segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Aquele do "Não adianta, você jamais me converterá"

Não me importa qual seja o seu motivo: religioso, político, social ou qualquer outro, e muito menos adianta você chegar cheio de moral e ainda com toda essa empáfia de ser melhor que eu ou acreditar em coisas melhores que as minhas.

São fatos:

- eu não acredito em deuxxx (deus - para os cariocas);
- eu não acredito na bondade humana (só na bondade de alguns humanos);
- eu não acredito em sociedade, em social ou em socialismo;
- eu não acredito em você, e você, tristemente, não mudará isso;
- eu não acredito em aquecimento global, sério, essa é a mais imbecil de todas;

Muito menos me permito acreditar em qualquer informação sem antes fazer uma checagem prévia. E isso acredito que desde sempre afinal de contas, nada nesse mundo muda tão rapidamente, mas também, nada é estável o suficiente para nunca mudar. Eu mudo, eu mudei e hoje, eu emudeci...

Me calo aos seus argumento o que não quer dizer em hipótese alguma que vou concordar com você, aliás, as vezes posso até discordar apenas para ser dos contra. Posso simplesmente ignorar sua opinião apenas para me autoafirmar como ser, como membro dessa sociedade excludente a qual, se houver padrões, das muitas uma: seguir e pronto.

Não, não, eu não sigo, nem vou tentar seguir, verdadeiramente, quero mais é que se explodam os maiores sensos comuns, ou seja, aquelas frases hipócritas como "vai passar", "deux quis assim", "a vida é essa mesmo", enfim, essas coisa que sempre usamos para disfarçar nossa vontade de mandar um caçar sapos pra não ser mais grosso.

Então, se quiser chegar aqui e tentar mandar eu mudar de ideia, venha preparado pois é 98% de certeza de que sequer vou ouvir o que você tem a dizer. Se nessa tentativa estiver incluso deux, existência de deux, religião ou a importância das religiões, petismo ou lulismo ou qualquer outra coisa ligada a isso, então, mermão, vai dar ruim mesmo...

Mas se quiser debater de boa, conversar na moral, cola aí que vamo junto nessa...

É mais ou menos por aí que vamos, né...

Braziuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu

quinta-feira, 26 de setembro de 2019

Aquele do "Acho que sou dos contra mesmo"

Sim... Eu acho que sou dos contra mesmo. E pior, tenho uma puta certeza que amo ser assim. Mas o que é ser dos contra, heim? No meu caso, significa que eu não costumo me dobrar aos conceitos sociais mais impostos por todos os seres humanos...

Ou seja, eu cresci no país do futebol - odeio futebol. Nasci num país laico de origens católicas - sou ateu... Nasci no país de Santos Dumont e não aceito que ele seja o pai da avião, ele era apenas um lunático talvez como eu sou... Ah, tem mais, Ayrton Senna era um cara normal com um carro top, só isso, muitos outros fariam o mesmo com um carro top... Mas ok, vivo num país que tem por princípio básico ficar criando mitos e tentar com esses mitos talvez suprir uma comum capacidade de inferioridade.

Afinal de contas, somos uma país agrícola no qual se não fosse os investimentos do governo talvez nem desenvolvimento tecnológico, mesmo que pífio, nem teríamos. Somos plantadores: plantamos grãos (que vão foder nossa saúde e nos matar), plantamos alguns "animais" e até somos bons nisso, ou seja, conseguimos comer uma carne e vender a maior parte a preços bons para os compradores e ruins para nós...

Ou seja, nosso complexo de inferioridade é tamanho que, quando temos um mito como o Neymar cai-cai, galera se mata ao ser discordada...

Enfim, meu texto hoje vai ser acompanhado de uma figura, observe a seguir:


Nesta figura, está representada a Pangea, ou era da Pangea, enfim, um momento em que nosso planeta estava organizado de uma forma diferente do que hoje está, com seus continentes. Nessa imagem dá para se ter uma ideia o quanto da terra é terra, e do quanto cada país é dono... Aquela manchinha verde que fiz propositalmente, é mais ou menos uma representação da amazônia, aquela floresta que os ambientalistas que querem manter o brasil como produtor de commodities insistem em querer chamar de pulmão do mundo entre outros absurdos...

Me conta, você realmente acredita que, uma manchinha desse tamanho que, durante o dia após um processo químico, respira CO² e emite O² e a noite faz o contrário, respita O² e emite CO² é realmente o pulmão do mundo?

Sério que você acredita nisso?

Então você deve acreditar em deux, na terra plana e também no bolsonaro como bom presidente ou então que o governo lula não foi tão terrível assim, né... Tipo, se é para acreditar em absurdos...

Enfim, eu escrevi pois sou dos contras mesmo.

