segunda-feira, 27 de maio de 2013

Resposta à polêmica dos novos lacres codificados

Assim como meu companheiro LG, adoro quando alguém se revolta contra algo que escrevemos. Se mais gente fizessem o mesmo, o debate sobre questões importantes seria mais frequente. A seguir postarei o comentário de um leitor (infelizmente não sei que ele é e de onde veio), mas se chama Pedro Afonso Steinfield . Ele não curtiu muito o que escrevemos sobre os novos lacres. É da vida e da liberdade de expressão.

xxx

Li até o final e realmente fiquei muito revoltado, mas revoltaro COM QUEM ESCREVEU ESTES ABSURDOS ACIMA!!

Primeiramente, existe uma RESOLUÇÃO FEDERAL que detalha que o lacre tem que ser rastreável e que todos os estados precisam cumprir o que nela diz. Acontece que hoje em dia quase nenhum estado cumpriu, o Paraná, POR ORGULHO QUE DEVERIA SER NOSSO, é um dos primeiros a cumprir o que já deveria ter sido cumprido!!

Hoje, um par de placas é prostituído a um despachante por 40 a 60 reais, como vocês mesmo comentaram, acontece que o despachante (PROÍBIDO POR LEI!!), repassa ao seu cliente ao mesmo preço de 80 a 120 reais que o fabricante cobra do seu cliente. Ou seja, é justo que o despachante, que NÃO PODE TER LUCRO COM PLACAS, CONFORME LEI, lucre de 40 a 80 reais, SEM EMITIR NOTA FISCAL pela venda de placas e sem fazer nada, produção e funcionários. 

Hoje, uma placa IDENTIFICADORA de veículo, sendo vendida por 40,00 senhores, afirmo que não cobrem nem os custos, se formos contar todo o processo de fabricação, funcionários, NF´s(sobre todas as vendas), etc.

Então senhores, acredito que antes de saírem espalhando barbaridades, sem antes se inteirar dos assuntos explicitados ou somente por externarem opiniões de amigos contrários a estas atitudes, estão cometendo um grande erro, até por serem formadores de opinião.

A livre expressão é direito, agora isto não é a mesma coisa que, com tanta veemência e sem entendimento, falar inverdades!!

Sobre a sua pergunta??? Eu respondo, acho que temos cara de otários sim, por ter lido isso até o final!!

Talvez seja por isso que fui o único a comentar aqui...devo ter sido o único otário!         

xxxx

Que coisa né? E o debate segue correndo nos comentários do texto original. Se quiser participar da festa, seja bem vindo também.

13 comentários:

  1. Pedro Afonso Steinfield27 de maio de 2013 19:46

    Já que fui ouvido e agradeço por isso, gostaria de fazer uma sugestão. Acho que seria justo e interessante se o amigo do blog Sandro Rasbold conversasse diretamente com os envolvidos no assunto, como talvez a associação que citaram, seria interessante ver o que eles tem para dizer e acho que poderia nos dar uma base maior para discussão. Seria interessante para o blog e para todos os que acompanham.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Prezado Pedro, eu conheço muito bem o meio, inclusive já fui fabricante de placas e sei de todos os custos que envolvem a industrialização, produção e comércio das mesmas. O que você parece não entender ou não quer entender é que: Um lacre custa atualmente absurdos R$0,23 e com o QR CODE passaria a custar R$ 0,84 de custo. Então você, que por suas próprias palavras se intitula um OTÁRIO (quem sou eu para discordar de você não é mesmo?,)poderia passar a pensar em como um LACRE de placas (que só existe no Brasil) e tem um custo final de R$ 0,84 por peça, vai chegar ao seu consumidor final ao preço de R$23,00. Sobre o preço do par de placas ser prostituído, não é de hoje que AFAPLACAS tenta regular os preços mas não consegue, afinal livre comércio é assim mesmo, você fala em Lei, então para teu conhecimento existe Lei estadual que regula a profissão de despachante no Estado do Paraná (que você diz ter orgulho por ser um estado de vanguarda, e é pra ter mesmo). E por último para encurtar o assunto eu Sandro Rasbold fui um dos fundadores da AFAPLACAS. Me coloco a disposição para um debate, mas peço a gentileza que você Pedro revelasse sua profissão.

