sexta-feira, 24 de maio de 2013

TEMOS CARA DE OTÁRIO? Não precisa responder...


Tem um assunto bem polêmico em pauta essa semana. O governo do Paraná vai mudar o processo de emplacamento em todo o estado, incluindo um novo e inútil lacre. Um amigo do blog, o jornalista e executivo de futebol Sandro Rasbold, preparou um rico relatório explicando passo a passo o que vai acontecer. Você DEVE ler. Acompanhe e entenda:


xxx

Como funciona:

Atualmente o solicitante (proprietário/condutor ou despachante) se desloca até um fabricante para confeccionar as placas de seu veículo, todas as placas confeccionadas por todos os fabricantes do estado ficam registradas junto ao sistema do DETRAN-PR.

Existem dois meios de registrar a confecção de placas pelo fabricante dentro do sistema CELEPAR, o primeiro é o registro, de solicitação de confecção de placas, para veículos novos (1°emplacamento) ou mudança de município e o segundo é a autorização, de confecção de placas, para substituição de placas danificadas, inelegíveis, extraviadas e etc.

No primeiro caso o fabricante apenas deve conferir os dados e anexar uma cópia do documento do veículo. No segundo caso além do documento do veículo, o fabricante deve anexar cópia de documento oficial com foto contendo os dados do RG e CPF do solicitante além do decalque do chassi do veículo com a assinatura do solicitante junto ao processo. Em todos os procedimentos os dados ficam armazenados dentro do sistema do DETRAN-PR de forma online e devendo o fabricante prestar contas mensais de todas as suas operações sobre os processos que são remetidos para o DETRAN-PR.

Preços:
O mercado regula os valores (oferta/demanda), assim o solicitante pode escolher o fabricante que melhor lhe convier. Os valores praticados para a confecção de um par de placas em alumínio (o material mais comum) atualmente em Curitiba são:

Par de Placas em Alumínio
  • Particulares: R$ 80,00 / R$ 120,00
  • Despachantes: R$ 40,00 / R$ 60,00
Par de Tarjetas
  • Particular: R$ 30,00 / R$ 50,00
  • Despachantes: R$ 16,00/ R$ 25,00
Forma de pagamento:
De acordo com as regras do livre mercado, o solicitante pode escolher realizar o pagamento com:
  • Dinheiro
  • Cheque (alguns fabricantes ainda aceitam)
  • Cartões de débito
  • Cartões de crédito (podendo parcelar sua compra)
No caso dos despachantes o pagamento pode até ser mensal.

Lacre:
O grande vilão da história, sob a alegação de evitar ou diminuir a clonagem de veículos a AFAPLACAS em convênio com o DETRAN/PR, através de portaria (secreta?), pretende lançar o lacre codificado que será atrelado ao documento do veículo, sendo assim quando a autoridade policial abordasse o veículo com lacre codificado, uma conferência no sistema poderia dizer se o lacre verificado corresponde ao veículo em questão. Uma verificação de chassi, numeração dos vidros entre outros identificadores que o veículo já possui então não passaram a servir de nada. Afinal o lacre codificado veio para acabar com a clonagem.

Do custo:
O lacre utilizado atualmente tem um custo por peça de R$ 0,25 (vinte e cinto centavos) e seu custo final não é repassado, sendo absorvido pelo fabricante. O lacre codificado terá um custo por peça de R$0,84 (oitenta e quadro centavos) e seu custo final chegando a R$ 4,50 (quatro reais e cinquenta centavos) que será repassado para o solicitante.

Biometria:
Com a parceria estabelecida, por portaria, entre DETRAN-PR / AFAPLACAS todos os procedimentos realizados pelos fabricantes de placas do estado deverão conter o registro biométrico do lacrador e do solicitante, no procedimento do solicitante particular me parece não haver problemas, já que segundo a AFAPLACAS este procedimento irá acrescentar apenas um minuto a mais no tempo de atendimento. Mas no caso do despachante que faz um pedido de 100 pares de placas, provavelmente o tempo no atendimento será acrescido em quase duas horas.

