terça-feira, 23 de maio de 2017

Deixa, deixa, deixa, eu dizer o que penso dessa vida, preciso demais desabafar!!!

O título desse post é uma referencia a um trecho de uma música da fase solo do Marcelo D2, antigo vocalista do Planet Hemp, banda que fez muito sucesso na época em que eu tinha meus 15, 16 anos e que fazia claramente apologia ao consumo da maconha. Não que isso seja problema porque hoje em dia, esse consumo está cada vez mais presente em tudo que é lugar, então...

Mas a música é do próprio D2 que utiliza remix de uma cantora pouco conhecida, pelo menos foi difícil achar no google.com.br, chamada Cláudya.

A música é simplesmente sensacional, tanto a versão da Cláudya quando a do Marcelo D2, que torna-se mais contemporânea na idade em que estou.

O que mais gosto é que mesmo sendo apenas uma música, com todos os quesitos que identificam uma música, ela me causa uma reflexão sobre vida, sobre acontecimentos de vida, sobre tudo que se passou, se passa e passará em meus dias. Na verdade, o texto acaba se tornando um desabafo mesmo sendo esse blog um lugar para que tenhamos 2 visões sobre um mesmo fato ou acontecimento, mas ultimamente, 80% do meu tempo tem sido de auto análise e reflexões sobre muita coisa que aconteceu nos últimos 7 ou 8 meses. Decepções de todos os lados, momentos de desilusão, momentos de reconstrução, momentos de destruição de conceitos, crenças entre outras coisas.

As certezas provaram-se meras e infelizes dúvidas, desviadas de sua ótica por olhos míopes que não consigo mais dominar e que não fazem nenhuma correção lógica dos valores deturpados que nortearam os acontecimentos.

Situações tão esdrúxulas que parecem mais um filme, no qual o roteiro não foi escrito, está muito improvisado de incertezas. Porém, a vida é uma caixinha de surpresas. Nosso passado sempre escreverá nosso presente e nosso presente é que vai determinar nosso futuro. As escolhas sempre são necessárias e quando as fazemos temos que arcar com as vindouras responsabilidades. E aqui cabe constar que não devemos fazer esse tipo de escolha de forma deliberada, temos que ter consciência que fodam-se os demais, temos que pensar em nós mesmos.

Num mundo digitar que ao contrário de nos unir, temos mais que nos isolar nas verdades e preceitos que carregamos. Pois, não há sentido lógico em nos unirmos em sociedade para que cada um pense de sua forma e todos, falando ao mesmo tempo, consigam chegar a um ponto em comum, isso é apenas faláceas de filósofos de terceira categoria que vivem de palestras em empresas de 2 categoria, mas que deturpam a mente de pessoas de primeira categoria!

Difícil lógica essa, não!

A vida tem me ensinado muito. Muito mais do que eu estava preparado para aprender, mas a vida é tão foda que, mesmo sem perguntar, bate na minha cara, me derruba no chão e cospe na minha face. Mas a vida é ainda mais foda porque ela sabe que era hora de fazer isso e depois de levantar e limpar a cara, estou mais preparado para a outra lição que está por vir.

Se você, nobre leitor, chegou até aqui, vamos lá... Assista aos vídeos a seguir. Primeiro, a música maravilhosa do Marcelo D2, depois, a também maravilhosa música da Cláudya e por último, um vídeo de O Rappa, que não preciso dizer nada. As imagens falam por si só e a letra da música faz como a vida, dá um tapa em nossa cara!

Obrigado por ler...

# abraçodoLG

Música Desabafo, de Marcelo D2:


Musica Deixa eu dizer, de Cláudya:


Musica de O Rappa, Minha Alma:



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Desabafe!