciano. Pode até citar o nome da pessoa caso ela não fique constrangida com tal revelação.

Vamos descobrir se os institutos de pesquisa estão errados ou o povo que é maluco mesmo. Os simpatizantes do Ducci devem estar em algum lugar. Eu não os encontro, mas eles existem, com certeza.

Repassem essa mensagem para todos os conhecidos. Vamos encontrar os heróis da resistência "Duccionista".

Avante curitibanos!


Dicionário DLQ

Def 01 - A palavra "Ducciano" deriva daqueles moradores que residem da fantasiosa cidade de Curitiba criada pelo atual prefeito. Lá tudo é belo, funciona e prospera. 

Def 02 - Ducciano é uma junção jocosa de Ducci com Luciano. Rá, yeah, yeah!

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Vereador e vice-governador usam influência para pedirem apoio em escolas públicas

O que vocês lerão a seguir são exemplos do que há de mais baixo e oportunista no mundo político. A princípio muitos podem até nem se chocar tanto, mas analisem com cuidado para tentar digerir o quão absurdo foram tais atitudes. O mais triste é saber que isso é prática comum da maioria dos políticos. Bem... vamos lá!

O relato me foi feito por pessoas (mais de uma) que são responsáveis pelos nossos filhos durante boa parte do dia e que ficaram igualmente revoltadas. Não porque acham os autores bons ou ruins, mas sim pela atitude de usar um local sagrado como a escola, influência política e "acordos nebulosos" para tentar tirar vantagem sobre os demais, tornando a já criticada e ridicularizada corrida eleitoral mais baixa ainda.

Há algumas semanas, durante o horário normal de aulas, professores de algumas escolas municipais de Curitiba foram chamados às pressas pela direção da instituição. Foram obrigados a interromper a rotina de ensino para uma reunião de emergência, deixando os alunos em sala.

Ainda esbaforidos pela pressa com que tudo foi conduzido, os professores chegaram na sala de reuniões e deram de cara com o vereador Zé Maria, um dos nossos representantes na Câmara Municipal da capital paranaense. Com todos reunidos, fez um discurso sobre as maravilhas que teria feito em seu mandato pelas criancinhas da minha amada Curitiba. Não me interessa saber se ele fez algo realmente ou não. O que não pode é usar da sua influência para demagogias eleitoreiras.

Como se não bastasse interromper a árdua tarefa de ensinar para discursar em benefício próprio, usando o próprio poder público e sua influência para tentar mais 4 anos no poder, deu mais um passo rumo ao absurdo. Os professores foram obrigados a colocar na mala/mochila de cada aluno um kit com panfletos santinhos, jornais e adesivos do material de campanha do vereador na intenção de tornar oficial de cada escola a sugestão do nome do vereador Zé Maria aos pais de cada aluno.

E não para por aí.

Dias depois, após atropelo semelhante, professores foram convocados a ouvir o mesmo blá blá blá do vice governador Flávio Arns. Neste caso, com novo envio de material via alunos para os pais, pedindo voto para o atual prefeito Luciano Ducci.

Meus amigos, se isso não for prova de crime ou delito eleitoral (uso da máquina pública em benefício próprio), não sei mais NADA. Não pensem que minha revolta seria menor se fosse outro vereador, outro vice, outro político qualquer.

Atitude revoltante de candidatos, políticos e diretores de escola. Me faltam palavras para descrever o quão revoltado fiquei ao receber essas denúncias (não só de uma fonte). Mais ainda de saber que é este tipo de gente que me representa. A revolta tomou conta de muitos professores que se sentiram coagidos a executar o serviço imposto pelas direções, bem como para os pais que ainda cultivam o bom senso e o senso crítico.

Não sei mais... as vezes penso em desistir de lutar contra esse tipo de coisa... mas, SURPRESA. NÃO VOU DESISTIR. Seguirei acreditando numa Curitiba melhor... não para mim, mas para TODOS.


ps: não me surpreende o fato do Zé Maria ocupar honrosa posição no nosso Placar dos Ignorantes. confira aí do lado direito

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Morte aos cavaletes

Quando é que alguém vai ter a coragem para proibir o uso desses cavalete de políticos? Pelo amor de qualquer coisa. A cidade esta um LIXO. É uma vergonha ver praças, canteiros, cruzamentos, calçadas impregnadas dessa porcaria toda. Romperam todos os limites do bom senso. Proibiram placas nos postes e cartazes em tapumes em benefício dos cavaletes? Quem foi o espertão que tomou essa decisão?

É uma vergonha. Placas impedindo o trânsito de pessoas, prejudicando a visão de motorista, deixando a cidade mais feia. E o pior, com a cara desse bando de gente que só quer o poder e tá pouco se lixando para o bem comum da população. Porque alguém que emporcalha a cidade dese jeito COM CERTEZA não se importa com o "outro".

Tem um monte de jurista chato que se queima por muito menos que esses malditos cavaletes. Que queimem os cavaletes. Aliás, a Justiça Eleitoral proíbe tudo. Já tiraram a chance do povão em assistir um show do Chitãozinho e Xororó ou do Raça Negra nos showmícios de antigamente. Tiraram também a chance do eleitor em ganhar uma bela camisa com a cara do candidato (que certamente seria utilizada para dormir, ou para pintar a casa, ou ir pescar no interior). Ou mesmo a caneta pra preencher palavras cruzadas, o chaveiro, ou o boné.

Que proíbam essa praga chamada cavalete. Para esse pleito duvido que alguma coisa mude, mas espero que em nome do bom senso algo seja feito.