Do sistema CELEPAR:
O sistema atua sofrerá mudanças para atender as novas exigências como, por exemplo, o procedimento biométrico e emissão de boleto bancário (?). Uma empresa terceirizada especializada (GTO) foi contratada pela AFAPLACAS para trabalhar juntamente com a CELEPAR dentro do sistema de ligação entre FABRICANTE e DETRAN-PR.

Como irá a funcionar:
Seguem praticamente os mesmos procedimentos, mas a partir do dia 1° de junho os solicitantes de placas deverão realizar o procedimento biométrico para a liberação do lacre codificado (particulares e despachantes). O sistema de informações controlado pela CELEPAR passará a contar com o gerenciamento da GTO empresa terceirizada (compartilhamento de informações do estado com empresa privada).

Dos Preços:
Deixará de existir o livre comércio e a concorrência entre as empresas, sendo estabelecido um valor universal mínimo para todos os fabricantes de placas.

Par de Placas em Alumínio
  • Particulares e despachante: R$ 133,00
Par de Tarjetas
  • Particulares e Despachantes: R$ 111,00
Forma de Pagamento:
Boleto bancário à vista.
OBS: Cada procedimento gera um boleto, no caso do despachante que faz um pedido de 100 pares de placas, será gerada a mesma quantidade de boletos.

Dos novos custos:
Cada procedimento de pedido de placas irá gerar um boleto e estarão embutidos os seguintes custos, incluindo de uma taxa que atualmente não existe por um serviço que o DETRAN-PR não presta (que provavelmente não serão descriminados) para o contribuinte.

Com o boleto pago (EM DINHEIRO,) os valores são direcionados para a conta da AFAPLACAS, que após alguns dias repassará os valores das taxas para o DETRAN-PR e valor descontado para o fabricante emissor do boleto, que ainda deverá recolher os encargos e impostos sobre o valor retornado.

Par Placar em Alumínio:
  • Valor total do boleto: R$ 133,00
  • Taxa do DETRAN-PR: R$ 16,95
  • Valor do Lacre (retido pela AFAPLACAS): R$ 4,50
  • Boleto bancário R$ 2,50
Par de Tarjetas:
  • Valor total do boleto: R$ 111,00
  • Taxa do DETRAN-PR: R$ 16,95
  • Valor do Lacre (retido pela AFAPLACAS): R$ 4,50
  • Boleto bancário R$ 2,50
  • Taxa de vistoria do veículo (retorna para o fabricante): R$ 35,00
 AFAPLACAS
Os novos custos e procedimentos foram apresentados pela AFAPLACAS com a presença de funcionários do DETRAN-PR a todos os fabricantes de placas em reunião no dia 15 de maio de 2013 em espaço cedido nas dependências da secretaria estadual do esporte.

Transcrição de alguns trechos da reunião.

Juarez Borges – Presidente AFAPLACAS
“O DETRAN- PR tem uma taxa de vistoria, mas não cobra taxa de vistoria, mas nós fabricantes vamos cobrar este valor, equivalente a taxa de vistoria do DETRAN-PR, esta taxa vai estar no boleto, então nós não falamos de preços ainda, mas já temos o valor da taxa do DETRAN-PR, já temos o valor do lacre nosso (sic) que nós vamos cobrar deles e o valor da vistoria que nós vamos cobrar deles”.

“Se os despachantes estão sabendo da conversa? Veja a informação que nós temos, é que o Cícero (Cícero Silva Coordenador COOVE DETRAN-PR) foi numa reunião em Foz do Iguaçu dia 4 agora (4 de maio) e passou alguma coisa. Claro que ele não passou como iria ser a pedido da associação, por que eu acho que os primeiros a saber temos que ser nós, como vai funcionar temos que ser nós, isto está em convenio e vai ser normativado (sic) eu to dizendo isto ai, vai ser bom se funcionar, vamos ver se funciona”.

“Eu não quero falar de valores agora, por que primeiro temos que esgotar toda esta como fazer o como fazer, depois a gente vai brigar por preço”.

“Vamos aproveitar que o DETRAN-PR esta aqui e aproveitar todas estas chances que a gente tem as nossas duvidas, depois vamos brigar por preço a minha pedida era, que o dinheiro vem no nosso bolso”.

