segunda-feira, 23 de abril de 2018

O verdadeiro valor das coisas... quem pode saber?

Eu quando mais novo, ou talvez, quando muito mais novo, sempre dei muito mais valor a coisas que eu infelizmente nunca podeira ter. Sempre sonhei em ter um carro que não vou conseguir comprar, sempre sonhei com uma casa que nem preciso ter, sempre sonhei com coisas que custavam mais do que anos de salário meu... Então, acho que sempre gastei muito tempo com coisas que não eram de minha alçada mesmo, né...

E a vida foi criando condições para que eu aprendesse que o valor pouco importa, porque o que nos vai sobrar é justamente o pó. Do pó viemos, ao pó voltaremos e o que levaremos? Acho efetivamente nada.

Me tornei ateu, afinal de contas, nada do que aprendi em igreja ou religião me trouxe qualquer tipo de resposta de valor que eu pudesse considerar. Não consigo acreditar em outra coisa que não isso, que somos aqui apenas um complexo carbônico auto-sustentável no qual passamos umas férias e depois, vamos embora. Do pó viemos e ao pó voltaremos.

Pois bem, a vida acabou me mostrando que um carro caro ou uma casa mais elaborada podem não ser sinônimo de alegria. Eu tive 2 carros, ambos eram velhos. Hoje não tenho nenhum deles. Eu tive um apartamento, pequeno, simples e com infiltração na parede mas nele, eu fui alegre enquanto lá estive. Ou seja, minha alegria foi muito mais por estar do que pela qualidade de onde eu estava.

Escrevo tudo isso porque, de uma forma bem concreta, tenho percebido que, após minha separação, não importa o tempo que passo com meus filhos e sim, a qualidade do tempo que passo com eles. É impressionante que essa qualidade aumenta a cada dia. Tem dias que parece que o tempo nem passou, parece que aqueles 15 dias em média que nos separam, nem existiram. É impressionante como eu tenho sido extremamente alegre a ponto de tentar tornar essa alegria em felicidade... E nesse ponto até tenho conseguido...

São os maiores prazeres de minha vida por enquanto: uma boa montanha para subir com uma bela vista e meus filhos comigo. Somos um trio fodástico... Topamos muitas juntos, e fazemos as nossas juntos... Top demais.

Tenho passado tempos cada vez mais maravilhosos. Com as pessoas, comigo mesmo, com meus filhos, com a mamãe natureza... E cada momento desses tem me ensinado uma coisa: eu preciso amam a mim antes de querer gostar dos outros. Os outros, que vivem suas vidas, e depois, ai, deixa rolar...

Vamo bora nessa?

#abraçodoLG


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Desabafe!