quarta-feira, 18 de dezembro de 2019

Aquele do "pra você guardei o amor que nunca souber dar..."

Hoje o dia está chuvoso, friozinho, cinza e melancólico. Sério, não dá pra ser diferente em Curitiba, essa cidade melancólica que quer ser uma São Paulo da vida mas que na verdade, não é nada mais do que um interior asfaltado que tem como prefeito um melancólico Rafael.

Mas o texto não tem nada de Curitiba, prefeito ou qualquer outra coisa. Hoje é sobre sentimento. Mas também, não é por sentimento alheio, afinal de contas, pessoas entram em nossas vidas como clientes de um restaurante, uns voltam, outros não, uns marcam, outros não, uns interessam, outros não queremos sequer saber se continuam ou não vivendo. Mas, falar sobre sentimento sem envolver outras pessoa é possível?

Sim!!!

Exatamente isso. Na musica do Nando Reis, ele explora muito essa frase, "Pra você guardei o amor que nunca soube dar...", mas e aí, nobre leitor, quantas vezes você acorda, faz sua rotina mas antes de sair de casa, para por alguns instantes em frente a um espero, se observa e se diz, mesmo que em voz silenciosa: "eu me amo"?

Nos cinemas, nos seriados, nas novelas, nos programas de auditório, vemos e somos bombardeados por pessoas que usam a frase "eu te amo" de forma tão espontânea, tão direta e tão superficial que hoje, afirmo, assusta. Afinal de contas, será mesmo possível amarmos tantas pessoas, dando a elas um pouquinho de atenção ou será que confundimos amor com qualquer outro sentimento?

Bom, eu não tenho resposta para tudo, até queria ter, mas não é bem assim. Porém, a vida, esta marotinha malvada, me ensinou que, antes de queremos amar uma pessoa qualquer, seja ela o grande amor da nossa vida ou nossos pais, por exemplos, precisamos parar de guardar do amor que não sabemos dar e precisamos de alguma forma nos proporcionar esse amor. Sim, precisamos nos amar, nos olhar no espelho, observar cada fio de barba ou cada ruga que aparece, precisamos gostar dos nossos olhos, das nossas espinhas ou então, daquele defeitinho que uma cirurgia plástica poderia e que quiçá melhorará!!!

Precisamos aprender a nos amar pois quando soubermos o que é nos amar, aí sim, saberemos se amamos ou se gostamos de outras pessoas, sejam elas quem forem. Não é mesmo?

Posso até estar sendo superficial ou então, devo estar sendo incoerente, afinal, vivemos num mundo das certezas e tenho certeza que você já tem as suas certezas e dessa forma, vai me criticar, mas antes, pare e pense, você se ama tanto assim para me criticar?

(  ) SIM - ok, desce a porrada mesmo!
(  ) NÃO - então, espera um pouco!
(  ) TALVEZ - o que falta então para você saber se sim ou se não?

Eu talvez já me ame muito mais do que me amei um dia. Sim, por muito tempo me mantive apagado, guardando o amor que tinha por mim em algum lugar da minha cabeça/coração e dando esse amor aos outros. E que frutos colhi? Nem quero falar sobre...

A verdade é que depois de quebrar minha cara por algumas vezes percebi que eu estava fazendo exatamente errado, e que, antes de dar aos outros o que eu mesmo não tenho, tenho que ter o que preciso ter. Nesse caso, uma excelente dose de amor próprio seria algo bem interessante, não é mesmo?

E assim está sendo, é nisso que estou trabalhando, é exatamente isso que quero e é isso que tenho conseguido, mesmo que aos poucos, mas, tudo que é feito com calma e com sustentabilidade, me parece ser mais duradouro...

E pra finalizar, não vou desejar feliz natal a ninguém. Mas, sim, desejarei uma excelente bom 2020 para todos. E esse não deve ser o ultimo texto do ano, porém, se for, já foi!!!

#bora_lá

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Desabafe!