sábado, 27 de junho de 2020

Aquele do "Cores e mais cores"

Se alguma coisa me chama muito a atenção do comportamento do brasileiro é justamente a facilidade em ser relativamente simplista e pouco preocupado com os detalhes, mas em contra partida, usar sua preguiça para formar opiniões contundentes sobre o que sequer podem imaginar em saber.

Parece difícil? Bom, de maneira muito leviana, pergunte para um pombo exadrista ou para um bolso-colostomia-narista de onde vem o conceito de direita e esquerda e submeta-se ao que será o maior circo dos horrores, muito pior talvez que uma visita com um beijinho da mulher barbada em seus lábios. Aliás, perdão, mulher barbada, não devo ser sexista, não é mesmo? Afinal, não é porque você é mulher, que não podes ter barba!

Mulheres, barbas e outros detalhes de lado, vamos ao que interessa.

Anote esse número, hoje, dia 27/6/2020: 10 milhões. 10 milhões. Sim, 10 milhões!

Esse é o número de desempregados já acumulados desde que começou a pandemia da Covid-19 aqui no Brasil. O jornalismo marrom de uma rede de televisão do paraná com um dígito só no canal, chegou a informar que o número de desempregado é igual a população do paraná, ou seja, além de jornalistas eles são especialistas em senso, numerologia e comparação. Eu sou jornalista e até por isso critico os meus "parças", bando de burros!!!

Mas a discussão não é essa. 10 milhões!!!

Esse número vai só aumentar, não há o que faça!

Porém, e sempre há um porém, temos um grupo de pessoas que, assim como aquela música do antigo grupo de Forró Fala Mansa, está em casa e cantando: Rá, rá, rá, mas eu to rindo à toa...

Sim, meus leitores, são os selecionados pertencentes ao um grupo restrito de puxa-sacos, estudiosos e protegidos funcionários públicos. Sim, nobres, estes estão rindo a toa. Enquanto milhares estão perdendo seus empregos porque as empresas não aguentam mais ou estão quebrando ou ainda e tudo na mesma linha estão indo pro beleléu, esse grupo além de estar rindo a toa, segundo informações que me chegaram, ainda tiverem o direito ao aumento garantido.

O mundo inteiro indo pro buraco mas os funcionários públicos poderão ter aumento.

É isso aí, palmas para todos.

Todos os do executivo e legislativo que, por seu poder hierárquico mais uma vez vão entrar com seus cacetes enquanto os demais, entrarão com seus tobas. Vai ser assim, eles carcam e a gente sorri. Enquanto todos querem pelo menos poder trabalhar, essa nata da sociedade está "trabalhando" em casa, ganhando salários integrais, com benefícios e garanto, com ajuda de custo para homeoffice, enfim, é isso... Nata da sociedade. Inveja? Sim, eu tenho inveja, com certeza estaria coçando meu saco em casa, ganhando nas costas dos outros e vivendo minha feliz. Se duvidasse, nem máscaras usaria, afina, quem disse que vírus pega em funcionários públicos?

Não há o que faça, eles sempre serão a nata da sociedade brasileira, acima deles, apenas os empresários que com muito trabalho, esforço, noites mal dormidas, pagam seus altíssimos impostos e banco essa farra nojenta que é esse grupo da nota da sociedade. Enquanto isso, bom, enquanto isso, bolso-colostomia-naro brinca de ser o menino mal e proteger seus muitos meninos maus. Eu quero muito ver o dia que gente babaca for obrigada a fazer vasectomia, para não deixar mais babacas pelo mundo. E, muito antes que algum hipócrita venha me perguntar, sim, eu deixei dois herdeiros, que pelo visto são bem menos babacas que o pai, e claro, depois disso, eu mesmo fiz minha vasectomia, para não deixar mais herdeiros. Preferi assim, e hoje, observando exemplos de mórmons e o bolso-colostomia-naro, percebo que fiz o mais certo.

Bom, desejo muita saúde aos funcionários públicos, afinal, do jeito que estamos caminhando, eu até passarei fome antes, mas em contra partida, depois, teremos que dar as mãos e catar os restos que dividiremos com os outros animais!!! Seja você funcionário público ou não!!!

É isso...

#abraço

sábado, 20 de junho de 2020

Aquele do "O que estamos fazendo a nós mesmos?"

