sábado, 14 de dezembro de 2019

Aquele do "eu não estava afim de escrever, mas foi melhor..."

Assim como nossa vida é um ciclo, seja uma senóide ou uma cossenóide, se tu não sabe a diferença, seria legal estudar um pouco pois eu não vou descrever aqui para você, mas hoje, foi justamente o dia que começou uma senóide. Eu diria que começou uma senóide com amplitude de +5 ou até +6. Tudo ia muito bem, eram risos, risadas e uma risorama impressionante, mas, assim como uma senóide, as coisas, com o passar do tempo, começaram a piorar e a linha começou a descer no gráfico.

Eu até sei porque mas não consigo externalizar de forma mais concreta, sabe comé... E assim sendo, prefiro escrever a ter que ficar falando e conversando com outros seres semelhantes a mim. Semelhantes em suas características fenoticas, pois nas genoticas, ah, quanta diferença. Os últimos dias, e não estou falando daquela religião que rouba dinheiro através de dízimo e oferta missionária chamada Mórmon, mas sim os últimos dias que tenho vivido estão me mostrando que eu sou o que podemos chamar de ermitão. Sim, já escrevi sobre isso, mas era sobre o desejo de me tornar ermitão, porém, percebi que já sou...

Sabe porque?

Sim, porque eu não sei mais ter convívio social na maior parte do tempo. Justamente porque eu não sei mais rir das piadas alheias sem graça ou daquelas mesmas brincadeiras idiotas que as pessoas fazem, coisas do tipo é pavê ou pa cumê, sabe, ou então, quando as pessoas insistem nas brincadeiras que não tem a menor graça.

Eu não sei conversar sobre política sem colocar minha opinião - ou seja, sou um idiota. Na real, eu quero que a opinião dos outros exploda, mas sou muito inteligente para poder respeitá-la e defender até minha morte o direito de que qualquer pessoa a tenha.

Eu não sei mais sequer conversar com pessoas sem ser irritante, sem ser incoerente, ou ainda, se me achar superior aos demais. Mesmo sabendo que em alguns casos, eu realmente sou. Mas não sou mais humilde de me calar inclusive nos momentos em que eu deveria falar. Sério, até mesmo este texto está ficando tão sem nexo, que nem sei mais como conduzir ele.

Rompi com a religião - quero que todas as igrejas deixem de existir, não respeito nenhuma dessas ferramentas idiotas de dominação em grupo, rompi com essa historinha de deux, não consigo acreditar nessa fábula, prefiro acreditar na chaleira voadora do jardim, rompi com a família, os poucos que me importam são meus filhos, pais e irmãos (sobrinhos também), rompi com o estado, pois nem votar eu vou mais, eu apenas pago a multa e que se foda...

Hoje, vivo para trabalhar e terminar de ajudar a criar meus dois moleques. Um dia sonhei em adotar uma menina mas, enquanto escrevo esse texto, decido que não farei mais isso. Assim como também, acabo de decidir que não vou mais ficar nessa lenga-lenga de tentar agradar as pessoas. Eu realmente nasci para ser o chato e acho que assim vou continuar sendo, o chato da história, aquele que ninguém gosta de bater bapo... hahaha

A não ser a amiga Su, a amigona Clau e algumas outras personas, assim como meu nobre LH, o LE e mais alguns...

Bom, escrever até que me fez bem, sabe.. mas antes de terminar, já que falei sobre coisas com as quais eu rompi, vamos lá, relatando algumas outras coisas que não consigo sequer me propor a acreditar:

- aquecimento global: mentira
- amazônia pulmão do mundo: mentira
- feijoada é brasileira: meia mentira
- e por aí vai...

Mas, é nós e eu fui!!!

#jáera

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Desabafe!