    ResponderExcluir
  3. Pedro Afonso Steinfield27 de maio de 2013 21:20

    Como falei nos comentários anteriores, trabalho para um despachante no norte do estado.
    Infelizmente a mesma cordialidade que fui tratado anteriormente não prosseguiu com o senhor, me fez voltar a me sentir um otário sim, mas agora por ter entrado nessa. Pelo jeito nem todos do blog tem a intenção de promover debates construtivos. E pior que só citei o seu nome a fim de fazer uma sugestão de que fosse conversado com quem está realizando esse projeto, para podermos saber o que realmente acontece. Acho(minha opinião) que seria o mínimo para um jornalismo decente e que tivesse a intenção de esclarecer fatos!!
    Nem iria falar mais nada, mas, já que fui instigado, vamos lá.

    Tenho muitos amigos fabricantes, até pela minha profissão. E tenho certeza que se o senhor já foi fabricante e até um dos fundadores da AFAPLACAS, sabe que 40,00 num par de placas vendida aos despachantes é uma prostituição sim. Quem sabe um dos motivos pra algumas pessoas saírem do ramo até, quem sabe não é??
    Quanto a mais essa informação de que o lacre custará para o consumidor 23,00. É MENTIRA!!O lacre conforme sua própria publicação é no valor de 4,50. O que o senhor agregar neste preço(como a taxa do detran) é outra coisa, mas o custo do lacre com algumas das tecnologias que falei é de 4,50. Outros estados sim tem ela por mais de 23 reais e concordo ser um total absurdo.
    Com certeza conheço a Lei que regulamenta os despachantes, afinal trabalho com isso. Mas em NENHUM MOMENTO falei que os despachantes não são regulamentados. O que disse é que o despachante não pode comercializar placas, ou seja, obter LUCRO com a mesma. Indo mais fundo ainda, nenhum despachante pode fazer nota fiscal de venda de placas, por que isso por lei, NÃO É PERMITIDO!!E se não pode emitir nota fiscal, não pode vendê-la como é feito hoje.
    Uma pena que o senhor já não esteja dentro da afaplacas, se estivesse lá, ao meu entender, poderia ajudar a todos aqui a tirar as dúvidas pertinentes ao assunto e esclarecer o que está para acontecer, mas ao que me parece, foi um desabafo um tanto quanto estranho em minha singela opinião, com o perdão da palavra). Não uso a palavra certa por precaução apenas. Novamente, que tal ouvir o lado de lá??