Hoje é sábado. Não que isso importe de maneira direta, mas foi o que me veio a mente afim de iniciar esse texto. Eu acordo cedo, bastante cedo na maioria dos dias e como meus meninos ficam dormindo, lógico que aproveito esse tempo para pensar e eventualmente escrever. E hoje estava aqui no sofá, depois de uma omelete de 2 ovos, 3 xícaras de café, um olho direito que está com sei lá, 30% da visão funcionando - e com isso atrapalhando e muito o esquerdo que insiste em ser bom... Enfim..  Parece não ter nada com o texto e com o título, né, mas tem, pelo menos na ótica distorcida da realidade desse que vos escreve.

Enquanto eu fazia o que relatei acima, eu estava assistindo televisão, e num canal, estava passando um desses "shows da realidade", de uma oficina de blindagem algo assim, e mesmo gostando de carro, o que mais me chamou atenção, primeiro por não haverem negros, o que é comum em produções de Hollywood, é que a grande maioria é composta por latinos, visivelmente latinos. Mas além de latinos, o que mais me chamou atenção ainda é que, independente de quando esse programa foi gravado, a bandeira dos E.U.A. estão lá, na parede, como uma imagem de chézus crist para um católico ou uma imagem do "josé smite" (sic. eu sei como se escreve, mas me nego) para os mórmons...

O povo norte-americano (já que americanos também somos), pode ser o povo mais lazarento da história da humanidade, eles são fascinados por guerras, se acham melhores que todos os demais, tem a economia mais pujante do planeta e blá, blá, blá...

Tirando todos esses defeitos, vamos lá: os caras são patriota...

Não me lembro de ter entrado em um consultório de médico, hospital, escola, supermercado, centro de escritórios, nem mesmo em órgãos públicos que tivessem uma bandeira do brasil presa na parede, de forma pujante que demonstrasse nosso orgulho e amor em sermos patriotas e filhos dessa pátria que me pariu.

Não, não temos essa capacidade. Desculpe-me!

Ostentamos um desejo de sermos iguais a outras nações, mais ricas, mais poderosas, mas não fazemos a lição mais básica que é pensar em nós mesmos. Nós somos únicos, talvez o povo mais misturado, onde negros, índios, japoneses, alemães, italianos e gente de todo o planeta convive em quase total harmonia. Só não vivemos em maior harmonia pois, após longos 14 anos de governos de linha não só populista, mas também, hoje vivemos com êxtase os conflitos das "minorias" assim autointituladas. Isso é para outro texto.

Somos um país de 212 milhões de habitantes. Não temos conflitos sociais extremos, não temos a fome como uma desgraça nacional.

Temos vários problemas, mas nada que um pouco de amor próprio não nos proporcionasse uma solução.

Enquanto isso, estamos nos matando entre esquerda-centro-direita.

A esquerda, sempre muito sedutora, é aquela gostosa de vestido vermelho, corpo escultura, que vai nos custar caro no final. O centro, é aquela gostosa mais normal, calça jeans, mas que não para de falar um minuto sequer, e sobre assuntos que talvez pouco nos interessem... E a direita, essa é aquela de sandália de salto alto, linda mas que infelizmente não te convence com o discurso, que parece e é hipócrita...

A esquerda, é aquele homem, que chega com uma conversa que flui no ouvido da mulher como algo nunca antes ouvido na existência, mas que trouxe um vinho tão ruim, que a dor de cabeça do dia seguinte vai durar uns 3 dias ou mais. O centro, é aquele homem sedutor, que chega num carro importado (alugado ou não, tanto faz), mas que durante a conversa, se gaba, se gaba, se gaba... Você até gosta, mas não consegue gostar por muito tempo... A direita é aquele homem, de barba, bronco, parece um lenhador, mas que na hora que chega próximo a você, abra a boca e dela parecem sair larvas do mais escroto esterco.

Enquanto isso, estamos aqui no brasil, pensando que queremos ser uma Alemanha, um E.U.A, uma Inglaterra, mas estamos fazendo tudo para sermos uma Venezuela ou ainda pior. Porque pior? Sim, porque até vencemos a esquerda que nos transformaria numa super potência falida social, mas colocamos o mais idiota dos representantes do pior pinel do país. Ele não sabe falar, ele não sabe agir, ele não sabe se portar, ele consegue saber apenas passar as mãos nas cabecinhas dos seus pequeninos filhos, que nunca fizeram nada de errado.. Ele é pai né...

