domingo, 29 de março de 2015

E o meu parabéns vai para? Não, não vai para Curitiba nem para os curitibanos...

Eu não sou ignorante muito menos o que poderia ser chamado de limítrofe e por isso, vou escrever o que eu sinto por essa cidade no dia do seu aniversário. Porque não escrevi antes? Porque não tinha pensado nisso mas hoje, enquanto mais de milhão comemoram os 300 e tantos anos, eu não vejo qualquer motivo para comemorar.

Vou começar a expor meus pensamentos a respeito e na verdade, não estou escrevendo para receber contra argumentos, e respeito que tem gente que ama essa cidade, até porque até onde sei, meu nobre dudu parceiro de blog e amigo, é um desses apaixonados.

-> Curitiba é uma cidade modelo: MENTIRA Curitiba foi uma cidade modelo. Durante algumas décadas, foi uma cidade bem planejada, na qual as vias rápidas eram novidade e eficientes, nas quais as canaletas eram show de bola, na qual o transporte público era eficiente, as ciclovias eram espaços que ligavam parques e que servia para transporte individual, coletivo e lazer.

-> Curitiba é uma cidade ecológica: MENTIRA GIGANTE Curitiba foi, mas se você fizer um esforço e observar as fotografias mais antigas do google da cidade de curitiba, você verá que boa parte da ecologia e área verde da cidade, sucumbiu ao mercado especulativo imobiliário - sobradinhos e prédios... faça esse teste e verás. Na minha quadra, tudo o que tinha de verde, está ficando cinza em nome do progresso, e porque tenho que parabenizar?

-> Curitiba é uma cidade limpa: MENTIRA Se comparada a outra cidades, somos até mais limpinhos mas, infelizmente, eu que moro aqui há mais de 35 anos, posso dizer que isso aqui já foi muito melhor, muito mais limpo e claro, muito mais aconchegante.

-> Curitiba é uma cidade boa de se viver: VERDADE/MENTIRA Curitiba é uma cidade tão violenta ou mais violenta que são paulo e rio de janeiro (mantendo as devidas proporções), curitiba tem um trânsito infernal, para o qual os ultimos três prefeitos têm feito bosta nenhuma para mudar ou melhorar, tem o pior sistema de transporte coletivo que só leva fama porque é integrado, mas que em eficiência, demonstra ser no máximo igual ao de qualquer outra metrópole de 6º mundo. Eu uso o sistema de transporte coletivo, eu sei. Sempre usei, nunca o vi tão ruim quanto está agora.

-> Curitiba é segura: MENTIRA Curitiba já tem sua cracolândia, da qual a prefeitura e os representantes da população muito devem se orgulhar pois não fazer nada, aliás, agora até ônibus terá pra dar conforto pros "craqueiros"... Temos também nossas regiões de intenso tráfico de drogas, temos nossas favelas e tudo mais que uma cidade de 7º mundo qualquer tem, e se compararmos ao rio de janeiro, temos a desvantagem geográfica de estarmos a 100km do mar.

Enfim, me desculpa, mas isso onde vivo não é, nunca mais foi a Curitiba que merece meus parabéns. Não, não vou comemorar com essa cidade imunda, suja, desorganizada e insuportável que se tornou curitiba.

Sei que tem gente que ama, mas eu, não mais. E graças a nomes como Beto Richa, Ducci, e Gustavo Freut, tudo já andava não muito bom, ficou muito pior, horrível.

Não parabenizo Curitiba, nem os curitibanos nem o cicloprefeito ciclogustavo ciclofruet que além de não fazer nada por essa cidade que ele diz amar, deveria pegar sua bicicletinha e ir para o 5º, 5º andar de um prédio qualquer dessa cidade que um dia foi linda, mas que hoje, é uma mini são paulo.


terça-feira, 17 de março de 2015

Sou de uma outra época...