“Gente eu consegui alimentar esta vontade de querer mais”?

“Vou passar a palavra para o Álvaro para começar a discutir preço”.

“Gente dia 1° começa”.

“Se nós não fizermos isto no dia 1° nós não faremos mais”.

“Daí ele (DETRAN) vai escolher um fabricante e tchau e benção isto não é uma ameaça isto já pode estar acontecendo”.

“Não soltamos antes para vocês por que muito se falou muita discussão e principalmente nossos parceiros despachantes entenderam muitas coisas erradas apesar do Cícero já ter falado, eu volto a repetir não queremos tirar ninguém da jogada só muda a forma de se fazer”.

“Eu sugiro o seguinte, nós temos quinze dias para cobrar do despachante para fazer caixa”.

Álvaro – Gerente Executivo AFAPLACAS

“Não se assustem por que vão ganhar muito dinheiro, porque não é verdade, vocês vão ganhar muita responsabilidade e o dinheiro paga a responsabilidade”.

“Existe uma Lei Federal que diz que, um determinado bem de serviço tem um custo mínimo, que eles chamam de exequibilidade, como a lei não nos permite entrar no mérito de preço final, nos vamos aqui falar de exequibilidade, ou seja, qualquer preço que nós chegarmos abaixo disto, que nós estamos falando aqui agora é um valor inexequível passível de fiscalização da Receita Estadual, Receita Federal, INSS, FGTS ok”.

“O que eu vou mostrar pra vocês agora é o mínimo que vocês vão ter que cobrar.”

“Na minha cabeça um par de placas deveria ser vendido no ano que vem (2014) por R$ 300,00, não achem muito por que não é”.

“Exequibilidade não prevê lucro se você tiver que fazer um investimento a exequibilidade não prevê, então vamos falar de exequibilidade, eu incluí duas tabelas de preço, tabela de custo preço 1 e tabela de custo preço 2, a tabela custo 1 prevê as taxas externas. A taxa do DETRAN-PR, segundo o preço do lacre R$ 4,50, terceiro banco R$2,50 o custo do boleto. OK. Não estamos cobrando o boleto, estamos fazendo a composição de custos. Então nós temos querendo ou não um custo que deixam de receber de R$ 23,95”.

“Somando os dois preços o custo 1 e o custo 2 que são aqueles variáveis, somando os dois nós teríamos um custo de um par de placas em alumínio de R$ 65,18. Existe mais um item que é o serviço de lacrar, que tem a taxa de R$ 16,95 e a vistoria R$ 34,97 aprovados pela Lei, quando vocês cobram isto vocês não estão cobrando o que o próprio DETRAN que é um órgão que não visa lucro cobra”.

“O que eu estou colocando para vocês é, estou tentando definir o preço pelo qual abaixo vocês não devem vender vocês estão se prejudicando gente, então vamos lá, mais o custo 1 mais o custo 2 mais os serviços chegam ao total no alumínio o par a R$ 156,65”.

“Quando nós falamos no lacre, o que tem neste lacre, o que está embutido aí, o próprio lacre, a despesa do sedex, o sistema de rastreio, três cursos ano de vistoriador lacrador, a locação do QR Code e biometria, o decalque e a etiqueta, tá tudo ai, ele custa no total R$ 4,50 para sócio e R$ 5,50 para não sócio”.

“A outra noticia é que estamos tratando com o DETRAN para que nenhum boleto saia abaixo do valor da exequibilidade”.

“Estamos falando do Aço par R$ 135,08, Alumínio par em R$ 133,62, Aço moto R$ 118,63, Alumínio moto R$ 118,34, só tarjetas R$ 113,24, a tarja (sic) subentende a vistoria a lacração”.


E o problema não é só no Paraná. Clique AQUI e AQUI e veja a aflição de outros estados.

xxxxxxx

por Luiz Guilherme Gaertner

O título lá em cim está em caixa alta porque realmente estou gritando. Gritando de raiva e gritando de desespero. Não é de hoje que os governos, principalmente deste estado do Paraná, utilizam-se do poder por nós, eleitores, instituído a eles para que os mesmos nos FODAM FERREM. E mais uma vez isto está acontecendo.

