quinta-feira, 30 de outubro de 2014

A vida é... ahhh, essa vida é uma caixinha de surpresas. Né!

Pois bem. Não sei se posso me referir aos leitores pois o blog esteve tão abandonado por mim nesses ultimos tempos que acredito que nossos leitores acabaram migrando. Mas, a vida é uma caixinha de surpresas e talvez, algum antigo leito posso ler este texto e quem sabe assim, recomeçamos uma relação DLQ x Leitores.

Um dos motivos pelo qual me afastei e muito do DLQ é que eu queria assistir ao circo eleitoral desse ano. Sem emitir durante o pleito qualquer tipo de opinião, crítica positiva ou negativa, enfim, queria mesmo era assistir. Nos pleitos anteriores, eu até fazia questão de escrever, mas esse em especial, me cativou a assistir. E surpresa foi que, como antes nunca visto na história desse país, um candidato ganhou com 51 (uma boa ideia)... tá, isso foi zueira. Mas, nunca antes um segundo turno foi tão apertado, tão difícil e tão cativante como esse.

A palavra circo aqui, talvez não seja exatamente a correta até porque circo é um lugar que vamos para nos divertir, mas, que a campanha me fez rir muitas vezes, isso me fez sim. Os debates? Não, esses me deram sono.

Ao mesmo tempo que assisti de quase camarote o envolvimento popular com a política - sim, em ano de copa do mundo sequer imaginei isso - foi surpreendente ver que as pessoas se definiram e correram atrás de suas convicções. PT e PSDB além de travarem suas lutas, angariaram milhares de pessoas que atuaram como verdadeiros candidatos. E as redes sociais parecem ter mostrado para mim, que servem para alguma coisa que não postar fotinhos de pet´s. Vi menos foto de "salvem os cachorrinhos de rua" e em contra partida, vi mais campanhas a favor de um ou de outro candidato.

Num país onde a máxima era que "futebol, religião e politica" não se discute, vi pessoas assistindo os debates na academia, em bares, restaurantes, amigos se confraternizando para assistir ao circo dos horrores que foram os debates. Nada de novo foi realmente debatido, apenas um amontoado de mentiras, promessas vazias e o cansaço dos candidatos estampado em rede nacional, agora com tecnologia HD.

E nas ruas, foi possível ouvir de tudo que é tipo de discurso. Um contra a esquerda, outro contra a direita e mesmo que os interlocutores não tenham a mínima ideia de onde surgiu esse conceito de esquerda-centro-direita e ainda, usando de maneira quase errada por completo, ainda assim, eles tinham seus argumentos, contra-argumentos e fomentações.

Os eleitores, talvez pela primeira vez, mostraram que tem algum tipo de força. Mostram também que com o medo imposto por esse ou aquele candidato, tudo pode mudar.

Afinal, a vida é ou não uma caixinha de surpresas?

Eu tinha certeza que a presidentE dilma iria ser reeleita, até porque quem tem toda a máquina nas mãos, dificilmente perderia. Porém, 3% de diferença, deve ter criado um peso adicional aos ombros já pesados dessa que foi eleita e reeleita presidente. Que ela conviva com esse peso e tenha a sabedoria de que de agora em diante, vai ter que trabalhar mais e pelo povo. Não que ela esteja realmente preocupada com isso, mas é melhor ficar, né...

Sempre sonhei em ver um país mais politizado. Um país em que se falasse sobre política nos ônibus, nos terminais, nos escritórios, nas padarias. Eu vi isso acontecer. Cada qual do seu jeito e com a sabedoria que tem, mas cada qual fazendo. Isso chegou a me esfriar a espinha.

Foi lindo!

Petistas brigando, psdbistas brigando...

Foi lindo! Espero ver mais vezes isso, mas, como esquecer que o gigante adormecido tomou alguns calmantes fortes e assim voltou para o ostracismo? Não houveram, como diriam os evangélicos mais chatos "graças a deus", manifestações de rua, nem quebra quebra, muito menos manifestos eleitorais. Alguns babacas tiraram suas selfies nas urnas, mas esses otários, vamos ignorar. Eles também são parte desse processo democrático.

No mais, meus parabéns a dilma, que se com toda a máquina estatal nas mãos perdesse, seria por mim considerada eternamente, incompetente!

Que sejam mais 4 anos de marola e tempo bom para o brasil que sabe, voltar a crescer. Meu voto, esse ela não teve. Mas, sou apenas parte dos 48% que não queriam ela. E todo mundo sabe, 50% + 1 voto, é maioria.