Não sei quanto a quem lê esse blog, mas eu sou de um outro tempo. Minha mãe e outra familiar sempre foram professoras, oras da rede estadual oras da rede municipal e em alguns momentos uma ou outra atuou no sistema privado. Mas, fosse onde fosse e falando agora de minha mãe, que acompanhei mais de perto, algumas coisas sempre me chamaram a atenção. Dentre elas, vou listar:

- minha mãe, chovesse ou fizesse sol, com três filhos para cuidar/criar, quase nunca para não ser radical de dizer nunca, faltou. Pegava quantos ônibus fossem precisos pois meu pai não emprestava a ela seu carro, ia fazendo baldeação - certa vez um motorista de uma linha aprendeu que quando ele chegava ao terminal, ele trancava a saída do alimentador para que minha mãe e outras professoras não perdessem esse alimentador, chegando assim no horário (outrora, era assim...);

- lembro-me muito bem de minha mãe recortando figuras, desenhando em cartolina, colando, fazendo com algodão, enfim, finais de semana empenhados nisso, tudo para que seus alunos, fossem de onde fossem, tivessem aqueles apetrechos;

- lembro-me muito bem que minha mãe, muitas vezes, ficava horas e horas corrigindo provas, trabalhos, textos... horas, horas, finais de semana inteiros divididos entre família e trabalhos de alunos, e ela, nunca perdeu o "tesão" de fazer o que fazia e ainda, ganhava uma merreca!

- lembro-me muito bem de algumas alunas que, ao terem minha mãe como professora, faziam questão de estar próximas, até como forma de agradecimento, o que para uma aluna, perdura até hoje, mesmo já se tendo passados quase 30 anos.

Escrevo isso, não para homenagear minha mãe, isso eu posso fazer pessoalmente e faço sempre que posso. Não, eu escrevo isso para pedir que tanto o governo, quanto os pais, quanto os alunos, peçam para ter de volta professoras que eram professoras.

Hoje, com tudo, melhores salários, que dizem ainda não ser o ideal, os professores ainda reclamam, mesmo tendo ganho coisas que eu nem imaginaria: hora atividade - momento em que o professor ganha para estar na escola, longe dos alunos, apenas para corrigir provas, trabalhos e fazer seu planejamento de aula; e agora, descobri que no estado existe um dia em que o professor nem precisa estar na escola. Ah, por favor, como o problema no brasil pode ser educação então?

Não, me perdoem os que são bons e preocupados, mas o grande problema no brasil não é a educação e, como tenho acompanhado isso um pouco mais de perto, acredito que infelizmente, o grande problema seja como essa educação esta´sendo executada. Professores e professoras que talvez não tenho nascido para fazer isso mas que, por conta de uma bela garantia de emprego e crescimento profissional, estejam sendo péssimos agentes na engrenagem da educação.

Se sou polêmico, desculpe se você não concorda, mas o que tenho visto e muito é isso: um bando de oportunista que não está nem aí para a educação...

Ah, que saudades de ver minha mãe recortando, desenhando, ensinando... 

Que saudades da minha professora Teresinha, que meu deu aulas de história e também da professora Glaci, que me ensinou lingua portuguesa... Ah, que saudades dos velhos tempos onde professores eram professores e não, burocratas!


quinta-feira, 12 de março de 2015

e sobre a segurança no transporte coletivo?

Veja bem, eu sempre escrevo algumas coisas que ninguém nunca vai ler. Alguns poucos gostam, outros tantos vão me criticar pelo resto da minha vida e, talvez, da de meus herdeiros.

Mas hoje a Gazeta (do Povo) me surpreendeu novamente, e positivamente. Sua matéria sobre a segurança de quem está usando o transporte coletivo é assustadora. Os assaltos a usuários está aumentando, o assalto as estações tubo está aumentando e olha que o desemprego ainda não chegou aos índices alarmantes que eu aguardo (desejo o contrário, é lógico) para até o final do ano.

