quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Os lobos estão por todos os lados... e o carneirinho? Ah, vai virar jantar, certeza...

Dia desses, estava conversando com uma amigo de trabalho de longa data, em que muito já conversamos sobre diversos assuntos, e aí entrou em pauta um assunto em específico que aqui vou tematizar como comportamento social adquirido. Claro que não sou sociólogo muito menos estudioso de filosofia mas, como jornalista e bom observador, óbvio que meu dou o crédito de poder comentar sobre. É minha forma de ver as coisas, que pode ser levemente diferente da sua, que irei respeitar e como contra partida, vou pedir respeito também. Ninguém precisa riscar o meu carro ou fazer qualquer tipo de ameaça, ta bom? Sejamos racionais.

Mas o fato é que, tempos atrás, participei de uma reunião ontem foram tratados temas como uso do crachá no ambiente de trabalho, marcação de horários, horas extras e banco de horas - essas coisas básicas que todo mundo, até meus filhos de 11 e 8 anos já sabem.

Deixemos isso de lado e vamos ao comportamento propriamente dito.

Alguém já se perguntou porque existem tantos vendedores de CDs e DVDs piratas espalhados por esse brasilzão? Simples: porque o povo quer assistir mas quer ou de graça, ou pagar pouquinho. Simples assim.

Talvez ninguém, dessas pessoas que compram esses produtos, pense no quanto custa para produzir, pagar atores, direção disso, direção daquilo, roteiristas, produtores e tudo mais. Nem mesmo o quanto custa a caixinha do disco, o encarte, a capa, o disco em si, o custo de transporte, distribuição e toda a cadeia produtiva envolvida nesse processo. E pode ter certeza, custa bem mais que os 3 reais que se paga num DVD pirata. Isso é um comportamento social adquirido, na minha visão, pois todo mundo faz, e se todo mundo faz, tá bom, dá pra fazer.

Certa vez, alguém muito importante para mim comentou uma frase, transcrevo abaixo:

"Não é porque todo mundo faz, que seja certo. E não é porque ninguém faz que seja errado."

Mais ou menos por ai.

Entramos num ciclo que nunca vai se encerrar a não ser que alguma peça da engrenagem seja refeita, mudada ou simplesmente ignorada. Vamos lá.

Jeitinho brasileiro em 3, 2, 1...

Não quero pagar caro -> compro dvd pirata -> original fica mais caro -> não quero pagar mais caro ainda -> compro dvd pirata -> original fica ainda mais caro... podemos ficar o dia todo.

E isso vale para outro comportamento bastante comum, principalmente em algumas ruas da cidade de curitiba.

Jeitinho brasileiro² em 3, 2, 1...

Quero 1 smartphone -> não quero pagar o preço -> compro um roubado/furtado -> celular funciona -> tudo fica certo -> é assaltado -> perde o telefone -> reclama -> e vai comprar outro roubado... e o ciclo mais uma vez não se encerra.

E por aí vai... desde o cara que chega mais cedo no trampo para fazer horas extras até o ladrão pé de galinha que rouba roupas para revender em redes sociais. Ou então, o cara que compra cargas de caminhões e vende em sites de negócios.

É desse tipo de comportamento social adquirido que eu trato.

Mas, como criar carneirinhos no meio de tantos lobos? Como ter filhos num mundo como esse em que vivemos sem permitir que eles se tornem também lobos? Sem que esse comportamento seja recebido por eles como normal? É essa resposta que eu preciso, pois a coisa não parece melhor de agora por diante... É ver no que vai dar...

Enquanto isso, eu vou tentando não me tornar um lobo. Eu vou tentando ainda ser esse carneirinho que vai virar churrasco logo, logo...

Fui!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Desabafe!