Cansei de ficar ouvindo bobagens de cientistas pagos por instituições imbecis, tipo essas que estão criando hamburgueres de carnes de mentirinha, as quais, além de não terem nutrientes, só fazem tornar o ser humano cada vez mais dependentes de empresas e químicos... Cada um acredita no que quiser e se respeitares que eu não acredito, respeitarei que acredites... Mas o respeito precisa ser realmente mútuo, caso contrário, continuemos..

Braziuuuuuuuuuuu

quinta-feira, 5 de setembro de 2019

Aquele do "Eu não me canso"...

Nos últimos anos, meses, dias, nas ultimas horas, minutos e segundos, quem sabe nos milésimos... enfim, eu não me canso nunca de aprender. Seja uma nova receita carnívora ou então, uma outra ligação entre carboidrato e cânceres em geral, ou então, a interação medicamentosa entre o regulador de humos e sua função no sistema nervoso central... É uma coisa de loco. O que me dá muito prazer é justamente aprender sobre mecânica automotiva, esses dias por exemplo aprendi que, a eficiência do motor a combustão com essa merda de combustível que temos no brasil, é simplesmente pífia e que os mesmos motores, com gasolinas mundo afora, rendem e muito mais!!!

Enfim, enfim, delongas a parte, ontem, dia 4 de setembro de 2019, foi um grande dia de mais um grande aprendizado. E porque estou escrevendo isso? Simples, porque acho que não confio em mais ninguém a não ser a Paula, que está offline nos últimos dias, para demonstrar e conversar sobre os últimos aprendizados. Sério, acho que eu gostaria mesmo de desabafar um pouco, mas nunca arrumo alguém imparcial para ouvir, a não ser um copo de cerveja ou cachaça, mas eles não me prestam durante a semana.

E foi durante uma consulta que, após alguns questionamentos, eu descobri que algo ainda precisa ser encerrado pois, se não houver esse processo, não haverá nunca paz. Dilemas e dramas a parte, é importante observarmos que, para que tudo corra da forma como é para correr, infelizmente precisamos dar passos as vezes mais largos do que um dia poderíamos querer. Sim, que saiamos dessa maldita e desconfortável zona de conforto para sermos então, melhores para nós mesmos.

Porém, quando se fala em zona de conforto, porém desconfortável, estamos tratando do que mesmo? Ah, de qualquer coisa que não te faz andar em sentindo frontal ou seja, não te serve para mais nada além de ficar parado. Eu, certa vez, fiquei nesse estado de leniência por meros e incalculáveis 18 anos. Achava que tudo ia bem, fazia tudo para que tudo fosse bem, mudei o que eu um dia tinha sido e o que eu gostaria de ser, para me sentir confortável, e na verdade, o conforto maior viria só depois de levantar desse "sofá" (zona de conforto), colocar a bunda gorda para balançar e correr atrás da vida que perdi, abri mão e quem sabe até, apostei na barca furada.

Sim, eu tenho sim culpa. Minha culpa foi ter insistido em algo que não servia para muito.

Mas que merda, sabe, é preciso que alguém de fora, que nunca me viu na vida, chegue, olhe nos grãos dos meus olhos e me diga palavras que doem, machucam, mas que cauterizam quase que instantaneamente a ferida e assim, fazem com que cresçamos.

A cauterização me chama atenção, e já cauterizei algumas verrugas uma vez, pois, ao passo em que ela mata as células que precisam ser mortas, ela faz com que o sangramento diminua. Ou seja, causar dor mas traz a cura, quase que num paralelo meio paradoxal. Viajei, né?

Eu acabei crescendo em ambientes que não serviram para muita coisa na minha vida:

- na igreja mórmon de merda, eu não podia pensar fora da caixa. tinha que obedecer as palavras de sabedoria escritas por um lunático anos atrás que me proibiam de tomar café, coca-cola, masturbar, namorar antes de fazer missão, entre outras tantas coisas, ou seja, um grande ambiente para formar um alienado;

- parte da minha educação foi numa escola católica. ali, além de ter que rezar e pedir perdão para poder ir para o céu um dia (eu nem nunca quis ir para esse céu babaca mesmo, o inferno parece mais a minha praia...), e nessa escola eu era obrigado a cantar musicas, rezar orações e tudo que era diferente de minha religião oficial. E o que isso resultou? Nem vou comentar nos recalques, bele?

- durante minha infância, e isso não é culpa de meus pais, eu acabei crescendo sem um espelho masculino mais presente e isso também me trouxe reflexos bem distintos. Porém, nunca soube ao certo o que era ser bom em algum coisa...

Enfim, agora, aos poucos, os aprendizado que um dia eu deveria ter tido, estou tendo agora, porém, enquanto houver carnes, gorduras animais e uma cachaça, haverá vontade de aprender...

Então, que assim, seja...

Segue o barco!!!