Eu? Eu vou ficar com meu recalque, afinal de contas, não queria mais o PT, mas pensando melhor um pouco, talvez seja melhor, afinal, agora teremos mais 4 anos para aparecer um candidato de verdade, que seja melhor do que os que agora participaram.

Para finalizar, o que me deixou triste foi perceber que Marina perdeu apoio por sua aliança com um desprezível Malafaia, que Aécio não conseguiu se antenar, que aquele outro morreu e que Dilma, deixou muito o cansaço se mostrar. Ela tinha que se apresentar mais forte.

Porém, o que me deixou mais triste ainda foi ver o comportamento babaca do brasileiro que acha que somos melhores do que alguns outros brasileiros. Se dilma ganhou no nordeste, mérito dela e de suas campanhas e programas. O nordestino não pode ser completamente culpado por ter eleito dilma. Até porque o respeito, como prega a constituição e a religião que muitos desses críticos frequenta, pregam o respeito ao próximo, seja ele rio grandense ou cearence. Respeito é respeiro. E isso faltou um pouquinho para o brasileiro esse ano.

No mais, viva o 7 x 1 da alemanhã sobre o brasil e viva 4 anos mais de pt (ironico).

Vamos ver no que vai dar isso tudo!

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Depois de muitos anos...

E depois de muitos anos, finalmente eu voe novamente. Foi um voo curto mas me fez lembrar o quanto é mais gostoso e mais rápido fazer um trecho utilizando o transporte aéreo. Não é ostentação não, mas quem não trocaria 510 km de carro, com estradas pedagiadas que somariam mais de 100 em pedágio + gasolina cara + cansaço por um voo de 1 hora?

Pois é, só quem não gosta de voar mesmo. Porém, na ida até me caguei. A hora que aquele monstro com mais de 50 toneladas acelerou, fiquei branco, não curto altas emoções mas também, passou logo. Algumas turbolências mas nada que me fizessem sentir medo. Nada. Apenas uma sensação de bem estar, com arcondicionado e outros confortos.

Pena que no brasil, nem tudo é tão perfeito como possa ser. E o Aeroporto Afonso Pena é um grande exemplo clássico de descaso. No sábado, dia que embarquei para ir, a temperatura externa do aeroporto estava por volta dos 28, 29° a temperatura da estufa afonso pena deveria ser de pelo menos uns 3 a 4 graus mais elevada. Não é exagero meu, eu que não costumo suar muito, estava suando como um porco.

Comentei com a menina que me atendeu na lanchonete onde tomei um suco e ela relatou que há muito tempo, existe essa reclamação. São muitas pessoas reclamando. É injusto e desumano colocar uma galera para ficar numa estufa. No brasil, há dinheiro a rodo, é só verificar o quanto de corrupção aparece em forma de denúncia. Desvia então uma graninha dessas para uma bela empresa de fachada que trabalhe com arcondicionado. Simples assim, ou não?

Queria muito agradecer as duas meninas com quem conversei nesse dia, sábado 11 de outubro, fiquei de colocar o texto antes mas fiquei sem computador, e ainda mais, esqueci de perguntar seus nomes então, se você lerem esse texto, comenta ele informando os nomes que citarei de forma mais respeitosa aqui no texto. O nome do estabelecimento, manterei fora disso, bele?

É simplesmente uma vergonha saber que, num país tão rico, será preciso privatizar o aeroporto para que então o arcondicionado possa funcionar...

Hahahahaha

Ah, mas antes de apenas lamentar, vou escrever para nossos nobre senadores da república e também para os tantos mais de 500 deputados. Vai que eles conseguem ajudar de alguma forma? Vai que, né...

Logo logo, novo desafio no www.dlq.com.br

Inté e meninas, se lerem, comentem com seus nomes... É bom dar nomes aos citados, bele???

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Ok!, Tudo está passando, certo? #SQN

Hoje é quarta-feira, 8 de outubro - e por mais que algumas pessoas possam ler este texto em outro dia, ainda assim, escrevo-o na quarta-feira 8/10/ E nesse pequeno trecho já digitei erroneamente pelo menos 2 vezes o algarismo 9 no lugar do 8 e ainda por cima, para justificar, digitei o 0, espero que não cometa mais este ato falho e que não permita que ele persista na tela.

Mas o tema do texto hoje são as coisas que estão passando.

