sexta-feira, 24 de dezembro de 2021

Vamos de? --> Então é Natal, e o que você fez?

 Bem, eu fiz muita coisa. A começar por lutar em chegar no meu 44º Natal vivo, sem covid-19, sem inflamações em meu corpo e com uma boa saúde. Pelo menos física, mental não posso ser tão assertivo. Mas aqui estou e o que você fez?

Eu tinha pensado em escrever um texto na forma de retrospectiva mas não conseguiria qualquer audiência escrevendo sobre isso até porque é difícil concorrer com a globo, né! Hoje, acordei num ambiente diferente após uma noite não muito boa de sono e ao me deparar com o quadro, resolvi assistir televisão mas também resolvi dar uma olhadinha no meu Instagram - @gaertner_lg e lá descobri algo tão interessante que jamais poderia imaginar ver nos dias de hoje: segundo o post que li, o TST - Tribunal Alguma coisa do Trabalho, determinou que motoristas de aplicativo devem ter vínculos empregatícios, e no mesmo instante pensei: tomara que a Uber saia do Brasil. 

Veja, eu já foi motorista da Uber, eu trabalhava aproximadamente 5 horas por dia e ganhava muito bem por essas 6 horas. Descobri, dirigindo para o Uber o verdadeiro sentido de "trabalhar" de forma justa pois, ao dirigir para esse aplicativo, compreendi o conceito de "trabalhe e ganhe", ou seja, eles me pagam tanto por tal trabalho, se eu quiser eu faço se eu não quiser, tem quem queira. Adorei justamente o fato de não ter obrigação, ou qualquer vínculo que não um depósito toda quarta-feira em minha conta corrente. Simples assim!

Mas não, aqui no Brasil, e falo de onde vivo ok, já temos grandes exemplos de reserva de mercado. Aqui em curitiba uma vez, alguns postos de gasolina vendiam gasolina um pouco mais barata se você usasse o serviço de selfservice, ou seja, você mesmo se servia. Eu adorava até porque no meu carro gosto que poucos encostem. Não, não, não, proibiram. Exigiram que houve frentistas pois afinal de contas, precisamos gerar empregos. Um frentista que ganhe 1000 reais, custam quase outros 1000 para o dono do posto pois junto com ele, somam-se vale refeição, vale transporte, vale isso, vale aquilo, FGTS, INSS e outros tributos. Ou seja, o brasileiro ganha pouco porque custa muito caro. Se fosse um contrato PJ, esse mesmo frentista poderia negociar 1900 e com isso, cuidar da sua vida, se quiser guardar, guarda, se quiser gastar, gasta. Mas não, aqui é assim!

E é mais ou menos o que vão fazer com os motoras de aplicativo. E não sentirei pena deles não, na verdade, já que uso pouco, vou voltar a usar os Taxis, pois os app vão ficar tão caros quanto e se for para bancar essa palhaçada, eu não vou fazer parte, obrigado! Não comigo!

Então, deixa assim!

Vamos falar então de natal?

Não, não, sorry meus leitores, não estou afim de escrever sobre Natal. Não sei porque, mas esse ano o "espírito natalino" não chegou nem perto de me atingir. Quer dizer, algumas poucas ações como meu pai, meus filhos, alguém especial e dois presentes das duas firmas, me aproximaram desse sentimento bom. Mas o climão mesmo, ainda não chegou! Quem sabe, até a meia noite tem chão ainda, não é mesmo?

Enfim, né!!!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Desabafe!