Ou seja, sistematicamente, provamos para todo o mundo que além de não termos amor próprio, continuamos vivendo num mundo de fantasias e de faz de conta. O ricos, estão vivendo seus momentos, carros importados, vinhos importados, mármore importado, tudo de bom e do melhor, importado. Os mais baixos, usam e tem os importados quando podem. Os médios sonham com os importados, mas compram as marcas nacionais mais tops... Bom, os pobres, estes sim, compram tudo que os demais compram, mas o fazem na parcelinha, na prestação...

Não somos unidos, talvez nunca sejamos.

Veja a diferenção:

United States of America - Estados Unidos da América
República Federativa do Brasil - República Federativa do Brasil

República = bom, nem vou comentar, veja no dicionário e tire suas próprias conclusões...

A pergunta que faço para terminar é: para que insistir nesse erro chamado Brasil?

A propósito, a ultima pergunta será essa: você acredita que num país em que, dos 212 milhões de habitantes estimados, uma parte seja pobre ou miserável? E ainda sejam eleitores? Pense nisso, será mesmo uma democracia quando você obriga gente a passar fome e depois escolher alguém? É provocação mesmo...

#fui

sexta-feira, 12 de junho de 2020

Aquele do "Parabéns a todos os casaisinhos..."

Não há outra coisa que eu possa desejar a todos os casaisinhos espalhados pelo 2º lugar em numeros de casos de covid-19 do planeta. Sim, parabéns a todos os namorados, noivos, esposas e esposos, amantes, apaixonados, ficantes persistentes, enfim, a todos aqueles que em outro coração e persona encontrou algo que o faz respirar mais rápido ou sentir o coração pulsar na boca.

Desejo a todos anos e anos de felicidade e que, o que mais importe para ambos, é que esse sentimento e essa sensação de gostar nunca acabe. Não há sexo que signifique tanto, não há bem que valha tanto, não há presente que substitua, não há condição social que supra. Apenas o olhar fixo no olhar, que antecede o beijo úmido que apaga qualquer sofrimento, brigas ou afins...

Quem o que valha para todos seja a química. O toque dos lábios, as línguas que não param, as mãos que percorrem os seus corpos.

Em épocas de pandemia talvez isso seja proibitivo, mas que o amor possa superar e persistir assim.

Não se permitam desistir desse amor por coisas pequenas, por erros idiotas ou por inseguranças infelizes.

Não se permitam deixar de lado o sentimento que mais nos alimenta, mais que chocolate, mais que qualquer droga...

Não se permitam tornar-se alvos da inveja alheia.

Não se permitam comparações, você e ela, você e ele, seja qual variante for, vocês dois são foda e serão foda enquanto puderem ser. Se se deixarem de ser, que se exploda agora, hoje, vocês são!

Não se permitam de qualquer forma, deixar de investir nesse sentimento, seja ele uma paixão ou amor, por qualquer questão menor que seu sentimento. Aprenda a perdoar ainda mais se você for inseguro. Aprenda a respeitar, ainda mais se você tem medo. Você pode abrir mão de algo que te parece ruim, mas que pode ter fazer falta...

Eu não posso desejar a todos, sem qualquer exceção, todos os casais, que tenham eles 1 dia ou menos de relação ou anos e anos, um FELIZ DIA DOS NAMORADOS.

Pelo menos, sabemos que, hoje, muitos bacuris, guris e gurias, pimpolhos, crias, filhos, proles, enfim, serão encomendados.

Muitos pegarão covid-19 por não obedecerem as regras para evitar.

Outros tantos, também terminaram por motivos idiotas.

A vida é assim, um ciclo, e você é quem está no comando.

Pegue nas mãos ou faça uma video-call para sua amada(o, e, i - seja o que for), e diga o quanto, você se ama e logo depois de dizer o quanto você se ama, diga também o quanto isso faz você amar seu parceiro (a, i, e, seja o que for)

E assim, viva esse dia, viva essa noite.

- Beba pouco
- Use camisinha
- Haja sempre com respeito

#abraçodolg

terça-feira, 2 de junho de 2020

Aquele do "Não sei o que pensar, mas não irei nessa onda não!"

Sim, eu não sei o que pensar. Não sei mais o que esperar e ainda, não tenho a menor ideia do que poder dizer para as gerações futuras que um dia, por ventura, o covid-19 me permita conhecer e interagir. Não tenho clareza de datas precisas mas minha grande lição de vida sobre racismo ou respeito ao semelhante foi quando eu tinha aproximadamente uns 7 ou 8 anos de idade.

