segunda-feira, 18 de novembro de 2019

Aquele do "perdi o restinho de fé que eu tinha..."

Segundo alguns dicionários e um significado bastante explorado pelas pessoas, a fé é o ato de acreditar sem necessariamente ver alguma coisa. Ou seja, algumas pessoas acreditam em deus mesmo sem tê-lo visto. Algumas, como eu, acreditam num bule voador que está sempre no jardim de casa, e é ele que faz a vida das pessoas serem boas ou ruins, depende de como tratamos esse bule. Mas, exposições à parte, hoje eu acebei de perder o mínimo que me restava de fé na medicina ocidental, moderna e cheia de recursos a qual temos acesso.

Sim, não citarei nomes das partes envolvidas, e como jornalista que sou (DTR 5321) me é dado o direito de proteger minhas fontes e de contar a história em forma de relato. Vamos lá, essa pessoa que chamarei de Morgana, está com um sobre peso. Nada importante, mas está se sentindo mal e quem sabe, uns quilos a menos poderia ser interessante. Como a Morg, jeito carinhoso que a chamarei, se preocupa com sua saúde presente e também futura, ela foi buscar ajuda de profissionais. O plano de saúde dela, que chamarei aqui de MSL - médicos super legais - oferece um programa de controle sustentável e saudável de peso. Como bom amigo que sou, fui acompanhar Morg até para ver qualéqueé, cupinxa...

Enfim, no primeiro dia, conversamos com uma médica do esporte, que criou um clima de medo e também, desvalorizou qualquer esforço da Morg, até porque, enfim, as vezes não fazemos algo não por não querer mas por não ter condições. Enfim, primeira consulta, pensei eu que tudo seria melhor. Afinal, a medicina moderna está pautada em vários estudos e não a toa, temos linhas que utilizam menos remédios e mais alimentos naturais. Era meu desejo.

Mas não foi assim:

Nutricionista: praticou a antiga escola, na qual, manda-se comer de 3 em 3 horas, com bastante pão integral (veneno que mata mais lentamente), açúcares de frutas e sem sequer olhar o teste de glicose no sangue, seguiu ponderando que um suco detox e açúcares durante o dia vão salvar a vida da Morg. - é triste ver isso e  não poder fazer absolutamente nada!

Endocrinologista: E aqui, a minha pouquíssima fé, foi embora. Ela além de não propor uma dieta cetogênica ou até mesmo uma dieta carnívora, a qual faria muito bem a Morg, em determinado momento, ainda questionou Morg se ela queria usar um remédio que, apesar de caro, foi desenvolvido para diabetes mas que faz emagrecer. E Morg, culpa dela, entre mudar de hábitos e viver saudável, deu preferência a um remédio, que a fará emagrecer sem muita mudança, sem muito esforço ou seja, de forma prática e fácil, como muitos brasileiros gostam.

Gente, hoje o texto é mais um desabafo mas preciso. Eu, mudei meus hábitos alimentares e em 6 meses, baixei meu peso de 94 para 74 kg, de forma sustentável. Tanto é que que me mantenho nesse peso mas com muitos ganhos para minha saúde. Enfim, que um dia possamos ser saudáveis sem remédios caros, sem laboratórios que manipulam venenos que nos farão usar outros venenos e por assim adiante.

Triste, triste, triste!

#fui

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

Aquele do "não é bem isso que vocês estão pensando..."

Nobres leitores, leitoras, pessoas de bem e de consumo variável. Não tenho outra inspiração hoje senão escrever um pouco sobre o que eu chamo de a mais nova velha política nacional. Que o braziuuuuuuuuuu não é para amadores, isso eu já sei, você já sabe enfim, todos nós sabemos ou deveríamos saber. Sim, não é para amadores e não é para todos. Aí, numa decisão apertada - 6x5, os ministros de um lugar aí que vou tentar não citar para não dar merda para meu lado, decidiram que os bandidos - pessoas como eu ou você mas que por algum motivo tiveram problemas com o cumprimento de leis, só podem ser presos quando definitivamente tiverem seus caso julgados, o transito em julgado.

Para que isso aconteça, nesse país, é uma média de uns 20 a 30 anos. Ou seja, se tu fizer bosta, você precisa só de grana para bancar os advogados pois assim eles vão deixar você livre, mesmo que você seja culpado. #né?

Mas isso, na verdade não bem o que você está pensando não. Tem mais coisa nesse angu que não é apenas os ingrediente e mais alguns caroços. Não, tem mais coisa nessa merda toda. E começa a ganhar corpo uma informação que o filho de um tal messias está envolvido numa certa amizade com um certo ministro. Ou seja, tem coisa no ar. Não podemos mais deixar passar em branco sem compreender de que forma a coisa vai acontecer. Sabe, por amizade um muda uma regra que já estava estabelecida e que beneficiaria um outro que nada tinha a ver com o papo.