    ResponderExcluir
  4. Pedro me desculpe mas não acredito que você seja preposto de despachante(diga a cidade ao menos) penso que você é fabricante de placas. Mas vamos lá, sei do teu posicionamento que é bem firme por sinal. Você fala em Lei, por Lei somente o DETRAN-PR e o despachante tem autorização de realizar a vistoria em veículos automotores no paraná. Pedro você luta por qual lado? Já sabemos que não é do lado dos despachantes, sabemos também que não é pelo lado do contribuinte, me parece então que está do lado da burocratização. Mas sigamos em frente. Fazendo um exercício de raciocínio tenho alguns questionamentos Sr. Pedro: 1) É a favor que o DETRAN-PR cobre uma taxa por um serviço que ele não irá realizar? 2) É a favor que o solicitante pague uma taxa à vista em boleto bancário pela placa, não podendo mais pagar com cartão de crédito? 3) É a favor do valor embutido e não descriminado de R$ 2,50 por boleto? 4) É a favor de que uma empresa privada do Piauí tenha acesso ao banco de dados da CELEPAR e do DETRAN - PR? 5) Acha justo que a AFAPLACAS fique com o dinheiro do fabricante por pelo menos 4 dias antes de fazer o repasse, retorno, a quem executou o serviço de fabricação de placas? 6) Conhece algum outro país do mundo que exija o lacre nas placas? 7) Acha mesmo que não existe interesse financeiro por parte da AFAPLACAS em abocanhar $$$$ em uma frota de 5,6 milhões de veículos? 8) Reconhece ou ao menos sabe que o tarifaço de 2011 de DETRAN-PR reduziu a frota de veículos e em consequencia diminui a arrecadação do DETRAN-PR em 70 milhões de reais no ano de 2012? 9) Tem conhecimento que de empresas locadoras de veículos e de transportes de cargas e passageiros deixariam de emplacar seus veículos em nosso estado? 10) Não se importa com nada disto e acha que este custo de taxa e lacre (que não podem ser cobrados em separado) no valor de R$ 23,00 em uma frota de 5,6 milhões de veículos não irá beneficiar ninguém?
    Temos posicionamentos bem claros, eu contra e você a favor. Não quis te desrespeitar, mas me senti desrespeitado quando você disse que eu deveria ouvir o outro lado, eu estava na reunião, eu conheço todos os lados desta história, sei como acaba, sei quem vai perder e por último quem vai pagar o pato. Eu conheço as pessoas que comandam a AFAPLACAS e sei da intenção por trás do QR Code. Não sou contra o QR Code, até por que o custo de R$ 0,84 por peça poderia ser absorvido (um acréscimo por peça de lacre de R$ 0,61 apenas) pelo fabricante e o sistema da CELEPAR ser ajustado para atender a necessidade de estar em conformidade com a resolução do CONTRAN.
    Por último se eu estivesse dentro da AFAPLACAS jamais concordaria com esta situação, talvez por isto eu não esteja mais lá.
    Amanhã eu entro no sistema do SINDEPAR e descubro pra quem você trabalha.

    ResponderExcluir
  5. Pedro Afonso Steinfield27 de maio de 2013 23:27

    Quanta insistência em saber de onde venho e onde trabalho, são informações particulares e me preservo no direito de não expô-las(e proíbo de exporem) ainda mais diante de um tom de ameaça como na última frase do comentário. Qualquer coisa que me aconteça daqui em diante, farei ligação com isto, que achei que fosse ser um debate. E infelizmente entramos num jogo de "você sabe com quem está falando??".
    Respondo este post e simplesmente saio desta aparente inútil discussão.
    Pelos comentários que li, juntando a matéria publicada aqui com as respostas obtidas, me parece algo muito pessoal, o que não me permite credibilidade. Não entrarei no jogo também das questões, até porque algumas delas já respondi em meus comentários anteriores. E assim como para alguns dos fatos que comentei, não houveram respostas, me preservo no direito de também não responder.
    Acontece que a maioria de seus questionamentos são de cunho claramente pessoal(contra uma empresa, contra afaplacas, contra detran) e vários deles tem respostas na lei, se está errado basta cobrar, fiscalizar, afinal, não é esse o nosso direito de cidadão?
    Também me senti desrespeitado em sua primeira resposta, mas levei na esportiva e no ambito de uma discussão produtiva, o que não aconteceu, infelizmente e me sinto até coagido ao final disto.
    Não sou contra e nem a favor, só acredito que tudo tem que ser claro, com informações VERDADEIRAS. Apenas contei POUCO do que sei estando no meio. Pelo que sei e pelo comentário em seu ultimo recado, me parece tudo uma "guerra" de interesses. E isso sim não é bom para a sociedade.
    Acusações pessoais e desmedidas(para todos os lados) sinceramente me fazem perder toda a credibilidade em qualquer coisa que leio do gênero.