Assaltos aos usuários eram mais comuns em algumas linhas e na verdade, eram punguistas que "batiam" carteira para pegar alguns trocados e vender vales transporte dos cartões furtados em estações tubo, como eu presenciei uma vez, na Marechal Floriano, entre a altura do TRE e a linha verde. Na maior cara de pau. Se um cartão era bloqueado, eles deviam ter mais de 30, e o lucro tava bom, com a participação da cobradora que nada fazia e ainda ficava de papo com os meliantes.

Mas agora não, os relatos que tenho recebido nos papos descontraídos  dão conta de assaltos praticados com armas brancas e até armas de fogo. Isso mesmo, tem gente "enfiando um cano" na cara de um trabalhador ou não, para poder roubar um celular, uma carteira com 10ão... Isso quando não "enquandram" com o "ferro" um maldito cobrador de estação tubo que fica ali, parado durante horas, como se esperando que isso acontecesse.

E as autoridades?

Ah,vamos usar as expressões devidas? As autoridades estão defecando para tudo isso.

Nosso prefeito, se é que posso chamá-lo de prefeito (não tem feito seu papel), só pensa em ciclovias, ciclorrotas e ciclofaixas; ônibus e seus usuários, esse se sejam assaltados, quando não por bandidos armados de faca ou revólver, pela urbs e as empresas, que assaltam sem usar uma arma física, apenas a arma do "poder". Poder, eu escrevi, poder, com P.

Nosso governador... ahhh este e seu secretário que deveria cuidar disso, estão muito distantes dessa realidade, afinal de contas, o governador vai num barzinho de granfino com sua moto e deve passar muito longe de pobre. Aliás, se ele fosse loiro acho que seria bastante parecido com o Caco Antibes, lembra, do Sai de Baixo, só que só naquela parte do "Eu tenho horror a pobre!" Posso imaginar o governador chegando em sua suntuosa cobertura, de onde observa quase a cidade inteira, dando um beijinho em sua esposa, filhos e gritando.. "Eu tenho horror a pobre!" (isso é minha imaginação, ok?)

A dilma, essa esquece... se não tá nem aí para a galera do país inteiro, porque estaria com esse povinho de curitiba, que aliás, nem sei se elegeu ela aqui nessa cidade?

Se você utiliza os ônibus de curitiba, seja mais que cuidadoso. Quem sabe andar com cincão, xerox da identidade e mais algumas coisinhas pequenas, diminua o prejuízo, pois, do jeito que os assaltos no transporte estão aumentado, logo logo, vai ser inevitável que até eu seja uma das vítimas.

Infelizmente, segundo a matéria, a prefeitura vai só trocar algumas lâmpadas, mas ainda não o fez, e a guarda municipal vai dar alguns roles pelos pontos de maior incidência... Ou seja, não farão nada de prático para evitar, coibir, punir, enfim...

É assim esse meu país... esse meu estado... essa minha cidade!

quarta-feira, 11 de março de 2015

ciclorrotas, cicloarrotos, cicloprefeitura...

E mais uma vez, infelizmente, a administração do cicloprefeito que andava de bicicleta perto de seu apartamento muito bem localizado perto do passeio público - gustavo fruet - me surpreende e claro, negativamente. não bastasse o fato de que não vejo obras significativas há tempos, só escuto reclamação com relação ao trânsito, saúde, educação e transporte coletivo, Este ultimo com muito destaque, o agravante agora é perceber que a administração municipal que normalmente atende aos apelos de grupos específicos, resolveu investir o dinheiro que sempre diz não ter, em um grupo específico e minoritário da capital paranaense.

Eis que estou surpreso com a criação da primeira ciclorrota de curitiba!

Perfeito, prefeito preferido dos cicloativistas! thank you!

Essa talvez tenha sido a confirmação que me faltava de que você, sr. fruet, não deve esperar muito nas urnas no ano que vem. você não merece mais 1 dia sequer, na verdade, você deveria ser suficientemente humilde (sei que não és) para pedir para sair.