Tens ideia do que está rolando? Não?

Veja: você sabe o que é essa imagem abaixo?



Não é obrigação sua saber, mas você verá isso em seu carro. No lacre da placa traseira do seu carro, mais precisamente. Essa imagem é um código de barras em duas dimensões, diferente do código de barras que encontramos em embalagens de leite, biscoito e qualquer outro produto hoje em dia.

Nesse código aqui mostrado no blog, é possível colocar muitos caracteres (numeros, letras, numeros e letras...) enfim, dá um conferis e conheça mais... QR Code (o que é e como é)

É algo simples que muitos sites na internet se oferecem para fazê-lo de graça. Você pode criar o seu e qualquer smartphone xinfrim hoje consegue ler esse código. Repito: qualquer smartphone xinfrim consegue ler este código.

Tem um iphone? Baixe e veja do que estou falando. Tem um Android??? Clique e instale um leitor e veja o que diz no código acima: APLICATIVO ANDROID

É mais uma ferramenta, que ainda não pegou muito, mas existe.

Pois bem, o governo do Estado do Paraná, na figura do lider do poder executivo, o sr. Governador Beto Richa, determinou que a partir de 1º de junho de 2013, todos os lacres das placas de qualquer automóvel passe a ter um código de autenticação, estampado no QR Code. Simples.

Mas, você não receberá esse lacre em casa. Você terá que pagar por ele. E pagará caro, muitooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo caro. Vamos aos números, justificativas e demais fatos relevantes:

Segundo texto de divulgação, o lacre hoje tem um custo de 0,25 centavos. O novo, codificado, vai custar 0,84 e chegará ao usuário final, ou seja, eu e você que temos um carro, moto ou o que o valha, custando, na tabela que será criada, 4,50 R$. Em qualquer lugar que você for, custará exatamente o mesmo preço. (a livre concorrência foi pro inferno!)

Mas, digamos que você pegou seu carro zero KM. Certo?

Aí, as coisas ficam ainda mais caras. As placas que hoje variam entre 80 e 120 reais, o despachante que custa entre 40 e 60, a tarjeta que custa entre 30 e 50 e o despachante para a tarjeta que custa entre 16 e 25, passarão a custar:

Par de placas: 133 reais
Par de tarjetas: 111 reais.

Detalhe: agora, tem  que ser no dinheiro, não serão aceitos mais cartões.

Enfim, esse é um resumo do que vai mudar. Não é uma ideia, é um fato.

xxxx

por Eduardo Luiz Klisiewicz

Pois é... o dobro.

E para que? Para porcaria nenhuma.

O blá blá blá da segurança anti clonagem não convence. Neste momento cabe a pergunta. Quando é que alguém que nos lê foi parado por um policial rodoviário ou coisa que o valha, e teve o lacre vistoriado? tá... pensem bem. Deixem o pensamento malicioso de lado, se solte e diga sem medo: Já vistoriaram meu lacre.

Não, não vistoriaram não. Tua segurança anti clonagem tá no número do chassi nos vidros, no próprio, e no motor. Existe uma série de maneiras de garantir que um carro é seu de verdade. Não precisamos ter que pagar mais caro, BEM MAIS CARO, por isso. E para atender a que interesses? alguém vai sair ganhando com isso.

Diariamente me espanto com a falta de foco de nossos governantes. Os seus esforços - tá, reconheço que as vezes eles se esforçam - muitas vezes vão para projetos e objetivos que não buscam realmente o bem comum.

Agora... perguntar não ofende. E porque raios foram mexer nessa história das placas? O número de clonagens aumentou?

Ou não seria o número de emplacamentos que diminuiu, com a consequente perda de arrecadação?

O tarifaço do Detran teria algo a ver com isso?

Podia listar um outro tanto de questionamentos aqui, mas esperava que essa atitude partisse dos nossos representantes. Quem sabe um dia. Hoje não, já que esse absurdo (como foi o tarifaço) teve aceitação da maioria dos nossos companheiros deputados.