    LEITORES, ABRAM O OLHO E NÃO FORMEM OPINIÕES EM TUDO O QUE ENCONTRAM PELA INTERNET. BUSQUEMOS DIVERSAS INFORMAÇÕES, DE VÁRIOS LOCAIS, SEM INTERESSES OU COISAS PESSOAIS, PARA AÍ SIM TOMARMOS ALGUMA POSIÇÃO.

    Ao primeiro que me respondeu neste blog, obrigado pelo espaço, uma pena que terminou com o que, na minha opinião, é uma coação!
    Parabéns pelo blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Senhores, pena q o tom de animosidade tomou conta do debate. Só pra esclarecer, Pedro, o Sandro é apenas um amigo e costumas leitor no blog. Preparou o relatório e colaborou com a discussão (muito nos honrou a iniciativa). Os editores somos eu e o LG. Particularmente, acho que o debate foi bastante útil. Gerou algumas reflexões interessantes. A missão do blog é provocar. Tirar o cidadão da letargia. Acho que nisso já tivemos sucesso. Abracos e volte sempre que quiser

      Excluir
  6. Não é coação muito menos ameaça de maneira nenhuma, só quero saber com quem falo, afinal também é um direito meu, estou muito bem identificado. Fiz perguntas diretas e você não respondeu, evidentemente por não saber responder, por não querer responder e ou por não ser quem diz que é (profissão)e o real interesse que tem sobre o assunto. Tenta tirar o crédito jogando lama sobre minha intervenção sendo leviano dizendo que não são verdadeiras e que está sendo ameaçado, o que é normal e esperado sendo que o Sr. parece ter interesse direto no assunto. Quando ao meu interesse, este é bem claro, sou contra cartel, monopólio e aumento abusivo de taxas e produtos que é o que irá acontecer. Espero Sr. Pedro que se isto que o Sr. defende hoje, entre em vigor e um par placas atinja o preço de R$ 300,00 em 2014 o Sr. retorne aqui e peça desculpas a população paranaense.
    Não tenha medo e nem se sinta coagido não foi minha intenção, debato idéias as vezes de forma acalorada mas não passa disto. Sobre informações de outros locais, leia a Gazeta do Povo, Celso Nascimento, ou você vai tentar tirar o mérito dele também.
    No mais deixo meus votos de respeito e estima.
    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Respostas de um fabricante:
    1)Se é uma taxa vigente há anos, que quando foi aprovada tinha seus embasamentos, por que só agora essa reclamação?Assim como essa taxa, existem várias outras sobre várias coisas.
    2)Todas as taxas do detran são pagas a vista, inclusive de serviços de despachantes, qual o problema nisso? Outra coisa, nada me impede que o cliente me pague com cartão e eu pague o boleto pra ele. No banco onde tem conta, o cliente também pode pagar com cartão.
    3) O valor do boleto não pode ser imbutido no preço do boleto, por lei. O valor de 2,50 será discriminado no boleto emitido, tudo conforme lei
    4) Não sabemos qual o grau de envolvimento que a empresa do Piauí terá e até onde eles saberão. O que você tiver de induções a partir disso é na base do "eu acho". Se tudo for correto, é uma empresa profissional que deverá ter ética. Qualquer empresa que fizesse isso também teria acesso, pode ser de qualque estado, inclusive paraná. Não vejo problemas nisso.
    5) Prefiro que meu dinheiro fique por 4 dias numa conta da associação QUE ME REPRESENTA, onde nem o presidente da afaplacas poderá mexer, do que deixar meu dinheiro 30, 60, 90, 120, 150 dias na mão de um intermediário que me paga quando quer. Dinheiro de placas tem que ficar com o FABRICANTE. Empresas de cartão de crédito ficam 30 dias com o dinheiro dos comerciantes e ninguém reclama.
    6) O lacre é federal, assim como a resolução 272 do contran que regulamenta os novos lacres, está fora de nossa alçada, temos o dever de cumprir o que a lei manda. Existe a anos. Sem contar que é sem dúvida alguma uma segurança a mais, talvez estejamos um passo a frente de outros países(imagine como aumentariam os casos de carros clonados e roubos com placas trocadas caso não houvesse lacre?)
    7) Que eu saiba, associação é uma organização sem fins lucrativos, onde tudo o que for arrecadado tem que voltar para seus sócios de alguma maneira, mas que os fabricantes associados confiram rigorosamente a prestação de contas (que tem periodicamente ser auditada pela Tribunal de Contras da União). Qualquer coisa além disso fica no "eu acho" como eu mesmo já disse e acho que não devemos julgar sem provas. Outra coisa, a frota é de 5,6 milhões, mas não há obrigatoriedade de todos trocarem seus lacre. Portanto se resume há 70 mil novos carros por ano.
    8) Não tenho acesso a esses dados, mas acredito serem verdadeiros
    9) Pode até ser que deixem de emplacar no Paraná. Mas eu prefiro que, numa conta simples, no mínimo 5000 pessoas que dependem de uma fábrica de placas no estado(estimo que aumente para 8000 com o novo sistema), continuem a ter sua renda garantida.Se quer defender a sociedade como o senhor diz, defenda também os fabricantes de placas(que são parte da sociedade e que o senhor já fez parte) que PRECISAM se organizar e sair da informalidade e de deixarem de ser "escravos", assim como a uma fatia grande da sociedade que depende dessas empresas e que, não há duvida de que fabricantes agindo na legalidade será bom para toda a sociedade, Detran, Estado, Receita Estadual. Onde qualquer arrecadação do estado deve voltar como benefício para a população(na teoria, pois não serei hipócrita)
    Outra coisa, no seu ponto de vista, se estas empresas fariam isso em outro estado, o Detran arrecadaria menos, o que não condiz com sua linha de pensamento.
    10) Conforme disse, só será obrigatório o lacre novo em carros novos, transferência de município (só tarjeta), perda ou dilaceração da placa ou relacre feito pelo detran, o resto não precisa, portanto não são 5,6 milhões e sim 70.000/ano. Todas as induções que o senhor faz com relação a beneficiados são por sua conta, sem provas não há o que falar. Por enquanto são "eu acho"