Sua administração, na minha opinião - sei  que não falo pelos outros mas sei que represento muitos - foi senão a pior, a segunda pior em todo o tempo que estou em curitiba, sejam 34 anos.

Saudades das administrações do Jaime Lerner, que fez suas cagadas mas transformou essa cidade em algo que hoje, se não fosse, estaria muito pior. Obrigado Jaime Lerner por ter ajudado a construir, fazendo um upgrade no sistema de transporte coletivo integrado que o seu antecessor Requião criou (polêmicas a parte, pesquisas rápidas contam esta história)...

Obrigado Jaime Lerner por ter criado a estrutura de postos de saúde que seus sucessores Rafael Greca e Cássio Taniguchi melhoraram, sem falar nas escolas que eram para ser de tempo integral, CMEI, se não estou enganado, que além de muito bonitos, contavam com iluminação natural, ventilação e aproveitamento de espaço.

Obrigado sr. Rafael Greca, que tornou meus translados de carro mais coloridos, tirando o cinza horrível dos viadutos... Obrgado Grega por ter feito uma gestão excelente para os professores, educadores e outros funcionários. Obrigado Greca por ter pensando como curitibano e como cidadão.

Alguns obrigados ao japones Taniguchi, que rodava pela cidade para ver o que precisava ser melhorado.

Não, não, nenhum obrigado ao ex-prefeito e atual futuro ex-governador do paraná, que seu nome seja esquecido para sempre, Beto. E seu pupilo Dr. alguma coisa Ducci. Duty, Duti - algo assim...

As três ultimas administrações de curitiba foram tão ruim, mas tão ruim que prefiro nem comentá-las.

Mas, essa faixa de carros + bicicletas + 30km numa cidade como curitiba, vai ser um circo de horrores hilário de se assistir. Sem fiscalização (prefeitura está quebrada, lembram?), para que fazer isso? Já não bastam os números de atropelamentos que temos agora querem colocar bicicletas (cicloativistas) e carros tendo que conviver? Hahahhaha "vai dar merda, capitão", vai dar merda!)

Espero que curitiba, se deixou de ser um pouco hipócrita, mostre para o fruet que ele nunca mais merece!!!

terça-feira, 3 de março de 2015

com tristeza no coração e muita raiva, muita raiva mesmo...

Hoje morreu o José Rico. se você me perguntar não sei ao certo se o que eles cantavam era sertanejo ou brega ou romantico/brega/sertanejo, enfim, eu amava suas letras e suas musicas.

Antes de continuar, vai uma delas:


Tive, junto com o dudu, nobre parceiro de blog, a oportunidade entrevistá-los, numa festa do Pinhão em São José dos Pinhais. Fomos ao hotel onde eles estavam e, no hall, tive o prazer de conversar com essas duas simpatias de pessoas. Nos receberam como se fossemos gente grande, e confesso que usamos a capacidade jornalística do dudu para nos aproximar. Até no palco pude subir e filmar algumas cenas, inclusive dessa música, que é uma das que mais gosto.

Mas a vida infelizmente não é eterna e no meio da vida, encontramos a morte. Ele se foi, José Rico deixa Milionário. A dupla se acaba mas as lembranças ficarão. Infelizmente por conta de fungos e de minha total e completa incapacidade de lidar com o armazenamento, não tenho sequer uma imagem do que gravamos. Não tenho sequer uma ceninha qualquer. Não pela morte, mas por eu não ter podido guardar com o devido cuidado e decência tão belo e importante material. Que a vida me ensine a ser mais cuidadoso.

Dudu, irmão, se puder, me perdoa...

E José Rico, Zé Rico.. descanse em paz cantando!!!

Pois, na minha Estrada Longa da Vida, vou correndo e não posso parar... Mas vou tentar fazer essa correria ouvindo e lembrando...