E antes que qualquer um critique a merda que falei, quero deixar claro que todos, sem qualquer tipo de exceção, um dia em algum momento da vida, compreendida entre seu nascimento e sua morte, fez alguma merda.

Como comentei, não me lembro do dia, hora, mas sei que eu morava numa casinha de madeira no Capão da Imbuia, a qual meus pais compraram com certo sacrifício e na qual, minha vozinha, dona Nair, fazia questão de estar sempre presente. Claro que isso era maravilhoso, eu gostava tanto dela que dela sinto falta até hoje. Mulher guerreira, mulher trabalhadora e se algum tiver algo contra ela, guarde para si mesmo pois a imagem que eu tenho nunca vai ser abalada por um qualquer.

Sim, estávamos pelo menos eu e ela, não lembro se havia mais gente. Eu vivia uma fase bastante tranquilo para mim, pois não me preocupava com nada a não ser, ser eu mesmo da maneira que eu queria... Um garoto de 7, 8 anos, algo assim. Ia para escola, da escola pra casa, brincava na rua, pulava a valeta de esgoto que tinha na frente. Brincávamos de pique-esconde, jogávamos futebol (eu sempre odiei, mas era com os amigos), guerra de mamona, bicicleta, enfim, a vida sempre transcorria da melhor forma possível

Eis que então, eu resolvo um dia contar uma piada sobre negros. E até então, tudo parecia muito normal, eu convivia com as pessoas e isso era normal. Mas, a grande lição aconteceu pois minha avó ouviu a piada. E mais que prontamente, do jeitinho dela, me deu um esporro daqueles de deixar qualquer idiota com cara de imbecil.

Para quem confunde ou considera apenas o que o dicionário, idiota não é a pessoa desprovida de inteligência, no meu texto eu descrevo quem não tem inteligência, como imbecil. A palavra IDiota que uso aqui é para descrever o ser que, ao viver em sociedade e em um ambiente coletivo, tem a capacidade de observar e apenas se preocupar apenas com seu umbigo ou então, com o seu ser. Assim como identidade se refere a algo sobre o ser ID, idiota refere-se a quem pensa apenas em você... OU seja, eu era um idiota contando piadinhas sobre negros, pois eu não pensava neles, não tinha a menor ideia de como isso poderia atingir alguém.

Eu, com 8 anos, não tinha qualquer tipo de discernimento sobre esse assunto, talvez até devesse ter, mas não tinha. Com 8 anos, eu não tinha muita clareza nem do que era a vida. Com 8 anos eu era um retardadinho em processo de absorção de conteúdo e foi justamente o que minha avó fez.

Depois desse episódio, não apenas eu não me lembro de ter contado uma piada sequer sobre negros, como também, passei a não rir de piadas com esse tema.

A lição foi tão dura para mim que, fico sem graça até hoje só de me lembrar desse acontecimento. Eu tinha pouca idade mas a lição foi sem dúvida alguma, uma forma de me mostrar que o mundo não seria como o mundo me cobrava ser. Ou seja, eu comecei a viver de uma forma em que eu precisava negar os demais para poder aplicar o respeito que, de forma ampla, era o mínimo que eu poderia oferecer de retorno.

Sim, eu não vou entrar nessa onda nova, até porque, eu, meus filhos e todos os que eu posso contagiar com esse respeito excessivo, eu tento contagiar. Todos os que me permitem contar o que me aconteceu eu conto, para que, sem violência, sem atos loucos e sem esse discurso de ódio, possamos juntos quem sabe mudar o mundo. Eu sei que é muita pretensão, mas eu sempre tive em mente que preciso tentar.

Não sou culpado por essa burrice que é o racismo, mas serei sempre culpado se durante minha vida, não fizer nada, mesmo que seja apenas com os meus, para que isso seja mudado.

Como diria Gabriel O Pensador:

"Como eu já disse, racismo, é burrice...

E se você é mais um burro, não me leve a mal
É hora de fazer uma lavagem cerebral
Mas isso é compromisso seu, eu não vou me meter,
Quem vai lavar a sua mente não sou eu
É você"

E fecho esse texto com esse trecho dessa linda musica do Gabriel O Pensador pois, assim como eu, aos 7, 8 anos de idade tive alguém que, de forma contundente me fez lavar a minha mente com relação a isso, quem sabe você lave a sua e leve essa mensagem aos também ou realmente precisam lavar suas mentes.

Por favor... Se externamente não somos todos iguais, somos sim, todos seres humanos...

E isso por si só já basta! Ou não, né!

#triste