    ResponderExcluir
  8. Prosseguindo, o QR code não é e nem vai ser o mais importante no lacre, você desviou o foco. A mudança principal no lacre está que ele será numerado individualmente, ou seja, cada placa terá um número de lacre, conforme pede resolução 272 do contran. O QR code é apenas uma inovação nesta área, um aditivo colocado pela associação, que está acontecendo somente aqui no paraná.
    Cartel? Que tal se informar melhor antes de falar qualquer coisa??? Inexequibilidade está prevista em lei, não é cartel. Se algo for vendido abaixo do preço de inexequibilidade, está sujeito a fiscalização e crime de DUMPING. Mas por agora, não existe preço mínimo, foi feito apenas um estudo inicial. Para aprovar a inexequibilidade de preços são necessárias vários estudos. Monopolio? Se informe novamente. 200 fabricantes configura monopólio?? Monopólio acontecerá se deixarmos empresas de outros estados entrarem aqui no paraná, conforme estão tentando.

    O preço sugerido em estudo inicial de 133 reais fica ABAIXO do praticado na maioria das regiões do estado, ou seja, a sociedade paranaense NÃO SERÁ PREJUDICADA em sua grande maioria. Os únicos prejudicados são despachantes e concessionárias que perderão a "mamata" de terem preços rídiculos mediante "escravização" dos fabricantes. E isso responde com relação a quem você indicou leitura na gazeta do povo, onde no texto dele, o mesmo informa que foi uma denúncia do SINDEPAR. Então, não seria óbvio que o único prejudicado com isso movimentasse a classe, indo a imprensa??Conforme até pediram em email aos quais muitos tiveram acesso??

