quinta-feira, 29 de outubro de 2020

Aquele do "É a primeira vez que me pedem isso..."

 Sim, caros leitores. É a primeira vez que alguém me pede um texto sobre um assunto/pauta específicos. Eu relutei um pouco pois para mim é um tema espinhoso. Mas no final das contas, vai ser um exercício interessante não apenas pelo tema mas pelo desafio em atender um pedido e quiçá, agradar!

No dia 28 de outubro, é comemorado em nosso país, o Dia do Funcionário Público. Durante minha faculdade, não foram poucos os professores que nos alertavam que, numa redação, era importante que alguém lembrasse das comemorações do dia - dia do profissional disso, dia do profissional daquilo, talvez numa ânsia desesperada em tentar achar motivos para que mais pessoas atuassem ou apenas por uma questão de respeito. Hoje, depois de quase duas décadas de formação, posso seguramente afirmar que ao meu ver, é apenas um "calhau" para cobrir espaços em branco nos jornais, sejam eles em quais mídias forem. Uma balela!

Porém, no caso do dia 28, um assunto me veio a menta ao saber desse dia, confesso que nunca antes na minha história eu havia me preocupado com isso. Mas, cronologicamente vou tratar do assunto.

Primeiro, é preciso que eu pergunte se você já ouviu em algum momento de sua vida algum comentário ou alguém falando sobre o "Custo Brasil". Sim, o custo brasil é algo bastante importante, pois, ele vem atrelado a outros custos e no final das contas, a conta é paga por nós. Não são custos diretos, não são custos mensuráveis mas são custos que acabam simplesmente por existir.

Vamos lá:

No dia 26 de outubro, na parte da tarde, saiu um decreto - no qual, o dia 28 foi colocado como ponto facultativo para eles.

Mas, no dia 27 de outubro, por volta das 22 horas, outro decreto mudou tudo, o ponto facultativo foi transferido para o dia 30, sexta-feira. Mas, venhamos, quem iria mudar uma decisão de parar ou não as 22h e como isso seria feito em termos de logística?

Estava feito!

Aqui entra o custo Brasil. Conversando com uma pessoa que depende diretamente do funcionamento de órgãos públicos, apurei que, no dia 28, houveram dificuldades pois, a maior parte dos atendimentos estavam suspensos pois era ponto facultativo. E com o alerta de que na sexta-feira, dia 30 também seria. E na segunda-feira, dia 2, é dia de finados, ou seja, feriado nacional ou seja, nada funcionará!

Então, o que o custo Brasil tem haver com isso tudo?

Ora, vamos contar juntos:

28/10 +1

29/10 + 1 (sim, nesse caso o que teremos de atestados...)

30/10 + 1

2/11 + 1

Sem contar com sábado e domingo, são 4 dias sem atividade na conta. Para se ter uma ideia do que falo aqui, imagine que uma carga chega a um porto qualquer, e que para ela ser liberada, exista a necessidade de um servidor público fazer o trâmite: serão 4 dias a mais que serão cobrados as taxas de armazenagem entre outras tantas. Sim, isso é o custo Brasil, talvez parte absorvida pelo empresário mas com certeza, a maior parte repassada ao cliente, custo o que mesmo?

A questão então, é: os funcionários públicas já tem como benefícios os melhores salários se comparadas com funções semelhantes da iniciativa privada, tem estabilidade de empresa, planos de benefícios inimagináveis para cidadãos comuns, tem leis que proíbem que sejam feitas criticas duras sobre suas atuações e ainda se aposentam melhor que todo os demais mortais. Precisa ainda decretar ponto facultativo, em tempos de Covid?

Aliás, o que seria um ponto facultativo para alguém que está trabalhando em casa e que, se nem o ponto marcam normal, quiçá em casa?

Enfim, tentei escrever ontem mas confesso não estar prudente para isso. Hoje, com maior parcimônia, acredito ter escrito apenas o necessário. E claro, mesmo que eu não me imagine numa função dessas, acho que vou virar um caçador de concursos, vou abrir mão da minha vida e decorar as apostilas, questão por questão, e assim, me tornar um deles...#sqn

#28/10

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Desabafe!