A primeira delas, que eu não deixaria de escrever é que a copa do mundo, sim, aquele campeonato que traria bilhões de reais em retorno para o brasil com seus turistas - munidos de dólares - acabou e faz tempo, como diriam os evangélicos - "graças a deus" e como digo eu, ainda bem. A copa do mundo foi sim um grande evento. Lembro-me bem da prefeitura de curitiba pintando faixas durante o mundial, na rua que passa atrás do circo da baixada (arena é muito, né)... Mas e aí, quanto ganharam os hotéis, bares, restaurantes.. Quanto ganhou a população, já que o metrô não saiu, a avenida das torres continua lá e aquela ponte estaiada que liga nada a lugar nenhum... O que curitiba realmente ganhou senão um grande devedor - dá-lhe atlético...

Enfim, uma borracha na copa do mundo, e eu já esqueci do fiasco que foi, não só aquela seleçãozinha de merda quanto rudo mais. Tadinho do felipão!

O segundo evento que passou e para mim foi um marco, foi a morte de Eduardo Campos. Mas, opa, perái caceta, quem foi Eduardo Campos? Foi um homem que morreu e só isso. Me deu a esperança de ver Marina presidente, mas só a esperança. De concreto, nada mais. E com essa esperança chegamos no primeiro turno. E aí, o festival foi bacana. Teve Luciana ofendendo a rede globo dentro da rede globo, teve Levi mais uma vez ofendendo os homossexuais (esse levi deve ser uma bichona daquelas que frequenta as ruas das travecas... certeza), teve proposta de privatização e claro, tivemos as mais lindas promessas da plastiquinha, que nos debates aparecia tão cansada que acho que precisa de 4 anos de férias.

Mas, isso também passou e agora, estamos em nova fase. Segundo turno está chegando e tudo vai ser diferente. #SQN

Não quero ofender ninguém, mas temos que escolher entre duas coisas quase iguais porém com nomes extremamente diferentes. Ou você acha que é fácil ter que escolher entre dois baldes, um de merda e um de bosta?

Mensalão por mensalão, PT e PSDB tem os seus. Privatizações, entre os dois, cada um tem o seu, mas algumas pessoas chamam as privatizações do PT de concessões... Tá bom...

Eu não sei mais o que fazer. Não sei se vou votar - no primeiro turno fui - não sei se vou e anulo, não sei se vou e voto branco ou melhor ainda, não sei se nem votar eu vou. Este ultimo me parece mais amigável. Para que levantar da cama e ir votar? 1 voto - sim senhor(a) - NÃO FARÁ QUALQUER DIFERENÇA NUM UNIVERSO DE MAIS DE 100 MILHÕES - Não fará qualquer diferença. E se eu não for votar e não puder reclamar depois, bom, não mudará nada para mim.

Fato é que na quinta-feira, 9/10, termos mais uma vez uma grande função para a TV a Cabo e seus programas exaustivamente repetidos: evitar ter que olhar a dilma com seus atores perfeitos e aécio com aquela cara de bom mocinho a lá collor... ops...

Que venha logo esta porcaria de segundo turno. No fio da navalha, nada mudará. Continuaremos com a inflação, com a grande carga dos impostos, com os salários baixos e defasados, com uma maioria rica mandando, com a petrobrás sendo a merda que é, com a Copel sendo utilizada como ferramenta política, enfim... Quem conversa um pouco, sabe bem o que que rola... É isso. E tem gente que ainda acha que vivemos numa democracia, mas isso é tema para outro texto...

#bora_viver


segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Meu olhar sobre as eleições 2014

Meus amigos... mais uma eleição aconteceu (temos o segundo turno presidencial ainda).

Teus candidatos se elegeram? Dois dos meus sim.

Votei em Eduardo Jorge, Roberto Requião, Marcelo Almeida, Fernando Francischini e Ricardo Arruda.

No primeiro e no segundo por acreditar que eram as melhores opções. Eduardo por ser histórico político e propostas debatidas ao longo da campanha. No Requião por gostar do que ele já fez pelo estado e por ser o único capaz de evitar um trágico segundo mandato do governador Carlos Alberto Richa. Em Marcelo Almeida para votar pela renovação do senado (embora não tenha nada contra o Álvaro Dias), no Francischini por acreditar no bom trabalho que desenvolve, entre eles o da CPI da Petrobrás e coisa e tal, e no Arruda por acreditar na renovação da Assembléia e, principalmente acreditar nos ideais do meu irmão Fernando, coordenador de campanha de Arruda.