    Eu poderia torçer para que tudo ficasse como está e o senhor viesse em alguns anos aqui neste espaço pedir desculpas pela sua opinião, pois se isto não acontecer agora, empresas DE FORA DO PARANÁ virão, impondo preços e maneiras, como no estado do Rio de Janeiro. E Essas 5000 pessoas que dependem dos fabricantes fiquem desempregadas e sem sua renda.
    Se o senhor acompanha o Diário Oficial, pode acompanhar que projetos de empresas de fora já estão em andamento. E a única maneira de pará-los no momento é com essa atitude DECENTE e com embasamentos dessa associação.
    Poderia sim torçer por isso, mas acho que nem eu e NEM VOCÊ, que diz defender a sociedade paranaense queremos isso. Dispenso essa sua desculpa no futuro pelo meu emprego e o emprego dos que trabalham comigo. E lutarei sim, sempre, por isso!

    Mais uma vez, a sociedade não será prejudicada, os principais prejudicados são os despachantes, e o motivo é pelo que o Sr. Pedro explicou, a renda irregular que os mesmos tem hoje, acabaria com o novo projeto.

    Portanto, cuidado com tudo o que lêem!!

    ResponderExcluir
  9. Errata: Quando falei do boleto bancário, cometi um erro. Por lei, o valor do boleto não pode ser repassado ao cliente, muito menos ser discriminado no próprio boleto. Falha minha mas acho que corrigi a tempo.
    Com certeza esse valor não será repassado ao cliente, o valor deve servir apenas para o fabricante ter noção de mais esse custo em sua produção

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por enriquecer o debate e pela participação amigo. Pena que não se identificou. abraços

      Excluir
  10. Olá anônimo uma pena mesmo não ter se identificado. Sobre o teu emprego e dos 5 mil empregos diretos, eu te respondo: Sim eu estou muito preocupado com isto! Sobre o fabricante único eu também estou ciente e prometo que no momento certo trarei este assunto ao debate.
    Sobre a situação do RJ você foi perfeito em tua comparação. E garanto a você eu vou lutar contra isto também. Eu só defendo o livre comércio, esta é a minha bandeira.
    Por último para finalizar quanto a quem ganha ou não, sobre o custo de placas eu posso afirmar um par de espelho da REPLAC a R$ 16,00 chegando ao preço final de R$ 160,00 é um lucro razoável não é mesmo?
    Abraços e não falo mais do assunto, afinal dia 1° está aí não é mesmo.

    ResponderExcluir
  11. Não me identifico pois, como o senhor sabe, existem represálias por parte de alguns intermediários neste ramo.

    A única coisa que me resta responder é sobre a questão do "lucro razoável".
    Para responder, tenho que comentar algumas coisas antes.
    Uma placa não é feita somente do espelho (cujo preço varia de 16 até 25 reais). Devemos colocar todos os gastos, além do espelho, imposto sobre vendas(estamos falando em 100% de notas), salário de funcionários, encargos sobre funcionários, luz, água, materiais de escritório, materiais de uso diário(limpeza, etc), propaganda, seguros de funcionários e do locar de trabalho, manutenção de máquinas e equipamentos, gasolina prolabore de no mínimo 2 sócios, impostos sobre o lucro, entre vários outros gastos e aí sim teremos o lucro.
    Agora respondendo sua pergunta, não sei se o senhor sabe o que é realmente o lucro, pela sua pergunta me parece que não, mas diante do que apresentei, posso afirmar que não, não é um lucro razoável, visto também os riscos de se colocar uma placa errada em um carro(riscos também compõem preço) e visto a tamanha responsabilidade do fabricante por ser um IDENTIFICADOR VEICULAR. Portanto, como disse, minha resposta é não, não é um lucro razoável e sim, um lucro JUSTO.
    Nenhum empresário trabalha pra ficar no 0 a 0.
    Espero ter esclarecido e mostrado a profissionalização do fabricante de placas mediante o novo procedimento.
    Um abraço a todos.

    ResponderExcluir

Desabafe!