Sobre a pergunta lá do título... bom, não precisa responder.




17 comentários:

  1. Li até o final e realmente fiquei muito revoltado, mas revoltaro COM QUEM ESCREVEU ESTES ABSURDOS ACIMA!!

    Primeiramente, existe uma RESOLUÇÃO FEDERAL que detalha que o lacre tem que ser rastreável e que todos os estados precisam cumprir o que nela diz. Acontece que hoje em dia quase nenhum estado cumpriu, o Paraná, POR ORGULHO QUE DEVERIA SER NOSSO, é um dos primeiros a cumprir o que já deveria ter sido cumprido!!

    Hoje, um par de placas é prostituído a um despachante por 40 a 60 reais, como vocês mesmo comentaram, acontece que o despachante (PROÍBIDO POR LEI!!), repassa ao seu cliente ao mesmo preço de 80 a 120 reais que o fabricante cobra do seu cliente. Ou seja, é justo que o despachante, que NÃO PODE TER LUCRO COM PLACAS, CONFORME LEI, lucre de 40 a 80 reais, SEM EMITIR NOTA FISCAL pela venda de placas e sem fazer nada, produção e funcionários.

    Hoje, uma placa IDENTIFICADORA de veículo, sendo vendida por 40,00 senhores, afirmo que não cobrem nem os custos, se formos contar todo o processo de fabricação, funcionários, NF´s(sobre todas as vendas), etc.

    Então senhores, acredito que antes de saírem espalhando barbaridades, sem antes se inteirar dos assuntos explicitados ou somente por externarem opiniões de amigos contrários a estas atitudes, estão cometendo um grande erro, até por serem formadores de opinião.

    A livre expressão é direito, agora isto não é a mesma coisa que, com tanta veemência e sem entendimento, falar inverdades!!

    Sobre a sua pergunta??? Eu respondo, acho que temos cara de otários sim, por ter lido isso até o final!!

    Talvez seja por isso que fui o único a comentar aqui...devo ter sido o único otário!

    ResponderExcluir
  2. Ah, comentando sobre o lacre novamente, o atual lacre permite todos os tipos de crimes possíveis, uma vez que é muito fácil de abri-lo e colocar em qualquer outro carro roubado. E conforme o senhor mesmo comentou, nenhum policial confere ao parar o veículo, portanto, o novo lacre, QUE NÃO PERMITE ALTERAÇÕES, pois se quebra ao tentar ser violado, permite SIM a diminuição de fraudes e clonagens.

    ResponderExcluir
  3. Retificando, pois não gosto de falar besteiras e "toda a unanimidade é burra", certamente existe sim policiais que conferem, mas sabemos bem com que frequencia

    ResponderExcluir
  4. Caro Anônimo... não deixo ninguém sem resposta, mas antes gostaria de saber quem é você? Não dou atenção para anonimato. Abraços. Eduardo Luiz

    ResponderExcluir
  5. Pedro Afonso Steinfield27 de maio de 2013 17:25

    Só coloquei como anônimo pois na hora não tinha visto como colocar nome, perdão pela falha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Pedro. Mais uma vez obrigado pelo comentário. O questionamento gira principalmente em torno da absurda majoração do preço praticado, visto que o dispositivo representa em si terá um reajuste discreto. Achei o seu contato pertinente principalmente pelo tom contestador. Queríamos mesmo era provocar. É nossa opinião e dela não abrimos mão sob nenhuma circunstância. Posso aceitar argumentos e repensar algumas coisas, mas sempre falarei (emos) o que penso (amos). Lamento demais que a esmagadora maioria dos nossos companheiros não se revoltam com absolutamente nada. Prova disso é a participação nos comentários nos posts e assuntos que levantamos no blog (deixarei a ironia usada para tirar um sarrinho da ausência de comentários em nossos posts. Temos um bom número de visitas, mas nossos leitores talvez não estejam TÃO engajados em questões como essa. Prova de que damos valor ao que nossos concidadãos pensam, é que vou postar seu comentário como um novo post. Apareça e se manifeste, não apenas em questões que lhe convém.

