segunda-feira, 23 de agosto de 2021

Aquele do "Vira-latas, sem raça mas o melhor amigo do homem... Será mesmo?

 Fernanda nasceu de uma família de 3 filhos, pai e mãe. Sim, era uma família normal daquelas que com muito custo, com muita força de vontade e determinação conseguiu agregar um patrimônio que pelo menos, a vida de velho vai ser tranquila sem maiores empenhos financeiros. Eles nunca foram de ser dar bem, até porque família só sorrisos normalmente só existem em filmes, novelas da glogo e propagandas de margarina (margarina nem formiga come, tá... faz um mal da porra!)

Mas então é isso, e assim surgiu Fernanda, não vamos entrar no mérito da questão afinal todos imaginam como, mas ela nasceu a filha do meio dessa família. Seu irmão mais velho adorava ela, mas até uns 3 ou 4 anos, depois perde a graça porque criança é sempre um saco. Faz birra, chora, grita, essas coisas que só quem teve irmão sabe do que estamos tratando aqui. Mas, tudo era diferente nesse lar.

Fernanda, em particular, que é o personagem dessa história cresceu com alguns recalques, como tratava Freud, e sua participação familiar apenas amplificou esses recalques os quais, infelizmente, vão acompanhar ela par a vida toda. Por ser a do meio, sempre esteve no meio: no meio das alegrias, no meio das tristeza, no meio, no meio e no meio. Nunca teve para si aquele abraço apertado verdadeiro, quando pensava em ter, era subtamento interrompido pois ou o mais velho ou sua irmã mais nova, chegavam e interrompiam todo os processo. 

Fato é que a família vai importar cada vez menos daqui para frente, o foco será em Fernanda. Esta sim, por conta da criação acabou desenvolvendo em seu ser o famoso e comum Complexo de Vira-latas. Este complexo consiste no ser que nasce e se desenvolve de forma que o portador desse complexo tem uma tendencia de autodepreciação enorme, e que sem uma ajuda externa, acaba vivendo sempre com essa sensação de que qualquer um é melhor. A pessoa com isso sabe que é boa, mas diante dos outros, acaba por se colocar em 2º lugar.

É o que normalmente assistimos nos eventos esportivos, nossos atletas ao invés de ir para competir, eles vão, voltam e se contentam em terem participado. Simples, já valeu por ter ido.

E assim foi com Fernanda, que cresceu sempre achando que as amigas eram mais bonitas, que as roupas, as casas, os namorados das outras eram sempre melhores do que as dela. Isso arruinou as chances iniciais de uma carrera no mercado de trabalho, arruinou seus namoricos, e levou ela a um estado semi-vegetativo, no qual, exageros à parte, deixaram ela numa condição de levantar, sair, trabalhar e voltar, e assim, every fucking day...

Quando Fernanda estava beirando seus 38 anos, algo aconteceu. Ela conheceu um carinha, segundo ela lindo, na minha opinião, não vou opinar... Esse carinha, um tal de Afonso, fez com que ela percebesse de forma rápida o quanto ela era linda, inteligente, capaz, sagaz e tudo mais que até então ela nunca tinha sido. E isso causou uma transformação na vida dela. Ela sumiu do mapa, meio que abandonou tudo e todos que por aí estavam. Junto com Afonso, compraram um furgão e saíram viver o mundo, mas não se tornou youtuber, ela preferiu viver intensamente tudo aquele que ela nunca tinha vivido por se achar menos que os demais.

Agora, Fernanda não é apenas uma mulher, ela se encontrou uma mulher fodona... Ela manda em si, mas tem Afonso como amante, marido, namorado, amigo, confidente, cozinheiro, lavador de roupas e banheiro e assim, eles vivem felizes. Nunca se pode imaginar quando alguém vai chegar e fazer tão bem para uma pessoa como Afonso fez para Fernanda, que até então, era uma viralatinhas, agora, é um mulherão da porra!

A vida é isso, são ciclos, são movimentos, são essas situações "fofas" que nos fazem querer e pensar em viver cada vez mais.


Um comentário:

Desabafe!