Queria ter votado na Tia Denise, mão do meu amigo de infância Chitão. Sei da militância que ela tem em seu partido e acredito que querer mudar pode nascer por acaso. E ela teve mais votos que gente bem mais famosa, tipo o Chick Jeitoso :)

Serei um vigilante, como sempre tentei ser, do trabalho dos dois últimos que citei. Críticas, sugestões e tudo mais. Lamento pelos demais resultados, principalmente para o governo do estado. Todos sabem o quão crítico sou de Richa. Nem por isso, contudo, deixarei de acreditar que é possível mudar. Tomara que ele me surpreenda e me faça mudar de ideia, já que seu primeiro mandato me deixou uma péssima impressão.

Para a presidência o segundo turno entre Dilma e Aécio pode me forçar a ir contra uma das grandes certezas que sempre tive. Não acho que o governo Dilma foi um completo desastre, como dizem. Mas acho o PSDB uma das piores coisas que existe na política. Contudo, sou amplamente contra o continuísmo exagerado e mais quatro anos do modelo atual não me parecem a melhor escolha. Por isso, contra esses princípios mencionados, pode ser que vote em Aécio. Pode ser. Não tenho certeza.

Na Assembleia Legislativa tivemos uma boa renovação, em grande parte causada pela histórica votação de Ratinho Jr. Como planejado, ele deixou Brasília para trilhar de vez seu caminho rumo ao governo estadual. Toda a aliança feita até aqui tem transformar Ratinho em governador em 2018 como objetivo, inclusive apoiado pelo atual Richa. Com a maioria da Assembléia, apoio do atual governo, é quase impossível perder essa batalha.

Menos ódio, mais fé

O ódio aos filhos dos políticos eleitos não pode se sobressair à razão. A fruta não cai longe do pé e blá blá blá. Cada um é senhor do seu próprio destino (tudo bem, no caso dos políticos são senhores do nosso também). Mas só o trabalho destes eleitos mostrará (ou não) o valor que eles têm. Eu não sou metade do homem que meu pai é. Se a avaliação do que sou tomasse como base apenas a mesma usada para avaliar filhos de políticos, eu deveria ser bem melhor do que sou.

É preciso cuidado. Podemos ter, no meio de tantos destes eleitos como filho de fulano, pessoas idealistas, que sonham (como a maioria de nós) com um país, um estado, uma cidade melhores. Colocá-los todos no mesmo balaio é o mesmo que os políticos espertalhões fazem com a gente, ou seja, somos todos burros manipuláveis pela velha política. E não somos não. Ou somos?

Joio do trigo, fruta longe/perto do pé. Cuidado minha gente. O mandato (e a nossa fiscalização) é que determinará se o filho do fulano, o neto do ciclano, prestam ou não. Ademais, fomos nós (nós sim, votando ou não. Só cresceremos pensando como sermos uma coisa só) que os colocamos lá. Que sejam quatro anos de crescimento para o meu Paraná e o nosso Brasil.

Eu jurei, mas não consigo... É muito mais forte do que eu...

Jurei que não escreveria sobre política ou sobre eleições mas infelizmente é muito mais forte do que eu posso aguentar. Simplesmente, estou impressionado com a política de merda desse país de merda. É impressionante perceber que depois de tudo, de todas as manifestações, de todos as conversas e de tudo o que mais aconteceu, nada mudou, nada vai mudar.

Estou indignado ao ver que uma senhora, que não citarei o nome, usou a morte do filho para digamos, ganhar muitoooo dinheiro. Ficar rica as custas de um trágico acidente é no mínimo, nojento. E quem discordar, fala comigo. Adoro o diálogo. Yared, você me causa enjoos...

Outra fonte de indignação que me dói mais que chute no saco é ver um cara chamado Romário, ser eleito senador da república. Ah tá, obrigado, me sentirei muito melhor com isso. Realmente é um espasmo de felicidades. Não vou gastar muito mais tempo com esse cara, que como deputado, não fez nada de bom por mim.

E para completar minha indignação no campo legislativo, o que falar do palhaço? Aliás, palhaço devo ser eu mesmo. O tiririca é apenas um fantoche, usado como um fantoche.. É um infeliz que ganha seus muitos dinheiros as minhas, as nossas custas para fazer o que ele mais sabe fazer: nada.

E no campo do executivo, mesmo que os paranaenses não tivessem qualquer tipo de outra escolha, p. q. p., beto richa foi de quebrar as pernas.

Mas é isso, ainda bem que em partes, o circo já se desmonta e vai embora. Outro pleito, só daqui a dois anos, com mais circo dos horrores. Tomara que ninguém mais morra de forma trágica ou nenhuma outra criança desapareça... Afinal de contas, isso tá virando motivo para as pessoas elegerem outras... Triste, triste...