sexta-feira, 10 de maio de 2013

Será que é a solução?

Mais uma vez, escrevo aqui com uma sugestão de pauta enviada por um leitor - obrigado Beneth - que além de companheiro de curso universitário (o qual ainda não sei se desisti ou não), tornou-se um amigo. E a pauta, diz respeito a crack (não aquele de algum esporte, mas sim, da droga), aos usuários dessa droga, a família desses usuários e claro, muito mais respeito ao governo que gerencia e brinca com a vida de ambos, o crack, o usuário e suas famílias.

É fato que, o governo, está cagando para as pessoas e o que delas possa retornar, a não ser o voto em época de eleições. Nossos governantes, independentemente de partidos políticos ou ideologias, ideais e fé, só estão interessados nos benefícios (se assim posso chamar) de se tornar um governante. Nada importa mais do que o poder de governar: filas nos hospitais, mortes no trânsito, crianças sem creches e escolas, falta de segurança pública ou qualquer outra coisa. O interesse é e sempre foi no poder. E aí, quando eu penso no que eu faria, se for na lógica deles, nada seria diferente.

Afinal de contas, que é que votaria num prefeito ou em um governador que não precisasse prometer arrumar a saúde? Imagine se um candidato não precisasse prometer arrumar a segurança pública porque os índices de criminalidade fossem pequenos?

Não, né... Eles prometem, a democracia acredita e todos vivem felizes para sempre. Para sempre ou até que alguma coisa aconteça: quando morre um parente numa fila de hospital, ou um assalto ao sobrado de um parente ou amigo... Aí, todo mundo cobra justiça, cobra os governantes e no final, percebemos que não há muito o que fazer.

Pois bem, na minha opinião, para ampliar esse estado de "dependência", em que os governantes precisam do "meu" voto, mas no momento seguinte eles me "ferram", eles criam mecanismos que fazem uma grande inversão de valores. Simplesmente, quem mais sobre, acaba aceitando.

Não sei se é bem isso, mas é fato que ao ler esta notícia aqui, eu fiquei sem conseguir formular uma opinião e para isso, peço ajuda dos leitores. É valido isso? Serve para alguma coisa?

Doar 1.350 reais para as famílias pagaram o tratamento de um dependente químico, ou drogadito ou viciado mesmo, é válido? A pergunta que nunca cala em minha cabeça: o que leva uma pessoa usar drogas e ainda mais, usar drogas fortes e altamente viciantes?

E porque esse benefício está, aos que indica o texto, disponível apenas para os usuários do crack?

Quantos pais, filhos e netos de família tem problemas com o tabaco, com o álcool, com remédios e não tem acesso e direito a um tratamento digno? Ou ainda, quantos usuários de outras drogas não tem esse direito? E ainda, será que pagar uma clínica é um ponto positivo, levando em contas o poder destrutivo do crack, em específico?

Isso me parece aquele pai, que surra o filho dia sim, dia não, mas que depois da surra sem motivo aparente e justificável, entrega um pacote de doces para o pimpolho. Que efeito essa distribuição de dinheiro, assim como o docinho que o pai dá, vai ter no ritmo social que vivemos hoje em dia?

Provavelmente uma boa iniciativa, mas, e o combate aos traficantes que a polícia insiste em prender (algumas vezes sabemos que não) e a justiça insistem em mandar soltar? E o restante dos crimes todos associados ao tráfico (roubo de carros, assaltos a residência, explosões de caixas eletrônicos), e isso tudo, será combatido com a mesma bondade que dar 1.350 reais à família do dependente químico?

Pensando assim, me parece uma medida paliativo-demagógica e aí, tão vazia quanto um copo descartável não reutilizado num lixão municipal (que a prefeitura de Curitiba insiste em chamar de usina).

Menos mal saber que esse dinheiro só poderá ser utilizado numa clínica específica para o tratamento específico e apenas isso. Muito mais mal é que eu, infelizmente já presenciei esse tipo de clinica e já pude conhecer métodos de tratamento. E eles, infelizmente, não levam em consideração o trabalho diário de sol a sol - um desintoxicação natural e sim, uma troca de drogas.

Tira-se uma droga ilícita e coloca no lugar uma muleta, que na verdade é uma droga lícita, vendida nas zilhões de farmácias Brasil afora.

Então, estou em dúvida, horas sou a favor, horas sou contra.

Dudu, me ajuda, Beneth, me ajuda, leitores, me ajudem. Vou buscar conhecer mais antes de achar uma boa ou uma má atitude do governo.

Rema o bote!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Desabafe!