      Excluir
    2. Pedro Afonso Steinfield27 de maio de 2013 19:37

      Entendo que a haverá uma majoração nos preços, mas o que entendo é que, havendo um estudo de custos, com todos agindo na legalidade, assumindo a questão de riscos (uma vez que uma placa colocada errada pode dar uma confusão enorme para o usuário), entre outros, não me pareceu absurdo.Pelo contrario, se existe um estudo e órgãos competentes tentarão mostrar isso, me parece uma coisa séria e não somente uma "falcatrua" como se tem falado. Se vermos bem, o preço normalmente praticado para o par de placas é entre 80 e 180, dependendo da região do estado do paraná(moro no norte e o preço aqui é de 140,00 o par de placas)...se o preço praticado realmente for de 133,00, teriam regiões ainda com preço abaixo do que pagam hoje, ou seja, não haveria nenhuma majoração. Só como comentários, há estados onde apenas o lacre é cobrado mais de 30 reais do usuário, isto sim é um absurdo!! Pelo que entendi, no custo do lacre de 4,50, existem várias tecnologias inclusas para o fabricante, inclusive a biometria (APENAS PARA O VISTORIADOR/LACRADOR, devidamente registrado e aprovado em curso de aprendizagem, podendo ser despachantes, fabricantes e detrans). Esta biometria será para que o vistoriador, cuja responsabilidade é enorme, certifique de que a placa foi colocada corretamente e registrada devidamente no Detran.
      Acho muito interessante que haja esta discussão mesmo e agradeço pela republicação do meu comentário. E com certeza sempre que possível contribuirei para que tenhamos debates e conversas para estarmos em constrante aprendizado.
      Agora mais calmo e apenas como um leitor com opinião, sempre prezo por falar somente sobre o que eu entendo e tomo cuidado para não falar coisas que não são verdadeiras.
      Só fica o meu pedido para também tomarem cuidado, não sou ninguém para dar dicas ou conselhos, mas cuidado nunca é demais. Comentei várias coisas que foram publicadas neste post e que não são verdades.
      Um abraço e parabéns pelo trabalho de vocês, conferi mais posts de vocês e achei interessante e inteligente este blog.

      Excluir
  6. Caro anônimo, eu sou Luiz Guilherme e sou o responsável pelo texto em questão. E, antes de cobrar um identidade, que seria bastante pertinente para o diálogo entre meio "www.dlq.com.br" e o receptor da mensagem, você, eu gostaria de reafirmar que sim, esse texto é um texto de opinião. Quanto aos lucros de quem vende a placa, sejamos racionais e óbvios o suficiente em assumir que jamais saberemos o quanto ganha quem ganha, onde ganha. Só sabemos como ganha: vendendo, colocando e lacrando as placas. Simples.
    Sobre o novo lacre, em específico, sendo ou não uma resolução de que órgão possa ser, o lacre divulgado pela imprensa é feito do mesmo material plástico que o anterior. E nenhuma pauta foi explorada mostrando que o plástico tenha sido testado exaustivamente e que, em comparação levando ainda em considerações condições adversas de clima e exposição as intempéries. Em sendo fatos, a questão de ser melhor ou pior, nem para mim nem para vocẽ - empatamos na dúvida.
    O QRCode, conforme citado no texto, não pode nem deve ser utilizado como item de segurança. Qualquer usuário da internet é capaz de fazer um código, com base em outro código. Tente e veja você mesmo.
    Mas, ainda assim, obrigado por seu comentário, é dessa participação que eu gosto, preciso e espero.
    Para mim, ter uma opinião é melhor do que ser um mudo e calado e por isso, considero que você, em momento algum foi um otário. Você foi um cidadão de atitudo. Leu, compreendeu e não gostou. Obrigado pela sinceridade.
    Espero mesmo, que continua me ajudando, com sua sinceridade e carinho na leitura do www.dlq.com.br

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  7. Pedro Afonso Steinfield27 de maio de 2013 18:04

