segunda-feira, 11 de março de 2013

De mágico mambembe a Poderoso Oz


Acho que por não ser conhecedor das aventuras de Dorothy e do Mágico de Oz minha missão de analisar o filme “Oz, Mágico e Poderoso” se torna um pouco mais fácil. Isso porque não trago para este texto outras referências, nem encantamentos da tenra idade em que a maioria das crianças conheceu Oz e seu mundo fantástico. Para vocês terem uma ideia, eu jurava que era nessa fábula que um coelho maluco vivia correndo com um relógio. Imaginem.

Já em exibição em todo o Brasil, “Oz” conta a história antes da história. Ou seja, como é que na verdade aquele mundo de cores e fantasia, além da lenda em torno do mágico, foi construído. Tudo muito bem contado pelo diretor Sam Raimi. Vivido por James Franco - um dos grandes jovens (embora não tanto assim) atores da atualidade, Oscar Diggs é um mágico/ilusionista de caráter questionável, que aparenta se orgulhar de não ter amigos, e que vive de pequenas apresentações em um circo itinerante pelo interior dos Estados Unidos.

Em fuga após se desentender com um dos companheiros de picadeiro, Oscar sobe em um balão e se vê no centro de um Furacão. Desesperado diante da morte iminente pede uma nova chance na vida e é levado ao reino de Oz. Lá, ao chegar, encontra a primeira das três bruxas que vivem no reino: a encantadora e maravilhosa Theodora (os adjetivos podem ser compartilhados por personagem e atriz, a estonteante Mila Kunis – mesmo mais cheinha do que de costume).

Além de candura e inocência, Theodora traz a Oz a notícia de que a presença dele cumpre a profecia que rege tudo o que acontece naquele mundo: a de que um mágico de nome Oz chegaria para salvar o povo da bruxa má. A grande questão é que Theodora também é bruxa, assim como Evanora (Rachel Weisz) e Glinda (Michelle Williams). A questão com que Oz se depara é descobrir quem realmente é a bruxa má.

A jornada leva Oz a viver todos os sentimentos que o acompanham na sua vida às máximas potências. A esperteza, a ganância, o amor, a paixão e até a antes refutada amizade – descoberta da maneira mais inusitada possível por Finley, um macaco alado vestido de mensageiro salvo pelo mágico no início da história. Em busca de sua própria redenção espiritual, Oz prova que para vencer qualquer batalha é preciso usar de inteligência e contar com o apoio daqueles que acreditam em você, mesmo que você mesmo se considere inapto para enfrentar esses desafios.

Achei a história muito bacana. Certamente vou atrás do filme/história original para completar as lacunas que faltam ser preenchidas. Recomendo a adultos e jovens, principalmente em uma projeção de qualidade e, de preferência, 3D. É uma experiência fantástica ser apresentado ou se aprofundar no mundo mágico de Oz, sua turma e sua lenda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Desabafe!