Um é libertado, outros tantos milhares também serão e ainda, o personagem principal não será nem punido. Não somos um país para amadores não, somos um lugar para poucos. A começar pelo presidente que, era limpo, mas parece não ser tão limpo assim. E seus lindos filhos, os mais sujos???

O que se desenha é o seguinte: mudaram uma regra não para soltar um bandido, mas sim para não prender outro bandido. É o famoso sujo falando e reclamando do mal lavado...

Porém, o que mais me chama atenção é que, os pombos enxadristas estão arrotando vitória e na verdade, são apenas um fantoche do sistema, e não demorará esses senhores (as) estarão de volta logo, logo para a jaula!!!

Deixaremos estar!!!

#abraçodoLG

terça-feira, 5 de novembro de 2019

Aquele do "porque não fazer diferente..."

No Brasil já presenciamos quase tudo no que diz respeito a política, quase tudo, eu sei. Tem muita coisa boa e ruim que ainda não tivemos acesso e algumas, talvez até seja melhor nunca termos esse tipo de contato, como o que aconteceu na Alemanha com Hitler ou então em outros tantos lugares. Mas, tem muita coisa que ainda pode um dia acontecer. Esses dias eu estava cagando, sim, lugar onde algumas ideais aflora e política não poderia deixar de ser, e aí me veio na cabeça uma ideia. Mas antes, vamos de pergunta:

O que falta para o Brasil engrenar?

Temos uma grana pra educação, saúde, segurança e ainda um monte de estatal inchada e que pouco produz. Temos, se contarmos o número de vagas per captas, um universo de instituições públicas de ensino superior, supostamente democratizada pelo ENEM, que permitiu qualquer pessoa que queira estudar em qualquer universidade do país, sem antes mesmo ter que sair de casa.

Temos petróleo que chega, para todo o território durante centenas de anos - nesse caso só precisamos de uma refinaria para refinar o petróleo grosso (preço de merda) e transformá-lo em petróleo mais fino (preço de ouro), processo que hoje negociamos com outros países.

Temos uma saúde que, apesar dos problemas, é democrática, universal e incondicional. Mesmo que você seja um mega empresário, cheio do dinheiro e mesmo que você, supostamente, fosse a um posto de saúde básica - UPA - com seu Porshe ou Mercedes, ainda assim, você receberia tratamento. O país (nosso imposto) banca tratamentos de cânceres excelentes de forma gratuita. Na rede particular, isso custaria uma pequena fortuna.

O que falta?

Sério, eu não consigo entender.

Mas, começo a observar alguns detalhes que muito me chamam atenção e um deles é você que lê esse texto. Você, eu, seu vizinho, seu parente... O que estamos fazendo além de ir votar para que alguma coisa realmente e efetivamente mude nesse país? Essa é uma pergunta séria, de verdade. O que nós enfim fazemos?

Veja bem:

Não é exceção à regra quando alguém aceita subornar alguém em troca de uma punição mais dura. Não é. Outra, quando um filho vai mal na escola, como cobramos isso dele? Se sentamos e conversamos, mostrando os prós e os contras de estudar, agimos corretamente, mas ao prometermos algo em troca do que ele ainda não quer fazer, somos corruptos, assim como os que mandam na gente.

Quando aquele seu amigo pega uma tv a cabo pirata e você se anima e vai na onda, nem preciso falar, né. A mesma coisa aquela amiga que usa a carteirinha do plano de saúde da outra, ou seja, nós projetamos em nossos líderes justamente o que fazemos e dizemos ser contra. Será que somos enfim contra? Me questiono muito...

Não obstante, caímos na tentação brasileira de criar mitos. Ayrton Senna, Neymar, Lula, Bolsonaro... são exemplos de mitos que nós mesmos criamos, na esperança que eles venham de algum lugar mágico, com ideias mágicas e que de forma abrupta, mudem tudo que está errado, aniquilem a corrupção e que tudo, da noite para o dia vire um lugar florido de paz e igualdade, seja social, seja emocional, seja o que for.

Quando é que, surgirá alguém, carne e osso, não mito, que proponha sentar e escolher entre direita e esquerda, aliando o centro, tudo que há de proposta boa e melhor, e assim, propor uma real nova política para esse país? Sem extremismos, sem ideologias arcaicas, sem desejos e vontades de apenas alguns grupos, pensando o país como um todo?

É impossível imaginar que isso não possa dar certo, basta que tenhamos vontade. Somos mais de 200 milhões, mas no fundo, todos nós queremos coisas em comum.. Queremos uma vida mais tranquila, queremos trabalhar e ter algumas posses, e que isso nos traga certo conforto. Mas enquanto esquerda-centro-direita brigam, quem perde somos exatamente nós mesmo.

Um dia, quero estar vivo para ver, alguém vai propor essa nova política e quem sabe aí, o país possa finalmente avançar...

#ficaabraço