    Com certeza sempre serei sincero e acho mesmo que temos que continuar sempre debatendo coisas que são inerentes ao nosso dia a dia.
    Quanto aos lucros, eu falo e afirmo com toda a certeza sobre quem ganha o que, pois trabalho durante 10 anos no ramo, para um despachante.
    A respeito do lacre, no novo lacre não é feito do mesmo material, o antigo era de plastico simples, o novo lacre é feito de POLICARBONATO, um material muito melhor e que, caso seja violado, se quebra e não permite a reutilização. O material por sí só já pode te responder quanto os testes de durabilidade. Portanto eu não fico na dúvida, tenho certeza quanto ao material e confiabilidade dos lacres novos.
    O QR code não é o que faz do lacre mais seguro. O que pede a resolução 272 do contran (resolução que regulamenta os lacres rastreáveis) é que o lacre seja numerado (cada um com numeração própria), os de hoje somente tem o código do fabricante. O lacre numerado, ao ser registrado no Detran, conforme você mesmo comentou, será vinculado sistemicamente a determinado numero de placa, o que faz com que o número do lacre seja único para cada placa e, isto sim, garante maior segurança ao usuário e maior poder de fiscalização por parte do estado com relação a placas clonadas.
    Portanto, para ficar claro, o QR code não é a segurança, é apenas um aditivo inovador(pois nenhum outro estado possui nesta área). A segurança se dá pelo número do lacre único para cada tipo de placa, conforme pede resolução do contran.
    Percebi que teve acesso a uma gravação da reunião dos fabricantes, assim como eu também tive e posso afirmar que se vista perante o contexto que comentei, verão que não foram faladas com a maldade que parece.
    Basta olharmos os comentários do executivo da afaplacas, pelo que tive acesso da gravação, este estudo inicial de exiquibilidade do valor das placas é algo muito sério e o comentário é que será feito por entidades púbicas de confiança. Se neste estudo ficar comprovado que o valor é correto, acredito que temos que aceitar e agradecer por esta atitude do detran que, ao meu entender, parece séria e digna.
    Um abraço e me desculpe pelas palavras duras nos primeiros comentários, foi excitação do momento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tá tranquilo... é do nosso ofício receber a pedrada, depois o afago haha. Obrigado mais uma vez

      Excluir
  8. Isso tudo não passa de uma palhaçada, esse novo lacre não vai nunca impedir roubo nenhum de carro algum. Essa porcaria de lacre só existe no Brasil, pois além de ser vendido por um preço injusto é um grande gerador de multas, Ou seja com ele não adianta nada e sem ele muitas multas para os trouxas pagar.

    ResponderExcluir
  9. Isso tudo não passa de uma palhaçada, esse novo lacre não vai nunca impedir roubo nenhum de carro algum. Essa porcaria de lacre só existe no Brasil, pois além de ser vendido por um preço injusto é um grande gerador de multas, Ou seja com ele não adianta nada e sem ele muitas multas para os trouxas pagar.

    ResponderExcluir
  10. O DENATRAN DETERMINA AS NORMAS POIS OS "CARROS" RODAM POR

    TODO O BRASIL.

    PARA QUESTIONAR ENVIE OFICIO AO DENATRAN ! ELE RESPONDE !

    ANTONIO LUCIO DA SILVA
    DESPACHANTE

    ResponderExcluir
  11. acesse o blog

    fenadesp.tumblr.com

    e veja como é fácil prestar serviço público de emplacamento

    sem licitação ou concurso público.

    Renda de 30.000,00 por pessoa.

    ResponderExcluir
  12. acesse o blog

    fenadesp.tumblr.com

    e veja como é fácil prestar serviço público de emplacamento

    sem licitação ou concurso público.

    Renda de 30.000,00 por pessoa.

    ResponderExcluir
  13. acesse o blog

    fenadesp.tumblr.com

    e veja como é fácil prestar serviço público de emplacamento

    sem licitação ou concurso público.

    Renda de 30.000,00 por pessoa.

    ResponderExcluir
  14. O UNICO QUE SAI GANHANDO DESSA HISTORIA COM CERTEZA E SOMENTE O DESPACHANTE ,AQUI EM MINAS PELO MENOS E ASSIM,E O QUE VCS TAO ACHANDO RUIM AQUI O LACRE E 46,00....

    ResponderExcluir

Desabafe!