quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Como se proteger de sua própria incompetência?

A frase do título desse post me inferniza todos os dias. Não porque eu ache que sou incompetente, até porque tenho a certeza de que em algumas questões eu sou muito e em outras, eu não sou nem um pouco, mas é que, como sou usuário da internet, em algumas situações tento participar mais ativamente através do campo comentário e as empresas, principalmente os grandes portais, não parecem tão abertos assim a participação popular.

Primeiro, em muitos portais, o comentário passa por uma moderação. É o primeiro filtro no estilo "não gostei, não vai". Fica muito mais fácil administrar um portal de notícias com a moderação de comentários. Sei bem que opiniões são como bundas, cada um tem a sua e adora comentar a do outro, mas se você está disposto a aparecer, tem que estar disposto a ouvir.

Segundo: a moda do cadastro. Agora, além da moderação, os mesmos sites ou portais estão pedindo que se faça um cadastro, no qual você precisa pelo menos colocar um endereço de e-mail e seu nome completo, quando não pedem documentos como CPF e RG. E lógico que eu não tenho feito esses cadastros, até porque, depois que você faz um cadastro desses, em questão de horas, dias e no máximo meses, você começa a receber SPANS de diversas formas, cores e produtos. Ou seja, que CADASTRINHO MAROTINHO, NÉ!

E porque esse tipo de ferramenta protege contra a própria incompetência?

Simples, deixando de permitir a interação do leitor.

Hoje, cliquei numa matéria cujo título era: "Veja quais modelos de carros estão saindo de linha". Opa, cliquei na hora, né! Na página que abriu, o título era ainda mais enfático: "É hora de dizer adeus", UAU, pensei. Pois a matéria era um lixo. Não falava dos carros que estão saindo de linha, até comentou sobre 2, mas superficialmente. E no entanto, mostrou outros tantos modelos que apenas passarão por mudanças, algumas mais sutis, outras mais marcantes, mas que ainda assim, serão os mesmos carros.

Pensei, vou comentar que este texto não está bom, mas PARE! Tem que fazer cadastro.

Enfim, esse não é um caso isolado. Pelo menos umas 4 a 5 vezes por dia me deparo com isso. Mas em contra partida, existem lugares que visito que além de um texto excelente, se eu escrever hoje, sei que amanhã alguém vai me dizer que recebeu e que discorda ou concorda com minha opinião.

Certa vez, assistindo uma reportagem com Roberto Cabrini, ouvi ele dizer em um off que muitos haviam morrido numa "câmera" de gás. Uns dias depois, escrevei a ele dizendo que putz, "câmera" de gás, só se fosse uma filmadora ou máquina fotográfica feita de gás, que o correto era "câmara" de gás. O bicho apenas me respondeu: "Eu falei "câmara" de gás. Certo pelo duvidoso, pelo menos ele respondeu.

E você, leitor DLQ, pode comentar e participar a vontade, aqui, não moderamos e não controlamos. Mas se escrever bobagens, pelo menos coloca o nome....



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Desabafe!